Recessão Gengival: O que é e como tratar? – Portal Plural
Connect with us

Dica de Dentista

Recessão Gengival: O que é e como tratar?

Roman & Klein Odontologia

Publicado

em



 

A Recessão Gengival é um processo no qual as raízes dos dentes ficam expostas, pois a gengiva se distancia da coroa dental. A recessão pode estar localizada em um dente ou presente em vários, dependendo de cada indivíduo e de causa do problema.

Indivíduos que apresentam recessão gengival sofrem de sensibilidade dentária e prejuízo estético. Em alguns casos, a recessão é tão grande que pode interferir no suporte do dente.

Isso pode ocorrer devido à escovação traumática no local, inflamações causadas por doença periodontal, má oclusão, hábito de fumar, movimentação ortodôntica fora dos limites, próteses que machucam o local, entre outras causas.  As recessões gengivais podem estar associadas a lesões cervicais não cariosas, ou seja, defeitos causados nos dentes por abrasão ou abfração.

A recessão progride quando o fator que causou o problema continua agindo. Além disso, a distância entre o dente e a gengiva também aumenta com o passar do tempo.

E como resolver esse problema?

Primeiramente, é preciso identificar qual a causa das recessões e eliminá-la.

Através do procedimento de Recobrimento Radicular, é possível recobrir essas raízes, entretanto, nem sempre se conseguirá recobrir como era originalmente, devido às perdas extensas de gengiva.

Em recessões pequenas e localizadas em um dente, esse procedimento pode ser feito descolando a gengiva e tracionando-a para o local em que deveria estar. Já em casos mais graves, é preciso realizar um enxerto de tecido conjuntivo, normalmente retirado do céu da boca do paciente, e posicionado no local em que a gengiva está retraída.

Você possui essas características e gostaria de realizar um recobrimento radicular para devolver função e estética aos seus dentes? Faça uma avaliação para saber qual tratamento é o mais indicado para o seu caso!

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dica de Dentista

Dor de dente: o que pode ser?

Roman & Klein Odontologia

Publicado

em



 

Os dentes, assim como o fígado, coração ou rins, são órgãos que possuem inervação e irrigação sanguínea e são parte importante do nosso organismo. Por possuírem essas estruturas internas, o dente é capaz de manifestar sinais e sintomas causados por inflamações e dores.

A dor de dente é um conceito muito amplo, que abrange desde as dores mais leves, casos de sensibilidade e até dores insuportáveis, que podem impedir o paciente de se alimentar e descansar.

A dor nos dentes pode ter várias causas, como: lesões de cárie, inflamações e doenças da polpa, desgaste de esmalte, exposição de dentina ou da raiz, traumatismos, infecções e outros.

De acordo com a causa, será escolhido o tratamento mais adequado para cada caso. É importante que você preste atenção nas características da dor:

  • Se ocorre com água gelada ou quente;
  • Se a dor é espontânea ou inicia após algum estímulo (como mastigar, por exemplo);
  • Se dói mais ao se deitar;
  • Há quanto tempo você sente;
  • Se é possível indicar precisamente qual dente está doendo;
  • Qual o grau de intensidade dessa dor.

O ideal é que um dentista seja procurado imediatamente após sentir a dor ou o desconforto, para que uma avaliação seja feita e o tratamento adequado seja executado. Quanto antes investigarmos o problema, maior é a chance de recuperação e menores os transtornos!

Para prevenir a dor de dente, mantenha sempre uma boa higienização e visite regularmente o dentista para investigar possíveis problemas antes que estes se tornem agudos.

Em caso de dor não espere a situação piorar, procure um cirurgião-dentista!

Roman e Klein Odontologia
(55) 9 9968 8677 / (55) 9 9977 5620
Av. Inhacorá, 355 – Sala 101 – Centro – Santa Rosa/RS

Mantemos seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam esse serviço possível. Veja nossa Política de Privacidade para mais informações.

Continue Lendo

Dica de Dentista

Escova de dentes: como escolher a ideal e quando preciso trocar?

Roman & Klein Odontologia

Publicado

em



 

Apesar de ser um instrumento simples e bastante utilizado, a escova de dentes é fundamental na manutenção da boa higiene bucal. A limpeza utilizando a escova associada ao creme dental e complementada pelo fio dental promove uma adequada manutenção d a saúde bucal e previne diversos problemas.

A escova é composta por três partes principais: cabo, cabeça e cerdas. Existem inúmeros modelos e marcas disponíveis no mercado, seja convencionais, com borrachas entre as cerdas, limpadores de língua associados, modelos específicos para quem possui aparelho ortodôntico e outros.

O importante ao escolher a escova mais adequada para o seu caso é analisar o tamanho da cabeça, o formato do cabo e, principalmente, a característica das cerdas. A cabeça da escova deve ser compatível ao espaço presente na cavidade bucal, ou seja, pessoas com um espaço bucal mais reduzido devem optar por uma escova de cabeça menor, para conseguir alcançar os dentes localizados mais ao fundo. O cabo deve permitir o uso da escova com segurança e a execução adequada dos movimentos de escovação.

Dê preferência às escovas de cerdas macias e planas. Não existem evidências que comprovem que as escovas que possuem borrachas entre as cerdas tenham efetividade maior que a escova de dentes convencional (cerdas macias e planas).

Tipos de escovas e sua indicação:
Para pessoas que não possuem nenhum aparato odontológico em boca (aparelhos ortodônticos, próteses, implantes, etc), é indicado que a escova seja de cerdas planas e macias, para que não haja dano à gengiva no momento da escovação.

Pacientes que utilizam aparelho ortodôntico podem fazer uso das escovas unitufo ou interndental para auxiliar na limpeza dental. Em casos onde há espaços grandes entre os dentes ou entre próteses fixas, também é recomendado a utilização de escovas interdentais, que conseguem entrar no espaço e fazer corretamente a higienização.

Existem escovas de cerdas mais duras, indicadas para a limpeza de próteses totais e parciais removíveis. Essas escovas são apenas para a limpeza das próteses e não devem ser utilizadas na boca.

Já as escovas elétricas são indicadas para pacientes com dificuldades motoras temporárias ou definitivas que prejudiquem a escovação dentária convencional. Podem ser utilizadas por cuidadores, para facilitar a realização da higienização de seus pacientes.

Cuidados necessários:
Para conservar sua escova, enxague-a bem após o uso e guarde-a de pé, para que possa secar. Evite deixá-la exposta na pia do banheiro, principalmente próximo ao vaso sanitário, pois partículas repletas de micro-organismos podem se depositar na sua escova, contaminando-a. Jamais compartilhe sua escova de dentes com outras pessoas.

Para quem viaja com frequência, tome cuidado com os protetores de cerdas e porta-escovas! Se a escova não estiver bem seca ao ser guardada, a umidade das cerdas combinada ao ambiente quente e úmido do protetor fornece o ambiente ideal para proliferação de micro-organismos. Também é necessário limpar o protetor todos os dias e mantê-lo seco, assim como a escova.

A troca da escova deve ser realizada, em média, a cada três meses mesmo que ela esteja aparentemente em bom estado, pois há um acúmulo de micro-organismos que podem causar problemas. Também é recomendado trocar de escova após episódios de dor de garganta, gripes, resfriados e outras patologias associadas à cavidade bucal e ao sistema respiratório, para evitar uma reinfecção. Se sua escova está com as cerdas desfiadas, troque-a imediatamente.

Roman e Klein Odontologia
(55) 9 9968 8677 / (55) 9 9977 5620
Av. Inhacorá, 355 – Sala 101 – Centro – Santa Rosa/RS
Cirurgiões-dentistas:
Artur Lopes Klein – CRO/RS 25729
Hyslei Lima Roman – CRO/RS 25727

Mantemos seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam esse serviço possível. Veja nossa Política de Privacidade para mais informações.

Continue Lendo

Dica de Dentista

Pré-natal odontológico: a importância do acompanhamento odontológico para a saúde da mãe e do bebê

Roman & Klein Odontologia

Publicado

em



 

A partir do planejamento ou da descoberta inesperada de uma gravidez, imediatamente a gestante passa a fazer o acompanhamento pré-natal com um médico, mas… E as consultas ao dentista? Também fazem parte do pré-natal?

Apesar de não ser muito divulgado, o pré-natal odontológico é fundamental para manter a saúde bucal da mãe e do bebê em formação. Uma cavidade bucal com focos de infecção pode trazer riscos à gestação, prejudicando a formação da criança.

O ideal é visitar o dentista antes ou no início da gravidez, assim, ele poderá verificar quais as condições de saúde bucal dessa gestante, os tratamentos necessários, a frequência de retorno para avaliação e orientá-la sobre escovação e técnicas para diminuir o enjoo durante a higiene bucal. O profissional também poderá fornecer orientações a respeito da formação dos dentes do bebê, desenvolvimento facial, a importância da amamentação, o uso de chupeta, mamadeira e outras dúvidas frequentes dos pais.

Durante a gestação, pode-se observar um aumento natural da salivação. A incidência de cáries pode aumentar, seja por negligência com a higienização bucal, aumento da frequência das refeições ou episódios de vômito, que também podem causar erosão dental.

A gestação NÃO causa problemas bucais. O que pode acontecer é os problemas pré-existes se agravarem, como casos de gengivite e periodontite. As alterações hormonais naturais desse período podem promover inflamação e pequenas lesões nas gengivas, que devem ser tratadas e acompanhadas pelo cirurgião-dentista.

Gestantes com periodontite podem correr maior risco de parto prematuro e baixo peso do bebê ao nascer, pois esse processo inflamatório pode levar a liberação de hormônios que promovem a contração uterina, ocasionando o parto prematuro. Essa inflamação também pode prejudicar a absorção de nutrientes pelo bebê, o que estaria relacionado ao baixo peso no momento do nascimento.

Durante a gravidez não ocorre a perda de cálcio dos dentes da mãe para formação dos dentes ou ossos do bebê. O cálcio necessário para o desenvolvimento da criança é adquirido através da alimentação, portanto, não há prejuízo aos dentes da gestante. Muitas mulheres relatam “enfraquecimento” dos dentes acreditando ser por este motivo, mas na realidade, o que pode estar causando problema são os episódios de vômito, má higiene e outras condições associadas.

É necessário manter uma boa higiene bucal e diminuir o consumo de açúcares, mantendo uma alimentação balanceada e saudável e manter-se hidratada durante o período gestacional. O ideal é que os tratamentos necessários sejam feitos durante o segundo trimestre de gravidez, mas alguns procedimentos podem ser realizados durante os nove meses sem prejuízo ao desenvolvimento do bebê.

Mesmo que sua gestação já esteja em um período avançado, sempre é tempo de consultar um cirurgião-dentista para avaliar a saúde bucal e saber mais sobre o assunto!

Roman e Klein Odontologia
(55) 9 9968 8677 / (55) 9 9977 5620
Av. Inhacorá, 355 – Sala 101 – Centro – Santa Rosa/RS
Cirurgiões-dentistas:
Artur Lopes Klein – CRO/RS 25729
Hyslei Lima Roman – CRO/RS 25727

Mantemos seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam esse serviço possível. Veja nossa Política de Privacidade para mais informações.

Continue Lendo

Trending

×