Acesse aqui
Rádio Web Portal Plural
Neymar recusa R$ 600 milhões para renovar contrato com PSG, diz jornal – Portal Plural
Connect with us

Esportes

Neymar recusa R$ 600 milhões para renovar contrato com PSG, diz jornal

“Mundo Deportivo” diz que atacante rejeita aumentar vínculo já quer trocar França por Barcelona, onde aceitaria ganhar metade do salário atual

Pável Bauken

Publicado

em

Segundo jornal, Neymar aceitaria receber a metade do salário para jogar no Barcelona | Foto: Bertrand Guay / AFP / CP


A janela de transferência do futebol europeu ainda nem abriu e a novela sobre a volta de Neymar para o Barcelona já começou. O jornal espanhol “Mundo Deportivo” publicou nesta segunda-feira que o atacante recusou mais de R$ 600 milhões (100 milhões de euros) para renovar contrato com o Paris Saint-Germain. O vínculo atual com o clube francês vai até junho de 2022.

De acordo com a publicação, o camisa 10 receberia esse valor só por assinar o novo contrato e o PSG ainda propôs a manutenção do salário de aproximadamente R$ 300 (50 milhões e euros) por ano.

O não de Neymar ao Paris está ligado ao desejo do brasileiro em voltar ao Barcelona, onde jogou de 2013 até 2017. O site de notícias afirmou que o atacante sabe da dificuldade de acontecer uma transferência milionária em meio à crise financeira causada pela pandemia do coronavírus e, por isso, aceitaria receber metade do salário que recebe atualmente para voltar a jogar com os amigos Messi e Suárez.

O jogador segue em isolamento social na cidade de Mangaratiba, no Rio de Janeiro, com o pai, amigos e seu preparador físico, Ricardo Rosa.

A última partida jogada pelo brasileiro foi as oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa, no dia 11 de março, quando o PSG se classificou ao ganhar do Borussia Dortmund por 2 a 0, com gol de Neymar.

Correio do Povo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esportes

Com saúde delicada, Maradona atravessava crise de abstinência após operação na cabeça

Reporter Global

Publicado

em

Com saúde delicada, Maradona atravessava crise de abstinência após operação na cabeça | Foto: Alejandro Pagni / AFP / CP

 

Ídolo argentino morreu nessa quarta e é velado hoje na Casa Rosada, em Buenos Aires

 

 

Antes de morrer, nessa quarta-feira, Diego Armando Maradona se recuperava de uma operação para a retirada de um coágulo da cabeça desde 3 de novembro. No dia 11, recebeu alta, mas a saúde do ídolo argentino era delicada, e ele enfrentava uma nova síndrome de abstinência.

Maradona estava com problemas de saúde no dia de seu aniversário de 60 anos, em 30 de outubro, quando reapareceu de seu confinamento devido à pandemia no estádio do Gimnasia y Esgrima, equipe que comandava.

Seu advogado, Matías Morla, revelou que Diego enfrentava uma depressão quando o coágulo foi detectado. “Ele tinha um comportamento diferente, estava muito deprimido e fazia comentários sobre parentes que haviam falecido, que sentia falta deles”, disse.

 

Morte de causas naturais

O promotor John Broyard afirmou que a morte do astro do futebol aconteceu ao meio-dia de quarta-feira por causas naturais. Maradona tinha cinco filhos, duas delas, Dalma e Gianinna, com a ex-esposa Claudia Villafañe. Seus outros filhos, que teve com três mulheres, são Jana, Diego Júnior, e Diego Fernando.

Os excessos e os vícios estão na origem dos problemas de saúde, que o deixaram à beira da morte em várias ocasiões. Campeão do mundo na Copa do México, em 1986, Maradona estabeleceu sua lenda nas quartas de final deste Mundial, quando fez um gol com a mão, a famosa “mão de Deus”, e o segundo que é considerado o mais bonito da história dos Mundiais.

Maradona havia superado há alguns anos o vício em drogas pesadas. Mas continuava consumindo bebidas alcoólicas e era medicado com tranquilizantes e ansiolíticos.

 

Correio do Povo

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Esportes

CBF registra 689 casos positivos de covid-19 nas quatro divisões do Brasileiro

Pável Bauken

Publicado

em

Foto: Divulgação/ Grêmio

A CBF registrou até este mês de novembro 689 casos positivos do novo coronavírus entre jogadores e membros da comissão técnica nos times das Série A, B, C e D do Campeonato Brasileiro. A informação está presente no documento intitulado “Eficácia e segurança do Protocolo Médico da CBF”, produzido pela Comissão Médica da Entidade, finalizado recentemente e obtido pela reportagem do Estadão.

O material analisou os resultados de 47.450 testes PCR em 1.161 jogos do Campeonato Brasileiro das quatro primeiras divisões e também de mais outras três competições para categorias inferiores: sub-17, sub-20 e aspirantes. Ao todo, na soma de todos esses torneios, foram registrados 807 testes positivos, o que corresponde a 1,7% do total de amostras.

O levantamento afirma que até o momento o protocolo de cuidados da CBF tem sido eficaz. A comissão médica revela ter analisado mais de 60 mil inquéritos individuais. Uma das principais análises foi descartar a possibilidade de transmissão de covid-19 de um time para outro, a contaminação cruzada. Para verificar essa possibilidade, os médicos acompanharam mais atentamente as partidas em que uma das equipes tinha três ou mais atletas afastados por causa de testes positivos.

Depois, a análise recaiu exatamente sobre quem jogou contra esse time. Ao longo de três semanas os médicos avaliaram de perto a equipe adversária para verificar se existiu o aumento do número de casos e monitoraram o resultado de todos os testes PCR. Ao todo foram analisadas 67 interações desse tipo e não foi encontrado nenhum contágio.

A elite do Brasileirão registrou desde o início da competição até agora 97 casos positivos, segundo o levantamento. Uma proporção de 1,3% em comparação ao número de testes. A competição com mais casos é a Série D, com 348, o que equivale a 2,1% dos exames.

Número de casos positivos:

Série A: 97

Série B: 128

Série C: 116

Série D: 348

Sub-17: 23

Sub-20: 84

Aspirantes: 11

Total: 807

Estadão

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Esportes

Neymar e Alisson são finalistas do prêmio Fifa The Best

De Arrascaeta, do Flamengo, disputa gol mais bonito no Puskás

Pável Bauken

Publicado

em

© Lucas Figueiredo/CBF

A Fifa, entidade máxima do futebol mundial, divulgou nesta quarta-feira (25) os finalistas do prêmio The Best, que elege os melhores atletas da temporada. O atacante Neymar, do Paris Saint-Germain (França), é um dos candidatos ao posto de melhor jogador entre os homens. Atual detentor da honraria entre goleiros, Alisson, do Liverpool (Inglaterra), está novamente na disputa, ao lado de mais cinco arqueiros.

Já no prêmio Puskás, de gol mais bonito, o representante “brasileiro” é o meia uruguaio Giorgian De Arrascaeta, do Flamengo, com a bicicleta que balançou as redes do Ceará na vitória rubro-negra por 3 a 0, pela Série A do Campeonato Brasileiro do ano passado.

Também foram anunciados os indicados ao The Best de torcedores, que premia as melhores demonstrações de amor ao esporte. A trajetória do pernambucano Marivaldo Francisco da Silva, que percorre 60 quilômetros a pé, por 12 horas, para assistir aos jogos do Sport, é uma das finalistas. Em 2019, a história ganhadora foi a da paulista Silvia Grecco, que leva o filho Nickollas – que é deficiente visual – às partidas do Palmeiras e narra o que acontece em campo a ele, que é fanático pelo Verdão.

Os finalistas receberão votos de técnicos e capitães das seleções e de um jornalista de cada país vinculado à Fifa. Torcedores também participam do processo, mas com peso diferente no voto. A exceção é o Puskás: neste a escolha dos internautas terá o mesmo peso que a do painel de ídolos da modalidade, selecionado pela Fifa – o chamado Fifa Legends. A votação é realizada no próprio site da Fifa. Os votos serão computados até o próximo dia 9 de dezembro e os três melhores anunciados no dia 11.

A premiação da Fifa deveria ter sido feita em 21 de setembro, mas o sofreu alterações devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19) e foi remarcada para 17 de dezembro. Ao contrário dos últimos anos, em que a entrega dos prêmios se deu em cerimônias de gala, não haverá evento presencial e os vencedores serão anunciados em transmissão por vídeo..

Na disputa pelo posto de melhor jogador, Neymar tem como rivais o francês Kylian Mbappé (que também joga no PSG), o polonês Robert Lewandowski, o espanhol Thiago Alcântara (ambos do Bayern de Munique, da Alemanha), o egípcio Mohammed Salah, o holandês Virgil Van Dijk, o senegalês Sadio Mané (todos do Liverpool), o espanhol Sergio Ramos (Real Madrid, da Espanha), o belga Kevin De Bruyne (Manchester City, da Inglaterra), o argentino Lionel Messi (Barcelona, da Espanha) e o português Cristiano Ronaldo (Juventus, da Itália). Os dois últimos dominam a premiação desde 2008, com seis vitórias de Messi – atual ganhador do The Best – e cinco de Ronaldo.

Alisson tem a concorrência do belga Thibaut Courtois (Real Madrid), do costarriquenho Keylor Navas (PSG), dos alemães Manuel Neuer (Bayern de Munique) e Marc-André ter Stegen (Barcelona) e do esloveno Jan Oblak (Atlético de Madri, da Espanha). Entre eles, apenas Courtois – além do brasileiro – ganhou o The Best dos goleiros, que é disputado desde 2017. O belga levou a melhor em 2018.

Indicados ao prêmio The Best Fifa – Reprodução Twitter/Fifa

No Puskás, o gol de Arrascaeta rivaliza com outros dez – sete do futebol masculino e três do feminino. Pelo Twitter, o meia do Flamengo pediu apoio da torcida: “Escolham o uruguaio certo”. A brincadeira tem a ver com um dos concorrentes ser o compatriota Luís Suarez, do Atlético de Madri, que disputa com um gol de quando ainda defendia o Barcelona.

Se o atleta rubro-negro vencer, seria a terceira vez que um jogador que atua no Brasil levaria o prêmio. Em 2011, Neymar foi o ganhador com o golaço que marcou em uma derrota do Santos por 5 a 4 para o Flamengo. Quatro anos depois, o então atacante Wendell Lira superou Messi e foi o escolhido com o bonito gol de meia bicicleta que assinalou na vitória por 1 a 0 do Goianésia sobre o Atlético-GO, no Campeonato Goiano de 2015.

O Brasil não teve indicados aos prêmios de melhor técnico (tanto no masculino como no feminino), goleira e jogadora. Neste último, o país já teve a atacante Marta como ganhadora em seis ocasiões. A mais recente em 2018.

ebc

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×