Um beijo após cinco tiros: por que uma vítima de agressão perdoou o homem que tentou matá-la – Portal Plural
Connect with us

Destaque

Um beijo após cinco tiros: por que uma vítima de agressão perdoou o homem que tentou matá-la

Ciclo da violência e cultura que ensina mulheres a sonharem com casamento e homens a serem agressivos colaboram para relações abusivas

Publicado

em

Mulher pediu para beijar o namorado durante julgamento por tentativa de feminicídio | Divulgação / Álvaro Pegoraro


Sem contexto, a fotografia parece retratar o final feliz de um filme clichê norte-americano, no qual um casal se beija apaixonadamente. Mas a guarda sentada ao fundo, com uniforme da Polícia Penal, denuncia a realidade: no Tribunal do Júri de Venâncio Aires, uma mulher beija o homem que acaba de ser condenado a cinco anos de prisão por tentativa de feminicídio, após disparar sete tiros contra a então namorada e acertar cinco. A imagem, publicada na segunda-feira (29) em GaúchaZH, subverte as expectativas.

Apesar de soar absurda, a história do casal é comum em tribunais e delegacias, afirmam especialistas consultados por GZH. Desta vez, o casal discutiu em uma praça, na presença de amigos. Após sair do local e buscar um revólver, o namorado voltou e disparou sete vezes contra a companheira, que foi para o hospital. Enquanto ele estava preso, a mulher solicitou medida protetiva – depois, voltou atrás e pediu autorização para visitá-lo na prisão, porém a Justiça negou.

A volta da vítima a seu algoz não ocorre por mera ignorância ou gosto por apanhar: é fruto de um histórico de agressões do dia a dia em que o homem culpa a companheira por “perder a paciência” e a mulher naturaliza a violência. Ambos ficam presos em um looping do qual é difícil sair. Na psicologia, isso recebe o nome de “ciclo da violência” e é dividido em três fases: aumento da tensão (quando o homem apresenta comportamento instável), explosão (agressão de fato) e lua de mel (quando ele se arrepende e passa a se comportar bem por um tempo). Após o período estável, o ciclo volta à primeira etapa.

— Não há violência física sem antes ter havido violência psicológica. Quanto mais grave a violência física, mais antiga é a violência psicológica instalada. Isso prepara um terreno e despedaça a vítima, transforma ela em um nada a ponto de fazê-la acreditar que não vale nada sem o homem e que é preciso fazer tudo para tê-lo a seu lado — explica a promotora Ivana Battaglin, acostumada a lidar com esse tipo de caso na Promotoria de Justiça Especializada de Combate à Violência Doméstica de Porto Alegre.

A mulher tem dificuldades em libertar-se também porque nossa cultura ensina que é preciso sempre manter a família unida ou que mulheres têm mais valor se forem casadas, destaca a psicóloga Júlia Zamora, doutoranda na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e integrante do grupo de pesquisa Violência, Vulnerabilidade e Intervenções Clínicas.

— Em atendimentos de mulheres que sofreram violência, é comum elas relatarem ter ouvido que não seriam ninguém se fossem divorciadas, ou que os filhos serão prejudicados. E estamos em 2020. Quando o parceiro muda para melhor, é uma mudança temporária e, quando o ciclo da violência recomeça, é mais violento. Temos que considerar que a pessoa que foi violenta é importante para a mulher. Pode ter raiva e ódio, mas também amor, o que dificulta ver a situação de dentro — pontua.

Para o psicanalista e escritor Mario Corso, a fotografia ilustra a crença exagerada na força do amor, visto como potente o bastante para vencer qualquer barreira.

— Muitas mulheres não saem de relacionamentos abusivos e agressivos porque acreditam que o amor resolve todos os problemas, inclusive a loucura. Mas não: às vezes, as diferenças são intransponíveis. Que ferida narcísica ele levou a ponto de se sentir autorizado a tirar a vida de outra pessoa? Ele acertou cinco tiros, não é assassino por um detalhe. E ela acha que vai curar essa pessoa. Isso é esperar demais do amor — reflete Corso.

O psicanalista destaca, também, a indignação que a imagem causa: ao ver a mulher agredida trocando afeto com o agressor, nós, espectadores, nos sentimos usados.

— As pessoas se sentem palhaças ao ver Chapeuzinho Vermelho dando um beijo no lobo mau. A Justiça gastou dinheiro, a polícia gastou dinheiro, o hospital gastou dinheiro, a família e os amigos se dedicaram… Todo mundo investe em cuidar dela e ela não se cuida. Essa é a nossa revolta. Ela vai cuidar do agressor, que bagunçou a vida dela e de todo mundo.

Ele, o agressor, também diz muito de nossa cultura: em uma sociedade na qual homens aprendem que não podem ser sensíveis, a indignação não consegue ser comunicada em palavras e se dá, portanto, pela violência, reflete Maria Ângela Bulhões, psicóloga do ambulatório Melanie Klein, do Hospital Psiquiátrico de São Pedro, e membro da Associação Psicanalítica de Porto Alegre (Appoa).

— Viver em civilização é controlar impulsos, e é a palavra que civiliza. Mas nossa cultura gaúcha considera a palavra como algo feminino. O homem não está acostumado a falar de sentimentos e não sabe se defender com palavras. Ele fica possuído pela raiva e ela fica culpada porque entende que o possuiu. A Eva que é responsável pelo pecado e leva Adão ao inferno — destaca.

O que fazer ao presenciar uma mulher sendo agredida?

  1. Ligue para o 180
  2. Se você ouve gritos de socorro, chame a polícia, mesmo que não seja a primeira agressão. A mulher tem mais chances de libertar-se quando há uma rede de amparo.

O que fazer se você souber que uma mulher tem sido vítima de agressão?

  1. Não julgue
  2. A vítima nunca sofre abuso e agressão de um desconhecido, mas de uma pessoa que ela ama muito. Mulheres não apanham porque gostam, e sim porque não veem força para viver fora da relação.
  3. Incentive a fazer denúncia: é o primeiro passo para a vítima receber aconselhamento técnico. Assim, a situação fica às claras e a agressão ganha nome.

Gaúcha/ZH

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

Ninguém acerta na Mega e prêmio vai a R$ 16 milhões

Publicado

em



A Caixa sorteou neste sábado (15) o concurso 2.444 da Mega-Sena, com prêmio principal de R$ 3.328.775,88.

Veja as dezenas sorteadas: 15-17-20-35-37-43

Ninguém acertou as seis dezenas. O prêmio acumulou e a estimativa para o próximo concurso é de R$ 16 milhões.

  • 58 apostas fizeram cinco acertos e vão receber R$ 30.313,67.
  • 3.161 apostas fizeram quatro acertos e vão receber R$ 794,59.
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

Domingo de muito calor; máxima de 39°C em Santa Rosa

Publicado

em



O domingo, 15, será mais uma vez de muito calor em Santa Rosa, mesmo com a previsão de algumas pancadas de chuva. Dia de Sol com muitas nuvens. Pancadas de chuva à tarde e à noite.

Mínima de 26°C e máxima de 39°C.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

Luciano Hang recupera acesso à conta do Twitter após suspensão

Publicado

em



O empresário bolsonarista Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, recuperou o acesso à sua conta no Twitter após ter sido suspenso na última quarta-feira (12). A rede social havia afirmado que a ação foi tomada por conta de uma ordem judical.

Os tuítes de Hang ficaram inacessíveis e um aviso indicou que a conta foi suspensa depois de violar as regras da plataforma. A rede social não disse quais regras foram violadas. Neste sábado (15), Hang voltou a publicar no perfil: “Estou de volta no Twitter“.

Procurado pelo g1, o Twitter afirmou que “pessoas que tiveram suas contas suspensas podem pedir uma revisão em relação a ações tomadas sobre seus perfis”.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PLURAL AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×