Propostas para diversificar propriedade rural foram apresentadas pela Emater/RS-Ascar – Portal Plural
Connect with us

Agro

Propostas para diversificar propriedade rural foram apresentadas pela Emater/RS-Ascar

Pável Bauken

Publicado

em



 

Quem passou pelo espaço institucional da Emater/RS-Ascar no 33º Encontro Estadual de Hortigranjeiros, em Santa Rosa, teve a oportunidade de conhecer mais sobre diferentes formas de manejo e tecnologias voltadas à agricultura e à promoção da geração de renda e qualidade de vida. Agroindústria, saneamento básico, energias renováveis, apicultura, atividade leiteira, solos, crédito, plantas bioativas, cooperativismo e segurança e soberania alimentar são algumas das propostas apresentadas para contribuir com a diversificação e a gestão da propriedade.

O presidente da Emater/RS, Geraldo Sandri, visitou a feira, acompanhado do gerente regional, Ademir Renato Nedel, e do gerente adjunto, José Vanderlei Waschburger. Sandri destacou que a atuação da Instituição em diferentes comissões da feira, bem como o espaço institucional, retratam a grandiosidade do trabalho de Assistência Técnica e Extensão Rural e Social (Aters) em todo Estado, permitindo que as políticas públicas cheguem efetivamente até a propriedade.

Qualidade de Vida no Meio Rural
Entre os temas abordados estão formas de promover bem-estar e saúde para as famílias que vivem no meio rural, como o saneamento básico e o embelezamento de arredores. Está demonstrada na prática uma estrutura de como deve ser o destino adequado de dejetos da residência, apresentando-se orientações para instalação da fossa séptica, onde ocorre o tratamento primário do esgoto, reduzindo assim, o risco de contaminação do solo e das águas subterrâneas. Após esse tratamento complementar realizado pelo filtro anaeróbio, o esgoto é canalizado até o sumidouro. A forma como é instalada a caixa de gordura também é apresentada.

Como saneamento básico remete a ter um local para se morar, no espaço também é lembrada uma das novidades do Plano Safra deste ano, o Pronaf Habitação, cujos projetos de crédito podem ser encaminhados junto aos escritórios municipais da Emater/RS-Ascar. O uso de energias renováveis para a geração de energia na propriedade, a exemplo do uso de placas solares fotovoltaicas, é uma forma apresentada para a geração de energia mais limpa e economia mensal na conta de energia elétrica.

Em um suntuoso horto, em formato do relógio do corpo humano, é resgatada a sabedoria de gerações e são apresentadas orientações sobre a forma segura e mais eficiente de consumir plantas medicinais e condimentares.

A valorização e fortalecimento da cultura alimentar da região e o estímulo à produção de alimentos para consumo próprio é reiterado através do Programa Regional de Segurança e Soberania Alimentar, que tem como lema “Produza mais, gaste menos e ganhe em saúde e nutrição”. O uso de insumos agroecológicos na produção de alimentos e o manejo com plantas companheiras são propostas apresentadas para a produção de alimentos com maior qualidade e menor uso de agroquímicos.

Gestão Sustentável e com Rentabilidade
Tecnologia de aplicação é outro ponto que vem sendo abordado, especialmente neste período pré-safra de verão, na região em que são cultivados aproximadamente 700 mil hectares de soja. Alerta-se especialmente para a regulagem do pulverizador e para as condições climáticas a serem observadas no momento da aplicação de agroquímicos.

Para falar sobre produtividade e rentabilidade em qualquer tipo de produção agropecuária é necessário levar em conta práticas conservacionistas do solo, por isso, este tema também é abordado com recomendações sobre a rotação de culturas, terraceamento e outras ações que contribuem para o cuidado com o solo.

Após a colheita, é preciso se preocupar com a manutenção da qualidade e o valor agregado na comercialização do produto, diante disso, um silo de baixo custo, feito de alvenaria, para secagem e armazenagem de grãos, é proposto.

A atividade leiteira é abordada em diferentes aspectos que vão desde o pastoreio rotativo, sistema silvipastoril, nutrição animal em diferentes sistemas de produção, manejo limpo e qualidade do leite até outras novidades que têm sido implantadas na região como os sistemas de compost barn.

Equipamentos para o manejo da apicultura e alternativas como a meliponicultura são apresentados no espaço. No caso das abelhas sem ferrão, estão expostas algumas espécies, cuja forma de manejo tem sido orientada, a exemplo da mirim, mirim, mandaçaia, canudo, mirim-preguiça, manduri e jataí.

Na feira em que o foco é a celebração da produção de hortigranjeiros, possibilidades de acesso ao crédito e assistência técnica para diferentes formas de produção são destacadas.

Os focos institucionais da Emater/RS-Ascar e a missão de promover o desenvolvimento rural sustentável do Estado do Rio Grande do Sul estão representados em uma ampla maquete, que tem atraído muitos visitantes ao espaço.

A Unidade de Cooperativismo da Emater/RS-Ascar tem chamado atenção para a cooperação como uma forma de proteção nas adversidades e destaca o trabalho de assessoramento à gestão realizado junto a 28 cooperativas da agricultura familiar na região.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agro

O que esperar dos preços da soja para a próxima semana?

As condições climáticas seguem com atenção do mercado e podem interferir nos preços negociados na Bolsa de Chicago

Pável Bauken

Publicado

em

Foto: Pixabay

O mercado de soja deve ficar atento a uma série de fatores que devem impactar nas cotações para a próxima semana. Entre eles está as condições do clima na América do Sul. Os últimos dias foram de fortes quedas na Bolsa de Chicago, que foram impulsionados pelo retorno das chuvas no Brasil e na Argentina

Acompanhe abaixo os fatos que deverão merecer a atenção do mercado de soja na semana que vem. As dicas são do analista da Safras Consultoria, Luiz Fernando Roque.

– O mercado de soja mantém as atenções divididas entre o clima para o desenvolvimento da nova safra da América do Sul e movimentos da demanda chinesa no mercado internacional. Os players também avaliam notícias de que uma nova variante da Peste Suína Africana está circulando em rebanhos na China. No lado financeiro, o avanço da vacinação e o aumento de casos da Covid-19 ao redor do mundo dividem atenções com os primeiros passos do novo governo dos Estados Unidos;

– Os últimos dias foram de um clima mais favorável ao desenvolvimento das lavouras na América do Sul diante do retorno de uma umidade relevante para a maior parte do Brasil e para as principais províncias produtoras da Argentina. Além disso, as previsões climáticas apontam para a manutenção da umidade sobre a região Sul no Brasil e sobre a “zona núcleo” na Argentina nos próximos 14 dias. Tais fatos pesam sobre o mercado em Chicago, trazendo correções negativas sobre as valorizações acumuladas desde o início de dezembro;

– A grande questão é que o mercado estava antecipando grandes perdas produtivas devido à problemas climáticos, principalmente na Argentina, fato que pode não se concretizar se o clima for favorável nas próximas semanas/meses;

– Além disso, o mercado teve correções acentuadas por notícias que indicam que uma nova variante da Peste Suína Africana está circulando em algumas fazendas de porcos na China. Tal fato traz incertezas relacionadas à demanda chinesa para 2021, visto que um novo avanço da doença pode voltar a reduzir de forma significativa o rebanho suíno chinês;

– No lado financeiro, o mercado volta a demonstrar certo nervosismo diante do aumento de novos casos de Covid-19 ao redor do mundo. Tal fato supera, neste momento, o otimismo com o avanço da vacinação nas principais economias, colocando em xeque a recuperação econômica mundial. Em paralelo, os players avaliam os primeiros passos do novo presidente dos EUA, aguardando pela confirmação de um novo pacote de estímulos para a economia norte-americana.

Canal Rural

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Agro

Exportações gaúchas de carne suína cresceram mais de 50% em 2020

Embarques de carne de frango pelo Estado também cresceram no ano passado

Pável Bauken

Publicado

em



O volume de carne suína exportada pelo Rio Grande do Sul cresceu 54,41% em 2020 na comparação com o ano anterior, informou a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). Passou de 169,23 mil toneladas para 261,32 mil toneladas. Na receita, a alta foi de 52,37%. Foram negociados US$ 629,29 milhões no ano passado contra US$ 412,99 milhões em 2019.

De acordo com a ABPA, os embarques de carne de frango também aumentaram no acumulado do ano aqui no Estado: 15,82%. Em 2020, foram exportadas 678,53 mil toneladas, enquanto em 2019 o total foi de 585,85 mil toneladas. As vendas totalizaram US$ 920,93 milhões no ano passado, superando em 0,95% o valor de 2019 — quando foram registrados US$ 912,27 milhões.

Embarques de dezembro de 2020 – No último mês do ano, o Rio Grande do Sul exportou 22,13 mil toneladas de carne suína. O número significa uma alta de 22,04% na comparação com o mesmo mês de 2019, quando foram embarcadas 18,13 mil toneladas. As vendas somaram US$ 51,81 milhões em dezembro, o que representa uma leve queda de 1,31% se comparado ao valor do mesmo período do ano anterior (US$ 52,49 milhões).

As vendas internacionais de carne de frango pelo Estado caíram 6,84% em volume, passando de 65,05 mil toneladas para 60,60 mil toneladas. A receita também recuou 14,89%. Foram negociados US$ 101,13 milhões em dezembro de 2019 contra US$ 86,08 milhões em dezembro de 2020.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Agro

Muito sol e pouca chuva garantem nível excelente de doçura das uvas

Pável Bauken

Publicado

em



Nesta safra, a qualidade da uva é a grande diferença: a pouca chuva e muito sol dos últimos dias têm levado a fruta a níveis de doçura excelentes, garantindo a venda a bons preços. De acordo com o Informativo Conjuntural, produzido e divulgado nesta quinta-feira (21/01) pela Gerência de Planejamento da Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), na região de Frederico Westphalen, a colheita está sendo finalizada na encosta do Rio Uruguai. Videiras irrigadas apresentam bom desempenho, superando a média da região. A produtividade deverá se manter próxima de oito toneladas por hectare.

As chuvas ocorridas na semana foram muito benéficas à cultura da soja em desenvolvimento no RS. Avançou o percentual de lavouras em fase reprodutiva, com 37% delas em floração e 10% em enchimento de grãos, estas localizadas mais ao Noroeste do Estado, e 53% continuam em germinação e desenvolvimento vegetativo.

A colheita do milho no Rio Grande do Sul chegou a 18% da área implantada com a cultura. As condições climáticas de chuvas em todas as regiões beneficiaram as lavouras, que estão em diversas fases de desenvolvimento. O plantio chega a 97% da área total prevista e 18% da área cultivada já está colhida, 20% está em fase de germinação e desenvolvimento vegetativo, 15% em floração, 25% em enchimento de grãos e 22% em maturação.

A predominância de tempo firme, com elevadas temperaturas e dias ensolarados, e a disponibilidade de água via irrigação contribuem para o desenvolvimento do arroz. No entanto, a ocorrência de chuvas esparsas e de baixo volume no Estado tem acarretado menor capacidade de recarga dos níveis de água dos mananciais.

OLERÍCOLAS

Na região de Ijuí, as olerícolas apresentam desenvolvimento normal conforme o ciclo de cada cultura, com plantio escalonado de acordo com o planejamento, e aumento da produção na região, sem problemas climáticos. A alface é comercializada com tamanho um pouco menor devido à alta demanda, beneficiando o produtor com introdução de novo cultivo e aumento da produção de unidades por área. Aumentou a incidência de ferrugem branca na rúcula), diminuindo a produção e a oferta da cultura. É grande a procura por orientação técnica sobre produção para autoconsumo das famílias que moram nas cidades e que têm pequenas áreas de terra.

FRUTÍCOLAS

Na região de Santa Rosa, variedades de morango de dia neutro, como Albion e San Andreas, implantadas em cultivo protegido estão com produção um pouco menor, necessitando limpeza periódica e cuidado com doenças fúngicas, principalmente antracnose e controle de ácaros. De forma geral, nas semanas anteriores, registrou-se queda de frutos e flores, determinando redução no potencial produtivo. Variedades híbridas comerciais de melão, do tipo Cantaloupe, estão em plena colheita, e as variedades tradicionais como o Gaúcho e o Neve estão em final de colheita e bastante queimados pelo sol forte. Em relação à melancia, praticamente só conseguiu produzir quem tinha condições de irrigar, e mesmo assim os frutos são de tamanho reduzido.

PISCICULTURA

Os níveis de água dos açudes têm sido suficientes para manter a qualidade da água em patamares adequados para as espécies cultivadas. As temperaturas favoreceram o desenvolvimento dos peixes. Na região de Passo Fundo, foram observados casos pontuais de morte de peixes causados por lérnia e doenças oportunistas associadas. Na de Santa Rosa, alguns produtores vêm realizando a despesca, a fim de atender a demanda de pescado pelo mercado consumidor local. Não houve registro de mortalidade de peixes no período.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

ENQUETE

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


error: Conteúdo protegido, para ter acesso seja nosso parceiro entre em contato no whats (55) 984161736
×