Acesse aqui
Rádio Web Portal Plural
Perdoar. Esquecer é mais difícil. – Portal Plural
Connect with us

Estrada Iluminada

Perdoar. Esquecer é mais difícil.

Nilton Moreira

Publicado

em



Existe uma grande diferença em perdoar e do ato de esquecer. Acreditamos que é menos difícil perdoar do que esquecer, pois é comum dizer-se “quem leva o tapa nunca esquece”. De fato é tarefa complicada.

Tem um parente meu que o considero muito, e ele sempre diz “eu nunca faço a primeira ofensa”. É muito importante isso, pois constato que esta pessoa já atingiu um grau de evolução, mas como se comportará depois de ser ofendido?

Sabemos que existem pessoas que não estão nem ai para evolução moral ou conduta correta. Querem mesmo é ofender, passar por cima dos outros sem a mínima consideração. É destas pessoas que devemos nos cuidar, pois como estão acostumadas a estarem envoltas em energias ruins não se preocupam com a língua ou atitudes maldosas.

Mas no momento que somos ofendidos a tendência é revidarmos, pois é uma questão de autodefesa que nos acompanha desde o tempo que dispúnhamos apenas o instinto, embora após algum tempo constatemos que aquela energia péssima que nos envolveu não deve continuar conosco, motivo pelo qual devemos então pensar no perdão, já que a ofensa não partiu de nós.

Então vem o momento de trabalharmos o perdão, que não é fácil, mas com dedicação e muita meditação, vamos conseguindo. Mas repito: não é fácil! Pode demorar dias, meses, anos ou até nem acontecer nesta vida, mas se conseguirmos perdoar o que nos foi feito, temos então de tentarmos esquecer o acontecido.

Isso é mais difícil, pois embora tenhamos a capacidade de minimizar a lembrança da ofensa, calúnia, ou lá o que, sempre fica um resíduo em nossa mente do fato, e volta e meia comentamos com alguém ou até mesmo nos pegamos pensando, e isso nos reporta a um momento de energia muito prejudicial ao organismo.

Jesus sabendo da difícil tarefa de perdoar, respondeu dizendo que o deveríamos praticar setenta vezes sete, isto é, indefinidamente.

Mas não nos preocupemos de quantas vezes vamos lembrar o acontecido, o importante é que cada momento que aquela energia ruinzinha venha à mente, lembremos o Mestre, e perdoemos novamente. Esse é um exercício que vai de encontro ao que Ele falou. Agindo assim aquilo que nos fizeram vai ficando cada vez mais longe, e certamente ao longo do tempo quase nem lembraremos mais.

Não podemos sair desta vida levando conosco um rancor de uma pessoa que muitas vezes nem lembra o mal que causou, e que certamente terá de prestar contas ao Criador num futuro próximo ou até mesmo nesta existência, mas nós, não carregando o rancor estaremos livres do contato com o ofensor em outra vida, pois o liberamos de resgatar algo conosco.

Exercitemos o perdão setenta vezes sete, e tentemos esquecer, e certamente ficaremos livres. Energia a todos.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estrada Iluminada

Pirâmides. Mistério.

Nilton Moreira

Publicado

em



A cada momento cientistas e estudiosos nas respectivas áreas, nos trazem informações valiosíssimas a respeito do passado.

É sempre uma incógnita de como as pirâmides foram construídas, e com uma perfeição em seus traços geométricos, construções estas que vararam os tempos e continuam intactas, principalmente em seu interior.

Somos seguidores daquela linha de raciocínio de que elas foram idealizadas e construídas por habitantes de outra esfera planetária, mais elevada do que a Terra e que aqui estiveram de passagem no sentido de evoluir o nosso planeta. Um povo com ideias e conhecimentos avançados, até porque Jesus mesmo nos disse que existem muitas moradas na Casa do Pai, sendo as moradas os mais diversos orbes existentes no universo.

Não faz muito tempo, Arqueólogos egípcios descobriram um grupo de novas tumbas de trabalhadores que construíram as pirâmides, abrindo espaço para entender a forma como eles viviam e comiam há mais de 4.000 anos. A revelação foi feita pelo departamento de antiguidades do país.

As tumbas são pertencentes à 4ª dinastia, entre os anos 2.575a.C. e 2.467a.C., quando as Grandes Pirâmides foram construídas, segundo o diretor do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito, Zahi Hawass. As primeiras tumbas de trabalhadores que construíram as pirâmides foram encontradas nos anos 1990 e, junto com as novas descobertas, indicam que os trabalhadores não eram escravos, como se pensava anteriormente. “Essas tumbas foram construídas ao lado da pirâmide do rei, o que indica que essas pessoas não eram escravas, pois não poderiam ter construído suas tumbas dessa forma”, disse Hawass. As tumbas eram usadas para trabalhadores mortos durante a construção.

As evidências encontradas apontam que aproximadamente 10 mil trabalhadores atuaram na construção das pirâmides e eles comiam 21 bois e 23 ovelhas que eram enviados diariamente para eles por fazendas do norte e do sul do Egito.

As pesquisas continuam até hoje e não se chegou ainda a uma conclusão do objetivo das pirâmides e efetivamente que tipo de equipamento foi utilizado para cortar e colocar milimetricamente as pedras.

Mas encontramos na literatura filosófica informações que a construção foi idealizada e construída por civilização bem evoluída que esteve aqui na Terra e retornou ao plano espiritual. São questões que ensejam um mistério, pois que traçando um parâmetro com os dias de hoje, vemos a complexidade que é construir um arranha céu, mesmo dispondo guindastes potentes.

Sabemos que pessoas dotadas de certas aptidões podem utilizando-se da concentração mental fazer transporte de objetos de um lugar para outro, às vezes até de longas distâncias, e tratando-se de seres com alto grau de sabedoria e conhecimento, nada seria de surpreender.

Certamente à medida que evoluirmos vamos encontrar os esclarecimentos necessários.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Estrada Iluminada

Cofre cheio. Apego material. Pandemia

Nilton Moreira

Publicado

em



Somos muito apegados à matéria. Aos bens materiais. Não suportamos a ideia de morrer e deixar tudo que acumulamos durante a vida em mãos de outros, e quando acumulamos mais e mais dizemos que é para deixar aos filhos. Será?

Certa ocasião, numa atividade mediúnica nos foi trazido para esclarecimento um desencarnado que possuía muitas terras, e mantinha num grande cofre de uma das suas fazendas soma substancial em ouro. O espírito fazendeiro embora não pertencesse mais a esta vida permanecia agarrado ao cofre, tentando abri-lo e se negava a seguir a trajetória na espiritualidade, situação esta difícil de ser resolvida, pois que ele não acreditava estar sem o corpo físico, e sentia-se como se estivesse sonhando.

Estas situações são comuns acontecerem por ocasião do passamento, pois infelizmente somos preparados para viver e esquecemos que temos um tempo de validade. Tomamos sempre por base o nosso tempo de permanência aqui na Terra pela idade das pessoas idosas, e durante a maior parte de nossa vida não nos preparamos para o passamento.

A maioria das crenças religiosas não aborda vida além-túmulo, informando aos seguidores que tudo termina com a morte e que entrarão num sono profundo de descanso até o juízo final. No entanto quem assim acredita se depara com uma realidade diferente.

Mesmo agora com essa pandemia que pode nos levar de uma hora para outra, a exemplo de outras doenças repentinas, não conversamos sobre o que devemos adotar de um momento para outro. A maioria reclama do distanciamento, do ter que conviver com máscara, e higienizar-se constantemente, mas não troca informações a respeito de ser acometido pela doença e ter de separar-se de seus bens e entes queridos num piscar de olhos.

Ser curado de qualquer moléstia tem a ver com merecimento. Uma doença que pode ser considerada fatal vem sempre para nos mudar a maneira de encarar a vida. Às vezes nos achamos pessoas boas por fazermos caridades, de distribuir alimentos, roupas, ou dar quantia em dinheiro. Esta é a caridade mais simples de realizarmos e os governantes fazem isso rotineiramente, pois dependem apenas de recursos. Existem outras caridades que ai sim são meritórias, como adoção de uma criança sem lar, cuidar um doente ou tratar bem um idoso. Não basta sermos caridosos materialmente, temos de sermos nos moldes que Jesus ensinou.

Uma palavra amiga ou um bom conselho também é caridade. Lembremos que Jesus procurava sempre levar uma palavra de consolo e quando praticava a cura sempre orientava a não pecar mais, isto é, deveria o doente que conseguia escapar de doença grave, modificar seu comportamento. Assim continua nos dias de hoje, pois a evangelização de Jesus não mudou.

Pensemos um pouco mais no que pode nos acontecer repentinamente e procuremos nos esclarecer, para não ficarmos agarrados ao cofre. Muita paz amigos.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Estrada Iluminada

Investigações, provas. “… paz seja nesta casa”

Nilton Moreira

Publicado

em



Existem situações na vida que embora não acreditemos existem, e nos envolve mais do que imaginamos.

Shakespeare diz assim: “Há mais coisas entre o céu e a terra do que pode imaginar nossa vã filosofia”

E vamos encontrar nas leituras decodificadas do filósofo Kardec, que quando perguntado se influem os espíritos em nossos pensamentos e atos, diz: “Muito mais do que imaginais. Influem a tal ponto, que, de ordinário, são eles que vos dirigem”.

É certo que todas as vezes que estamos investidos de uma profissão e a estamos desempenhando com seriedade e temos uma conduta digna, vamos a princípio acreditar obter êxito em nossas tarefas. Isto vale para qualquer nível de trabalho que desempenhemos.

Mas as trevas se organizam para proteger aquelas pessoas que estão comprometidas no mal aqui na Terra, afinal já disse um estudioso certa ocasião que “o mal está a serviço do bem”, e Jesus nos disse que os escândalos são necessários. Esses ocupantes dos locais trevosos são os que tentam de alguma forma atrapalhar muitas atividades, principalmente aquelas que se relacionam com o sucesso de determinadas profissões.

É comum no desempenho da função, policiais adentrarem nas mais diversas residências para cumprirem mandado de busca com objetivo de conseguirem indícios ou provas que possam esclarecer delitos, e as diligências acabarem não sendo exitosas, e muitas vezes se questiona o porquê do não sucesso na tarefa se estava tudo tão bem planejado!

Vemos todos os dias nos noticiários que os esses Defensores da Lei fizeram determinada busca, mas não encontraram provas ou às vezes não conseguiram prender o autor do crime.

Certamente o sucesso está atrelado a questões ao que está oculto ao trabalho desenvolvido. Por isso é importante que estejamos com o pensamento elevado, e isso vale para qualquer atividade, pois assim estaremos sempre acompanhados de benfeitores espirituais amigos que nos auxiliarão e até nos intuirão de onde achar, no caso as provas almejadas em determinado serviço de busca.

A espiritualidade dispõe tanto de meios benéficos como de prejudiciais para nos envolver, e muitas vezes temos nossa visão espiritual aclarada, como também colocam um venda em nosso raciocínio que nos impede de obter sucesso no momento do trabalho.

É importante que ao iniciarmos qualquer serviço e principalmente sendo ele de risco e que enseje destino de pessoa, façamos elevação de pensamento a Deus pedindo a proteção. Não importa a religião. Isso pode ser bem antes do trabalho e mentalmente. Agindo assim afastamos qualquer influência negativa que esteja a nos envolver.

Por tudo isso é que Jesus sempre aconselhava, “… e em qualquer casa onde entrardes, dizei antes: paz seja nesta casa”.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

ENQUETE

O que você achou do site novo do Portal Plural?

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×