Pesquisadores mostram desafios no ensino de inglês – Portal Plural
Connect with us

Ensino

Pesquisadores mostram desafios no ensino de inglês

Publicado

em

aulas de inglês idioma - Wilson Dias/Agência Brasil


Formar melhor os professores e definir formas de ensinar que sejam mais atraentes aos estudantes são alguns dos principais desafios que o Brasil deve enfrentar para de fato aprender inglês. A partir deste ano, o país começa a implementar, no ensino fundamental, a Base Nacional Comum Curricular, um documento que define o mínimo que todos os estudantes no país têm direito de aprender, e o inglês está previsto nesse documento.

Aulas de inglês não são novidade nem em escolas públicas, nem em particulares, uma vez que a maioria oferece o idioma, mas um estudo do British Council mostra que apenas 10,3% dos jovens, de 18 a 24 anos, dizem saber inglês. O percentual é menor se consideradas as pessoas mais velhas, com mais de 16 anos, chega a 5,1%.

“A gente não pára pra pensar por que não está aprendendo inglês. Então, se a gente quer mudar esse cenário, [precisa se perguntar] o que precisa mudar na maneira como se tem aprendido inglês porque provavelmente nao está funcionando”, diz a gerente sênior de Inglês do British Council Brasil, Cíntia Gonçalves.

As respostas vêm de vários eixos, de acordo com o estudo do conselho, um deles a formação de professores. “O Brasil tem em torno de 62 mil professores de inglês no ensino fundamental e médio e há grande contingente de professores que não estão habilitados em língua estrangeira ou inglesa”, diz.

Além disso, aulas muito voltadas para a gramática e aspectos pouco práticos tendem a não ser tão atraentes aos estudantes. “Buscamos nos currículos qual a visão que os estados têm de inglês e língua estrangeira porque isso vai orientar a sala de aula. Vimos que a maior parte dos estados têm uma visão predominantemente ou totalmente voltado para gramática”. Há bons exemplos em todo o país, mas, de acordo com Cintia, ainda é preciso definir um objetivo claro de onde queremos chegar como nação, para que as boas práticas cheguem a todas as escolas. “Antes de falar que precisa melhorar o ensino de inglês, [tem que se definir] onde quer chegar. A partir desses objetivos, traçar metas e ter plano de ação. Isso que o Brasil precisa definir como nação. O que a gente quer com os alunos aprendendo inglês? Para que? Porque é isso que vai pautar o ensino e aprendizado”.

No ensino superior

Ter um boa base de inglês é o que fará com que os brasileiros possam ter maior internacionalização do ensino superior, fazendo com que as pesquisas desenvolvidas no país ganhem uma dimensão global. “Hoje em dia, a informação que circula no mundo acadêmico é produção em inglês. Há demanda por ter acesso à produção corrente, à troca. Entrar no circuito de discussão sobre pesquisa a aprendizagem de inglês é fundamental”, diz a professora da Universidade Federal de Minas Gerais, Maria Lucia Castanheira. 

Maria Lucia é uma das responsáveis pelo estudo Paisagens de língua e letramento em mudança nas universidades brasileiras: o Inglês no desenvolvimento da política e da prática linguística, desenvolvido em parceria com a Universidade de Brasília e a Universidade de Birmingham, no Reino Unido. 

O grupo mostrou que as formas como cada instituição trabalha com o uso de outros idiomas além do português varia. Há disciplinas inteiramente ministradas em outros idiomas, há disciplinas nas quais os estudantes leem textos em idiomas estrangeiros, mas as discussões são feitas em português, entre outras.  

Assim como na fase escolar, quando as políticas públicas têm papel fundamental, os pesquisadores mostram que também as universidades sofrem influência das decisões políticas e dependem de recursos. “Acho que uma das conclusões a que a gente chega, muito clara, é que qualquer coisa que se faça nessa direção de implementar uma política linguística vai requerer recursos, que têm que estar na universidade para fomentar condições de trabalho”.

Universidades estrangeiras

O ensino e a aprendizagem de inglês em diversos países são feitos nas principais universidades do mundo. Uma das formas de ensinar é o chamado inglês como meio de instrução, cuja sigla em inglês é EMI. Trata-se de ensinar não apenas o inglês, mas determinada disciplina ou conteúdo em inglês, como é feito, por exemplo, em escolas bilíngues. 

“No passado, as pessoas colocavam muita ênfase em ensinar a língua, ensinar o inglês e assumiam que o conteúdo viria depois, que uma vez que soubessem a língua, seriam capazes de estudar geografia, matemática, o que fosse, em inglês. Na verdade, esse pode não ser o jeito mais eficiente de olhar para isso. Acho que muitos estudantes, pais e governos perceberam que é mais eficiente e prático ensinar a matéria no inglês. Assim, o estudante ganha o aprendizado, ganha o conteúdo e aprende inglês”, diz o professor associado em Educação de Língua Internacional da Universidade de Bath, no Reino Unido, Trevor Grimshaw. 

Estudos mostram, no entanto, que nem sempre os estudantes conseguem, sem uma base forte na língua estrangeira, absorver todo o conteúdo ensinado.  

“Observamos que os alunos [de universidades de outros países] que têm acesso a aulas de apoio de inglês com propósitos acadêmicos [ou seja, com os jargões de cada área] têm mais sucesso do que aqueles que têm acesso apenas ao conteúdo ensinado em inglês”, diz o   professor associado em linguística aplicada da Universidade de Oxford, Heath Rose.

EBC

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ensino

IATI-Fema é Top One Business Lab Criative

Publicado

em



Com o intuito de estar sempre na vanguarda da inovação e alinhada com as demandas da sociedade do século XXI a IATI-FEMA começa 2022 com uma nova proposta: muito além de uma incubadora a IATI – FEMA é um Business Lab Criative, um laboratório de negócios que atua como consultoria e assessoria nas variadas áreas da gestão com ênfase na educação empreendedora e inovação. O Ciclo de uma empresa que passa a fazer parte do Ecossistema Acadêmico de Inovação inicia com o empreender um negócio, passa pelo desafio de entender e diagnosticar a saúde da organização, de inovar para resolver problemas do negócio, e finaliza com um novo ciclo de crescimento, operando em ambientes cada vez mais complexos.

A Missão da IATI no contexto do Business Lab Criative é proporcionar aconselhamento, gestão e consultoria administrativa, jurídica e contábil com foco na otimização, proteção ou recuperação dos objetivos empresariais, auxiliando empreendedores a impactar e desenvolver a sociedade como um todo. A Visão é desenvolver líderes empreendedores com visão estratégica e produzir conhecimentos relevantes que contribuam de forma sustentável para a transformação das organizações e da sociedade tornando-se um HUB de Empreendedorismo e Inovação.

A IATI, enquanto Business Lab Criative, acredita na força do Ecossistema Acadêmico de Inovação para criar oportunidades e gerar soluções viáveis, capazes de promover transformações sociais, ambientais e econômicas de forma ética e positiva. Busca conectar professores, acadêmicos, empreendedores e comunidade para que colaborem de forma ativa na reflexão e implementação de ações que contribuam para o crescimento local e regional por meio de atividades de ensino, pesquisa e extensão.

As empresas vinculadas recebem assistência nas atividades diárias e rotinas administrativas, apoio e diagnóstico para reestruturação organizacional, apoio a análises financeiras e jurídicas.

Os acadêmicos das Faculdades Integradas Machado de Assis, ao participarem das ações, desenvolvem competências como mobilização de saber, saber-fazer e saber-ser para resolução de problemas complexos e tem a oportunidade de mobilizar e aplicar saberes adquiridos ao longo dos cursos de graduação, interagindo com professores, empreendedores e comunidade, enriquecendo suas experiências. Dessa forma, trabalham também as competências: criatividade, negociação, atuação sistêmica e empreendedorismo e inovação.

O Business Lab Criative pautado nos Valores já consolidados pela marca IATI de conectividade, praticidade, sustentabilidade, economicidade, agilidade, mobilidade e flexibilidade, agora incorpora assertividade, abordagem multidisciplinar, visão técnica de vanguarda, criatividade e inovação.

O Business Lab Criative tem como Propósito: Inspirar negócios inovadores aproximando o meio acadêmico do mercado, estimulando a Educação empreendedora e gerando produtos e serviços com foco na experiência e sucesso dos clientes.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

Assembleia aprova programa que prevê bolsa de R$ 150 mensais para 80 mil estudantes do Ensino Médio

Publicado

em



O programa Todo Jovem na Escola, que pagará uma bolsa de R$ 150 mensais para alunos de baixa renda familiar, foi aprovado por unanimidade pela Assembleia Legislativa na tarde desta terça-feira (7/12). O objetivo é reduzir o impacto da pandemia na rede estadual, bem como prevenir abandono e evasão escolar, além de incentivar que os alunos concluam o Ensino Médio.

A Secretaria da Educação (Seduc) creditará o auxílio financeiro no Cartão Cidadão da Família. Ao todo, serão atendidos cerca de 80 mil estudantes de 15 a 21 anos. O investimento total do governo do Estado é de R$ 180 milhões até dezembro de 2022.

Entre os requisitos para receber a bolsa, estão: atender aos critérios de renda do CadÚnico e ter Cartão Cidadão; estar regularmente matriculado no Ensino Médio da rede estadual de ensino; engajamento estudantil mensal de 80% ou mais nas atividades escolares; e participação regular em avaliações e ações promovidas pela Seduc.

O primeiro pagamento da bolsa estudantil está previsto para 20 de dezembro, retroativo aos meses de outubro e novembro (R$ 300), e o de dezembro, para 20 de janeiro de 2022, desde que o estudante cumpra os requisitos de frequência e engajamento estudantil.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Ensino

Bolsonaro diz que gostaria de inserir questão sobre Ditadura Militar no Enem: ‘Começar a história do Zero’

Publicado

em



Em evento no Palácio do Planalto, o presidente do Brasil negou ter interferido na prova, mas, afirmou que se pudesse faria (mais…)

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PLURAL AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×