Novo episódio de chuva extrema trará inundações e as enchentes de volta no RS
Connect with us

Clima/Tempo

Novo episódio de chuva extrema trará inundações e as enchentes de volta no RS

Publicado

em

portal plural chuva extrema no rs
PREFEITURA DE PASSO FUNDO/ARQUIVO

Academia PersonaNuvera15 topo humberto pluralFAST AÇAÍbanner plano0 gold

Um episódio de chuva extrema com volumes elevados a excepcionalmente altos de precipitação deve ser esperado até a metade destes mês no Rio Grande do Sul e parte de Santa Catarina. São projetados volumes tão altos que, em algumas localidades, os acumulados podem atingir o dobro ou o triplo da média histórica de chuva de novembro inteiro nos próximos sete a dez dias. As informações são da MetSul Meteorologia.
 
O episódio de chuva extrema será um dos maiores deste ano no estado gaúcho, já marcado por uma série de eventos de precipitação excessiva, como o dos meses de junho (16 mortos), setembro (52 mortos) e outubro (sem vítimas). Uma consequência do fenômeno El Niño que segue se fortalecendo e adentra o território de forte intensidade com as mais altas anomalias de temperatura da superfície do mar no Pacífico desde o Super El Niño de 2016.
 
As médias históricas de precipitação para o mês de novembro no Rio Grande do Sul, de acordo com a série histórica 1991-2020 do Inmet, são de 70,0 mm em Santa Vitória do Palmar; 94,0 mm em Rio Grande; 99,4 mm em Pelotas; 105,5 mm em Porto Alegre; 112,6 mm em Torres; 116,9 mm em Bagé; 121,3 mm em Encruzilhada do Sul; 122,1 mm em Uruguaiana; 136,0 mm em Santa Maria; 138,1 mm em Bom Jesus; 141,5 mm em Iraí; 144,5 mm em Caxias do Sul; 156,6 mm em Cruz Alta; 160,1 mm em Passo Fundo; e 169,7 mm em São Luiz Gonzaga.
 
As projeções de chuva para os próximos sete a dez dias excedem – e muito – estas médias de precipitação em muitas cidades gaúchas com indicativos para um grande número de municípios gaúchos de volumes de chuva entre 100% e 300% da climatologia mensal nos próximos sete a dez dias, especialmente na Metade Norte do Rio Grande do Sul.
 
O que vai levar aos acumulados de chuva extrema será uma longa sequência de dias com registro de precipitação. Choveu ontem no Rio Grande do Sul, outra vez choveu nesta quinta e se espera chuva todos os dias no estado até o final da semana que vem, o que não significa vai chover em todas as cidades gaúchas todos os dias até o fim da próxima semana.
 
Não se espera uma situação como a de setembro, quando em apenas 24 horas choveu 200 mm a 300 mm em vários pontos do Norte e do Nordeste gaúcho, o que levou às inundações catastróficas no Vale do Taquari. Tampouco o cenário guarda semelhança com o ciclone de junho, quando caíram 200 mm a 300 mm no Nordeste gaúcho, em particular no Litoral Norte, em poucas horas, por efeito de orografia (chuva associada ao relevo).
 
Embora em alguns dias deva chover localmente forte a intensamente, com volumes em 24 horas de 50 mm a 100 mm ou mais, o que vai determinar os acumulados extremos neste episódio será a soma de muitos dias com registros de precipitação. Por isso, será um evento de chuva volumosa com características diferentes de junho ou setembro, e mais próximo do que ocorreu na Metade Norte gaúcha em outubro.
 
Porto Alegre e região metropolitana também ter volumes elevados na soma dos vários dias com registro de precipitação. O período de maior instabilidade na Grande Porto Alegre é esperado entre este sábado (11) e a quarta-feira da semana que vem (15) com tendência de chover todos os dias neste período.
 
 
Fonte: Metsul.
Compartilhe

Clima/Tempo

“Veranico” eleva as temperaturas no inverno em grande parte do Brasil até 25 de julho

Publicado

em

portal plural veranico’ eleva as temperaturas no inverno em grande parte do brasil até 25 de julho
Foto: Divulgação
15 topo humberto pluralFAST AÇAÍNuveraAcademia Personabanner plano0 gold

O inverno de 2024 começou de forma tradicional em grande parte do Brasil, com duas ondas de frio que baixaram as temperaturas. No entanto, a partir desta sexta-feira (18), a previsão é de um aumento nas temperaturas devido à chegada de uma massa de ar quente que afetará a faixa central do país, conforme informações da Climatempo. Esse padrão deve persistir até, pelo menos, a próxima quinta-feira, 25 de julho.

Conhecido como “veranico” pelos especialistas, esse fenômeno traz temperaturas mais elevadas durante a tarde, contrastando com o clima ameno à noite e de madrugada. Além disso, contribui para a estabilização das temperaturas, afastando nuvens de chuva e criando um “bloqueio atmosférico” que impede a chegada de frentes frias às regiões centrais do Brasil.

Quais regiões do Brasil sentirão as temperaturas mais elevadas?

De acordo com a Climatempo, as regiões que experimentarão temperaturas mais altas do que o normal para esta época do ano incluem o extremo sul de Rondônia, a metade sul do Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais e todo o Estado do Rio de Janeiro, além do fim do Rio Grande do Sul. A faixa litorânea de São Paulo ao Rio Grande do Sul, onde a brisa marítima proporciona um clima mais ameno, estará excluída desse aumento de temperatura.

As regiões do interior, como o Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, terão temperaturas superiores em 5ºC a 7ºC em relação ao esperado para esta época do ano. As demais áreas mencionadas devem registrar temperaturas entre 3ºC e 5ºC acima do normal.

Fonte: CNN Brasil
Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Clima/Tempo

Santa Rosa terá dia ensolarado com início do veranico no RS

Publicado

em

portal plural santa rosa terá dia ensolarado com início do veranico no rs

banner plano0 gold15 topo humberto pluralAcademia PersonaNuveraFAST AÇAÍ

O sol brilhará em todo o Rio Grande do Sul nesta quinta-feira (18), marcando o início de um veranico que se estenderá até o dia 25 de julho. Apesar do tempo firme, algumas áreas podem apresentar períodos de nebulosidade ao longo do dia. As temperaturas sobem, principalmente à tarde, enquanto manhãs e noites permanecem frias.

A região Norte do estado registrará as temperaturas mais altas, com máxima prevista de 25°C em Novo Tiradentes. Já as mínimas mais baixas, de 3°C, ocorrerão em São José dos Ausentes e Soledade, na Serra gaúcha. No Noroeste, a variação será de 8°C a 25°C.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Clima/Tempo

Veranico na segunda quinzena de julho trará temperaturas até 10°C acima da média no RS

Publicado

em

portal plural veranico na segunda quinzena de julho trará temperaturas até 10°c acima da média no rs
Foto: Divulgação
15 topo humberto pluralNuveraFAST AÇAÍbanner plano0 goldAcademia Persona

Após uma primeira quinzena de frio intenso, a segunda metade de julho trará um veranico ao Rio Grande do Sul. Segundo a Climatempo, as temperaturas podem ficar até 10°C acima da média para o período, trazendo de volta a sensação de calor ao estado. A elevação das temperaturas será gradual, com um período mais quente começando na sexta-feira (19). Guilherme Borges, meteorologista da Climatempo, afirma que os próximos dias serão de tempo seco, com predomínio de sol e aumento gradual das temperaturas. Na terça-feira (16), ainda pode chover na faixa norte do Estado, mas os volumes serão insignificantes.

— De 19 a 26 de julho, o Rio Grande do Sul enfrentará temperaturas acima do normal. O Estado deve passar por um veranico, conforme indicado por dois modelos meteorológicos convergentes. O tempo será firme e quente — explica Schneider.

Na região oeste do Rio Grande do Sul, em áreas como a Campanha, que registrou mínimas negativas nas últimas semanas, as temperaturas devem ficar de 4°C a 6°C acima da média. Em algumas regiões, podem ultrapassar de 8°C a 10°C do habitual para o período. Em Uruguaiana, na Fronteira Oeste, a temperatura mínima média geralmente é de 12°C ou 13°C. Se ficar de 8°C a 10°C acima, pode chegar a 23°C. As máximas, que costumam ser em torno de 19°C, podem atingir 27°C ou 28°C, o que é quente para essa época do ano. — Será uma situação incomum para julho, que normalmente não apresenta veranicos — exemplifica Schneider.

No Norte e Noroeste — especialmente nos municípios que fazem divisa com Santa Catarina — as máximas podem alcançar ou ultrapassar os 30°C.

Bloqueio atmosférico Segundo Borges, o retorno do calor será provocado por um bloqueio atmosférico na região central do Brasil, que envolve áreas de alta pressão, inibindo a formação de nuvens de chuva, retirando a umidade e elevando as temperaturas.

Retorno da chuva A partir do dia 24 de julho, o cenário mudará com o retorno da chuva, que deve amenizar um pouco o calor. As temperaturas permanecerão de 2°C a 4°C acima da média. No dia 26, os termômetros devem voltar à normalidade.

Fonte: GZH

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×