Acesse aqui
Rádio Web Portal Plural
Tabagismo e coronavírus são combinação catastrófica, diz fundação – Portal Plural
Connect with us

Medicina & Saúde

Tabagismo e coronavírus são combinação catastrófica, diz fundação

Pável Bauken

Publicado

em

© Marcelo Camargo/Agência Brasil


O diretor executivo da Fundação do Câncer, Luiz Augusto Maltoni, disse que como o tabagismo é fator de risco para infecções respiratórias, doenças vasculares, cardiovasculares e pulmonares, e o novo coronavírus tem aí sua principal porta de entrada, a “combinação é catastrófica”.

Análise publicada na China, dos primeiros casos de covid-19, comparando grupos de fumantes e não fumantes, mostrou que a doença teve evolução mais grave e maior índice de letalidade no grupo de fumantes. “Alguns artigos mostraram 1,5 vez mais, outros 2,4 vezes mais. Ou seja, você mais do que duplica a chance de a doença se agravar e duplica os óbitos em relação ao grupo que não fuma”.

Disseminação

Maltoni chamou a atenção para o fato de o vírus se disseminar com facilidade, principalmente por contaminação pelo perdigoto (gotículas contaminadas de saliva). Outro agravante em relação ao tabagismo é o uso de narguilé (espécie de cachimbo de água de origem oriental, utilizado para fumar tabaco aromatizado e, ocasionalmente, maconha ou ópio) no mundo.

“É um mecanismo de disseminação do vírus muito alto, a ponto de países como o Irã proibirem seu uso em bares e ruas pela possibilidade de propagação, porque passa de boca em boca. Também é uma associação muito perigosa”. Segundo Maltoni, há uma relação muito forte do tabagismo com o agravamento das condições dos pacientes que se infectam pelo novo coronavírus, com aumento maior da letalidade.

O mesmo ocorre em relação aos cigarros eletrônicos (também chamados de vape, são dispositivos eletrônicos para fumar alimentados por bateria de lítio). “São outra forma de você dispersar nicotina e outros produtos para o organismo humano”.

Embora a indústria do tabaco defenda que é instrumento para a pessoa parar de fumar, o diretor executivo da Fundação do Câncer afirmou que esse tipo de cigarro tem em sua constituição substâncias tóxicas, incluindo a nicotina que é oferecida no formato líquido e forma um aerossol.

“Essa inalação do volume de nicotina atinge a corrente sanguínea até mais rápido do que o cigarro convencional”. Maltoni destacou que a nicotina é o principal causador da dependência, com todos os efeitos  de agressão ao organismo, como a alteração da imunidade celular em nível pulmonar, alteração do DNA da célula pulmonar, predispondo à transformação das células em câncer, em tumores. Isso também está presente no cigarro eletrônico.

Alerta da OMS

No último dia 11, a Organização Mundial da Saúde (OMS) fez uma declaração pública alertando que o tabaco mata mais de 8 milhões de pessoas em todo o mundo, a cada ano. Mais de 7 milhões dessas mortes são decorrentes do uso direto do tabaco e cerca de 1,2 milhão se deve ao fato de os não fumantes serem expostos ao fumo passivo.

Um grupo de especialistas em saúde pública, convidados pela OMS, analisou estudos já publicados em relação à covid-19 e sua relação com o tabagismo. Constatou que os fumantes tinham maior probabilidade de desenvolver as doenças graves e as complicações da infecção de maneira mais grave em comparação com os não fumantes, “inclusive em proporção maior de óbitos do que o grupo de não fumantes”, observou Maltoni.

Nicotina e covid-19

A OMS também se posicionou contrária a estudos favoráveis à adoção de substâncias como a nicotina no tratamento de pacientes com covid-19. Embora sem se referir especificamente a um trabalho francês que defende a nicotina como proteção à covid-19, a organização alerta que é preciso ter cuidado ao adotar esse tipo de recomendação, antes que sejam feitos testes e confirmados seus resultados por instituições de credibilidade internacional.

Luiz Augusto Maltoni destacou que no caso do trabalho francês, ele foi publicado na internet e não em uma revista científica conceituada, como é tradicionalmente feito, onde um comitê editorial analisa cientificamente se o método do trabalho foi bem conduzido, para então autorizar sua publicação. O estudo não foi revisado e não faz referência à aprovação por nenhum comitê de ética em pesquisa, afirmou Maltoni.

O diretor executivo da Fundação do Câncer qualificou o estudo como “um equívoco imenso”. Um dos autores do trabalho é um pesquisador que, durante muito tempo, foi financiado pela indústria do tabaco, disse. Do ponto de vista científico, o trabalho não merece crédito nem citação, acrescentou Maltoni.

Nota conjunta

Em razão da pesquisa francesa, sete entidades médicas, entre as quais a Fundação do Câncer, a Associação Médica Brasileira, a Associação Brasileira de Estudos do Álcool e Outras Drogas e a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia divulgaram nota na qual entendem que “é muito precoce e arriscado” afirmar que haja qualquer potencial fator protetor da nicotina para a covid-19. “Uma vez contaminados pelo novo coronavírus, os fumantes tendem a ter pior evolução do quadro, com mais gravidade e mortes”, diz a nota.

As entidades de saúde reforçam a importância do combate ao fumo. Estudo do Instituto Nacional do Câncer mostrou que o país gasta cerca de R$ 57 bilhões por ano com despesas médicas e perda de produtividade relacionadas a doenças provocadas pelo fumo. O estudo mostra ainda que o país arrecada R$ 13 bilhões de tributos por ano com a indústria do tabaco, o que significa que há um rombo de pelo menos R$ 44 bilhões para o sistema de saúde brasileiro. Todos os dias, 428 pessoas morrem devido ao tabagismo no Brasil.

ebc

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Medicina & Saúde

Médica oferece dicas para cuidar da pele durante tratamento contra o câncer

Reporter Plural

Publicado

em

Ilustração Google

Se o tratamento for com quimioterapia, podem ocorrer vários efeitos dermatológicos, como ressecamento da pele, coceiras, alterações na pigmentação, surgimento de acne

A pele de quem faz acompanhamento contra o câncer sofre muito com os tratamentos de quimioterapia e radioterapia. Quem afirma é a médica Julianne Wagmacker. “Pessoas que estão em tratamento oncológico, a pele pode sofrer algumas alterações, que são chamados de efeitos colaterais cutâneos. Esses efeitos colaterais variam de acordo com os medicamentos utilizados, as doses administradas e também podem variar de paciente para paciente”, explica.

Se o tratamento for com quimioterapia, podem ocorrer vários efeitos dermatológicos, como ressecamento da pele, coceiras, alterações na pigmentação, surgimento de acne, problemas nas unhas devido à baixa da imunidade, muita sensibilidade ao sol e queda dos cabelos.

Já com a radioterapia o principal efeito é a radio dermatite, uma vermelhidão causada pela exposição à radiação, que ocorre em aproximadamente 95% dos pacientes. Além disso, inchaço, dor, coceira e bolhas também podem aparecer, mas são mais raros.

Por isso, a médica dá dicas para cuidar da pele durante o tratamento contra o câncer.

1 Hidratação da pele

É importante hidratar a pele de forma intensiva e com o uso apropriado de dermocosméticos, e também é fundamental evitar se expor ao sol e o uso de fotoprotetores deve ser permanente. Busque produtos para pele sensível, pois eles possuem fórmulas hipoalergênicas, com ingredientes rigorosamente selecionados.

2 Proteção solar

Durante o tratamento é importante evitar a exposição solar. Mas quando não for possível o ideal é optar por produtos com fator de proteção alto, por exemplo, 50 FPS.

3 Cuidado com o uso de maquiagem

Cobrir essas imperfeições, que muitas vezes incomodam, é importante quando com o uso de maquiagem está associado à melhora da autoestima e consequentemente da qualidade de vida dos pacientes. Mas é importante estar atento ao tipo de produto utilizado, para não agravar lesões ou irritar a pele.

Opte por maquiagens hipoalergênicas. Como a pele está mais sensibilizada, escolha texturas fáceis de aplicar e de remover, como as texturas mousses e evite o uso de maquiagem em pó.

4 Use água termal

A presença de água termal em produtos promove um maior conforto para a pele e trazem uma ação calmante, que é importante para peles mais fragilizadas e sensíveis.

FONTE  R7

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Medicina & Saúde

Saúde bucal na gestação é discutida em palestras virtuais

Pável Bauken

Publicado

em

Gestantes precisam de mais cuidados com os dentes - Foto: Freepik

Os avanços e os desafios do atendimento de saúde bucal no Estado e no município de Porto Alegre estão no foco de uma série de palestras e debates virtuais que serão realizados de 19 a 23 de outubro. A programação faz parte da 19ª Semana Estadual de Saúde Bucal e da 10ª Semana Municipal de Saúde Bucal, que têm por objetivo desenvolver a conscientização da população sobre a importância dos cuidados com a saúde bucal para a qualidade de vida.

Neste ano, a coordenação estadual da Política de Saúde Bucal da Secretaria da Saúde do Estado (SES/RS) está com o olhar voltado para as gestantes e puérperas (mulheres que tiveram filhos a menos de 45 dias). Conforme a coordenadora da Política de Saúde Bucal da SES, Tatiana Lafin, no período da gestação é muito importante que as mulheres tenham cuidados com a boca, porque problemas dentais podem causar partos prematuros, entre outros agravos. “As alterações hormonais tornam as mulheres mais suscetíveis a lesões e cáries e isso pode influenciar na saúde do bebê”, alerta.

Tatiana considera que é necessário “educar a população sobre a necessidade da ida ao dentista durante a gestação, incentivando a autonomia das mulheres em procurar o cuidado, desmistificando as questões relacionadas ao atendimento odontológico durante esse período”.

A coordenadora avalia que houve avanço no desempenho dos serviços de saúde bucal no Rio Grande do Sul, com a ampliação do atendimento nas unidades de saúde. “Inclusive as gestantes, que necessitam de um cuidado especial, foram atendidas junto com as consultas do pré-natal”, enfatiza.

Segundo ela, mesmo com a pandemia de coronavírus, os atendimentos de urgência e emergência na área não pararam. “O SUS nunca deixou de atender, por exemplo, pacientes com suspeita de câncer na boca”, informa. Houve também ampliação da cobertura do atendimento nas unidades básicas de saúde. “Em janeiro de 2020 a cobertura populacional era 45% e até abril foi registrada no RS uma cobertura populacional de 46% no número de equipes de saúde bucal na atenção básica” comemora. Também houve aumento do número de laboratórios regionais de próteses dentárias. Em 2019 o RS possuía 89 unidades, em maio de 2020 chegou a 140 laboratórios.

Acesso à programação

As palestras do dia 19/10, às 15h, “Previne Brasil – Indicador de desempenho de atendimento odontológico à gestante” e “Abordagem integral em saúde bucal da gestante e da puérpera” serão transmitidas ao vivo pelo canal Webex https://rsgov.webex.com

Para assistir ao vivo as palestras do dia 20/10, às 13h, com o tema “Trajetória profissional do dentista negro e a pauta antirracista na odontologia” é preciso fazer a inscrição acessando https://doity.com.br/52-semac-ufrgs

As demais palestras serão transmitidas ao vivo pelo canal youtube.com/saudepoa

Programação completa Semana da Saúde Bucal

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Medicina & Saúde

Diagnóstico de infecção respiratória: quais são os sintomas?

Reporter Plural

Publicado

em

ilustrativa google

Muitas vezes as infecções respiratórias não recebem a atenção devida por conta de sua recorrência. A normalidade trazida à situação resulta em pacientes com tratamento inadequado e, como consequência, estes acabam por ter um grande impacto quando o assunto é qualidade de vida

Ainda assim, quaisquer que sejam os sintomas, não devem ser ignorados: uma vez que a gripe mata até 650 mil pessoas todos os anos, segundo dados da OMS, Organização Mundial da Saúde, e a nova pandemia causada pela COVID-19 também afeta o trato respiratório, fica claro que um diagnóstico não só traz uma solução, como também evita que problemas maiores sejam desencadeados

Para o Doutor Diener Frozi, a situação precisa mudar. E foi com isso em mente que o médico trouxe à tona uma solução: trata-se do projeto Viva sem Alergia.

Democratizando

Tratar, controlar e até mesmo prevenir doenças imunológicas e alergias. Essa é a missão imposta pelo projeto, que busca democratizar o acesso a tratamentos que, até então, não eram acessíveis para todos.

“Cada vez mais, vemos o desenvolvimento acelerado de alergias. Podemos atribuir à superlotação e poluição das cidades, alimentação e, até mesmo, à rotina corrida. Por isso, entendemos que oferecer uma equipe médica dedicada, em conjunto com a Cruz Vermelha de São Gonçalo, que é capaz de acompanhar caso a caso de perto, fará diferença na vida de muitas pessoas”, diz Diener.

O médico conta que, todos os dias, novos pacientes chegam e podem ter acesso a atendimento especializado, seguido de um diagnóstico e possibilidade de realizar um tratamento adequado – sem precisar desembolsar grandes valores. “A maior parte do nosso atendimento é gratuito. E, quando um paciente avança para um tratamento pago, não é constrangido a continuar, somos flexíveis e humanitários quanto a isso”, compartilha

Devolvendo a qualidade de vida

Para atender a ampla gama de problemas que abrangem o trato respiratório – e trazer ênfase para alergias de diferentes segmentos, o Viva Sem Alergia tem diferentes especialidades, testes e modelos de consulta em seu portfólio. Entre eles, estão:

Alergia e Imunologia

Com isenção de custos, a consulta com um médico capacitado para realizar anamnese e exames físicos pode ser agendada diretamente pelo site. A partir da avaliação do quadro e qual pode ser o tipo de alergia, testes são requeridos conforme a necessidade

Teste cutâneo de inalantes para alergias respiratórias

“Temos um resultado quase que imediato. Entre quinze e vinte minutos, já conseguimos fechar um diagnóstico”, aponta Diener. O teste, que pinga algumas gotas de alérgenos no braço do paciente e, em seguida, faz pequenas puncturas, é capaz de detectar o que causa ou piora rinite alérgica, asma, bronquite, sinusite, dermatite atópica e até mesmo urticária.

Teste de imunidade celular

Com técnica intradérmica, o teste é capaz de entender a capacidade das células de defesa em resposta às bactérias e fungos.

Amplo portfólio

Engana-se aquele que entende que o Viva Sem Alergia cuida apenas de problemas respiratórios. Com o passar do tempo, Diener compreendeu que outras alergias, como alimentares e de contato, também são prejudiciais quando se pensa na qualidade de vida como um todo.

Por esse motivo, a equipe está preparada para atender outras demandas: com a missão de oferecer tratamento, controle e prevenção de alergias e doenças imunológicas a pacientes de todo o Rio de Janeiro, usando como base inicial a Baixada Fluminense, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, o projeto Viva Sem Alergia oferece consultas e exames gratuitos – ou com preço mínimo.

Atualmente, as unidades do projeto estão em Duque de Caxias, Campo Grande, São Gonçalo e Avenida Rio Branco, no centro do Rio de Janeiro.

O projeto tem ainda uma parceria que conta com equipe médica dedicada em conjunto com a Cruz Vermelha de São Gonçalo: tudo isso para garantir e democratizar o acesso a tratamentos de forma humanitária e eficaz. Saiba mais: https://www.vivasemalergia.com br/

Fonte Estadão Conteúdo

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×