O que fazer se tiver sintomas de covid após as festas? – Portal Plural
Connect with us

Medicina & Saúde

O que fazer se tiver sintomas de covid após as festas?

Publicado

em



Depois de ir a uma celebração de Natal ou réveillon com um grupo pequeno ou a uma festa com aglomeração, podem aparecer sintomas da covid-19 nos dias seguintes. Neste caso, a orientação dos especialistas é se isolar, buscar um serviço de saúde, realizar o exame e seguir as recomendações do médico.

No começo da pandemia, a recomendação das autoridades era se isolar e não buscar os serviços de saúde de imediato. Mas, segundo Zarifa Khoury, consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia, agora sabe-se que o ideal é buscar o serviço de saúde no início da infecção.

Ela destaca que não há remédios cientificamente comprovados, mas diz que os pacientes devem ter acompanhamento e receber medicação para ajudar o organismo na reação. “Cada pessoa, a partir de seus sintomas, recebe uma prescrição individualizada”, afirma.

Além de procurar uma unidade de saúde e realizar os exames para confirmar a doença, é essencial avisar às pessoas com as quais teve contato nas confraternizações.

“Havendo sintomas, enquanto não tem resultado do exame, deve permanecer em isolamento e avisar a todos com quem teve contato nos últimos 5 dias sobre suspeita de covid. Tendo confirmação, estas pessoas também devem permanecer em isolamento por 14 dias”, orienta a infectologista da Unicamp Raquel Stucchi

Ainda segundo ela, todos que têm covid devem fazer controle da oximetria para a analisar a saturação de oxigênio.

Cuidado

Raquel alerta ainda sobre os riscos dos exames. “Nenhum teste dá segurança para frequentar festas e confraternizações, nenhum dá garantia que não estamos transmitindo o coronavírus. Por dois motivos: o exame tem 30% de falso negativo, no caso do RT-PCR.

Já os exames que pesquisam antígeno para os que não apresentam sintoma, este número é ainda maior”, diz a infectologista. “O outro motivo é que mesmo que tenha feito o exame recentemente, há uma janela para que o vírus se manifeste, também podendo dar falso negativo e ser um vetor de contaminação”, continua.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Medicina & Saúde

Butantan recebe ingrediente para 20 milhões de doses de vacina

É a maior remessa de matéria-prima vinda da China até agora

Publicado

em

© REUTERS/Amanda Perobelli/Direitos Reservados

O Instituto Butantan recebeu hoje (13) uma remessa de 12 mil litros de ingrediente farmacêutico ativo (IFA) para produção de vacina CoronaVac contra covid-19. A remessa, a maior até agora de matéria-prima vinda da China, é suficiente para o envase de 20 milhões de doses do imunizante.

A carga saiu de Pequim no último domingo (11), fez escalada na Suíça, e chegou no Aeroporto Internacional de Guarulhos, na Grande São Paulo, às 4h30 de hoje.

A preparação das vacinas para aplicação pelo Programa Nacional de Imunizações deve ser feita em um período de 15 a 20 dias. O imunizante será, então, disponibilizado para aplicação em todo o país.

O Butantan já disponibilizou 53,1 milhões de doses da vacina elaborada em parceria com o laboratório chinês Sinovac. O instituto assinou dois contratos com o Ministério da Saúde para o fornecimento de 100 milhões de doses do imunizante até o final de agosto.

ebc

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Medicina & Saúde

Casos suspeitos da variante delta no RS serão analisados na Fiocruz

Publicado

em



O Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) irá enviar para a Fiocruz, nesta segunda-feira (12/7), amostras de dois prováveis casos da variante delta do coronavírus (B.1.1.617.2 – de origem na Índia) identificados no RS. Na Fiocruz, as amostras (de secreção de naso-faringe) passarão por exames mais detalhados para confirmação. É a primeira vez que casos suspeitos dessa linhagem do vírus são identificados no Rio Grande do Sul.

As amostras foram analisadas no Laboratório Central do Estado (Lacen/RS) e Centro de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CDCT) em testes preliminares. Na Fiocruz, no Rio de Janeiro, as amostras passarão por um sequenciamento genômico, que fornece detalhes do perfil de mutações e classifica com precisão a linhagem de cada amostra. Será um sequenciamento completo. Os testes que vêm sendo aplicados pela Secretaria da Saúde (SES) indicam se determinada amostra é uma provável VOC (variante de preocupação, da sigla em inglês) a partir da identificação genes específicos que são diferentes entre os tipos de vírus.

Os casos suspeitos se referem a um morador de Gramado e outro de Santana do Livramento. Nos últimos dias, as vigilâncias municipais adotaram as medidas sanitárias necessárias, com a identificação das pessoas e rastreamento de contatos dos casos, além do isolamento e coleta de amostras para RT-PCR (inclusive de contatantes). Essas amostras estão sendo enviadas ao Lacen para análise. Se forem casos positivos, serão realizados testes para identificar a provável linhagem.

Além desses dois casos de prováveis delta, três possíveis casos da variante alfa (B.1.1.7, origem no Reino Unido) foram identificados e estão em investigação para confirmação.

Variantes do coronavírus

Algumas linhagens do Sars-CoV-2 (causador da Covid-19) preocupam quanto a alterações no seu comportamento por carregarem algumas mutações específicas. A maioria dessas mutações está concentrada na proteína spike, a responsável por reconhecer as células humanas e ajudar o vírus a penetrar nessas células do indivíduo.

Quando comprovadas essas alterações e identificada uma ameaça à saúde pública ou ao controle do vírus, se denomina então de “variante de preocupação” (VOC – do inglês variants of concern).

Variantes de preocupação (VOC) são aquelas para as quais existem evidências científicas de uma mudança no comportamento do vírus. As principais mudanças que requerem atenção são aumento da transmissibilidade, aumento dos casos graves, redução significativa da neutralização por anticorpos gerados durante infecção prévia, eficácia reduzida de tratamentos ou vacinas ou falhas de detecção no diagnóstico.

Os exemplos mais conhecidos e de maior preocupação entre as VOCs já identificadas são alfa (B.1.1.7, origem no Reino Unido), beta (B.1.351, origem na África do Sul), gama (P.1, origem no Brasil) e a delta (B.1.617, origem na Índia).

No Rio Grande do Sul, assim como no Brasil, a linhagem predominante em mais de 99% dos casos analisados é a gama (P.1).

ebc

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Medicina & Saúde

Governo do Estado repassa R$ 182 milhões a hospitais do SUS

Publicado

em



O governo do Estado repassou R$ 182 milhões aos cerca de 200 hospitais gaúchos que prestam serviços por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). Os valores foram depositados ao longo da semana. O repasse é referente a verbas federais (R$ 96 milhões) e verbas estaduais (R$ 86 milhões).

Na terça-feira (6/7), foram pagos R$ 68 milhões em incentivos hospitalares estaduais. O valor é proveniente do Tesouro do Estado, e garante a oferta de serviços por meio do SUS como porta de entrada para urgência e emergência, plantões presenciais em algumas especialidades prioritárias, atendimento a gestantes de alto risco e rede de atenção ao parto, saúde mental, entre outros.

Entre quinta (8/7) e sexta-feira (9/7), o total foi alcançado a partir do repasse de mais R$ 96 milhões de verba federal, da produção ambulatorial e teto da alta e média complexidade (Teto MAC); e mais R$ 18 milhões do Tesouro do Estado, para complementar o Teto MAC e diárias de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) Covid-19.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Powered by WhatsApp Chat

×