Acesse aqui
Rádio Web Portal Plural
Quem colocou mais torcedores nos estádios em 2019, Grêmio ou Inter? – Portal Plural
Connect with us

Esportes

Quem colocou mais torcedores nos estádios em 2019, Grêmio ou Inter?

Pável Bauken

Publicado

em



 

Não faltou emoção para a torcida da dupla Gre-Nal em 2019. De um lado, o Grêmio chegou às semifinais da Libertadores e Copa do Brasil, além de chegar em quarto lugar no Brasileirão. Do outro, o Inter disputou uma final nacional e também foi longe na competição sul-americana. Terminou no G-8 do Campeonato Brasileiro. De quebra, ambos decidiram o Gauchão em partidas de ida e volta. Com tantos motivos para apoiar seu clube, quem colocou mais torcida no estádio na temporada?

O Grêmio disputou 37 partidas como mandante no ano. Ao todo, 880.704 torcedores foram registrados na Arena do Grêmio. O número também leva em conta os públicos dos dois jogos realizados no Centenário, em Caxias do Sul, pelo Brasileirão. Aliás, certamente o número seria maior se não houvesse estas transferências de local. A média de público do Tricolor fechou em 23.802 pessoas por partida.

O Inter teve 36 jogos diante de sua torcida, todos eles no Beira-Rio. No total, 977.958 torcedores passaram pelo estádio colorado em 2019. Na média, foram registrados 27.165 pessoas por partida. Importante dizer que a pesquisa leva em consideração o público total divulgado pelos clubes.

Confira abaixo o ranking de públicos da dupla Gre-Nal em 2019

Maiores públicos do Grêmio

  1. Grêmio 1×1 Flamengo (47.947 pagantes / 51.406 total)
  2. Grêmio (3) 0x0 (2) Inter (47.759 pagantes / 51.003 total)
  3. Grêmio 0x1 Palmeiras (44.967 pagantes / 47.852 total)
  4. Grêmio 2×0 Inter (40.618 pagantes / 44.376 total)
  5. Grêmio 1×0 Inter (41.053 pagantes / 44.075 total)

Maiores públicos do Inter

  1. Inter 1×2 Athletico-PR (44.804 pagantes / 50.355 total)
  2. Inter 1×1 Flamengo (46.191 pagantes / 49.614 total)
  3. Inter 2×0 Nacional-URU (44.937 pagantes / 48.530 total)
  4. Inter 2×2 River Plate (43.911 pagantes / 47.012 total)
  5. Inter 3×0 Cruzeiro (41.768 pagantes / 45.768 total)

Piores públicos do Grêmio

  • Grêmio 1×0 Fortaleza (3.761 pagantes / 4.865 total)*
  • Grêmio 2×1 Ceará (6.078 pagantes / 7.193 total)*
  • Grêmio 3×0 São José (7.616 pagantes / 9.104 total)
  • Grêmio 0x0 Juventude (7.530 pagantes / 9.211 total)
  • Grêmio 4×0 São Luiz (8.143 pagantes / 9.602 total)

*Jogos no Centenário

Piores públicos do Inter

  1. Inter 2×0 Novo Hamburgo (7.718 pagantes / 9.228 total)
  2. Inter 3×2 Botafogo (7.896 pagantes / 9.652 total)
  3. Inter 0x1 Novo Hamburgo (10.004 pagantes / 11.809 total)
  4. Inter 1×0 Ceará (10.392 pagantes / 12.536 total)
  5. Inter 2×1 Fluminense (11.180 pagantes / 13.251 total)

Gaúcha/ZH

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esportes

Após vitórias, Brasil segue em 3º no ranking da Fifa; México e Itália no Top 10

Pável Bauken

Publicado

em

(crédito: PAOLO AGUILAR)

A Fifa divulgou nesta sexta-feira a atualização de seu ranking após as partidas internacionais do mês de novembro. Foram realizados quase 160 jogos entre seleções por Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, Liga das Nações, Eliminatórias da Copa Africana de Nações e amistosos. Com duas vitórias neste período, a seleção brasileira segue em terceiro lugar, mas diminuiu a distância para a líder Bélgica e para a França, a segunda colocada.

Por ter vencido a Venezuela por 1 a 0, no estádio do Morumbi, em São Paulo, e o Uruguai por 2 a 0, em Montevidéu, o Brasil somou 18 pontos e chegou a 1.743. A diferença para a França caiu para 12 pontos depois que os europeus somaram apenas três neste mês. Os belgas se mantêm na liderança com 1.780 – conquistaram 15 pontos em novembro.

A grande novidade da lista foi a entrada de México e Itália no Top 10. Com 1.632 pontos, os mexicanos ocupam agora o nono lugar, seguidos pelos italianos com 1.625. Eles ocupam os lugares que eram de Croácia e Colômbia – em novembro, a seleção sul-americana sofreu duas duras derrotas nas Eliminatórias da Copa com direito a uma goleada de 6 a 1 para o Equador.

Quem também subiu no ranking da Fifa entre os 10 primeiros colocados foi a Argentina. Com um triunfo sobre o Peru e um empate contra o Paraguai, a seleção de Lionel Messi pulou da oitava para a sétima posição, ultrapassando o Uruguai. À frente dos sul-americanos estão Inglaterra (quarto lugar), Portugal (quinto) e Espanha (sexto).

A próxima atualização do ranking da Fifa, a última de 2020, será divulgada no dia 10 de dezembro. Deverão ser poucas mudanças, já que os próximos jogos das principais seleções do mundo acontecerão somente em março do ano que vem.

Confira o ranking da Fifa:

1.º – Bélgica – 1.780 pontos

2.º – Franca – 1.755

3.º – Brasil – 1.743

4.º – Inglaterra – 1.670

5.º – Portugal – 1.662

6.º – Espanha – 1.645

7.º – Argentina – 1.642

8.º – Uruguai – 1.639

9.º – México – 1.632

10.º – Itália – 1.625

11.º – Croácia – 1.617

12.º – Dinamarca – 1.614

13.º – Alemanha – 1.610

14.º – Holanda – 1.609

15.º – Colômbia – 1.601

16.º – Suíça – 1.586

17.º – Chile – 1.567

18.º – País de Gales – 1.562

19.º – Polônia – 1.559

20.º – Senegal – 1.558

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Esportes

Lewis Hamilton diz não se opor a teto salarial para pilotos da Fórmula 1

Pável Bauken

Publicado

em



Um dos esportistas mais bem pagos do mundo, Lewis Hamilton disse não se opor ao teto salarial que será imposto para os pilotos de Fórmula 1 a partir de 2023. O heptacampeão mundial, no entanto, considera que a proposta tem de ser cuidadosa para não prejudicar os maiores talentos do esporte.

A Fórmula 1 tem discutido um limite para os salários dos pilotos como parte de um esforço mais amplo para nivelar a disputa entre as equipes mais ricas e as que possuem menos recursos.

“Não me oponho pessoalmente a isso”, opinou o britânico em entrevista coletiva nesta quinta-feira, às vésperas do GP do Bahrein, marcado para o próximo domingo. Será a antepenúltima etapa da temporada de 2020. O piloto da Mercedes se igualou a Michael Schumacher no número de títulos ao conquistar a Fórmula 1 pela sétima vez. Ele assegurou a conquista no GP da Turquia.

“Eu penso sobre as próximas estrelas jovens que estão surgindo e não vejo por que eles deveriam ser prejudicados se estão trazendo algo enorme para o esporte”, ponderou Hamilton.

A categoria já estipulou um limite de 145 milhões de dólares (cerca de R$ 772 milhões) para as equipes dentro do orçamentos geral para o próximo ano. O valor será reduzido anualmente até chegar no teto orçamentário de US$ 135 milhões (cerca de R$ 718 milhões) entre 2023 e 2025.

O teto salarial, no entanto, não faz parte dessas medidas orçamentárias e ainda está um pouco distante. A proposta foi apresentada à Comissão da Fórmula 1 em outubro deste ano e pede que o valor máximo de US$ 30 milhões (cerca de R$ 159 milhões) seja implementado em 2023.

“Se você olhar para outros esportes, existem tetos salariais em alguns desses esportes. Acho que a única diferença é que as pessoas podem explorar suas imagens em muitas áreas, eles podem tentar maximizar sua imagem em outro lugar”, disse Hamilton. “Já o automobilismo controla praticamente a imagem do piloto”, acrescentou o piloto de 35 anos.

O piloto da Mercedes ganha cerca de US$ 50 milhões por ano (R$ 266 milhões) e está em negociações com a equipe alemã para estender o seu contrato, que expira no final deste ano.

“Os pilotos foram as estrelas do esporte e a Fórmula 1 precisava reconhecer isso”, observou Hamilton que superou Schumacher no número de vitórias, pódios e pole position e se estabeleceu como um dos maiores pilotos da história. “É um esporte de bilhões de dólares e eles deveriam ser recompensados pelo que eles trazem para ele”, concluiu.

Estadão

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Esportes

Familiares começam batalha pela herança milionária de Maradona

Reporter Global

Publicado

em

Familiares começam batalha pela herança milionária de Maradona | Foto: AFP / CP

 

Craque argentino teve um ganho estimado em quase R$ 3 bilhões ao longo da vida. Além de cinco filhos reconhecidos, outros seis tentam paternidade

 

A morte de Diego Maradona provocou uma grande comoção no mundo inteiro. Um dos maiores jogadores de todos os tempos, o argentino de 60 anos morreu vítima de uma parada cardiorrespiratória na última quarta-feira (25).

Velado e enterrado no dia seguinte, em eventos que reuniram uma verdadeira multidão pelas ruas de Buenos Aires, mais especificamente nos arredores da Casa Rosada e também do Cemitério Jardim da Paz, o craque agora deve protagonizar uma “batalha”.

Ninguém sabe muito bem quanto é o patrimônio de Maradona, mas uma coisa é certa: haverá uma verdadeira guerra entre seus herdeiros. Oficialmente, eles são cinco: Dalma Nerea, Gianinna Dinorah, Diego Jr, Dieguito Fernando e Jana.

Porém, segundo informações da imprensa argentina, ele tem mais seis filhos que tentam, na Justiça, serem reconhecidos. Quatro deles estão em Cuba: Javielito, Lu, Johanna y Harold. E ainda Santiago Lara, de 19 anos, e Magalí Gil, de 24.

De acordo com o site Celebrity Net Worth, especializado nas fianças dos famosos, os ganhos totais do ex-craque ao longo da carreira giram em torno de 500 milhões de dólares (R$ 2,6 bilhões): “Durante sua carreira como jogador e treinador, Maradona ganhou dezenas de milhões de dólares em salários e patrocínios. Nos anos 80, ele era um dos jogadores mais bem pagos do mundo, ganhando muito dinheiro de salários e marcas parceiras, como Hublot, Puma e Coca-Cola”.

Por outro lado, tem quem fale que seu patrimônio é bem menor que isso, algo entre 75 (R$ 400 milhões) e 100 milhões de dólares (R4 534 milhões). Entre seus bens, destaque para cinco casas em Buenos Aires e muitos carros de luxo, entre eles quatro que ficavam na Argentina, além de um Rolls Royce Ghost, avaliado em 300 mil euros (R$ 1,9 milhão) e uma BMW i8, de 145 mil euros (R$ 922 mil) que ficavam em Dubai, onde ele trabalhou recentemente como treinador.

 

Correio do Povo

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×