Pesquisa alerta que pais adiaram vacina contra meningite na pandemia – Portal Plural
Connect with us

Medicina & Saúde

Pesquisa alerta que pais adiaram vacina contra meningite na pandemia

Percentual foi maior na Europa, com 56%, enquanto no Brasil, foram 50%

Publicado

em

© Valter Campanato


O receio de contrair covid-19 e as restrições para prevenir a doença estão entre os motivos que levaram cerca de metade dos pais entrevistados por uma pesquisa da farmacêutica GSK a não vacinarem seus filhos contra a meningite desde o início da pandemia. Os dados foram coletados em oito países e divulgados hoje (24) pela farmacêutica, que fornece a vacina meningocócica C para o Programa Nacional de Imunizações e as vacinas meningocócica C, B e ACWY para a rede privada no Brasil. 

O estudo ouviu 4,9 mil responsáveis no Brasil, Alemanha, Argentina, Austrália, Estados Unidos, França, Itália e Reino Unido. Os pais americanos tinham filhos de 11 a 18 anos, enquanto os demais, de 0 a 4 anos. No Programa Nacional de Imunizações do Brasil, a primeira dose da vacina meningocócica C é indicada aos 3 meses, com uma segunda dose aos 5 meses e um reforço aos 15 meses. Para adolescentes de 11 e 12 anos, é oferecida a meningocócica ACWY, que previne contra as bactérias do tipo A, C, W e Y.

Apesar de 94% dos responsáveis considerarem que a vacina contra meningite é importante, 50% adiaram ou suspenderam a vacinação durante a pandemia de covid-19. O percentual foi maior nos países europeus, com 56%, enquanto no Brasil a taxa foi de 50% de responsáveis nessa situação.

Ao listar as razões para não ir ao posto de vacinação, 63% apontaram as medidas de isolamento social e confinamento, 33% mencionaram o medo de contrair covid-19, e 20% disseram ter suspendido ou adiado a vacinação porque eles mesmos ou algum membro da família teve covid-19.

No caso do Brasil, 72% dos que não foram apontaram as restrições para a prevenção da covid-19 como uma das causas, enquanto 45% afirmaram ter medo de ser infectados pelo novo coronavírus, o maior percentual entre todos os países. 19% dos entrevistados disseram ainda que não levaram seus filhos para se vacinarem contra a meningite porque contraíram covid-19 ou tiveram que cuidar de alguém com a doença.

Nos oito países pesquisados, ainda que 77% dos entrevistados pretendam se reorganizar para colocar a vacinação em dia, 11% declararam que não levarão os filhos para a vacinação por medo de contrair covid-19.

Ao participar do lançamento da pesquisa, o diretor do Departamento de Pediatria da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Marco Sáfadi, alertou que a hesitação em vacinar crianças contra a meningite durante a pandemia pode provocar surtos da doença quando elas retomarem as aulas presenciais e reencontrarem amigos e familiares sem estarem imunizadas.

“A mensagem mais importante é que vacinação é uma atividade essencial. Precisa ficar muito claro para a população que é preciso deixar a vacinação em dia para prevenir não apenas a meningite, mas várias outras doenças”, afirma ele, que avalia que o risco de não vacinar é muito maior do que o de levar os filhos a um posto de vacinação durante a pandemia. “Clínicas e postos de vacinação são lugares em que medidas de segurança muito importantes foram adotadas”.

Os dados da pesquisa reforçam a preocupação com a queda na imunização, já que os pais ouvidos pela pesquisa preveem que seus filhos retomem atividades que geram contato social com o fim das restrições provocadas pela pandemia. 63% esperam o retorno presencial à escola e 76% preveem encontros com amigos e familiares. Sem estarem vacinados, as crianças e jovens podem estar expostos a contrair meningite, que tem formas de transmissão semelhantes às da covid-19.

Doença grave e rápida

Considerada rara, a doença meningocócica invasiva (DMI) evolui de forma rápida e chega a causar a morte de um em cada dez pessoas que a contraem, deixando duas com sequelas físicas e neurológicas graves. Foi o caso do economista Pedro Pimenta, de 30 anos, que teve os dois braços e as duas pernas amputados quando, aos 18 anos, teve meningococcemia, uma infecção generalizada associada à bactéria causadora da meningite.

“Na hora do almoço, eu estava bem, 100%, e, na hora do jantar, eu estava quase morrendo”, lembra Pedro, que teve uma infecção generalizada que levou seus quatro membros a gangrenarem após um coma induzido de uma semana, o que exigiu a amputação acima dos joelhos e dos cotovelos e dificultou sua reabilitação e uso de próteses.

“A sensação foi de um rompimento da minha identidade. Quando você se olha no espelho e vê que aquele é o Pedro que jogava bola terça e quinta e que levava o violão na viagem com os amigos, é chocante”.

Com o suporte dos amigos e da família, ele atravessou um caminho de muitos obstáculos até conseguir se adaptar ao uso de próteses e passou a realizar palestras em defesa da vacinação contra a meningite e sobre a reabilitação de pessoas amputadas. A experiência e o engajamento no último tema o levaram a montar uma clínica com um sócio em São Paulo, projeto que ele sonha tornar uma referência no país.

Já na luta em prol da imunização, Pedro Pimenta vê crescer o número de fake news contra os imunizantes em meio ao intenso noticiário sobre as vacinas contra covid-19 e teme que o impacto desse problema chegue às outras vacinas, como as que previnem as diferentes formas de doença meningocócica.

“O PNI [Programa Nacional de Imunizações] é premiado e temos que ter muito orgulho, porque isso não foi conquistado com uma propagandazinha na TV. São décadas, de pais para filhos, de informações nos meios de comunicação, de forma que ninguém ia no posto de vacinação perguntar de que marca é a vacina como se fosse um restaurante à la carte. Isso não existia, porque [o benefício da vacinação] era óbvio”.

Para enfrentar a desinformação que busca abalar a confiança nas vacinas, ele defende um diálogo bem fundamentado que busque informar as pessoas que creem em informações distorcidas, em vez de atacá-las.

“A melhor forma não é apontando o dedo, xingando as pessoas, diminuindo e falando que elas são anticiência. A melhor forma é trazer os fatos para essas pessoas e diminuir esse julgamento, para que elas não se sintam reativas e possam abrir muito mais a mente”, argumenta ele. “As pessoas debatem baseadas em jargões e falas específicas de alguém que elas acompanham, sem tentar entender e passar por um processo de gestão da informação. O debate está muito raso, e quando o debate fica muito raso, a desinformação acaba equivalendo à informação de qualidade”.

ebc

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Medicina & Saúde

HCor testará nova vacina contra Covid-19 e abre pré-inscrições para voluntários

Meta dos pesquisadores é iniciar o estudo ainda neste mês e encerrar as pesquisas das duas etapas até outubro

Publicado

em

Divulgação

Os testes das fases 1 e 2 de uma das candidatas a vacina nacional contra a Covid-19 serão coordenados pelo HCor e as pré-inscrições para voluntários foram abertas nesta terça-feira (1º).

Essas etapas dos estudos com a vacina Versamune MCTI, desenvolvida pela USP Ribeirão Preto e financiada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), vão contar com a participação de 360 voluntários, mas o início dos testes ainda depende de autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

De acordo com os pesquisadores, ela se mostrou eficaz em testes pré-clínicos. A meta dos pesquisadores é iniciar o estudo ainda neste mês e encerrar as pesquisas das duas etapas até outubro. A expectativa é que os resultados de fase 3 sejam concluídos no próximo ano.

“Essa vacina já passou pelas fases pré-clínica, validação in vitro e em animais. Os estudos em animais demonstraram que a vacina gera uma resposta imunológica. Será um estudo que terá randomização para definir se o voluntário vai receber vacina ou placebo. A cada três participantes, dois vão receber a vacina e o outro, placebo. Vamos testar doses de 25 e de 75 microgramas com intervalo de 28 dias”, detalha Alexandre Biasi, diretor do Instituto de Pesquisa do HCor.

Parceria

Os trabalhos com o possível imunizante tiveram início em abril do ano passado, por meio de uma parceria entre a startup de biotecnologia Farmacore, a Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP e a empresa norte-americana PDS Biotechnology.

“A vacina tem duas partes. Uma parte é uma proteína produzida em laboratório, não é um pedaço do vírus, que é muito parecida, quase idêntica à Spike do Sars-CoV-2. Parece uma subunidade. A outra é um carregador, um tipo de esfera de lipídeo, que carrega a proteína dentro da corrente sanguínea. Quando acontece de a pessoa entrar em contato com o vírus, ela faz com que o organismo gere uma resposta imunológica”, explicou Biasi. A tecnologia também permite ajustes para que a vacina se adapte às variantes que estão surgindo.

Nos estudos pré-clínicos, segundo Helena Faccioli, CEO da Farmacore Biotecnologia, o imunizante se mostrou seguro e capaz de ativar o sistema imunológico. “A tecnologia ativa especificamente vias imunológicas críticas necessárias para poderosas respostas de células T e anticorpos neutralizantes. Ela tem capacidade de induzir níveis relevantes de células T CD8+, assassinas, específicas da doença. Além de ser uma tecnologia mais segura em relação ao processo de produção, pois não exige níveis elevados de biossegurança”, completou.

Os dados dos ensaios da Versamune MCTI foram entregues à Anvisa no fim de março e a agência solicitou informações complementares. “Atualmente, o processo aguarda a apresentação de dados e documentos para dar continuidade à exigência. O prazo para cumprimento é de até 120 dias. A empresa solicitou uma agenda de reunião, cuja pauta será a discussão para um cronograma de apresentação dos documentos”, informou.

Requisitos para ser voluntário

Para ser voluntário, é preciso ter mais de 18 anos, não ter tomado vacina contra a Covid-19 nem ter sido infectado pela doença. Os participantes serão acompanhados por um ano.

Por causa do avanço da imunização no país, caso chegue a faixa etária da vacinação dos voluntários, os dados serão abertos para que eles não percam a oportunidade de se vacinar com as opções já disponíveis, disse Biasi.

Corte no orçamento

Anunciada como vacina “100% brasileira” pelo governo federal em março, a vacina está entre as apostas do MCTI para combate ao novo coronavírus. Embora o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, tenha falado positivamente sobre a vacina, inclusive em uma das lives de Jair Bolsonaro (sem partido), o presidente vetou, em abril, R$ 200 milhões que seriam usados no desenvolvimento do imunizante.

A reportagem entrou em contato com o ministério para um posicionamento, mas a pasta não respondeu.

De acordo com a CEO da Farmacore, o investimento inicial do governo federal para as pesquisas não-clínicas foi de, aproximadamente, R$ 3,8 milhões.

“Para o ensaio clínico de fase 1 e 2, o consórcio está buscando recursos com o governo federal estimados em R$ 30 milhões, que compreendem tanto o desenvolvimento do lote para o estudo quanto a definição de rendimentos de produção e estabelecimento das condições para produção industrial. Após realização desses estudos e aprovação do relatório da Anvisa, o investimento para a fase 3, em virtude do grande número de voluntários, logística de aplicação, estudos estatísticos, relatórios técnicos diversos e toda a questão logística envolvida no processo, deverá girar em torno dos R$ 300 milhões.”

Segundo Helena, o corte que atingiu o ministério ainda não atingiu o projeto da vacina. “Esse montante citado como corte do orçamento engloba parte do valor necessário para a realização do ensaio de fase 3. Ainda temos que executar os ensaios das fases 1 e 2, para, então, avançar à fase 3. Até lá, esperamos que o ministério consiga recompor essa verba de alguma forma.”

CNN

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Medicina & Saúde

Medicamentos do kit intubação começaram a ser entregues nesta terça-feira (1/6)

Publicado

em

Entrega de medicamentos para Fundação Hospitalar de Sapucaia do Sul ocorreu na manhã desta terça feira - Foto: Soldado Gustavo Henrique de Souza

Os 42 hospitais e serviços de emergência que fazem parte das rotas de entrega do lote de medicamentos do kit intubação de pacientes com Covid-19 e outras doenças respiratórias já começaram a receber os itens na manhã desta terça-feira (1/6).

No total, são mais de 13 mil unidades sendo transportadas pelo 3º Grupamento Logístico, a partir do 3º Batalhão de Suprimentos, em Nova Santa Rita por dez rotas, sendo que a mais próxima leva a Sapucaia, Esteio, Canoas, Cachoeirinha, Alvorada, Viamão e Porto Alegre. As mais distantes como Três Passos e Tenente Portela receberão os medicamentos na quarta-feira (2/6).

As caixas com as  ampolas de remédios saíram  de Nova Santa Rita na manhã desta terça feira

As caixas com as ampolas de remédios saíram de Nova Santa Rita na manhã desta terça feira – Foto: Soldado Gustavo Henrique de Souza

Neste lote serão entregues embalagens de Haloperidol, Lidocaína, Suxametônio e Dexmedetomidina, itens que fazem parte do chamado kit intubação. As instituições contempladas prestam serviço pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e foram escolhidas para receber os medicamentos com base em um levantamento semanal dos estoques destes insumos realizado pela SES junto à rede hospitalar.

Desde o início da pandemia, já foram entregues aos hospitais gaúchos mais de 630 mil unidades de medicamentos, adquiridos pelo Ministério da Saúde e pelo governo do Estado.

O levantamento semanal realizado pela SES busca acompanhar a quantidade dos 22 itens do kit intubação na rede hospitalar. Já foram adquiridos medicamentos no mercado nacional e internacional, tanto pelo Ministério da Saúde quanto pelo Estado do RS.

Veja aqui a lista de remédios por hospital e onde serão entregues

 

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Ensino

Governador anuncia início da vacinação dos trabalhadores da educação no RS

“Queremos escolas abertas, funcionando, com protocolos e todos os cuidados necessários”, afirmou Leite

Publicado

em

- Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini

Após a divulgação da nota técnica emitida nesta sexta-feira (28/5) pelo Ministério da Saúde (MS) com orientações sobre a continuidade da vacinação contra a Covid-19, o governo do Estado anunciou que incluirá os trabalhadores da educação de todo o Rio Grande do Sul no planejamento da distribuição de vacinas da próxima remessa a ser recebida do governo federal.

O governador Eduardo Leite destacou que o Estado vinha há muitas semanas buscando, junto ao governo federal e até na Justiça, incluir com prioridade os profissionais envolvidos nas atividades de ensino no cronograma de imunização.

“Queremos escolas abertas, funcionando, com protocolos e todos os cuidados necessários, para cuidar das crianças enquanto os pais estão trabalhando, para dar a essas crianças e jovens os estímulos fundamentais para que se desenvolvam em seu pleno potencial. E queremos fazer isso com cuidado com as crianças, com cuidado de professores e trabalhadores da educação, que são patrimônio importante para nosso Estado”, afirmou Leite.

“O Rio Grande do Sul é sempre um dos Estados que mais vacina no Brasil. Temos ficado sempre no topo do ranking, às vezes oscilando posições, mas nunca deixou de estar entre os três Estados que mais vacinam, tanto na primeira quanto na segunda dose. Nosso compromisso é, o mais rápido possível, ter os trabalhadores da educação imunizados, acreditamos que já nas primeiras semanas de junho, para que possamos ter a tranquilidade e o ensino funcionando para todos aqui no Rio Grande”, projetou o governador.

No Estado, há cerca de 217 mil pessoas neste público, dos quais, segundo levantamento da Secretaria da Saúde, aproximadamente 20 mil já foram imunizados por iniciativa dos municípios.

Entre aqueles que ainda estão aguardando, serão priorizados os profissionais de creches e pré-escolas, de forma concomitante com os outros grupos prioritários da lista, ou seja, pessoas com comorbidades, gestantes e puérperas com comorbidades, deficientes, pessoas em situação de rua e população privada de liberdade.

O documento do MS informa que “serão enviados percentuais do total de doses para o seguimento do ordenamento dos grupos pré-definidos e em paralelo serão enviados quantitativos para o início da vacinação dos trabalhadores da educação”.

A nota esclarece ainda que, após a finalização dos grupos de comorbidades, pessoas em situação de rua, funcionários e pessoas do sistema penal e trabalhadores de educação, a lista de prioridades deve continuar sendo seguida, com o acréscimo, de forma concomitante, da vacinação por idade da população em geral (59 a 18 anos).

“Assim que conseguirmos contemplar todos esses grupos prioritários no Estado, especialmente os profissionais envolvidos na educação, o que nos possibilitará um retorno mais seguro das aulas presenciais, iremos avançando por idade para a população em geral. Estamos na expectativa de um novo lote de doses nas próximas semanas, que nos permita seguir na imunização de forma mais rápida”, explicou a secretária da Saúde, Arita Bergmann.

• Clique aqui e acesse a nota técnica do MS.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

ENQUETE

Trending

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×