O auxílio que ele merece – Portal Plural
Connect with us

Paulo Schultz

O auxílio que ele merece

Publicado

em



Uma busca rápida no Google permitirá que se localize um punhado de vídeos de Jair Bolsonaro criticando duramente – praticamente cuspindo em cima do programa Bolsa Família.

Cuspindo também em tom de ódio ou de desprezo em cima dos seus beneficiários.

É Bolsonaro sendo Bolsonaro.

E ele continua pensando absolutamente igual sobre o programa e seus beneficiados.

O que mudou?

Bolsonaro tem hoje algo em torno de 25 a 30% de intenção de voto, quando feitas simulações para a eleição presidencial do ano que vem.

E uma rejeição muito grande.

Especialmente nas camadas mais populares, devido à ruína social provocada por seu governo.

E aí a conta do projeto reeleição não fecha.

Então, Bolsonaro, espertamente junta o seu desprezo pelo Bolsa Família, com a necessidade de conseguir apoio e possibilidade de votos neste público.

Assim, encaminhou o fim do programa, e em seu lugar institui o nebuloso Auxílio Brasil.

Bolsonaro acabou com
o Bolsa Família, o maior e mais bem-sucedido programa de transferência de renda do mundo, um programa que durou 18 anos, e serviu para proporcionar distribuição de renda, combater a fome e a miséria, sendo articulado com outros setores, entre eles saúde e educação.
Pois essa política pública, instituída legalmente, permanente, bem estruturada e funcional, está sendo extinta.

Em seu lugar, Bolsonaro coloca um auxílio de um ano, com um valor um pouco maior, mas sem segurança nenhuma de continuidade após este período.

Quer dizer que, para a população beneficiária do Bolsa Família, eles são obrigados a trocar um programa que lhes dá segurança mensal básica e permanente de subsistência, por um auxílio duvidoso de curta duração, cuja continuidade é absolutamente incerta ainda mais dependendo de uma eventual desgraça que seria a reeleição de Jair Bolsonaro.

Bolsonaro assim dá andamento na sua proposta inicial de governo, que era de destruir tudo que existia, em termos de políticas públicas que tivessem uma direção voltada para a cidadania.

Esse é o lado cruel e frio.

O lado sádico que lhe causa prazer.

Bolsonaro sente extremo prazer ao causar desconforto e sofrimento às pessoas.

O outro lado é o lado do espertalhão.

Cria um programa temporário com o único fim de melhorar sua imagem e ganhar mais competitividade para tentar sua reeleição.

Aliás, entre os vários motivos pelos quais Bolsonaro quer a reeleição, há um motivo premente: manter o foro privilegiado que o poder lhe dá para com isso evitar a possibilidade de que ele ( pelos crimes cometidos durante seu mandato como presidente), e seus filhos Flávio e Carlos Bolsonaro pelos crimes de corrupção cometidos em seus mandatos parlamentares – evitar que os três sejam presos.

Quer dizer que, entre os vários objetivos da reeleição de Bolsonaro, um deles diz respeito a salvar o próprio pêlo e o de seus dois filhos parlamentares envolvidos com as denominadas rachadinhas.

O auxílio Brasil, portanto, além de um instrumento temporário de caráter puramente engambelador, trata-se na verdade de um auxílio reeleição.

Bolsonaro sendo Bolsonaro.

Cruel, ardiloso e baixo,
como sempre foi.

Por se tratar do atual quadro de ruína social, as pessoas agarrarão o valor do auxílio Brasil com todas as suas mãos.

E não há nenhum reparo em relação a esse fato.

Mas, é papel de quem percebe o que está sendo feito, deixar bem claro que o valor, sim, é de direito e deve ser recebido, mas que o objetivo de quem o oferece – o governo Bolsonaro – é um objetivo sujo, sórdido e desumano.

Isso precisa ser combatido.

O auxílio reeleição de Bolsonaro, no âmbito político, deve ser transformado naquilo que ele mais tem medo – um ponto de exclamação política para que o auxílio não só não o ajude em seu projeto pessoal de reeleição, mas também encaminhe aquilo que lhe é merecido – que seja um auxílio para sua derrota, e abra caminho legal para processos que o condenem pelos malfeitos cometidos.

Vamos lá dar essa mão para o capitão e dois dos seus filhos parlamentares envolvidos com corrupção ?

O auxílio reeleição pode até dar certo para bolsonaro – mas ele vai ter que combinar com a população.

E aí as coisas não são tão simples, e nem toda a malandragem patológica do Messias consegue dar garantia de nada.

Segue o Brasil, dia após dia.

O tempo de espantalho da morte precisa terminar.

Com auxílio luxuoso de quem quer cidadania e um país soberano, ele vai.

Imagina como será o ar pelo país inteiro, no primeiro dia após Bolsonaro sair do governo ?

De alívio e esperança.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Paulo Schultz

Eu serei você amanhã

Publicado

em



Sérgio Moro, depois de passar por tratamento fonoaudiológico, para ver se melhora daquela voz esganiçada, que além de ser uma coisa horrorosa, faz ele ser motivo de chacotas marrecônicas, se olhou no espelho, e então perguntou…..
” quem serei eu? ”

Lembrando de tudo que passou na sua fase gloriosa da Operação Lava jato, quando foi elevado pela elite, pela mídia e pela classe média ao posto de herói nacional.

Lembrando que depois virou ministro de Bolsonaro, sonhando com vaga no STF.

Lembrando das vezes em que foi entrevistado por Pedro Bial na Globo, quando piscava como nunca, e mentia como sempre.

Tentando lembrar da última biografia que leu ( aquela que o Bial perguntou, e ele não soube dizer).

Tendo a seu lado a sua “conje” (cônjuge), Moro então pensou….

“Eu vejo o Bolsonaro, e já sei o que serei..”

“Eu serei o Bolsonaro amanhã”.

” Não sei se farei arminha, e talvez não tenha o meu cercadinho com um gado ávido esperando por mim, talvez eu não seja tão tosco, nem fale tanta estupidez, mas eu creio que serei ele amanhã” .

Moro vai agradar o mercado financeiro, vai agradar o grande empresariado nacional (cada vez menos adepto da produção , e mais adepto do rentismo), será figura ilustre e bem conceituada nas rodas de conversa das festas da elite, será bem considerado entre as madames da high society, será venerado pelas famílias da classe média que, tendo um presidente para chamar de seu, se sentirá empoderada.

A rede Globo e os demais órgãos da grande mídia do país ficarão em êxtase.

Uma figura feita sob medida para agradar ao mercado, tocar a pauta de destruição do Estado, manter as ações do governo federal focadas para uma pequena minoria, e tudo isso com muito requinte e black tie.

A sua “conje” poderá enfim dizer novamente, com muita propriedade e veracidade..

“Eu não vejo o Bolsonaro e o Sérgio Moro…. eu vejo uma coisa só”.

Sim, Moro quer continuar o bolsonarismo, substituindo Bolsonaro.

Tão parecidos, que aos poucos, Moro vai se vendo no espelho, e vai vendo nele refletido o capitão Messias.

Tudo isso até pode ser possível – o sonho de Moro de ser Bolsonaro amanhã.

Mas tem uma coisa primordial para isso acontecer:

Precisa combinar com os russos.

E os russos, no caso, são a maioria do povo brasileiro, que vê Moro não como um herói, mas como o juiz patife que manobrou as leis e usou do seu poder para prender Lula sem provas, e assim fraudar a vontade da maioria da população em 2018, que era ter Lula eleito presidente.

Tem coisas que até se passa a mão na cabeça, mas traidor e juiz ladrão, o brasileiro não perdoa.

Vida que segue.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Paulo Schultz

Anatomia e trajetória de um patife

Publicado

em



Para começar, o cara tem uma voz horrorosa – não é à toa que recebeu o apelido de marreco.

Uma figura que não olha nos olhos das pessoas quando está conversando, e desvia o olhar para baixo e para os lados quando tem que dar uma resposta que exige sinceridade.

Possui um senso de justiça seletiva, demonstrado várias vezes, não só durante a operação lava-jato, como depois quando já era ministro de Bolsonaro.

Sim, porque durante a operação lava jato várias figuras políticas do PSDB foram pegas envolvidas em irregularidades, e nenhuma delas sofreu qualquer indício de punição por parte do então juiz.

Uma pessoa que tem uma dificuldade extrema de comunicar suas ideias, e que comete erros de português básicos que não caberiam a alguém na posição de magistrado.

Quem não lembra da sua famosa “conje”.

Tornou-se um herói da elite e de parte majoritária da classe média brasileira.

Esta última ansiosa por idolatrar heróis que pensem como eles e faça o que eles querem.

Ainda mais se compactuar com a mesma visão maniqueísta de mundo e da coisa pública – dividido simploriamente entre aqueles que roubam e aqueles que não roubam.

Mas, não se engane – era e é uma indignação seletiva, assim como seletiva era a ação do então juiz.

O seu campo de heroísmo – a operação lava jato, criada para supostamente combater a corrupção nos órgãos públicos, apresentou os seguintes resultados, conforme um estudo realizado pelo Dieese…..

– perda de 4,44 milhões de empregos de 2014 a 2017;

– perda de investimentos no país, superior a R$ 172 bilhões, principalmente da Petrobras;

– no mesmo período, a economia encolheu o equivalente a 3,6% do PIB;

– o país deixou de arrecadar R$ 47,4 bilhões de impostos e R$ 20,3 bilhões em contribuição sobre a folha, além de ter reduzido a massa salarial do país em R$ 85,8 bilhões.

Ou seja, a operação que tornou o ex-juiz Sérgio Moro herói da elite e parte da classe média causou estragos imensos à economia brasileira, e levou à ruína diversas empresas genuinamente nacionais, além de arrasar com toda a cadeia de produção e fornecimento constituída ao longo de décadas de duro trabalho no país e no exterior.

Para além desses números horrendos, Moro fez seu principal serviço: num processo crivado de parcialidade e nenhuma prova, Moro condenou e prendeu Lula, e o tirou da disputa presidencial de 2018.

Ou seja: tirou o favorito da disputa, e deu a condição ideal para o capitão Messias.

Moro é o responsável por termos Bolsonaro como presidente, e toda essa desgraça que temos vivido no país desde 2019.

Como prêmio, virou Ministro da Justiça de Bolsonaro.

Sonhava alto – queria ser ministro do STF.

Pulou fora do governo mais adiante, mas não abandonou o seu projeto pessoal de poder, movido por um ego altamente inflado.

Se retirou por um tempo do país.

Mas voltou para se filiar ao pequeno Podemos, e se colocar na condição de pré-candidato a presidente.

Para tentar ser a famosa terceira via, que a elite e uma parte considerável da classe média querem.

Um candidato de direita, liberal, polido e desejado, para que eles possam chamar de seu.

Já de saída, Moro recebeu tratamento especial da Rede Globo, dando entrevista a Pedro Bial.

Piscou como nunca, e mentiu como sempre.

Moro é um patife.

Um patife dissimulado.

Se de fato vier para a disputa, terá posta mais às claras essa sua condição – a de um patife, um mau caráter dissimulado de olhar escorregadio e voz de taquara rachada.

Por ter sido considerado juiz parcial e suspeito pelo STF, e por ter sido hostilizado pela horda bolsonarista ao romper com Bolsonaro, Moro possui uma rejeição enorme, somente menor que a do capitão Messias.

Mas isso não é uma barreira de todo intransponível – talvez.

Ele vai tentar – talvez não até o fim, mas até onde puder medir se o seu nome vende ou não vende.

Seu projeto e seu discurso – é o quê mesmo ?

Combate à corrupção ?
Com ele não cola.

De resto, é tão vazio quanto a última biografia que afirma gostar de ler, mas não lembra qual a última que leu.

Sim, os patifes são assim.

Cheios de ego, e vazios daquilo que importa – pelo menos para a maioria do país.

Venha para a disputa, Moro.

No chão que você quer pisar, há milhões calejados que conhecem o terreno muito melhor que você.

Mas isso é algo que você vai ter que aprender na prática.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Paulo Schultz

Cansaço, saturação e desejo

Publicado

em



Passados praticamente três anos do governo bizarro e destrutivo de Bolsonaro, resta na maioria da sociedade brasileira um cansaço.

Provocado pelas dificuldades, pelas ausências, pelas carências, e, sobretudo, pela inquietude proposital, insana e provocativa de Bolsonaro e dos membros de seu governo, assim como de seus seguidores raiz.

Em uma sociedade com características tão complexas como a brasileira, e com um povo que majoritariamente não é dado a sobressaltos prá além da dificuldade que a vida naturalmente impõe, me parece natural que toda essa inquietude e tensão provocariam um cansaço e uma consequente saturação em relação ao que se tem vivido.

Falando em bom português: Bolsonaro encheu o saco.

Afora seu seguidores raiz, que precisam de Bolsonaro e suas emanações para ter razão de vida, a maioria do povo brasileiro saturou do capitão Messias.

Uma saturação que se soma à rejeição e à reprovação do governo e da própria figura de Bolsonaro.

É um alívio quando, por 3 ou 4 dias seguidos, não se tem notícia de Bolsonaro, ou não se ouve falar de alguma merda que ele tenha dito ou feito.

Bolsonaro é inconveniente como um vizinho chato ou sarna que você tolera por algum tempo, mas que depois de um período, você não consegue nem enxergar nem ouvir mais.

Bolsonaro e seu governo conseguiram criar uma espécie de sociedade do cansaço, onde as pessoas ficam inertes e apáticas por pura saturação e exaustão.

É claro, a partir do quadro criado, novos e pequenos tubarões se assanham para tentar ocupar pela direita o espaço do capitão.

E aí vem os tucanos da segunda geração – Eduardo Leite e João Dória, com suas receitas neoliberais “infalíveis”.

E, por fim, um patife dissimulado, responsável pela colocação de Bolsonaro no cargo da presidência, chamado Sérgio Moro.

Pouco provável que vinguem, pelo quadro posto.

Em que pesem a reprovação, a rejeição e a saturação de Bolsonaro, ele detém uma parcela fixa de seguidores raiz e a máquina pública federal nas mãos.

Isso não é pouca coisa.

Mas, voltando à questão do cansaço e da saturação, é algo que veio em um crescente, de forma provocada e sem volta.

A maioria da população está cansada, está exausta.

Está assustada com a dificuldade que a vida no Brasil de Bolsonaro lhes impõe.

A grande questão é transformar esse cansaço e essa saturação da maioria em um desejo de outro caminho.

Um outro caminho que já foi possível, e que pode voltar a ser.

É preciso construir esse desejo.

É preciso romper o cansaço e a apatia, e os substituir por uma gana honesta e positiva, que traga de volta a capacidade de sonhar e a possibilidade de fazer acontecer.

Mesmo exaustos, mesmo saturados, mesmo cansados, a vida segue.

E segue nos dias que ainda restam de 2021, e nos dias de 2022.

Uma tarefa coletiva e árdua, que precisa ser feita com ousadia e enfrentamento, mas também com alegria.

No dia que tivermos encerrado o tempo do espantalho da morte no poder, há de se ter uma leveza no ar.

Até lá, que vivamos e saibamos como fazer chegar esse dia.

Por cima da fumaça da destruição anarco, há um céu de novos ares.

Como diria Cazuza…”pro dia nascer feliz”.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PLURAL AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×