El Niño deve provocar verão mais quente e seco no Brasil
Connect with us

Clima/Tempo

El Niño deve provocar verão mais quente e seco no Brasil

Publicado

em

portal plural calor brasil
RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

NuveraAcademia PersonaFAST AÇAÍtopo humbeto plural

O brasileiro pode começar a se despedir da primavera. A estação mais quente do ano, o verão, terá início nesta sexta-feira, 20, às 00h27, e a previsão é de que as temperaturas sejam acima da média em grande parte do Brasil, com exceção do extremo Sul. De acordo com o meteorologista Caio Coelho, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o fenômeno El Niño será responsável por uma estação mais quente e seca.

“Estamos prevendo que o verão vai ser mais quente que o normal em todo o país. Só no extremo sul as temperaturas podem ficar dentro do normal, mas nas regiões norte e central, as temperaturas devem ficar acima do esperado”, afirmou o meteorologista.

O El Niño também traz consigo a diminuição das chuvas na região Norte e Nordeste, e o aumento da precipitação sobre a região Sul. A meteorologista Marília Nascimento, também do Inpe, explica que as chuvas devem continuar acima do esperado para essa época do ano na região Sul, principalmente nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Já na faixa norte do país, a chuva estará abaixo da média climatológica, principalmente na área mais ao leste, em direção ao Nordeste, e também no semiárido. Nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, a previsão é de chuvas dentro da normalidade para a época. A meteorologista Marília Nascimento explica que o verão começa com chuvas mais abundantes devido à atuação da zona de convergência do Atlântico Sul, e não descarta a possibilidade de pancadas intensas que atinjam a região Centro-Oeste, Sudeste e uma área ao norte da região Sul.

Além das mudanças climáticas, os cientistas alertam para a frequência e intensidade cada vez maiores dos eventos climáticos extremos, como o El Niño. Isso pode ter um impacto significativo na agricultura, no fornecimento de água e na saúde pública. Diante disso, a recomendação é se manter hidratado, beber bastante água e sucos naturais, usar roupas leves e frescas, preferencialmente de algodão, evitar atividades físicas ao ar livre durante o período mais quente do dia e tomar cuidado com as altas temperaturas e correntezas, caso esteja no litoral. Além disso, em áreas propensas a secas, é importante tomar medidas para economizar água.

 

Fonte: Jovem Pan.

Compartilhe

Clima/Tempo

Chuvas do fim de semana causam estragos em pelo menos 19 municípios gaúchos

Publicado

em

portal plural chuvas do fim de semana causam estragos em pelo menos 19 municípios gaúchos
Foto: Casa Civil RS/Divulgação
Academia PersonaFAST AÇAÍNuveratopo humbeto plural

As chuvas que atingiram o Rio Grande do Sul no fim de semana provocaram danos em pelo menos 19 municípios, de acordo com o balanço divulgado na manhã desta segunda-feira (17) pela Defesa Civil Estadual.

Foram relatados alagamentos, deslizamentos de terra e destelhamentos de casas. As cidades afetadas incluem: Arvorezinha, Bento Gonçalves, Boqueirão do Leão, Canela, Capão da Canoa, Caxias do Sul, Coqueiro Baixo, Dom Pedro de Alcântara, Igrejinha, Mampituba, Maquiné, Pareci Novo, Parobé, Roca Sales, São Luiz Gonzaga, Rio Pardo, São Vendelino, Três Coroas e Vale Real.

Em São Luiz Gonzaga, uma microexplosão ocorreu, caracterizada por chuva intensa em curto período, geralmente acompanhada por fortes rajadas de vento. O fenômeno deixou 400 pessoas desalojadas ou desabrigadas.

No distrito de Barra do Ouro, em Maquiné, 2 mil pessoas ficaram ilhadas devido a bloqueios nas rodovias ERS-484 e ERS-239.

Em Dom Pedro de Alcântara, o Santuário da Gruta Nossa Senhora de Lourdes desabou. Felizmente, ninguém ficou ferido.

Fonte: Jornal o Sul

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Clima/Tempo

Inverno se aproxima com previsão de temperaturas acima da média; confira as expectativas para a estação

Publicado

em

portal plural
Foto: Divulgação
topo humbeto pluralNuveraFAST AÇAÍAcademia Persona

O inverno, que terá início na próxima sexta-feira (21), promete trazer um alívio das temperaturas acima da média que têm marcado os últimos dias. De acordo com a Climatempo, a massa de ar seco que tem dominado o Brasil se estenderá até os últimos dias do outono.

O país está enfrentando um fenômeno conhecido como veranico, caracterizado por períodos de mais de quatro dias quentes durante o inverno ou outono. Durante esses períodos, as temperaturas ficam acima da média e o clima se mantém seco, com poucas ocorrências de chuva.

Fábio Luengo, meteorologista da Climatempo, prevê que o calor começará a diminuir na transição para o inverno. “Está previsto que, por volta do dia 23, no primeiro fim de semana da próxima estação, as temperaturas caiam significativamente”, comenta.

Apesar da expectativa de um início de inverno frio, não se espera que os dias de muito frio sejam frequentes durante esta estação. Os meteorologistas destacam que o padrão será mais de equilíbrio entre temperaturas elevadas e episódios de frio ao longo dos próximos meses.

Vinicius Lucyrio, da Climatempo, destaca que o inverno de 2024 deverá apresentar temperaturas acima da média, especialmente no final da estação, entre agosto e a primeira quinzena de setembro, quando novas ondas de calor poderão ocorrer.

Com o término do El Niño e a transição para a fase neutra, há expectativa de que o La Niña se estabeleça no segundo semestre deste ano. Este fenômeno, caracterizado pelo resfriamento das águas do Oceano Pacífico Equatorial, tende a influenciar o clima global.

Para o Brasil, os efeitos típicos do La Niña incluem aumento das chuvas no Norte e Nordeste, tempo seco no Centro-Sul com chuvas irregulares, e tendência de tempo mais seco no Sul. Além disso, propicia a entrada de mais massas de ar frio sobre o centro-sul do continente americano, afetando países como Argentina, Chile, Uruguai, Paraguai e áreas do centro-sul do Brasil.

Vinicius Lucyrio ressalta que, no início do inverno, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e parte do Paraná devem receber maior quantidade de massas de ar frio. No entanto, poucas dessas massas conseguirão avançar para o interior do Brasil, incluindo Sudeste, Centro-Oeste e partes do Norte.

“A partir de julho e agosto, a presença dessas massas de ar frio aumentará gradativamente e se tornará mais perceptível”, conclui o meteorologista.

Fonte: G1

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Clima/Tempo

Inverno começa na sexta-feira; saiba o que esperar da nova estação

Publicado

em

portal plural inverno começa na sexta feira; saiba o que esperar da nova estação
Foto: Freepik
Academia PersonaNuveraFAST AÇAÍtopo humbeto plural

O inverno no Hemisfério Sul inicia na sexta-feira (21). Segundo a Climatempo, a estação será marcada por temperaturas acima da média em todo o Brasil, especialmente entre agosto e a primeira quinzena de setembro, quando novas ondas de calor podem ocorrer.

Embora sejam esperados dias frios, até mais intensos do que no ano passado, os períodos com temperaturas mais altas do que o normal serão predominantes e mais prolongados.

Com o fim do El Niño, fenômeno que aquece as águas do Oceano Pacífico Equatorial, espera-se a instalação do La Niña no segundo semestre deste ano no país.

O La Niña ocorre com o resfriamento da faixa Equatorial Central e Centro-Leste do Oceano Pacífico, estabelecido quando há uma diminuição igual ou maior a 0,5°C nas águas do oceano. Esse fenômeno acontece a cada 3 a 5 anos.

Para o Brasil, os efeitos clássicos do La Niña são: aumento de chuvas no Norte e no Nordeste; tempo seco no Centro-Sul, com chuvas mais irregulares; e tendência de tempo mais seco no Sul.

Além desses efeitos, o La Niña favorece a chegada de mais massas de ar frio ao Centro-Sul do continente americano, impactando países como Argentina, Chile, Uruguai, Paraguai e áreas do Centro-Sul do Brasil.

Dessa forma, o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e parte do Paraná devem receber uma maior quantidade de massas de ar frio no início do inverno. De acordo com a Climatempo, a partir de julho e agosto, a quantidade de massas de ar frio começará a aumentar gradualmente e se tornará mais perceptível.

Fonte: Jornal o Sul

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×