Traficantes de Canoas montaram empresa de fachada para usuários comprarem drogas com auxílio emergencial – Portal Plural
Connect with us

Traficantes de Canoas montaram empresa de fachada para usuários comprarem drogas com auxílio emergencial

 

Ao menos quatro casos foram confirmados pela polícia. Seis mandados de busca e três de prisão estão sendo cumpridos nesta terça-feira

Os traficantes de drogas, que passaram a intensificar o sistema de telentregas durante a pandemia do coronavírus, também se utilizaram de outros meios para garantir lucro. Desta vez, a Polícia Civil descobriu que um grupo de Canoas estava estimulando usuários a utilizarem o auxílio emergencial para a aquisição de entorpecentes.

 

Para isso, parte do benefício dos compradores — criado justamente no período de distanciamento social para ajudar a população mais pobre e os trabalhadores informais — era usado por meio de pagamento de boleto virtual de uma empresa de fachada montada pelos investigados.

A investigação da 3ª Delegacia de Polícia de Canoas identificou três líderes da quadrilha e solicitou a prisão deles à Justiça. Além disso, foram confirmados, por meio de provas como mensagens de textos, boleto virtual e documento da empresa de fachada, o fato de que pelo menos quatro usuários de drogas usaram parte dos R$ 600 dos benefícios concedidos pelo governo federal para compra de cocaína.

 

Com todos os indícios confirmados, o delegado Rodrigo Caldas, responsável pelo caso, realizou na manhã desta terça-feira (26) a Operação Caçador. Ao todo, 34 agentes cumpriram seis mandados de busca e três de prisão.

 

O grupo tinha base nos bairros Guajuviras e Estância Velha, em Canoas, agindo na cidade e também na zona norte de Porto Alegre.

Investigação

Caldas descobriu que os traficantes investigados passaram a intensificar o sistema de telentrega por meio de motoboys, atendendo até cem pedidos semanais. Mas, durante o monitoramento dos suspeitos, um detalhe chamou a atenção do delegado.

 

O grupo montou uma empresa de fachada e só enviava a droga após o usuário confirmar o pagamento por meio de boleto virtual emitido pelo próprio criminoso. Tudo era feito via WhatsApp: do pedido ao envio do código de barras.

— Além dessa fraude, descobrimos mais uma peculiaridade. Confirmamos que esta ação criminosa foi criada para estimular alguns usuários a usarem o seu auxílio emergencial via pagamento de boleto virtual. Um incentivo para ajudar durante a pandemia era, em parte, usado pelos usuários para pagamento de drogas, mas tudo isso fomentado pelos traficantes que viram nessa ação um meio de obter mais um lucro garantido — destaca Caldas.

 

A equipe da 3ª Delegacia de Canoas confirmou quatro casos. O usuário recebia pelo WhatsApp o código de barras, que era um boleto gerado pela empresa de fachada dos traficantes, e pagava adiantado pela droga com parte dos seus R$ 600 do auxílio emergencial.

 

Caldas diz que não descarta outros casos. Por isso, a investigação continua, e nomes dos presos, bem como da empresa, ainda não estão sendo divulgados.

 

Para o diretor da 2ª Delegacia Regional Metropolitana, delegado Mario Souza, é um esquema sofisticado em que, mais uma vez, o criminoso se aproveita de um benefício financeiro criado para ajudar as pessoas. Segundo ele, o usuário, que já está em uma situação crítica, é estimulado pelo traficante a sacar o valor recebido da União.

 

O auxílio emergencial foi criado em abril do ano passado para pessoas mais pobres e trabalhadores informais. Eles foram incentivados a fazer transferências e pagamentos digitais para evitar aglomerações em agências e lotéricas justamente para evitar contaminação pelo coronavírus. Foram pagas parcelas mensais de R$ 600 ou R$ 1,2 mil, no caso das mães chefes de família.

Fonte: Agência RBS

PLURAL AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Powered by WhatsApp Chat

×