Restaurações em dentes posteriores: o que são e por que restaurar?

Apoiadores:

 

As restaurações dentárias em dentes posteriores (pré-molares e molares) são necessárias quando o dente sofreu algum processo que alterou sua forma e/ou função, tais como: lesão de cárie, desgastes, fraturas na coroa dental, entre outros.

Existem duas maneiras de realizar restaurações: a direta e a indireta.

As restaurações diretas podem ser feitas, como o próprio nome diz, diretamente na boca do paciente, sem que seja necessário realizar procedimentos de moldagem ou envio para o laboratório.

Elas podem ser feitas de forma provisória, por exemplo, nos casos em que um profissional realizou o tratamento de canal, mas outro profissional irá confeccionar a restauração definitiva.

Já as restaurações definitivas, antigamente, eram realizadas com amálgama, um tipo de liga metálica, conhecida por ser escura, deixando os dentes com aspecto acinzentado. Hoje, com a evolução das técnicas e materiais e a busca aumentada por estética, o amálgama está cada vez mais esquecido, sendo substituído pela resina composta. A resina composta é inserida diretamente na boca do paciente, devolvendo aos dentes sua forma, função e também a estética de uma maneira excelente e duradoura.

As restaurações indiretas são realizadas fora da boca, necessitando de moldagem, confecção em laboratório e posterior cimentação em boca. Essas restaurações requerem a realização desgaste dental, que, de preferência, deve ser realizado de forma minimamente invasiva quando possível, para que não haja perda de tecido dental sadio. Elas podem ser confeccionadas em resina composta ou em cerâmica.

Quem determina se a restauração será feita de forma direta ou indireta e qual o material mais adequado é o dentista, pois é necessário avaliar diversos fatores em relação ao dente a ser restaurado, como: tamanho e extensão da restauração, quantidade de remanescente dental, avaliação da oclusão e da mordida, entre outros.

Mas, afinal… Por que restaurar?

A presença de dentes com adequado formato e função é fundamental para o equilíbrio da oclusão (mordida) e manutenção da saúde bucal. Quando um dente não está participando adequadamente da mordida, outros elementos terão que compensar as forças recebidas durante a mastigação. A restauração possibilita reintegrar o elemento danificado à mordida, evitando danos aos demais por excesso de cargas mastigatórias.

E as restaurações escuras de amálgama que eu já tenho? Devo substituir todas por resina composta?

Cada restauração deve ser avaliada individualmente por um dentista, pois existem casos específicos em que a remoção é indicada e deve ser feita assim que possível. Porém, se a restauração de amálgama estiver bem adaptada, funcional, sem a presença de infiltração ou cárie adjacente, sem risco de promover fratura do elemento dental e sem prejuízo estético ao sorriso, não é necessário fazer essa remoção. Na maioria dos casos, apenas um polimento já garante um prolongamento na longevidade dessa restauração.

Todos os dentistas possuem capacidade para executar tratamentos restauradores, entretanto, a especialidade que se aprofunda no estudo da anatomia dentária, oclusão, materiais adequados, reabilitação funcional e estética, entre outros quesitos específicos do tema é a Dentística.

Em nosso consultório, a cirurgiã-dentista Hyslei está cursando a especialização em Dentística Restauradora com Ênfase em Estética, proporcionando aos pacientes qualidade e segurança quanto à execução dos procedimentos restauradores e reabilitadores. As restaurações que ilustraram essa matéria foram confeccionadas aqui na Roman & Klein Odontologia!

Venha nos fazer uma visita, estamos esperando por você!

Roman e Klein Odontologia
(55) 9 9968 8677 / (55) 9 9977 5620
Av. Inhacorá, 355 – Sala 101 – Centro – Santa Rosa/RS
Cirurgiões-dentistas:
Artur Lopes Klein – CRO/RS 25729
Hyslei Lima Roman – CRO/RS 25727

Apoiadores:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui