Para palestrante, falta um mundo gentil para o autismo – Portal Plural
Connect with us

Geral

Para palestrante, falta um mundo gentil para o autismo

Publicado

em



 

A Apae de Três de Maio promoveu, na semana passada, momentos de muito conhecimento e troca de experiências sobre autismo com a ortopedagoga, neuropsicopedagoga e especialista em autismo e deficiência intelectual Katrien Van Heurck, de Campinas – São Paulo. A profissional desenvolveu, na Bélgica, em 1990, um trabalho para pessoas com autismo e outras deficiências, e desde 2011 trabalha no Brasil com o objetivo de aliar conhecimento teórico à prática.

Katrien destaca que se apaixonou pelo autismo, e quando veio pela primeira vez ao Brasil, em 2005, sentiu-se uma pessoa rica de conhecimento, de informação e prática que trazia consigo a cerca do tema, percebendo que poderia fazer a diferença. “Isso me motivou para encontrar uma maneira para fazer a diferença para o melhor, e há oito anos estou morando aqui e percebo que, por onde eu passo, planto sementinhas. Minha motivação principal é ver o brilho nos olhos dos autistas, pais e educadores; esse brilho de alívio que parece que eles nos dizem ‘ufa, alguém nos entende’.”

Para ela, o que falta hoje é um mundo gentil para o autismo; um mundo onde as pessoas comecem a conhecer o outro. “Falta, também, capacitação para profissionais e professores, conhecimento dos pais em relação ao autismo e médicos mais humanos que explicarão melhor o que é o autismo. E tem ainda o preconceito. Todos estes tópicos têm muitas falhas. Falta respeito para ser diferente. Precisamos acabar com a nossa defesa particular. Não somos perfeitos e devemos aceitar o outro como ele é; aceitar as diferenças. Nós temos que nos adaptar a eles para depois sermos capazes de educá-los.”

Katrien afirmou que, atualmente, uma a cada 58 pessoas têm autismo. Por isso, segundo ela, temos pela frente um grande desafio. “Não podemos ter medo e ficar presos em preconceitos. Vamos conseguir vencer isso conhecendo mais sobre autismo e saindo da zona de conforto. Pergunte, tente ajudar, mas não ignore essas pessoas e suas famílias. Abra seus olhos e comece a enxergar o autismo como algo normal. Será difícil, mas não impossível. Ainda há pais que ignoram o fato do filho ser autista, e nestes casos digo que não podemos culpá-los. Será que eles tiveram uma orientação humana? Será que alguém lhes perguntou como se sentem ou o que precisam? É necessário nos colocarmos no lugar deles e evitar o julgamento.”

Autismo: para ajudar é preciso entender

Com este tema, palestra na Câmara de Vereadores reuniu grande público

‘A gentileza autista: para ajudar é preciso entender’. Foi assim que Katrien iniciou sua palestra para a comunidade na quinta-feira, 11 de julho, na Câmara de Vereadores de Três de Maio. Com o plenário lotado, o evento contou com a participação do presidente da Apae local, Vilson Foletto, integrantes da diretoria e colaboradores da instituição, bem como comunidade local, professores, diretores de escolas, alunos, pais e profissionais da saúde, além dos vereadores Lucia Marmitt e Flávio Pagel. Também esteve presente o aluno autista da Apae, Lorenzo Idalgo Fiut, acompanhado da família.

O autismo, cientificamente conhecido como Transtorno do Espectro Autista (TEA), é caracterizado por problemas na comunicação, na socialização e no comportamento, geralmente diagnosticado entre dois e três anos. “É importantíssimo tratarmos sobre autismo. Talvez vocês conheçam alguém com TEA, distúrbio neurológico percebido ainda na infância e grande impacto na forma de sentir as coisas e interagir com o mundo. Trago aqui que é possível superar os desafios e viver de forma positiva. Mas é fundamental refletir sobre autismo e estudar, conversar sobre o tema, para que cada vez mais se tenha acesso à informação e se saiba lidar com os autistas, acolhendo ele e sua família. E a Apae de Três de Maio, preocupada com o aumento do autismo no município, traz uma palestrante de renome para abordar este assunto”, disse a diretora pedagógica da Apae, Simone Rossi Tiecher, ao realizar a abertura da palestra.

“Autismo é amor e carinho”

Katrien contou, brevemente, sobre sua trajetória profissional. Natural da Bélgica, Katrien se mudou, em 2011, para Poço de Caldas – MG, onde começou a trabalhar como coordenadora em atividades para crianças e jovens com autismo. Depois de dois anos, não teve seu contrato como voluntária prorrogado, por dificuldades financeiras de onde atuava. “Contudo, foi naquele momento que aprendi que quando Deus fecha uma porta é para abrir janelas. E isso ocorreu na minha vida, quando a Federação das Apaes de São Paulo me procurou para ministrar cursos para as Apaes de lá. Em 2013 comecei a capacitação e conheci outras escolas, pessoas e famílias com autismo. Hoje trabalho como professora em faculdades e sou capacitadora. Considero importante trabalhar com pessoas com autismo e suas famílias porque autismo, infelizmente, ainda hoje, sofre preconceito muito grande. Autismo não é agressividade, comportamento inadequado nem pessoas mal educadas. Autismo é amor e carinho. Mas para conseguir isso, é necessário conhecer a pessoa autista e se vincular a ela, criando laços amorosos e acolhendo-a.”

Conforme a ortopedagoga, o autismo é um transtorno do neurodesenvolvimento. Por isso, o cérebro do autista não funciona como o nosso. E esse transtorno já aparece durante a gravidez, pois o cérebro é o primeiro que começa a se desenvolver. “As causas do transtorno ainda são uma incógnita. É uma disfunção neurológica, que pode ocorrer por questão genética, mas hoje os fatores ambientais também podem ser causadores.”

De acordo com a profissional, crianças com autismo têm potencialidades e habilidades diferentes, mas que demoram em serem demonstradas. Segundo ela, autistas são caixinhas de surpresas! “Precisamos começar a usar as qualidades que eles têm. Todos têm potencial; por isso não vamos nos focar nas limitações.”

Autistas aprendem com o exemplo

Katrien diz que temos a sensação de corrigir, falar o que não pode, mas a negação para o autista não surte tanto efeito. “Eles não sabem o que têm que fazer porque precisam enxergar o que fazer. O mundo atual para eles é difícil, porque as pessoas falam demais; querem explicar tudo através da fala, mas isso só cria mais caos na cabeça deles. O autista não consegue captar todas as palavras na hora. Por mais que falemos, palavras são abstratas. Autistas precisam de exemplos e não de palavras.”

Aprendizagem precisa ser funcional

A percepção sensorial dos autistas também é diferente. Barulho, toque e cheiro, por exemplo, coisas que não nos incomodam, são sentidas de forma diferente por eles. A palestrante também tocou em um ponto importante: sobre a funcionalidade da aprendizagem. Para ela, o que é ensinado ao autista tem que contribuir na vida dele. Caso contrário, não será útil. “De nada adianta decorar letras ou números se a criança não souber para que servem. A primeira coisa que o autista deve saber ler e escrever é o próprio nome. Uma vez que aprende isso já é um grande ganho. Depois, o sobrenome, endereço, e aí por diante. Precisamos nos perguntar se o que estou ensinando a ele é útil. Se a resposta é nada, precisa mudar. Quando ele vai, junto com os pais, ao mercado ou ao banco, precisa saber se virar lá.”

Ela acrescentou que toda aprendizagem do autista, seja na escola ou em casa, deve que ocorrer de forma individualizada. Uma vez que ele aprendeu, pode fazer em grupo. “Volto a frisar que eles precisam de exemplos, pois explicação teórica não é com eles. Mas, se verem o professor fazendo, aprenderão. Por isso, o professor precisa se adaptar ao aluno autista; os pais devem se adaptar ao filho autista. Temos que respeitar a particularidade de cada um. E não existe receita pronta porque cada autista é único.”

“Autistas sofrem muito porque a nossa sociedade está focada somente na normalidade. Se você sai disso, as pessoas já olham e comentam. Mas, afinal, o que é ser normal? Normal é uma palavra de difícil denominação. Muitas vezes a cobrança nas escolas, famílias, trabalho, sociedade em geral, é atingir a normalidade. Autistas de alto funcionamento estão tentando ser como os outros, atingir esta dita normalidade, mas também estão sofrendo porque não alcançam isso, pelo simples fato de serem diferentes. Por isso é importante que nós, os ‘ditos normais’, saibamos nos abrir mais para as diferenças. Conhecer e entender o autismo para depois ser capaz de ajudar e acompanhar.”

A ortopedagoga assegura que a sociedade precisa se tornar mais gentil. “Autista precisa de firmeza, regras e limites. Não podemos tratá-los com dó, porque eles não são coitadinhos, apenas precisam de nós para poder mostrar do que são capazes. Para educar tem que gostar do que está fazendo. Educar com entusiasmo, pois se o educador está motivado, a criança também estará. Estabelecer vínculos, se tornar amigo desse aluno autista lhe causa segurança. Autistas precisam de um ambiente seguro, estável, com rotinas, e necessitam visualizar isso, porque assim se tranquilizam”, reforça.

“Deixo como sugestão para vocês três palavras: paciência, paciência e paciência. Contem até dez, respirem. Todos autistas desejam ser tratados como qualquer pessoa. Se ele se sente abraçado, vai progredir e se desenvolver, gerando independência e felicidade. Conviver com autismo é nos adaptarmos ao outro e às suas diferenças. Conhecendo, vocês irão concordar comigo que vale a pena, porque eles são nota 10! Autistas são puros, honestos e perfeccionistas”, finaliza Katrien. Após, foi aberto espaço para perguntas e colocações dos presentes.

“Vocês devem acreditar e nunca desistir dos seus filhos”, diz Katrien

Em encontro na Apae, pais de alunos autistas trocaram experiências

Na manhã de sexta-feira, dia 12, pais de alunos com autismo da Apae participaram de uma roda de conversa com Katrien com o tema ‘A percepção autista: uma percepção sensorial’. Participaram do encontro 20 pais, que puderam se apresentar e também falaram de seus filhos, trocando experiências e sanando dúvidas com a profissional. Também estiveram presentes profissionais da saúde da Apae e a diretora pedagógica da instituição, Simone Rossi Tiecher.

Katrien iniciou sua fala afirmando que cada pai e mãe que ali estava havia recebido um filho perfeito no momento do parto. “Os filhos de vocês ‘caíram do céu’. Por que digo isso? Porque ninguém se preparou para ter um filho autista; aconteceu. Os autistas não têm características físicas que os definam, do contrário do que ocorre com pessoas com deficiência física, por exemplo. Vocês perceberam que o filho era diferente depois de certo tempo. Então, precisam ser profissionais e se capacitarem para educá-lo. Vocês precisam de orientações. Os autistas são, e vocês verão que eles são capazes de aprenderem e de se desenvolverem. Daqui cinco anos eles estarão diferentes, irão evoluir. Vocês devem acreditar e nunca desistir dos seus filhos”, disse.

A profissional explicou que o autismo não é algo de outro planeta, mas sim pessoas com habilidades diferentes. “Temos que descobrir quais são essas habilidades e trabalhar em cima disso. E não é somente na escola, mas na família, já que é com vocês que o filho fica a maior parte do tempo.”

Ao final de cada apresentação, Katrien afirmou que, embora cada criança seja única, as características eram semelhantes. Teimosos, ansiosos, agitados, do jeitinho deles. “Eu sei que os filhos de vocês são inteligentes, mas mal interpretados. Crianças com o Transtorno do Espectro Autista não são mal educadas, como costumam dizer. Elas apenas têm outro funcionamento do cérebro, que trabalha diferentemente do nosso; é uma disfunção neurológica causada ou por questão genética ou por fatores ambientais. O cérebro de um autista faz ‘ligações’ diferenciadas. Exemplifico como quando ouvimos um barulho: nós entendemos o que é (música, buzina ou falas mais altas ou mais baixas) porque temos filtros no cérebro para que não nos assustemos. Mas o autista não tem, e por isso, ao escutarem um som, se assustam na maioria das vezes. Ou seja, eles entendem de forma diferente e têm reações diferentes das nossas.”

Outro ponto abordado por Katrien foi em relação ao exemplo dos pais. De acordo com a ortopedagoga, muitos autistas são agitados porque não entendem o que é para fazerem em determinadas situações. Logo, os pais precisam ensinar e mostrar. “O autista precisa do exemplo dos pais. Ao fazerem as refeições, vocês precisam comer junto com o filho para que ele veja. Digo que ‘ver comer faz comer’. Muitas crianças com autismo só comem determinados alimentos. Por isso, a introdução de novos alimentos precisa ser aos poucos”, explica.

“Vocês devem manter a calma e respirarem em situações que são complicadas. Não podem se alterar, caso contrário, irão passar esta energia para eles. É dever dos pais entender os filhos. E os autistas não são insensíveis. Por muito tempo se dizia que o autista vivia no próprio mundo, isolado, como se estivesse em outro planeta, o que está muito errado. O tempo todo eles estão ligados, percebendo tudo. Por isso é fundamental que vocês mantenham a calma. Cabeças confusas geram crianças nervosas. Logo, vocês precisam ser claros e objetivos com eles. Não podemos nos fixar no que eles fazem de negativo, mas sim nas habilidades que cada um tem.”

Katrien finaliza afirmando que Rubem Alves já dizia que quando um educador manda a criança fazer algo, ele já a estragou, porque ela não irá fazer. Ou seja, ela precisa de um bom exemplo. “Para vocês, pais de autistas, aconselho terem paciência, respirar, se equilibrar, depois redirecionar o comportamento.”

Texto e fotos: Assessoria de Comunicação Apae Três de Maio

Jaqueline Peripolli / Jornalista MTE 16.999

 

Compartilhe
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Geral

Entrevista pré-candidato a deputado Charles Schulle

Publicado

em



A Rádio Plural FM, na 100.3 FM, em uma parceria com a Rádio Vera Cruz de Horizontina, passa a levar para praticamente todas as cidades da região, um jornalismo plural e extremamente sério através das ondas do rádio.

​✅​ Desta vez o analista Leonardo Vicini trouxe para o debate o candidato a deputado Charles Schulle.

 

Confira a entrevista no link ​👇​👇​

https://www.facebook.com/portalpluralnews2/videos/6228545663829031

 

O PORTAL é parceiro da Rádio Vera Cruz 100.3 FM 💕

Aconteceu? Está no Portal Plural

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Propaganda de Bolsonaro terá ‘nomes malditos’ do PT; veja quais

Publicado

em



O horário eleitoral dedicado a campanha para a reeleição de Jair Bolsonaro (PL) irá resgatar rostos do escândalo do Mensalão, que marcou os governos PT e ficou associado ao nome do ex-presidente Lula (PT), principal adversário do atual chefe do Executivo no pleito deste ano. As informações são da coluna de Malu Gaspar, do jornal O Globo.

De acordo com a colunista, entre os nomes que vão aparecer na propaganda eleitoral do PL estão os dos ex-ministros Antonio Palocci, José Dirceu, o ex-presidente do PT José Genoino e o delator Pedro Barusco, ex-Petrobras que denunciou propina de até US$ 200 milhões em contratos com a estatal.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Economia

Leite vira vilão do café da manhã com alta de 25,4% em julho; entenda

Publicado

em



Em 12 meses, o produto acumula aumento de 66,46%; nesta época de poucas chuvas, pastagens ficam mais secas, o que afeta o gado
 
A inflação em julho caiu 0,68%, mas o grupo dos alimentos e bebidas avançou 1,3%, a maior alta do índice, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A sazonalidade de itens, como leite e frutas, e problemas na oferta externa, caso do trigo, têm impactado toda a cadeia de derivados, o que contribui para a persistência dos altos preços dos alimentos que compõem o café da manhã da maioria dos brasileiros.
 
Dados do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) mostram que o leite e derivados dispararam 14,06% em julho e 41,22% nos últimos 12 meses. André Braz, economista do FGV/Ibre (Instituto Brasileiro de Economia) no núcleo de Índice de Preços ao Consumidor, explica que o efeito sazonal atinge os alimentos. “Nesta época do ano chove pouco, nessas condições as pastagens pioram, os animais acabam perdendo peso e o volume de leite diminui. Então é normal que o preço suba. Toda a família de derivados também sobe, fica tudo mais caro, e isso causa uma pressão inflacionária destacada pela importância desses itens na dieta.”
 
O leite longa vida subiu em julho 25,46%, o segundo item com a maior alta mensal. Já em um ano, o produto registrou aumento de 66,46%. Outros derivados também tiveram uma elevação considerável no mês, como leite condensado (6,66%), manteiga (5,75%), leite em pó (5,36%), queijo (5,28%), margarina (3,65%), requeijão (3,22%) e leite fermentado (2,87%).
 
“Sem contar ainda que existe aumento de outros itens, como frutas, que apresentaram uma alta importante”, afirma Braz. O aumento desses itens, no geral, foi de 4,40% em julho, de acordo com o IPCA. Em 12 meses, 35,36%.
 
A melancia, a maior alta mensal da inflação (31,26%), continua em safra e, por isso, pode ficar mais barata em novembro, dezembro e janeiro. Já o mamão, que subiu 13,52%, deve ter queda no preço de outubro a janeiro. Com alta em julho de 11,36%, a época da banana-nanica começa em setembro e, geralmente, dura mais quatro meses.
 
A sazonalidade pode ajudar a reduzir o preço das frutas nos próximos meses, que acumulam inflação elevada nos últimos 12 meses. No período, o mamão subiu 99,39%; a melancia, 81,6%; o morango, 73,86%; o melão, 61,15%; a manga, 47,51%; e a banana-nanica, 42,87%.
 
É esperado que pressão inflacionária desses itens diminua em breve. “O que sustenta a alimentação como o grande vilão dos preços são alguns efeitos sazonais. A boa notícia é que eles são passageiros. No caso do leite, por exemplo, ele já deve ceder em setembro com a aproximação da primavera, quando começa a chover. O produto deve começar a devolver esses aumentos acumulados até agora”, analisa Braz.
 
Fatores externos
A guerra no Leste Europeu tem ajudado a manter elevados os preços do café da manhã. A Ucrânia é um dos maiores produtores de trigo do mundo, mas a produção está sendo afetada pelo conflito. A queda na oferta do grão no mercado global fez o preço da commodity disparar. “Isso afeta também o pão francês, o biscoito e o macarrão”, comenta Braz. 
Em julho, os derivados de trigo continuaram subindo. Entre eles o biscoito (2,71%), pão doce (2,66%), farinha de trigo (2,29%), pão de forma (1,9%), macarrão (1,65%) e o pão francês (1,58%).
 
“No caso do trigo, mesmo com a guerra, estamos vendo acordos para que haja liberação de grãos da Ucrânia. A oferta de trigo no mercado internacional está aumentando aos poucos. A gente já começa a ter uma pressão menor”, completa o economista.
 
A invasão na Ucrânia aconteceu em fevereiro. Dados do IBGE indicam que, somente em 2022, a farinha de trigo disparou 27,47%. Outros derivados também acumulam alta elevada no período, como o pão de forma (18,74%), macarrão (16,17%), biscoito (16,03%), pão francês (15,35%) e o pão doce (13,85%).
 
O preço de outras commodities e de insumos agrícolas usados na produção também são influenciados por fatores externos. Segundo Hugo Garbe, professor do Mackenzie e economista-chefe da G11 Finance, “eles têm uma cotação internacional. Mesmo que a inflação caia, ele [o valor] vai continuar resistindo no preço anterior”.
 
O que influenciou a queda na inflação em julho?
O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) registrou a primeira deflação desde maio de 2020. É o menor resultado da série histórica do índice, iniciada em janeiro de 1980. Apesar da queda em julho, o índice acumula nos últimos 12 meses alta de 10,07%, percentual acima da meta estabelecida pelo governo para o período, de 3,5%.
 
Para Hugo Garbe, “a inflação está cedendo por conta dos subsídios do governo, a redução do ICMS, já era esperado que teríamos uma deflação. Ela aconteceu devido a uma política fiscal para conter o avanço dos preços, principalmente, dos combustíveis”, explica.
 
Mesmo com os preços persistentes dos alimentos, a queda do IPCA pode ser explicada pela redução das alíquotas do ICMS (Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias). A energia elétrica residencial e a gasolina, que tiveram a redução da tarifa, recuaram em julho 5,78% e 15,48%, respectivamente. Somente transportes (-4,51%) e habitação (-1,05%) tiveram variação negativa e puxaram a inflação do período para baixo. Também foi reduzido até o fim de 2022 o PIS/Confins sobre a gasolina e o etanol, que registrou queda no preço de 11,38%.
 
As frutas tiveram os maiores aumentos do IPCA-15 (Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15) em julho. A prévia da inflação, calculada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostrou que, dos dez itens com maior alta no preço, mais da metade são frutas. O índice perdeu ritmo no mês (0,13%), mas, apesar de também ter caído no acumulado de 12 meses, o percentual registrado, 11,39%, ainda segue acima do patamar de dois dígitos
 
Fonte:R7
Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PORTAL PLURAL LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2022 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×