NY entra em emergência após alta de casos por covid-19 – Portal Plural
Connect with us

Mundo

NY entra em emergência após alta de casos por covid-19

Publicado

em



Apesar da medida, ainda não há registros da variante Ômicron na cidade dos EUA

 

Devido à alta de novos casos de covid-19 e subsequentes internações, a governadora de Nova York, Kathy Hochul, emitiu uma declaração de “emergência de desastre” nas redes sociais, nesta sexta-feira, 26. A ação permite que o departamento de saúde local limite os procedimentos tidos como não essenciais em unidades médicas para que as pessoas em estado grave por conta do novo coronavírus sejam atendidas.

“Continuamos a ver sinais de alerta de picos no covid neste inverno e, embora a nova variante do Ômicron ainda não tenha sido detectada no estado de Nova York, ela está chegando”, escreveu. Hoje, eu assinei uma ordem executiva para ajudar o departamento de saúde a aumentar a capacidade hospitalar antes de potenciais picos”, escreveu.

fonte: terra

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Doação da Logomarca do Fundo Municipal de Cultura

Publicado

em



O Departamento de Cultura recebeu uma importante doação. A Logomarca do Fundo Municipal de Cultura foi oficialmente doada ao município. O criador, Senhor Brumel Lachnoff, formado em Comunicação Visual pela UFSM, esteve no Departamento de Cultura para assinar a doação.

A logomarca foi criada por ele entre os anos de 2009 e 2012 e vem sendo utilizada para identificar as ações do Fundo Municipal de Cultura. Já se tornou conhecida no meio cultural, motivo que o levou a doar a marca ao município. Essa doação permite que os editais e demais atividades desenvolvidas através do Fundo Municipal de Cultura, continuem sendo reconhecidas pelo público em geral e por todos que promovem cultura em Santa Rosa.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Em Frederico Westphalen, 300 famílias dependem de caminhão-pipa para ter água para beber

Publicado

em



A estiagem retirou Camila Faustino da Silva da rotina no campo. Nascida e criada em Barra do Braga, localidade a 18 quilômetros de Frederico Westphalen, Camila passou a vida inteira lidando no tambo e nas lavouras da família. Agora, aos 32 anos, pela primeira vez vai trabalhar fora, na tentativa de amenizar a queda na renda causada pela falta de chuva.

— Vou ser agente de saúde. Já comecei o treinamento e logo logo estarei atuando aqui na comunidade. Não tem outro jeito. É desesperador, porque a gente investe, tá muito caro para plantar, a gente não sabe se vai colher, se vai ter dinheiro para pagar as contas — desabafa Camila, sob um calor de 37ºC, às 10h.

No inverno, as 52 vacas da agricultora produziam em média 9 mil litros de leite por mês. No verão mais perverso dos últimos três anos, a média caiu para 4 mil litros mensais. Com as pastagens queimadas pelo sol, o gado come menos, perde peso e reduz os índices de prenhez, numa espiral de prejuízos que espalha pelos sete hectares da propriedade da família.

No início de janeiro, o marido de Camila, Jaime Vedovato, aproveitou dois dias seguidos de chuva, uma raridade na região, e plantou milho em 2,5 hectares. Os 50 milímetros que caíram do céu fizeram as plantas germinaram, mas foram insuficientes para o resto.

— Está tudo morrendo. É o terceiro ano seguido de seca e, olha, estamos remando para não quebrar. Eu nem penso muito nisso, senão fico doente — diz Vedovato.

A água que falta no pasto é escassa também na casa. Camila e cinco vizinhos são abastecidos por uma caixa d’água de 10 mil litros. A reposição é feita toda quarta-feira pela prefeitura, mas, desde ano o final do ano passado, a água dura apenas quatro dias. Os outros três dias são de torneira seca na vizinhança.

— Eu busco água na minha mãe aqui perto, encho baldes e garrafas, para poder cozinhar e tomar banho. O gado está bebendo água duma fonte que tem lá pra baixo. Botamos uma bomba e estamos puxando. É o que dá pra fazer — conforma-se.

Emendando uma estiagem na outra há três anos, Frederico Westphalen convive com ameaça de racionamento. A rede de água da cidade e dos municípios vizinhos de Vicente Dutra e Caiçara era mantida pelo Rio Pardo, mas não há mais vazão suficiente.

Para manter o fornecimento, desde o início do segundo semestre do ano passado, a Corsan puxa água do Rio Fortaleza, em Seberi. Ao todo, 300 famílias de 16 localidades precisam de assistência semanal de caminhões-pipa. São 110 cargas por mês, distribuindo um milhão de litros no período. Além disso, três escavadeiras percorrem o Interior limpando bebedouros e cavando açudes.

— O meu telefone não para. Nem na missa estou indo mais de tanto pedido que recebo — diz o secretário municipal de Agricultura, Gildo Busatto.

Fonte: GZH

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Avós que cuidam de seus netos deixam marcas em suas almas

Publicado

em



Eles são nossas memórias cheias de prazer, diversão e ternura

Há pessoas que são pontos cardeais, que levam nossos sentimentos e emoções a sua intensidade máxima. Os avós são exemplos dessas pessoas, pessoas únicas, afetuosas e inesquecíveis.

Eles simbolizam uma união que é gerada no papel que envolve uma bala, nos olhares de cumplicidade, no jogo permissivo e compreensivo de um consentimento sem tamanho que chateia os pais.

Eles são nossas memórias cheias de prazer, diversão e ternura. Histórias cheias de reviravoltas inesperadas, cabelos brancos bagunçados pelo vento e olhos que brilham ao sol durante um passeio em que se sente o calor das mãos que transmitem só amor e compreensão.

Os avós têm doutorado em amor

O modo como os avós educam traz importantes benefícios para uma criança. Por quê? Porque os avós que cuidam dos seus netos transmitem a eles diversos ensinamentos :

Passatempos como caminhar, cuidar das plantas, cozinhar, etc. Tradições e histórias familiares: as crianças ficam impressionadas ao saber que seus pais foram pequenos um dia. Canções, jogos e contos de antigamente que estão cheios de beleza e ensinamentos. Por outro lado, tanto sua posição familiar como sua experiência de vida acumulada garantem um modo de criação que é muito positivo para as crianças. Isso se dá dessa forma porque os avós tendem a: Ter mais paciência e estressar-se menos no cotidiano. Isso lhes permite ser mais afetuosos com as crianças e lhes mostrar de maneira constante um interesse afetivo através de uma relação empática.

A comunicação emocional é um pilar básico que permite aos netos se sentirem muito mais compreendidos por seus avós que por seus pais.

-Corrigir com seus netos os erros que cometeram com seus filhos e, portanto, dar uma visão aos pais sobre certos aspectos.

Ao mesmo tempo os avós são muito menos críticos e focam mais em coisas boas que em coisas ruins, destacando assim os pontos fortes da criança mais que seus pontos fracos.

Outra bonita característica do modo de educar dos avós é que eles ajudam os netos a adquirir independência dos pais, assim como a se socializar com pessoas de diferentes idades.

Muitas vezes os avós fazem o papel de advogados das crianças, servindo assim de ponte para validar sentimentos e resolver complicações que criam obstáculos na convivência e na comunicação entre pais e filhos.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PLURAL AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×