Acesse aqui
Rádio Web Portal Plural
Pesquisadores brasileiros apresentam fóssil de lagostim da Antártica – Portal Plural
Connect with us

Mundo

Pesquisadores brasileiros apresentam fóssil de lagostim da Antártica

A nova espécie foi encontrada na Ilha James Ross

Reporter Global

Publicado

em

© Museu Nacional/UFRJ


Pesquisadores brasileiros apresentaram hoje (13) um novo fóssil de lagostim encontrado na Ilha James Ross, na Península Antártica. A pesquisa foi publicada nesta quinta-feira na revista Polar Research. Os pesquisadores são do Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens da Universidade Regional do Cariri (Urca), do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), da Universidade do Contestado, em Santa Catarina, e da Universidade Federal do Espírito Santo.

Pesquisadores do Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens/URCA, do Museu Nacional/UFRJ, da Universidade do Contestado e da Universidade Federal do Espírito Santo apresentaram hoje, dia 13 de agosto, um novo fóssil de lagostim encontrado na

Fóssil de lagostim Hoploparia echinata  – Museu Nacional/UFRJ

Trata-se de dois espécimes que foram classificados no gênero Hoploparia em uma nova espécie, H. echinata. “Apesar de não ter representantes atuais, os fósseis desse gênero de lagostim foram encontrados em camadas de diferentes partes do mundo, em um total de 67 espécies. Entretanto, no continente antártico, eram conhecidas, até o momento, apenas três espécies, sendo esta uma nova, procedente da Ilha James Ross”, disse o diretor do Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens/Urca, Allysson Pinheiro.

O material foi coletado em 2016, durante em expedição realizada pelo projeto Paleoantar, dedicado a coletar e estudar rochas e fósseis da Antártica. As rochas onde foram encontrados os fósseis sugerem que o animal vivia em ambientes marinhos rasos, com fundo arenoso. Estima-se que tenha vivido no Período Cretáceo, durante o Campaniano, há cerca de 75 milhões de anos.

Anatomia do lagostim

Pesquisadores do Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens/URCA, do Museu Nacional/UFRJ, da Universidade do Contestado e da Universidade Federal do Espírito Santo apresentaram hoje, dia 13 de agosto, um novo fóssil de lagostim encontrado na

Desenho de como seria o Lagostim, que viveu há cerca de 75 milhões de anos – Museu Nacional/UFRJ

O fóssil é classificado como Hoploparia echinata, do latim echinatus, que significa espinhoso, e se refere à característica espinhosa das pernas e terceiros maxilípedes. Essa feição espinhosa é uma das principais características de distinção para as demais espécies de Hoploparia. Segundo os pesquisadores, a atribuição ao gênero se dá especialmente pela ornamentação do cefalotórax (carapaça), que tem um padrão de sulcos, espinhos e carenas bem definidos.

Os pesquisadores acreditam que o animal, semelhante a outros lagostins, deveria cavar tocas e ser um predador de emboscadas, por causa de sua pinça. Essas pinças, grandes e fortes, podiam ser usadas inclusive para capturar peixes e facilitavam a escavação de sua toca.

De acordo com Allysson Pinheiro, possivelmente eram animais territorialistas que não viviam em grandes associações. Eventualmente podiam conviver, como na época da reprodução ou quando se alimentavam de carcaças. “Mas eram animais isolados, vivendo mais em sua toca”.

De acordo com o paleontólogo e diretor do Museu Nacional/UFRJ, Alexander Kellner, a descoberta dessa nova espécie “certamente não será a única do grupo”. Em 2018, os pesquisadores estiveram por 50 dias no The Naze (parte da ilha James Ross), onde foram coletados dezenas de fósseis de lagostas e outros crustáceos que estão em estudo. “Certamente, em breve, teremos mais novidades sobre esse grupo de animais que viveram na Antártica durante o período Cretáceo”, afirmou.

Antártica

Pesquisadores do Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens/URCA, do Museu Nacional/UFRJ, da Universidade do Contestado e da Universidade Federal do Espírito Santo apresentaram hoje, dia 13 de agosto, um novo fóssil de lagostim encontrado na

Pesquisadores brasileiros na Ilha James Ross – Museu Nacional/UFRJ

A Ilha James Ross, em um período entre 70 a 80 milhões de anos atrás, época do fóssil encontrado, era muito diferente do que é hoje. Naquela época, a área estava coberta por um mar raso com uma grande variedade de fauna (tubarões, corais, répteis, etc), e com uma temperatura mais elevada do que as registradas atualmente.

“A ilha de James Ross tem um dos acervos fossilíferos mais ricos da Antártica. A descoberta de uma nova espécie de lagostim confirma esse enorme potencial e a importância do desenvolvimento contínuo de pesquisas em paleontologia na região”, disse o pesquisador da Universidade Federal do Espírito Santo, Rodrigo Figueiredo.

ebc

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

China diz que OMS aprovou uso emergencial de vacina contra coronavírus

País lançou programa emergencial em julho

Reporter Global

Publicado

em

© REUTERS/Thomas Peter/Direitos Reservados

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse à China que apoia e compreende que o país inicie a administração de vacinas contra coronavírus experimentais enquanto os testes clínicos ainda estão em andamento, disse uma autoridade de saúde chinesa nesta sexta-feira (25).

A China fez contato com a OMS no final de junho e lançou seu programa emergencial em julho, de acordo com Zheng Zhongwei, autoridade da Comissão Nacional de Saúde do país.

Centenas de milhares de trabalhadores essenciais e outros grupos limitados de pessoas que se consideram correrem risco alto de infecção receberam a vacina, embora sua eficácia e segurança ainda não tenham sido plenamente estabelecidas, já que os testes clínicos de estágio avançado estão incompletos.

“No final de junho, o Conselho de Estado da China aprovou o plano de um programa de uso emergencial de vacina contra coronavírus”, disse Zheng em uma coletiva de imprensa.

“Após a aprovação, em 29 de junho, fizemos contato com os representantes relevantes do escritório da OMS na China e obtivemos apoio e compreensão da OMS”, disse.

O representante da OMS na China não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

A cientista-chefe da agência, Soumya Swaminathan, disse em Genebra neste mês que autoridades reguladoras nacionais podem aprovar o uso de produtos médicos em suas próprias jurisdições na situação atual de emergência, mas descreveu a medida como uma “solução temporária”.

A solução de longo prazo está na conclusão dos testes de estágio avançado, disse a autoridade da OMS.

ebc

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

AGU cobra na Justiça R$ 893 milhões de desmatadores da Amazônia

Força-tarefa do órgão ajuizou 27 ações de ressarcimento em setembro

Reporter Global

Publicado

em

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Advocacia-Geral da União (AGU) informou hoje (25) que foram ajuizadas neste mês 27 ações na Justiça para cobrar R$ 893 milhões de pessoas acusadas de desmatamento na Amazônia Legal. Segundo o órgão, o valor corresponde ao montante que deve ser reparado pelos danos ambientais causados em cerca de 35 mil hectares de floresta.

Os desmatamentos irregulares ocorreram em municípios do Amazonas (Lábrea, Nova Aripuanã e Manicoré), Rondônia (Alto Paraíso e Machadinho D´Oeste), Pará (Ulianópolis, Marabá e São Feliz do Xingú ), Mato Grosso (Nova Maringá, Santa Cruz do Xingú, São Felix do Araguaia e Peixoto de Azevedo) e em Mucajaí (RR).

Segundo a AGU, em cerca de um ano, foram solicitados pelo órgão na Justiça a reparação de 95 mil hectares da Amazônia, que totalizam R$ 2,2 bilhões em indenizações. No período, além das 27 ações protocoladas em setembro, o órgão também ajuizou mais 45 ações, no valor de R$ 1,3 bilhões. Cerca de R$ 570 milhões foram bloqueados dos acusados.

A atuação da AGU ocorre por meio de uma força-tarefa de procuradores e advogados da União para garantir o ressarcimento dos danos ambientais na Amazônia.

ebc

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Premiê do Japão dirá à ONU que quer realizar Olimpíada em 2021

Jogos estavam marcados para este ano mas foram adiados por um ano

Reporter Global

Publicado

em

© Reuters/Toru Hanai

O primeiro-ministro do Japão, Yoshihide Suga, deve dizer à Assembleia-Geral das Nações Unidas nesta sexta-feira (25) que seu país está determinado a realizar em 2021 a Olimpíada de Tóquio, adiada devido à pandemia de coronavírus, como mostrou o esboço de um discurso.

Os jogos foram marcados originalmente para o verão no Hemisfério Norte deste ano, mas em março o Comitê Olímpico Internacional (COI) e o governo japonês o postergaram em um ano.

“No verão do ano que vem, o Japão está determinado a sediar os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio como prova de que a humanidade derrotou a pandemia”, dirá Suga em uma mensagem gravada, de acordo com o esboço disponibilizado pelo Ministério das Relações Exteriores.

“Continuarei a não poupar esforços para acolhê-los em jogos seguros e protegidos”, dirá o premiê ao estrear na Organização das Nações (ONU) como novo líder japonês.

Suga se tornou primeiro-ministro neste mês depois que Shinzo Abe renunciou devido a problemas de saúde.

Suga também dirá à Assembleia da ONU que está disposto a se encontrar com o líder norte-coreano, Kim Jong Un, sem quaisquer precondições para resolver a questão já antiga dos cidadãos japoneses sequestrados pela Coreia do Norte décadas atrás, reiterando a postura de seu antecessor.

“Estabelecer um relacionamento construtivo entre o Japão e a Coreia do Norte servirá não somente aos interesses dos dois lados, mas também contribuirá enormemente para a paz e a estabilidade regionais”, dirá ele.

Na mensagem de vídeo, Suga ainda dirá à reunião que o Japão trabalhará para garantir um acesso igualitário a tratamentos e vacinas contra o coronavírus para pessoas de nações em desenvolvimento.

ebc

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×