RGE lança pagamento de contas com cartão de débito a domicílio – Portal Plural
Connect with us

Economia

RGE lança pagamento de contas com cartão de débito a domicílio

​Ação será realizada em algumas cidades do RS a partir desta quarta-feira, 15 de abril

Pável Bauken

Publicado

em



Para facilitar o pagamento das contas de energia, a RGE lança a partir de 15 de abril, o pagamento por meio do cartão de débito Visa e Mastercard.

Para colocar em prática no Rio Grande do Sul o modelo piloto que já está sendo bem-sucedido nas demais distribuidoras do Grupo CPFL, a RGE, além de sua equipe própria, também firmou uma parceria com a empresa Mercúrio. A ação prevê que o colaborador vá até as residências selecionadas, portando uma máquina de cartão de débito (nessa modalidade, não aceitará dinheiro e nem cartão de crédito) para pagamento tanto da conta atual, como das contas em atraso. Por ser um projeto piloto, apenas algumas residências serão visitadas neste primeiro momento e o pagamento via máquina de cartão é opcional. E, para que o cliente se sinta totalmente seguro no momento da visita, poderá entrar em contato com a RGE através do 0800, solicitando a conferência dos dados de identificação (CPF e/ou RG) do colaborador.

Para realizar o pagamento, o cliente precisa apenas ter a fatura em mãos. Caso não tenha, pode obter, a qualquer momento, a segunda via pelo aplicativo CPFL Energia, pelo site (www.rge-rs.com.br) ou ainda solicitar via SMS (enviando a mensagem com a palavra CONTA e o código do cliente para 27350). 

A fim de garantir a integridade de todos, o agente comercial, que segue todas as recomendações do Ministério da Saúde por conta do novo coronavírus, estará de moto, uniformizado e identificado a serviço da RGE.

Atualmente, são 33 cidades que compõem a área de concessão da RGE que contarão com essa facilidade: Cruz Alta, Santa Maria, Santo Ângelo, Santa Rosa, Alegrete, Santana do Livramento, Uruguaiana, Erechim, Nova Prata, Passo Fundo, Guaporé, Veranópolis, Gravataí, Canoas, Cachoeirinha, Caxias do Sul, Gramado, Vacaria, Canela, Flores da Cunha, São Francisco de Paula, São Marcos, Santa Cruz do Sul, Cachoeira do Sul, Venâncio Aires, Bento Gonçalves, Farroupilha, Lajeado, Feliz, Novo Hamburgo, São Leopoldo, Taquara e Sapiranga.

Canais Digitas da RGE

  • Site rge-rs.com.br
  • Aplicativo CPFL Energia (disponível para Android e iOS)
  • SMS grátis. Basta enviar CONTA e o CÓDIGO DE CLIENTE para o número 27350

Call Center: RGE 0800 970 0900

  • Ou opção caso o cliente queira ter acesso a 2ª via da conta é enviar um SMS grátis com a palavra CONTA e o CÓDIGO DE CLIENTE (número presente na conta de energia) para o número
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Banco Central abre consultas para saques e trocos via Pix

Cliente poderá fazer até quatro retiradas sem tarifas por mês

Pável Bauken

Publicado

em

© Marcello Casal JrAgência Brasil

Até 9 de junho, correntistas e clientes de todo o país poderão apresentar sugestões para que o Banco Central (BC) aperfeiçoe dois novos serviços que farão parte do Pix, sistema instantâneo de pagamentos em vigor desde novembro do ano passado. O BC abru consulta pública sobre o Pix Saque e o Pix Troco.

Os dois serviços deverão entrar em funcionamento no segundo semestre, mas o BC aguarda o resultado da resultado da consulta pública para implementar melhorias ou mudanças. No Pix Saque, o consumidor poderá transferir o valor que deseja sacar para a conta de uma loja e retirar o valor por dinheiro. No Pix Troco, o consumidor poderá pagar uma compra via Pix com valor superior ao da mercadoria ou do serviço e receber a diferença em espécie.

Por enquanto, o BC propõe um limite de saque de R$ 500 por dia, com quatro retiradas por mês sem tarifas, seja no Pix Saque ou no Pix Troco. A partir daí, as instituições financeiras poderão tarifar os saques subsequentes. A regra, no entanto, poderá mudar conforme as sugestões recebidas na consulta pública.

Em relação ao Pix Saque, a proposta do Banco Central consiste em que o cliente transfira a quantia que deseja retirar para a conta da loja por meio de um código QR (versão avançada do código de barras). Basta o usuário abrir o aplicativo do banco no celular, apontar a câmera do celular para o código QR em um equipamento da loja para a transação ser autenticada no Pix e o valor ser transferido.

Segundo o BC, os novos serviços trarão mais praticidade para os clientes e aumentarão a competição no sistema financeiro. Bancos digitais (sem agência física e sem caixas eletrônicos) poderão fechar parcerias com lojas para oferecer saques com custos mais atraentes.

Em cidades menores, sem agências bancárias ou caixas eletrônicos, o próprio comércio se encarregaria de cumprir o papel de fornecer dinheiro em espécie e movimentar a economia. Para as lojas, as duas funcionalidades podem ser atraentes, ao reduzir a quantidade de dinheiro em caixa no fim do dia e diminuir a possibilidade de assaltos.

Caberá aos estabelecimentos comerciais e às instituições financeiras definir regras como horários de funcionamento do Pix Saque e do Pix Troco, exigência de valores mínimos ou imposição de condições como retiradas em valores múltiplos de R$ 10 e oferta simultânea dos dois serviços ou de apenas um deles.

ebc

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Economia

Produtividade na indústria cai 2,5% no primeiro trimestre, diz CNI

Número de horas trabalhadas aumentou em 1,9%

Pável Bauken

Publicado

em

© CNI/José Paulo Lacerda/Direitos reservados

A produtividade do trabalho na indústria brasileira caiu 2,5% no primeiro trimestre de 2021, na comparação com o último trimestre de 2020, segundo levantamento divulgado hoje (11) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). De acordo com a entidade, o número de horas trabalhadas aumentou em 1,9%. Apesar deste aumento, foi registrada uma queda de 0,5% em termos de produção.

O índice de produtividade representa o volume produzido pela indústria da transformação dividido pela quantidade de horas trabalhadas. Segundo a CNI, a incerteza trazida pela pandemia está afetando a produtividade das empresas.

“Soma-se à elevada incerteza, o desarranjo das cadeias produtivas, associado a: estoques ainda baixos, alta dos custos e aumento da escassez de insumos e matérias-primas”, detalha a CNI ao informar que, desde o início da pandemia, os movimentos da produtividade do trabalho vêm sendo influenciados “principalmente pela conjuntura e não por mudanças duradouras, como maior qualificação do trabalho ou inovações tecnológicas”.

Ainda de acordo com a entidade, essas dificuldades afetam a capacidade de planejamento das empresas para estabelecer o ritmo de produção. Além disso, o descompasso no primeiro trimestre, entre as horas trabalhadas e a produção, foi influenciado pelo esgotamento dos prazos dos acordos celebrados em 2020, que permitiram adiantamento de férias, redução de salário e jornada e suspensão do contrato de trabalho.

ebc

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Economia

Inflação da construção civil registra taxa de 1,87% em abril, diz IBGE

Os materiais de construção ficaram 3,14% mais caros em abril

Pável Bauken

Publicado

em

© Arquivo/Tânia Rêgo/Agência Brasil

O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), registrou taxa de inflação de 1,87% em abril, taxa superior à de 1,45% de março e à de 0,25% de abril de 2020.

O indicador acumula taxa de 6,81% no ano e de 16,31% em 12 meses. Com a inflação de abril, o custo por metro quadrado da construção passou a ser de R$ 1.363,41.

Os materiais de construção ficaram 3,14% mais caros em abril e passaram a custar R$ 789,10 por metro quadrado. Já o metro quadrado da mão de obra encareceu 0,18% no mês e passou a custar R$ 574,31.

ebc

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×