Tribunal de Justiça do RS condenou um prefeito por mês em 25 anos. – Portal Plural
Connect with us

Política

Tribunal de Justiça do RS condenou um prefeito por mês em 25 anos.

Publicado

em



Conforme as descobertas do trio, foram 315 condenações, 85% delas por corrupção.

 

Pioneira no país no julgamento de prefeitos e citada como modelo de combate à corrupção, a 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça (TJ) do Estado ingressa em seu trigésimo ano de atividade fazendo jus à fama. Em média, o colegiado condena um prefeito por mês.

 

A atuação de um dos mais temidos órgãos do judiciário gaúcho foi tema de estudos de três cientistas políticos. Em teses de mestrado e doutorado, os pesquisadores Bruno Alex Londero, Juliane Sant’Ana Bento e Luciano Da Ros dissecaram 1.716 ações penais julgadas pela 4ª Câmara desde sua criação, em 1992, até 31 de dezembro de 2016.

No final do ano passado, eles publicaram um artigo na Revista de Ciências Sociais da PUCRS, compilando os dados das três pesquisas. O resultado é um retrato fidedigno de como a cultura do foro privilegiado encontrou no aparato judicial do Estado um ambiente ágil e eficaz para julgar os crimes supostamente cometidos pelos gestores municipais.

 

– O estudo mostra que a 4ª Câmara é um ponto fora da curva no Brasil não porque condena, mas porque julga. Levantamentos semelhantes, sobretudo feitos no Supremo, mostram que o STF não julga. Os ministros sentam-se nos processos e esperam. Assim é na maior parte dos tribunais – comenta Da Ros.

Qualidade

Conforme as descobertas do trio, foram 315 condenações em 25 anos, 85% delas por corrupção. Todos os  gestores foram sentenciados a penas que preveem privação de liberdade, mas muitos escaparam da cadeia em troca de prestação de serviço comunitário ou multa, entre outras medidas. Em sua maioria, pertenciam a PP, MDB e PDT, siglas que tradicionalmente governam o maior número de municípios no Estado.

“Além disso, os três partidos com maior número de processos e condenações possuem ideologias das mais diversas, quais sejam: direita (PP), centro (MDB) e esquerda (PDT), reforçando assim a ausência de elementos que indiquem um viés partidário ou ideológico do TJ e da 4ª Câmara”, explica Londero em sua dissertação de mestrado.

 

— Não importa muito a ideologia ou o partido, mas a qualidade da prova — resume Da Ros.

 

Composta por quatro desembargadores (embora somente três participem de cada julgamento), a 4ª Câmara foi criada a partir da inconformidade dos magistrados com a iminente impunidade que se avizinhava no início dos anos 1990. Como a Constituição de 1988 recém concedera aos prefeitos o foro privilegiado, os processos deveriam ser julgados pelo órgão especial do TJ, formado pelos 25 membros mais antigos da Corte. Conforme Da Ros, durante o intervalo de um julgamentos os desembargadores reclamaram da fragilidade das provas, da escassez de tempo para analisar os casos e do acúmulo de denúncias que prescreviam, causando “a desmoralização da autoridade do tribunal”.

 

— Por isso foi criada a câmara exclusiva: para evitar impunidade. Essa foi a nossa reação e deu muito certo – comenta o atual presidente da 4ª Câmara, desembargador Aristides Pedroso Albuquerque Neto.

 

Para facilitar a aprovação pela Assembleia Legislativa de mais uma estrutura estatal, o TJ alegou aumento de 30% do volume dos processos, omitindo, segundo os pesquisadores, que o novo órgão iria julgar exclusivamente prefeitos. A novidade no TJ deu origem a atitude semelhante do Ministério Público (MP).

 

Também criada em 1992, a Procuradoria de Prefeitos é composta hoje por 30 servidores, entre eles uma procuradora, cinco promotores e um auditor cedido pelo Tribunal de Contas (TCE), além de assessores jurídicos e especialistas em softwares de extração de dados. Juntos, eles lidam atualmente com 752 procedimentos, sendo 115 processos tramitando na 4ª Câmara e 637 investigações em andamento.

 

— Toda vez que a Procuradoria deflagra uma operação, com agentes nas ruas e afastamento de prefeitos, surgem muitas denúncias novas. As pessoas se sentem encorajadas a denunciar quando veem que algo está sendo feito.

 

O processo criminal também tem essa finalidade, de desestimular a conduta criminosa – afirma a chefe da Procuradoria, Ana Rita Schinestsck, há seis anos à frente da equipe.

Conjunção de esforços entre órgãos

Segundo o estudo do trio de pesquisadores, a 4ª Câmara Criminal do TJ, o TCE e a Procuradoria compõem o “triângulo de ferro”, um conjunto institucional capaz de aperfeiçoar o andamento dos processos e, ao cabo, o próprio funcionamento da Justiça. Não por acaso, em torno de 80% das denúncias apresentadas pelo Ministério Público são fundamentadas em relatórios do TCE que, segundo documento do próprio TJ, é a “polícia judiciária da administração municipal”.

 

– O estudo mostra que quanto maior o número de relatórios e de volumes tiver o processo, maior a chance de condenação. Muitos políticos acham que as ações do TCE não geram consequência em função da origem política dos seus integrantes. Estão enganados – diz o pesquisador Luciano Da Ros.

 

Comportamento

A despeito do resultado efetivo dessa conjunção de esforços, em alguns municípios o comportamento delituoso dos políticos parece reiterado. Em Triunfo, na Região Carbonífera, os prefeitos já responderam a 54 processos no total. Desde 1988 nenhum gestor termina o mandato sem ter contra si ao menos uma denúncia formalizada na 4ª Câmara. A única exceção foi Marcelo Essvein (PDT), eleito em 2012 mas que acabou cassado por abuso de poder econômico. Somente o ex-prefeito Bento Gonçalves dos Santos (PP) foi réu 29 vezes.

Para o desembargador Aristides Pedroso, é urgente reforma de legislação que aprimore os mecanismos de controle e estabeleça penas mais pesadas a quem praticar crimes na administração pública.

 

– Claro que é preciso rigor na garantia dos direitos, no respeito aos prazos, mas também rigor a favor do Estado, da sociedade. A pena precisa ter esse aspecto pedagógico, intimidatório – pontua.

Fonte: GZH

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

PSL aposta em Datena e no social para vencer Bolsonaro em 2022

Publicado

em



 

Presidente do partido, Luciano Bivar, diz à CNN que jornalista ‘é um player muito forte para chegar ao segundo turno’

O presidente do PSL, Luciano Bivar, declarou à CNN nesta sexta-feira (9) que, no que depender dele, o apresentador José Luiz Datena é o candidato da legenda à presidência da República em 2022.

“Datena hoje está mais confiante em parar sua vida jornalística e entrar em uma vida política. É um player muito forte para chegar ao segundo turno”, disse Bivar. Segundo o dirigente, a carreira e os contratos milionários na TV pesaram para que Datena não disputasse as últimas eleições.

Bivar contou à coluna que o mote da campanha será o social, bem distante das bandeiras do lavajatismo e da anticorrupção que fizeram o PSL ganhar a presidência da República em 2018 com Jair Bolsonaro, quando o presidente ainda pertencia à sigla. De acordo com Bivar, em breve será anunciado um marqueteiro para a campanha.

“Eu acho que o Datena é o novo alento. A democracia é lenta, mas é depurativa. A lentidão, às vezes, custa uma geração, mas só se solidifica uma democracia tentando e respeitando opiniões”, disse. Para o ex-aliado de Bolsonaro, outros temas que deverão fazer parte da pretensa campanha são a simplificação tributária e o fim das emendas extras de orçamento.

O ingresso de Datena no partido foi formalizado nesta semana. As conversas com a cúpula do PSL têm sido constantes. Na quarta-feira, Bivar afirmou a Datena que passaria a anunciá-lo como pré-candidato ao Palácio do Planalto de maneira mais aberta, tentando acabar com palpites de que o apresentador estaria mais viável a uma candidatura ao Senado. A legenda conta agora com a inclusão do nome do jornalista nas pesquisas de intenção de voto para presidência da República e, assim, aferir o apelo popular.

Na busca por um palanque forte e da condição de “terceira via”, o PSL tem se aproximado do MDB, vislumbrando uma aliança. A CNN procurou Datena para comentar os planos anunciados por Bivar, mas não conseguiu falar com o apresentador.

 

FONTE: CNN

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Política

Brasil assume a presidência do Mercosul

Publicado

em



 

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (08), ao assumir a presidência temporária do Mercosul, que o Brasil atuará pela abertura e integração do bloco “nas cadeias regionais e internacionais”, de forma a manter os “valores originais”. 

 

A 58ª Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul e Estados Associados, realizada virtualmente, marcou o encerramento da presidência de turno da Argentina e o início do comando do Brasil.

“A persistência de impasses e o uso da regra do consenso como instrumento de veto e o apego a visões arcaicas de viés defensivo terão o único efeito de consolidar sentimento de ceticismo e dúvida quanto ao verdadeiro potencial dinamizador do Mercosul”, declarou Bolsonaro.

Segundo ele, o Brasil não vai parar nos esforços para modernizar a sua economia e a sociedade. “Queremos que nossos sócios de integração sejam nossos companheiros nessa caminhada para a prosperidade comum. É por isso que, em nossa presidência de turno, continuaremos a trabalhar pelos valores originais do bloco, associados à abertura e à busca da maior e melhor integração de nossas economias nas cadeias regionais e internacionais de valor”, declarou.

Bolsonaro ressaltou o compromisso do Mercosul “com a liberdade, a democracia e a abertura para o mundo”. “Na ampla agenda do Mercosul, trabalharemos para gerar resultados que possam ser entendidos, valorizados e, acima de tudo, sentidos e percebidos por nossas populações e empresários. Queremos um Mercosul de resultados que seja instrumento para a modernidade”, afirmou.

O presidente disse que o bloco não pode continuar sendo visto como sinônimo de ineficiência, desperdício de oportunidades e restrições comerciais. “O semestre que se encerrou deixou de corresponder às expectativas e necessidades de modernização do Mercosul. Devíamos ter apresentado resultados concretos nos dois temas que mais mobilizam nossos esforços recentes: a revisão da tarifa externa comum e a adoção de flexibilidades para as negociações de acordos comerciais com parceiros externos. O Brasil tem pressa”, afirmou.

 

FONTE: O SUL 

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Política

Solicitações de Melhorias no trânsito no Bairro Timbaúva

Publicado

em



O Vereador Tenente Amarildo do Partido Republicanos apresentou nesta segunda-feira (05) um pedido ao executivo municipal para que possa ser realizado um estudo de adequação para melhor andamento do trânsito da Rua Francisco Tim esquina com Rua Pirapó e com Rua Erechim, na entrada do Bairro Timbaúva.

Existe um alto índice de acidentes que ocorrem no entroncamento das ruas, também foi constatado um uso excessivo de velocidade empregado pelos motoristas, é uma via de alto grau de trafegabilidade principalmente nos horários de pico e existe uma dificuldade de fazer conversões para a esquerda pela falta de sinalizações ou demarcações adequadas aos motoristas.

Os moradores solicitam constantemente a implantação de redutores de velocidade na Rua Francisco Timm próximo ao número 1456 e colocar tachões na pista para melhor demarcar as vias, também para que os motoristas possam diminuir a velocidade.

A matéria foi aprovada por unanimidade e encaminhada ao executivo. “Existe uma grande necessidade demanda por melhorar o trânsito em determinadas regiões da cidade, e esta região na Timbaúva merece a nossa atenção.” Comentou o vereador Tenente Amarildo

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Powered by WhatsApp Chat

×