Acesse aqui
Rádio Web Portal Plural
Secretaria de Desenvolvimento Educacional inaugura obras de revitalização da EMEI Vovó Shen – Portal Plural
Connect with us

Ensino

Secretaria de Desenvolvimento Educacional inaugura obras de revitalização da EMEI Vovó Shen

Pável Bauken

Publicado

em



A secretaria de Desenvolvimento Educacional, através de uma parceria com o Frigorífico Alibem, entregou na manhã desta terça-feira (11) a revitalização e a nova denominação da EMEI “Vovó Schen”, na Avenida Inhacorá, em frente ao Frigorífico Alibem. A unidade recebeu reforma do piso, instalação de toldo na entrada, portão eletrônico, reforma dos banheiros, pintura geral, novo parquinho com piso sintético, entre outros serviços. Durante a solenidade, registraram presença o prefeito Alcides Vicini; a secretária de Desenvolvimento Educacional, Maria da Graça Zimmermman, o conselheiro do Alibem, Juscelino Gonçalves; o diretor administrativo do Alibem, Ângelo Meneguetti; o diretor do Alibem, Alexandre Turra; a diretora Jurídica do Alibem, Inês Cademartori; a diretora da Escola, Tanise Vedoin; a gerente Pedagógica da SDE, Josiane Heck; a mãe de aluno Marlene Pinheiro, e demais assessores do Governo Municipal e do Frigorífico Alibem.

Ao fazer o uso da palavra, o prefeito ressaltou a parceria com o Frigorífico Alibem que investiu na revitalização da EMEI com melhorias necessárias. “Um ambiente agradável contribui com o aprendizado das crianças e essa parceria é louvável, pois além de investir com mais de dois mil empregos o Alibem também investe na educação, assim como também tem contribuído nas ações de enfrentamento a COVID-19. É uma justa homenagem que o município presta a memória da Vovó Shen que por muitas vezes esteve aqui em Santa Rosa e cativou inúmeras amizades”, destacou o prefeito..

A Vovó Shen, (Che Ying Shen Shen), nasceu na China em 1921. Chegou ao Brasil em 1963, onde, em Porto Alegre, fixou residência e construiu sua vida. Mãe de 6 filhos, sempre zelou pela família e educação. A filha mais nova, Sra Ângela, casou com o Sr. Carlos Lee, fundador da Alibem. Em maio de 2010, esteve pela última vez em Santa Rosa participando do Dia do Trabalhador. Faleceu no dia 03 de maio, aos 88 anos.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ensino

Reabertura de creches e pré-escolas pode custar R$ 6 bilhões

Reporter Global

Publicado

em

Foto: DIRCEU PORTUGAL / FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

 

O cálculo, feito pela Fipe a pedido da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, inclui desde gastos com álcool gel e sabonete até substituição de professores do grupo de risco e testagem dos alunos mensalmente

 

O custo para o Brasil reabrir com segurança todas as suas escolas de educação infantil públicas (creches e pré-escolas) ainda este ano pode chegar a R$ 6 bilhões. O valor corresponde a 15% de todos os gastos públicos com educação infantil em 2019, que atende crianças de 0 a 5 anos. O País tem escolas fechadas desde março por causa da pandemia do coronavírus.

O cálculo, feito pela Fipe a pedido da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, inclui desde gastos com álcool gel e sabonete até substituição de professores do grupo de risco e testagem dos alunos mensalmente. O estudo intitulado Custo da Abertura de Creches e Pré-escolas Públicas no Contexto da Covid-19 será divulgado nesta quinta-feira, 24, em evento online. O Brasil tem 6,4 milhões de alunos nessa faixa etária matriculados em 80 mil instituições públicas de creche e pré escola.

A estimativa de gastos feita pelos pesquisadores corresponde a 60 dias letivos ainda em 2020. O valor gasto por aluno pode variar de R$ 859 a R$ 1.038 nesse período, conforme o modelo adotado para a volta às aulas, com mais ou menos tempo das crianças na escola.

O estudo analisou os valores de cada produto ou serviço necessários para a reabertura, como máscaras de tecido para crianças, EPIs para adultos, copos individuais, tinta para demarcação no chão, termômetros (1 para 30 crianças), limpeza e higienização de transporte escolar, entre outros. Entre os profissionais, os pesquisadores da Fipe calcularam necessidade de aumento de 20% no número de professores, auxiliares e profissionais da limpeza, para substituir pessoas em grupo de risco e aumentar a quantidade para garantir segurança.

Durante os primeiros meses da pandemia, o governo federal não apresentou nenhum programa para ajudar escolas estaduais e municipais com projetos de educação remota. Em agosto, com a previsão de volta às aulas, foram destinadas pela primeira vez verbas novas para a educação básica no combate à pandemia (R$ 454 milhões do Ministério da Saúde). Outros R$ 525 milhões estão prometidos pelo Ministério da Educação (MEC) para este mês, mas apenas para ensino médio.

“São custos altos, mas não inviabilizam a volta às aulas”, diz o diretor de conhecimento aplicado da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, Eduardo Marino, sobre a previsão do estudo. A entidade tem como foco o desenvolvimento da criança na primeira infância. “Municípios que tiverem falta de recursos devem optar para voltar antes as crianças mais vulneráveis.”

Segundo ele, é preciso mais investimento do MEC para ajudar e também da sociedade civil, com doação de itens de higiene e saúde para as escolas, como ocorreu no início da pandemia. “Tudo passa pela valorização desse retorno, de que educação continue. A sociedade pode assumir parte dessa responsabilidade”.

No documento, a fundação enumera os efeitos das escolas fechadas para crianças pequenas: desnutrição, obesidade, violência doméstica, riscos para saúde mental e diminuição da produtividade do trabalho dos pais. Além disso, há a dificuldade para aprendizagem com ensino remoto para 0 a 5 anos e a falta de socialização. Como pontos negativos para a volta, o estudo cita o eventual aumento no número de contaminados, a baixa adesão de pais e a dificuldade de manter o isolamento com as crianças da educação infantil.

Para amenizar os custos, segundo o estudo, os prefeitos teriam de dispensar novas contratações de pessoal e os testes. Assim, no País todo, o valor que teria que ser investido seria de cerca R$ 2 bilhões. Dados das cidades de São Paulo, Manaus e Sobral foram usados para os cálculos no estudo e por isso há também previsões específicas de gastos para as três redes municipais em educação infantil.

Para São Paulo, os gastos para equipar as escolas ficariam entre R$ 113 milhões e R$ 143 milhões. “A educação infantil já demanda mais recursos porque tem um número menor de alunos por sala, ensino integral, agora com a pandemia se tornou ainda mais cara”, diz o secretário municipal de São Paulo, Bruno Caetano. “Nem todas as cidades vão ter recursos para grandes investimentos”. A capital já gastou cerca de R$ 150 milhões para o ensino infantil e fundamental, com compra de máscaras, álcool em espuma, protetor facial (face shield), termômetros e contratação de professores temporários. A volta a atividades presenciais na capital estão marcadas para o dia 7 de outubro.

“Os municípios estão chegando aos seus limites em recursos, não têm como esperar muito dos Estados e da União. E ainda têm os processos de sucessão, muitos prefeitos vão querer fechar suas contas”, diz o presidente da União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Luiz Miguel Garcia. A entidade também colaborou com o estudo.

Para ele, no entanto, se houver vacina no ano que vem os custos tendem a baixar. A Undime pediu ao governo federal que os trabalhadores de educação sejam incluídos no grupo prioritário para a vacina. Para todo o ano letivo de 2021 no País com contexto semelhante, no entanto, os pesquisadores da Fipe previram gastos de cerca de R$ 20 bilhões, metade de tudo que foi gasto em 2019 com educação infantil pública.

 

 

Terra

 

 

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Ensino

Olimpíada de Matemática premia alunos da Escola FEMA

Pável Bauken

Publicado

em



Os alunos Micael Manollo Matos, do 4° ano B, e Samuel Kauã dos Santos, do 5° ano B, receberam o troféu e a medalha pela conquista do 2° e 3° lugar, nível Brasil, na Olímpiada de Matemática do Pense Matemática e do Educacional, do Sistema Positivo de Ensino.

“A Olimpíada de Matemática foi um desafio que estimulou a turma. A cada questão, a cada nova fase os alunos mostravam mais interesse. Eles se desafiaram e passaram a ver a Matemática como uma ferramenta que despertava o pensamento, que poderia ser interessante e divertida. Com certeza, o aprendizado trouxe muita energia para enfrentar os próximos desafios”, completou a professora Franci Flores, do 4° ano.

Sobre a conquista

Micael dividiu o 2° lugar da competição com Vinicius Kitamura, do Colégio Visconde de Porto Seguro (São Paulo), e o Samuel dividiu o 3° lugar com Matheus Souza Passos, do Colégio Master (Aracaju). Já o primeiro lugar ficou com João Fernando de Melo, do Colégio Visconde de Porto Seguro (São Paulo) e Otto Wierzchon Azevedo, do Colégio Integrado Campo Mourão (Paraná).

Pense Matemática é um programa multiplataforma de matemática para escolas, com o objetivo de dar sentido à aprendizagem da disciplina, tornando o processo muito mais encantador e envolvente. Para isso, ele reúne uma série de recursos pedagógicos para desenvolver o pensamento matemático nos alunos desde os primeiros anos escolares.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Ensino

IFFar – Campus Santa Rosa alcançou posição de destaque no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb)

Reporter Cidades

Publicado

em



A obtenção da nota 6,7 coloca a unidade na 16ª posição na comparação com outras escolas públicas de Ensino Médio do país e em 1º lugar na cidade de Santa Rosa.

O IFFar – Campus Santa Rosa teve destaque no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2019. O Campus alcançou a nota 6,7 na avaliação divulgada no dia 15 de setembro de 2020, pelo Ministério da Educação (MEC). Esse índice coloca a instituição na 1ª posição na comparação com outras escolas públicas e privadas de Ensino Médio do município de Santa Rosa. A nota garantiu também a 3ª melhor nota do estado, empatado com o Centro de Ensino Médio Tiradentes, de Porto Alegre.

Para a diretora-geral do Campus Santa Rosa, Renata Rotta, o bom desempenho é resultado do comprometimento de alunos e servidores na rotina de estudos e atividades. “Estamos muito felizes com o resultado do índice do Ideb, em que o Campus Santa Rosa ocupa um lugar de destaque nacional. Esse resultado evidencia a soma de esforços de toda a comunidade acadêmica no compromisso com a educação pública e o crescimento da instituição. Ressaltamos a importância de que cada recurso aplicado em nosso campus seja recebido com compromisso e transformado em qualidade de vida, desenvolvimento e excelência”.

De forma geral, a rede pública do Brasil alcançou índice de 3,9 em 2019 e a rede particular 6,0, isso rendeu ao Ensino Médio do país um índice geral (considerando todas as redes) de 4,2. Ao comparar o índice alcançado pelo Campus com a nota do Ideb do Brasil e do Rio Grande do Sul é possível ter uma dimensão da importância do resultado. A diretora de Ensino do Campus Santa Rosa, Analice Marchezan, cita a transversalidade do currículo, o tempo integral de estudos, as políticas de ações afirmativas e o apoio de assistência estudantil para o êxito e desenvolvimento de habilidades dos estudantes. “O Técnico Integrado ao Ensino Médio, modalidade ofertada pelo campus, possibilita que o aluno potencialize o aprendizado. E através da iniciação científica, da prática laboratorial e dos estágios, ele desenvolva habilidades complexas. Como o período de tempo que o aluno passa na instituição é prolongado, acaba desenvolvendo a colaboração, foco, disciplina e criatividade”, afirma Analice Marchezan.

O Campus Santa Rosa oferta à comunidade, desde 2010, educação profissional e tecnológica, por meio de cursos de ensino técnico integrado e subsequente ao ensino médio, de graduação e pós-graduação. A instituição, além disso, atua em diversas áreas na sociedade, desenvolvendo projetos sociais, de ensino, de pesquisa e de extensão.

Confira alguns resultados do IFFar – Campus Santa Rosa no Ideb 2019*:

1° lugar  entre todas as escolas de Santa Rosa;
3ª melhor média entre as escolas públicas do RS;
2° lugar entre os Institutos da Rede Federal de Ensino (IFs) no RS;
4° lugar entre os Institutos da Rede Federal de Ensino (IFs) no Brasil;
16° lugar no país, considerando as escolas públicas;
8° lugar no país, considerando as instituições federais.

*Dados: Direção de Ensino Fonte: Inep/Mec
Fotos em anexo: Alunos dos cursos Técnicos Integrado o Ensino Médio do IFFar
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×