Saúde e Educação esclarecem projetos em tramitação às Comissões Permanentes - Portal Plural
Connect with us

Política

Saúde e Educação esclarecem projetos em tramitação às Comissões Permanentes

Publicado

em


Academia Personatopo humbeto pluralFAST AÇAÍNuvera

A reunião semanal das Comissões Permanentes da Câmara, recebeu na manhã de segunda-feira, 09, representantes da Fundação Municipal de Saúde e da Secretaria de Desenvolvimento Educacional, que, a convite do Poder Legislativo, esclareceram dúvidas e questionamentos referentes a projetos de leis em tramitação e relacionados às duas pastas.

Rogério dos Santos Silva, diretor do Departamento de Gestão Administrativa, e Delcio Steffan, presidente da Fumssar, discorreram a respeito do PL nº 154 que altera o Plano de Cargos e Carreira da Fundação, criando uma vaga para o cargo de fisioterapeuta – 40h semanais. Também, atendendo solicitação do vereador Luiz Renato Schaefer, detalharam o Projeto de Lei Complementar (PLC) nº 156 que deu entrada na Casa de Leis, e que visa a contratação de três médicos para atuarem nas unidades básicas de saúde do município.

Já a secretária de Desenvolvimento Educacional, Maria da Graça Zimmermann, esclareceu dúvidas levantadas pela Comissão de Educação e dos demais vereadores a respeito de obras em escola de Guia Lopes e vagas para a educação infantil.

Também esclareceu detalhes do PLC nº 157, que deu entrada em regime de urgência ainda na segunda-feira, e que trata da contratação de seis professores para a educação infantil, um professor para educação especial, uma vaga em função gratificada para diretor de escola fundamental e outra em escola da educação infantil e ainda um coordenador pedagógico.

Compartilhe
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Lula afirma que pode tentar a reeleição para evitar que “trogloditas” voltem a governar o Brasil

Publicado

em

portal plural lula afirma que pode tentar a reeleição para evitar que “trogloditas” voltem a governar o brasil
Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil
NuveraFAST AÇAÍAcademia Personatopo humbeto plural

Lula declarou nesta terça-feira (18) que considera a possibilidade de concorrer à reeleição em 2026 “para evitar que elementos retrógrados voltem a governar” o Brasil.

Ele ressaltou, porém, que há muitos bons candidatos para o próximo pleito e que a sua reeleição “não é a primeira opção”. “Não estou discutindo a reeleição em 2026 porque ainda tenho um ano e sete meses de mandato. Há muitos bons candidatos, eu não necessariamente preciso ser um deles”, afirmou em uma entrevista.

Lula enfatizou que, se for necessário, ele está disposto a concorrer para evitar que os “elementos retrógrados que governaram este país voltem ao poder”. “Se precisar ser candidato para impedir que esses elementos voltem, pode ter certeza que meus 80 anos se transformarão em 40 e eu estarei lá. Mas essa não é a minha primeira opção”, acrescentou.

Durante a entrevista, Lula evitou mencionar diretamente o nome de seu antecessor, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), mas afirmou que estaria disposto a se candidatar nas próximas eleições para evitar o retorno de um “fascista” ao poder.

“Não permitirei que este país seja governado por um fascista novamente. Não permitirei que este país seja governado por um negacionista, como já tivemos no passado”, concluiu.

Fonte: Jornal o Sul

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Política

Ao atacar erro de Campos Neto, Lula aumenta nervosismo e escala crise que prejudicará governo

Publicado

em

portal plural ao atacar erro de campos neto, lula aumenta nervosismo e escala crise que prejudicará governo
Foto: AFP e Wilton Junior/Estadão
NuveraFAST AÇAÍAcademia Personatopo humbeto plural

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva elevou a tensão com o Banco Central ao fazer críticas contundentes ao presidente do BC, Roberto Campos Neto, em uma entrevista à rádio CBN. É inegável que Campos Neto errou ao aceitar participar de um jantar em sua homenagem promovido pelo governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, duas semanas atrás. Contudo, Lula, na posição de presidente da República, também comete um erro ao intensificar a crise às vésperas de uma das reuniões mais cruciais do Copom neste ano.

Lula afirmou que Campos Neto demonstra viés político e carece de autonomia, além de compará-lo a Sérgio Moro, o ex-juiz que agora é senador e foi seu adversário na Operação Lava Jato. Ele também sugeriu que Campos Neto estaria agindo para prejudicar o país, destacando que seria lamentável se a taxa Selic fosse mantida em 10,5% na reunião desta quarta-feira, 19.

Essas críticas poderiam ser apenas um ruído menor, não fosse o fato de que quatro diretores indicados por Lula votarão na decisão do Copom esta semana. As expectativas do mercado indicam que a Selic está prestes a parar de cair, e todos esperam uma decisão unânime para reparar as divisões evidenciadas na reunião de maio, quando esses mesmos diretores divergiram sobre um corte mais profundo de meio ponto percentual. Isso adicionou um componente político à política monetária e contribuiu para a significativa valorização do dólar frente ao real.

Além disso, Lula terá a oportunidade de indicar o próximo presidente do BC no final do ano, quando o mandato de Campos Neto se encerra. A percepção do mercado é que suas declarações sugerindo que o próximo presidente deve ser alguém “maduro” diminuem as chances de escolha de Gabriel Galípolo, atual diretor de política monetária do BC, que tem 42 anos. Essa declaração foi interpretada como uma tentativa de pressionar Galípolo a votar a favor de um corte na Selic – caso contrário, ele poderia perder essa nomeação.

Embora Lula tenha o direito de criticar as altas taxas de juros, como fizeram seus antecessores, ele erra ao sugerir que a política monetária deva se concentrar exclusivamente na inflação corrente. Desde a implementação do tripé macroeconômico em 1999, que funcionou bem durante seus dois primeiros mandatos, as metas de inflação e as expectativas são cruciais para manter os preços sob controle. No entanto, as expectativas estão aumentando, em grande parte devido à desconfiança de que o governo conseguirá restaurar os superávits primários para conter o crescimento da dívida pública.

Essa desconfiança já levou o dólar a subir 10% este ano, e a moeda provavelmente continuará sua escalada se o ajuste fiscal não ganhar força. Isso resultará em aumentos nos preços de alimentos, remédios importados e até mesmo nos produtos básicos, como mencionado pelo presidente. Os impactos recairão especialmente sobre os mais pobres.

No entanto, é inegável que Lula está se aproximando cada vez mais do discurso econômico de Dilma Rousseff. Ele se mostrou disposto a discutir todo o Orçamento, mas também expressou divergências conceituais sobre o que constitui despesa e investimento – uma área onde, argumenta-se, a definição deve estar nas mãos do presidente da República.

O presidente também criticou os altos gastos tributários no país, uma área que realmente está sob escrutínio e sujeita a medidas do Ministério da Fazenda. No entanto, a revisão dessas despesas pode aumentar a arrecadação do governo, enquanto o grande desafio fiscal reside no risco de ultrapassar o teto de gastos, estabelecido em 2,5% acima da inflação.

Portanto, o governo enfrenta um desafio significativo nessa agenda. As três principais despesas que crescem acima desse percentual são vinculadas ao salário mínimo, à Previdência e às regras de correção dos pisos de saúde e educação, ligadas às receitas governamentais.

Conforme reportado pelo Estadão, o Ministério da Fazenda já está desenvolvendo uma proposta que mantém o crescimento real dessas despesas dentro do teto de 2,5%, garantindo que todas as categorias cresçam no mesmo ritmo. Isso visa tornar sustentáveis políticas que protegem os mais pobres e garantem recursos para áreas cruciais como saúde e educação, ao invés de serem apenas medidas passageiras.

Fonte: Estadão

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Política

Moraes multa X em R$ 700 mil por não retirar no prazo definido postagem com calúnia contra Lira

Publicado

em

portal plural moraes multa x em r$ 700 mil por não retirar no prazo definido postagem com calúnia contra lira
Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF e REUTERS/Gonzalo Fuentes
FAST AÇAÍNuveraAcademia Personatopo humbeto plural

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), multou a plataforma X em R$ 700 mil por descumprimento de uma decisão judicial.

No dia 13 de junho, Moraes ordenou o bloqueio de uma conta que havia postado uma calúnia contra o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), acusando-o de ser estuprador. O ministro determinou também a retirada do conteúdo calunioso em um prazo de duas horas.

Apesar de notificada pelo STF, a rede social não cumpriu a determinação mesmo após tomar conhecimento da decisão.

Segundo Moraes, a “provedora de rede social X, ao não cumprir a determinação judicial, questiona, de forma direta, a autoridade da decisão judicial tomada na presente ação”.

“Como qualquer entidade privada que exerça sua atividade econômica no território nacional, a provedora de rede social X deve respeitar e cumprir, de forma efetiva, comandos diretos emitidos pelo Poder Judiciário relativos a fatos ocorridos ou com seus efeitos perenes dentro do território nacional; cabendo-lhe, se entender necessário, demonstrar seu inconformismo mediante os recursos permitidos pela legislação brasileira”, escreveu Moraes.

Moraes afirmou ainda que, uma vez desvirtuado criminosamente o exercício da liberdade de expressão, a Constituição Federal e a legislação autorizam medidas repressivas civis e penais, tanto de natureza cautelar quanto definitivas.

O dono da plataforma X, Elon Musk, é investigado no Supremo Tribunal Federal por suposta obstrução à Justiça (inclusive em organização criminosa) e incitação ao crime.

Fonte: G1

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×