Acesse aqui
Rádio Web Portal Plural
Sinais de riqueza nas redes sociais podem influenciar o valor da pensão alimentícia – Portal Plural
Connect with us

Artigos

Sinais de riqueza nas redes sociais podem influenciar o valor da pensão alimentícia

Pável Bauken

Publicado

em



 

Imagine a situação: na hora do julgamento, uma das partes afirma não ter condições econômicas de aumentar, ou mesmo pagar, a pensão alimentícia. Já nas redes sociais, essa mesma pessoa posta fotos que contradizem o que disse em frente ao juiz: passeios em locais caros, viagens para o exterior, celular de última geração…

Se você não passou por isso, pode ser que conheça alguém que já tenha vivido esta situação. Pois saiba que é possível utilizar o estilo de vida “ostentação” do ex-parceiro, ou da ex-parceira, como evidência também na Justiça, especialmente nos casos de pensão.

Segundo a lei, o valor da pensão alimentícia deve ser estabelecido de acordo com a necessidade de quem recebe e com as possibilidades de quem paga. Mas, em casos em que há dúvida sobre as reais condições de quem deve pagar ou se quem pleiteia realmente faz jus ao pensionamento realmente, os posts das redes sociais dos envolvidos podem ser um importante elemento de convicção do juiz.

“As redes sociais se tornaram uma importante ferramenta, pois as pessoas as utilizam em seu dia a dia naturalmente, já é parte da rotina. E aqueles que ostentam naturalmente colocam suas imagens por lá, como aconteceu comigo”, afirma G, de 32 anos, que, como afirma, sofreu na pele a situação.

Até 2018, seu ex-marido se recusava a aumentar a pensão alimentícia da filha, alegando que não teria condições financeiras por ser freelancer. “Porém, nas redes sociais ele costumava colocar fotos em frequentes viagens para o exterior, além de trocar de carro todos os anos, para modelos sempre mais caros”, afirma G.

“Era uma situação em que eu já arcava com a maior parte das despesas da minha filha, pois ela morava comigo, então, as contas, o dia a dia, a rotina, tudo caia no meu colo. Ele, obviamente, estava pagando menos do que poderia, então, acionamos a justiça. Como ele não tinha emprego fixo, provar que ele recebia mais do que dizia era um problema, mas conseguimos. Juntamos fotos, diálogos, não só os posts nas redes, embora acho que a ostentação dele tenha sido fundamental”, conta.

Agora, também graças a uma quebra no sigilo financeiro, o pai paga quase o triplo do valor anterior. Situações como de G são muito frequentes: o principal motivo que leva ex-casais à Justiça é a questão da pensão alimentícia. Em casos como da carioca, em que o pai não possui emprego fixo, delimitar o valor desse recurso é um desafio. Em geral, juízes tem como modus operandi fixar entre 10% e 30% dos ganhos, mas em casos de não ter emprego fixo, determinar um número se torna um desafio. Que, em muitos casos, pode falhar.

Segundo a advogada Eleonora Mattos, do escritório Silvia Felipe e Eleonora Mattos Advogadas, as redes sociais têm sido usadas como provas em processos judiciais de forma cada vez mais frequente. “Normalmente a finalidade é evidenciar a contradição entre a alegação de dificuldades financeiras feitas por uma parte e, de outro, o padrão de vida ostentado pela própria pessoa em suas redes sociais.

De acordo com a especialista, é possível a utilização das publicações para colocar em cheque qualquer alegação em juízo que não seja verdadeira. “Já o fizemos em diversas situações como em uma oportunidade em que a ex-esposa pleiteou o aumento da pensão do filho supostamente por não estar trabalhando por razões médicas, mas publicou fotos de diversas reuniões de trabalho no mesmo período e quando uma parte solicitou justiça gratuita, apesar de ter recentemente publicado fotos dirigindo seu carro importado e passeando em seu barco – ambos registrados em nome de terceiros”, finaliza.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Amar, sem medida!

Reporter Cidades

Publicado

em



por Diego Farias

Ao longo da nossa trajetória, ouvimos inúmeras vezes falar sobre o amor. Esse sentimento é como uma sementinha plantada em nosso consciente e inconsciente e passa a nos acompanhar até o fim da vida ou até decidirmos romper com ele. Conforme vamos nos desenvolvendo, aprendemos que o amor é algo bom, que faz bem para quem dá e para quem recebe. Diversos estudos, em diferentes campos de atuação, comprovam que as relações de afeto trazem muitos benefícios à saúde física e mental. Falar de amor é falar de vida, é falar de um sentimento que move nosso dia-a-dia, ou pelo menos deveria mover.

É sabido que falar sobre o amor é algo complexo, pois requer sensibilidade e clareza sobre o objetivo e sentido que se quer expressar. Para os gregos antigos, o amor era subdividido, não como uma classificação, mas como uma forma de entender melhor sua expressividade e intenção. O amor Philia era ligado às relações de amizade. Sua tradução literal significa amizade ou amigo, porém não se limita apenas a tais relações, mas também está relacionado com lealdade, sentido de comunidade e família. O amor Ághape é a conexão de amor com tudo e com todos. Uma relação harmônica com a natureza, com as pessoas e o universo. Num contexto mais religioso, o amor Ághape também retratava o amor divino, ou o amor ao próximo, presente nos textos bíblicos do Novo Testamento. Já o amor Eros, por sua vez, é o amor romântico, o amor das relações carnais, da paixão, do sentimento e, sobretudo, do prazer. Há ainda quem acredite que os gregos dessem outros “nomes” ao amor, mas isso é uma reflexão que foge um pouco da nossa intenção aqui.

Acredito que o amor, independente do nome que damos a ele, é algo fundamental para nossa qualidade de vida. Há muitas formas de se dizer “eu te amo” e de se expressar esse sentimento. Amamos quando nos doamos às pessoas e cuidamos de tudo a nossa volta. Dizemos “eu te amo” ao mundo, quando reciclamos, quando não esbanjamos água, quando separamos nosso lixo e assim por diante. Dizemos “eu te amo” às pessoas, quando nos preocupamos com elas e fazemos com que nossa presença seja geradora de bem estar. Precisamos de amor, precisamos ser amor, pois é com ele que tornamos a vida e o mundo um pouco melhor.

Diego Farias
Educador da Rede Privada, POA/RS.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Artigos

Flores em tudo! É primavera!

Coordenador da área de Moda do Senac Canoas dá dicas sobre a estampa preferida da estação

Pável Bauken

Publicado

em



Com a chegada da primavera, as flores não aparecem lindas e coloridas apenas nos jardins, mas também nas roupas. O padrão de floral é clássico e está entre os queridinhos das estações mais quentes. Às vezes aparece com mais ou menos intensidade nas vitrines, em tons pastéis ou nas cores mais vibrantes, mas sempre está lá! Além de estar em roupas funciona bem em várias outras peças e acessórios do vestuário feminino. “As estampas de flores trazem um visual agradável e romântico a qualquer look e sempre satisfazem mulheres de todas as idades”, afirma o docente e coordenador da área de moda do Senac Canoas, Ramon Rodolfo.

Conforme Ramon, roupas com estampas de flores não se limitam a determinadas estações. Esta é uma escolha democrática e aplicável em qualquer clima. “No verão, tornam o look mais colorido e têm um aspecto sazonal. No inverno contrastam com as cores mais fechadas, tornando o aspecto mais vivo e interessante. Mas já percebeu que existem mais um tipo de estampa floral?” pergunta. Confira os tipos da padronagem para escolher o seu favorito:

– Floral clássico: como o próprio nome já diz é o mais tradicional. Representa diferentes tipos e espécies de flores coloridas, geralmente em tamanho médio;

– Floral Liberty: flores pequenas e miúdas levando o nome da pioneira nessa estampa, a loja inglesa Liberty of London;

– Floral + estampa: combinação de outra estampa com o floral tais como imagens, desenhos, padrões geométricos. Mas cuidado! Deve haver harmonia entre as duas;

– Maxi floral: ou seja, flores grandes. De todos as espécies;

– Floral abstrato: é quase como uma pintura, pois as flores são representadas como se fossem desenhadas ou pintadas com traços livres;

– Floral gráfico: estampa sem trabalho de profundidade, flores mais chapadas e sem muito detalhes;

– Floral tropical: a cara de qualquer verão com a presença de flores e folhagens tropicais;

– Floral + animal print: flores e estampas de animais (onça, leopardo, zebra). Man misturadas. Atenção! Vale a mesma regra para floral + estampa;

– Floral dark: aparece mais no inverno por conta do fundo escuro, principalmente na cor preta.

Iniciamos a primavera a poucos dias e com isso, o calor se aproxima e logo mais o verão estará aí marcando presença. “E nos dias de calor, as pessoas sempre preferem uma aparência confortável e fresca, certo? Mas você sabe escolher o tecido certo para estas estações?”, questiona Ramon. “O primeiro truque é prestar atenção a etiqueta. Além de mostrar como deve-se higienizar a peça, ela mostra a composição das matérias primas que compõem a mesma. Eles são nossos aliados na hora de decidir quais peças usar ou comprar. Leia-os com atenção e sinta o tecido para entender o peso e a textura da roupa. Dê sempre preferência para tecidos feitos de fibras naturais como o algodão, linho, seda. Esses materiais não contêm materiais sintéticos e são os mais indicados por serem materiais respiráveis e com ótima aderência ao corpo, além de apresentarem um ótimo caimento e conforto”, explica o especialista.

Ramon dá detalhes sobre os tecidos: “O algodão é totalmente natural, por isso tende a ser leve e deve ser a primeira escolha na hora de escolher roupas em climas quentes. Não adere ao corpo, permitindo que a sua pele respire e se mantenha fresca. A seda também é respirável e macia. Apesar do alto custo, hoje em dia encontra-se no mercado a seda orgânica, com um preço menor e que permite que o bichinho da seda tenha seu ciclo de vida completo. E claro, não podemos esquecer dos tecidos de linho e modal, além das fibras com tecnologias nas fibras como os tecidos com proteção UVA”, finaliza.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Artigos

ARTIGO: A TRAGÉDIA NOS ASILOS

Reporter Cidades

Publicado

em



OSMAR TERRA*

As recentes notícias sobre mortes em asilos confirmam o alerta que faço desde o início dessa pandemia. O maior risco de contágio pelo coronavírus são dos idosos destas instituições e clínicas de repouso.

O paradoxo das propostas de quarentena e de isolamento social é o de que justamente a população mais isolada, os idosos em asilos, compõe a maior parcela de mortes pela Covid-19 no planeta.

No Canadá, em lockdown, as mortes em clínicas e asilos de idosos representaram, até agora, mais de 80% do total. Nos Estados Unidos chegou a 46%, e na Europa, ao redor de 50%. Mesmo na Suécia, onde a população não fez quarentena e nem lojas e escolas foram fechadas, mais de 70% das mortes aconteceram nos seus gigantescos asilos de idosos. Justamente na única parcela da população isolada!

No Brasil – embora ainda não tenhamos um raio-x completo da situação – foi muito grande o número de óbitos em asilos. E infelizmente ainda seguem acontecendo, como estamos vendo no Rio Grande do Sul.

É claro que nos referimos a uma população de altíssimo risco: idosos com muitas comorbidades e agrupados já por longo período de tempo num mesmo ambiente. Alguém portando o vírus, mesmo sem sintomas, que venha trabalhar nesses locais pode provocar uma grande tragédia. Ou seja, ninguém em isolamento esteve – ou está – protegido do contágio. Até porque, grande parte da população economicamente ativa não pode parar de trabalhar. E essas pessoas convivem entre si nos locais de trabalho e voltam para o convívio familiar em casa. Assim, um vírus que já circula em toda parte estará dentro das casas e dos asilos também.

Em segundo lugar, é importante ressaltar que, diferente dos vírus influenza, que contaminam homogeneamente, os coronavírus são mais transmissíveis por grupos que convivem maior tempo juntos, familiares ou de convivência compulsória, como nos asilos. Isso por si só mostra o erro colossal de trancar as pessoas sadias e de repetir o mantra “fique em casa”.

Nunca houve possibilidade de impedir a circulação do vírus a não ser reduzindo sua velocidade de contágio com os cuidados individuais e higienização. Os grupos de idosos asilados deveriam ter tido um cuidado especial dos gestores públicos e das instituições que os abrigam. Parte essencial desses cuidados é a testagem semanal de todos os cuidadores que trabalham nesses locais. Se desde o começo tivéssemos tido a preocupação de fazer isso, dezenas, talvez centenas de milhares de mortes teriam sido evitadas no Brasil e em todo o mundo, evitando uma tragédia silenciosa, ocultada por discussões ideológicas.

*OSMAR TERRA, médico e deputado federal (MDB-RS)

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

ENQUETE

O que você achou do site novo do Portal Plural?

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×