Um quarto dos trabalhadores atua por conta própria no RS – Portal Plural
Connect with us

Economia

Um quarto dos trabalhadores atua por conta própria no RS

Reporter Cidades

Publicado

em

Carolina fez curso técnico em maquiagem e passou a oferecer serviços na área | Félix Zucco / Agencia RBS


O Rio Grande do Sul terminou 2019 com recorde de trabalhadores por conta própria. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua Trimestral, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Estado tinha 1,445 milhão de pessoas nessa situação no quarto trimestre do ano passado.

O volume é o maior desde o início do levantamento, em 2012, e representa 25,2% da população ocupada, que chega a 5,728 milhões. Em relação ao quarto trimestre de 2018, o Estado registrou 51 mil novos trabalhadores por conta própria. Já frente ao quarto trimestre de 2014, antes de o Brasil mergulhar na recessão, havia 206 mil pessoas a mais nessa situação no final de 2019.

O contingente é puxado por quem está na informalidade — pessoas sem Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) e que vivem geralmente de bicos. Ao todo, 970 mil se encaixavam nesse perfil no final de 2019. Há um segundo grupo, formado por quem tem CNPJ e composto principalmente por prestadores de serviços, que chegou a 475 mil indivíduos.

— O crescimento tem relação com a fragilidade da recuperação da atividade econômica após a crise. Há aumento da informalidade da economia, por um lado, e falta de oferta de trabalhos, de outro. Ser conta própria, em muitos casos, não é escolha, mas sim necessidade para sobreviver — destaca Walter Rodrigues, coordenador da Pnad Contínua no Estado.

Estudante de Medicina Veterinária, a porto-alegrense Carolina Ulrich de Lima considera que o mercado, no momento, tem poucas oportunidades e, por isso, decidiu trabalhar por conta própria. Ela aproveitou os conhecimentos que adquiriu em um curso técnico em maquiagem para oferecer serviços na área. Hoje, atende a domicílio para ocasiões como casamentos, festas e outros eventos.

— No início, estava um pouco insegura em dar a cara a tapa. Aos poucos, vais ganhando confiança e melhorando a técnica, mas não sei se é algo com que vou trabalhar para sempre — diz a maquiadora.

Nos últimos anos, o surgimento de novos tipos de trabalho, como motorista de aplicativo, e a flexibilização da lei laboral no Brasil, que passou a permitir a terceirização de qualquer atividade, também influenciam a expansão do número de trabalhadores por conta própria. Essa é a percepção do economista-chefe da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Porto Alegre, Oscar Frank.

– As relações de trabalho vão mudando conforme o tempo passa. A tecnologia e o surgimento de novos processos se refletem nas alterações que observamos na própria economia – aponta Frank.

Em 2019, o rendimento médio de um trabalhador por conta própria no Rio Grande do Sul foi de R$ 2.158 por mês, 16,8% abaixo dos R$ 2.595 relativos à média de todos os salários habitualmente recebidos a cada 30 dias no Estado. Entre os autônomos com CNPJ, a remuneração sobe para R$ 2.814, enquanto entre os informais cai para R$ 1.837. No mesmo período, um trabalhador do setor privado com carteira assinada recebeu, em geral, R$ 2.202.

Economista e professor da Escola de Negócios da PUCRS, Ely José Mattos vê o avanço do trabalho por conta própria como um sintoma de precarização do mercado brasileiro:

– Com a crise, o desemprego foi aumentando e as pessoas precisaram recorrer a alternativas. Quem perde o emprego costuma tentar nova colocação. Como a economia não se recupera, a opção que sobra é trabalhar por conta própria.

Ainda que alguns autônomos consigam salário mensal superior ao que poderiam obter em um emprego fixo com carteira assinada, Mattos lembra que os trabalhadores por conta própria não têm acesso a uma série de mecanismos de proteção social. Eles não usufruem, por exemplo, de diretos que geram renda além do vencimento básico, como FGTS, férias remuneradas e abonos.
Cenário nacional

A expansão no número de trabalhadores por conta própria no Rio Grande do Sul acompanha tendência nacional. No quarto trimestre de 2019, o Brasil também atingiu o maior número de pessoas nessa situação desde o início da Pnad Contínua. Havia 24,557 milhões de indivíduos, dos quais 19,456 milhões na informalidade e 5,101 milhões com CNPJ.

Na comparação com o mesmo período de 2018, houve acréscimo de 782 mil pessoas neste grupo. Em relação ao quarto trimestre de 2014, antes da crise, o incremento é de 2,920 milhões.

Para o economista e professor do Insper Fernando Leite Neto, somente a retomada consistente da economia poderá fazer com que o número de trabalhadores por conta própria recue.

— Com a reação da economia, a estrutura do mercado muda. À medida que aparecerem oportunidades de emprego, a tendência é que o cara que hoje está trabalhando com transporte por aplicativos migre para uma vaga formal — exemplifica.

Com a retomada lenta da atividade econômica, a tendência é de que a quantidade de autônomos siga crescendo, projeta Leite Neto. Nesse sentido, o economista reforça que a expectativa inicial de crescimento da economia brasileira em 2020 está sendo revisada para baixo nas últimas semanas. O relatório Focus, elaborado pelo Banco Central com base nas estimativas de consultorias e bancos, indicava no início de janeiro que o Produto Interno Bruto (PIB) subiria 2,3%. Agora, a expansão prevista é de 2,2% neste ano.

Além disso, o impacto das revisões semanais elaboradas pelo estudo poderá ser mais significativo, dependendo do efeito projetado pela ação do coronavírus sobre a atividade econômica do país e do Estado.

Gaúcha/ZH

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil

Reporter Global

Publicado

em

Marcello Casal Jr/ Agencia Brasil

 

 

Desempenho das commodities explica o valor exportado em 2020

 

O Boletim de Comércio Exterior (Icomex) divulgado, hoje (15), pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FVG/Ibre) aponta que o único resultado positivo em 2020 no setor foi o superávit comercial. A análise foi feita diante do cenário de superávit da balança comercial de US$ 50,9 bilhões, dos investimentos estrangeiros no país de janeiro a novembro de US$ 33 bilhões e da previsão de recuo no Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país) de 4,7%. Mesmo positivo, o superávit comercial contribuiu para a queda do déficit em conta corrente em um momento de retração da entrada de capital no país.

De acordo com o Icomex, a China contribuiu com US$ 33,6 bilhões no superávit, enquanto entre os principais parceiros a contribuição dos Estados Unidos foi negativa. O saldo com a União Europeia foi positivo em US$ 1,5 bilhão, no entanto, o valor é abaixo dos países da América do Sul, inclusive Argentina, de US$ 6 bilhões, e do restante da Ásia.

Na edição de dezembro, o boletim do Icomex estimava um superávit de US$ 55 bilhões. A diferença entre a previsão e o fechamento, segundo o Ibre, foi provocada por uma importação de US$ 4,8 bilhões de plataformas de petróleo, que provocou um déficit na balança comercial de dezembro de US$ 41,6 milhões. “Sem as plataformas, o superávit em dezembro seria de US$ 4,7 bilhões e a nossa estimativa para o ano estaria correta”, diz o boletim.

A análise destaca também que mesmo excluindo as plataformas, as importações aumentaram na comparação interanual, o que também ocorreu no mês de novembro. “Esse resultado sinaliza um movimento de compras positivo e, logo, de alguma melhora no nível de atividade”.

 

 

Commodities

O desempenho das commodities, na avaliação do Ibre, explica os 66% do valor exportado em 2020, o que representa o maior percentual da série histórica iniciada em 1998, quando foi de 40%. O valor das exportações de commodities cresceram 0,5% de 2019 para 2020 e das não commodities recuaram 18,5%. Em volume, as commodities cresceram 7,4% e as não commodities recuaram 13,5%.

Com o aumento de volume de 7,4%, o setor agropecuário foi líder nas exportações brasileiras em 2020, explicada pelo aumento do volume das exportações para a China (17%). A participação do país saiu de 28,1% para 32,3% de 2019 para 2020. Os demais países da Ásia também registraram contribuição positiva de 11,1%, e explicam 14,9% das exportações brasileiras.

Ainda na comparação anual, todos os outros principais parceiros recuaram nas exportações. No mês de dezembro repetiu-se o comportamento do mês de novembro, quando foi registrado aumento das vendas para a Argentina, demais países da América do Sul e outros países da Ásia.

De 2019 para 2020, o volume importado teve queda em todos os setores e a indústria extrativa registrou a maior queda, de 16,1%. Em dezembro, a indústria de transformação foi destaque com variação positiva de 12,7% nas vendas externas e aumento de 66,8% nas compras. “Aqui, no entanto, é preciso descontar o efeito das plataformas [de petróleo]. Sem as compras de plataformas, a variação foi de 21,2%”, diz o boletim.

A queda nas importações puxada pela recessão do nível de atividade influenciou o superávit da balança comercial, como também o aumento nas exportações de commodities direcionadas para a China, que reduziu a queda nas vendas externas em um ano de forte retração na demanda mundial, diz ainda o Icomex.

 

 

Previsões para 2021

O boletim indica que as incertezas relacionadas à pandemia ainda não desapareceram dos cenários mundial e do Brasil, mas alguns pontos sugerem condições positivas para as exportações brasileiras. O primeiro está ligado à alta nos preços das commodities, que já começou a ser observado no segundo semestre de 2020 e se refletiu na melhora dos termos de troca, a partir de julho de 2020.

“Os investimentos chineses demandaram compras de minério de ferro e cobre. Ademais, os preços de alguns alimentos como soja, carne, e de trigo, cresceram com retrações de oferta devido a secas e os efeitos que ainda perduraram da crise suína na China”.

Ainda conforme a análise, há um certo grau de sincronização de pacotes fiscais expansionistas na Europa, Estados Unidos e China, que sustentam o aumento da demanda. Para o Ibre, a posse de Joe Biden na Presidência dos Estados Unidos poderá intensificar as políticas expansionistas e, assim, provocar o enfraquecimento do dólar, que costuma ser acompanhado do aumento dos preços de commodities.

“O aumento de preços das commodities é uma boa notícia para o Brasil. A melhora nos termos de troca associada aos preços de commodities ajuda as exportações brasileiras de manufaturas com os parceiros sul-americanos exportadores de commodities. No entanto, para que o Brasil continue sendo um dos líderes nas vendas de commodities, especialmente agrícolas, o governo deve priorizar sua política ambiental e climática”, recomenda o Ibre.

 

 

FONTE: Agencia Brasil

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Economia

Como será o mercado financeiro pós-Coronavírus?

Pável Bauken

Publicado

em



O Coronavírus tem assustado a população com esses aumentos de casos diários no mundo e o mercado financeiro tem sido muito impactado com essa pandemia. A economia mundial tem sofrido bastante com todas as paralisações que têm ocorrido na tentativa de cessar o vírus. A UNCTAD (Conferência da ONU para o Comercio e Desenvolvimento) divulgou nos últimos dias que o mundo levará um prejuízo de até US$2 trilhões. Muitos países já estão diminuindo suas expectativas de crescimento por conta disso.

Karolinne Chagas, Mestre em Administração de Empresa, atua como consultora no mercado financeiro há quase 10 anos tem acompanhado de perto os principais índices de ações do mundo e desde dezembro de 2019, analisa as quedas acentuadas como da Nasdaq -23,05%, S&P 500 -26,14%, Dow Jones -29,27% e NYSE -31,23%. Enquanto no Brasil a Ibovespa já sofreu uma queda de 42%. A partir dessas quedas acentuadas as pessoas começam a fazer mais questionamentos em relação à economia e seus investimentos.

Neste momento, em que o Brasil e o mundo está em quarentena, a Consultora diz receber as mesmas perguntas dos investidores: Quanto tempo vai durar? Devo resgatar minhas ações? Onde aplico? Vamos ter uma recessão? “Hoje, é muito difícil mensurar o tempo que vai durar essa pandemia, ainda existem muitos fatores desconhecidos, então temos que ter calma nesse momento delicado.” afirma.

Chagas ainda orienta: “Sobre resgatar as ações, não é o melhor momento para vende-las, pois uma vez que vendemos nossos papéis em queda, não temos como recuperar o prejuízo, é necessário tentar manter a calma”. E completa “sobre onde aplicar nesse momento, depende muito de cada um, os objetivos, perfil, momento de vida, então é necessário entender todas essas questões e assim identificar o melhor investimento, porem na minha opinião é bem interessante investir na bolsa pensando no longo prazo.”

Já antecipando o olhar do leitor com perfil conservador Karolinne explica que é nesse momento pelo fato dos papéis estarem bem mais baratos. “É uma oportunidade única que teremos de comprar papéis de grandes empresas com um ótimo preço.” A especialista prevê o retorno da recuperação e integra: “Essa não é a primeira e nem a última crise que teremos. O mercado é cíclico.”

Sobre a recessão, a Mestre em Administração diz ainda ser um cenário provável segundo muitos economistas, porém ainda é cedo para prevermos essa possibilidade “Hoje estamos vivendo uma crise, isso é um fato. Porém, como já foi dito, não temos como mensurá-la. Pode sim que venha ser uma crise mais difícil que a crise de 2008 a diferença é que nessa não tratamos só da questão financeira, mas sobre vidas de pessoas do mundo inteiro” finaliza.

Estadão

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Economia

Governo do RS anuncia plano de nomeações e concursos com mais de 3 mil vagas.

Reporter Regional

Publicado

em



O governo do RS anunciou nesta quinta-feira (14) que implementará um planejamento para repor servidores, com a previsão de chamamento de 259 novos funcionários públicos e a abertura de mais de 3 mil vagas para concursos públicos. As datas não foram divulgadas pelo Piratini.

Os cargos irão repor servidores exonerados ou afastados. “Vamos fazer novos concursos públicos e nomeações para repor quadros em serviços essenciais ao cidadão e em estruturas de apoio que garantam, no futuro planejamento, arrecadação, controle de gastos, gestão de despesas e apoio jurídico”, afirmou o governador, Eduardo Leite.

Além do planejamento, o governo dá sequência ao cronograma de nomeações até 2022 na área de Segurança Pública, anunciado no ano passado.

Segundo o governo, o impacto anual será de R$ 62 milhões no caso das nomeações, e R$ 250 milhões, quando todos os aprovados nos concursos estiverem atuando.

Devem ser 3.429 vagas, cujas efetivas chamadas serão objeto de novas autorizações.

Vagas que serão abertas:

  • Secretaria de Saúde: 948 vagas
  • Secretaria da Educação: 1,5 mil vagas
  • Procuradoria-Geral do Estado (PGE): 19 vagas
  • Fundação Orquestra Sinfônica de Porto Alegre: 16 vagas
  • Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul (IPE PREV): 72 vagas
  • Instituição de Assistência dos Servidores Públicos do Rio Grande do Sul (Ipe Saúde): 98 vagas
  • Centrais de Abastecimento do Rio Grande do Sul (Ceasa): 10 vagas
  • Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão: 676 vagas

Profissionais que serão nomeados:

  • Secretaria da Fazenda: 220 vagas
  • Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão: 39 cargos

 

Fonte: G1

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

ENQUETE

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


error: Conteúdo protegido, para ter acesso seja nosso parceiro entre em contato no whats (55) 984161736
×