Morre voluntário brasileiro que participava dos testes de Oxford; laboratório não diz se ele recebeu vacina ou placebo – Portal Plural
Connect with us

Geral

Morre voluntário brasileiro que participava dos testes de Oxford; laboratório não diz se ele recebeu vacina ou placebo

Publicado

em

Ilustração Google


O voluntário João Pedro Feitosa tinha 28 anos, era médico recém-formado e morador do Rio de Janeiro.

O médico João Pedro Feitosa, que participava como voluntário dos testes da vacina de Oxford, morreu em decorrência de complicações da Covid-19.

O caso foi revelado nesta quarta-feira (21) pelo jornal “O Globo”.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou ter sido notificada do óbito em 19 de outubro, e que foi informada que o comitê independente que acompanha o caso sugeriu o prosseguimento do estudo.

“O processo permanece em avaliação”, disse a agência

O voluntário tinha 28 anos, era médico recém-formado e morador do Rio de Janeiro. Alegando “compromissos de confidencialidade ética”, a Anvisa não esclareceu se o voluntário tomou a vacina ou o placebo.

Em nota, a Universidade de Oxford ressaltou que os incidentes com participantes do grupo controle são revisados por um comitê independente e que a “análise cuidadosa” não trouxe preocupações sobre a segurança do ensaio clínico

A farmacêutica AstraZeneca informou ao G1 que também não pode fornecer detalhes por causa das cláusulas de confidencialidade, mas ressaltou que todos os processos de revisão foram seguidos. “Essas avaliações não levaram a quaisquer preocupações sobre a continuidade do estudo em andamento”, informou a empresa em nota.

A microbiologista Natália Pasternak analisa que é preciso cautela e analisar o ocorrido com tranquilidade. “Pessoas que participam dos testes clínicos são pessoas, eles podem morrer pelas mais diversas causas. Pode não ter absolutamente nada a ver com vacina”, explicou a cientista, que ainda apontou que a investigação do caso pode ser demorada e levar dias.

Testes e acordo no Brasil

 

A vacina desenvolvida em parceria entre o laboratório AstraZeneca e a Universidade de Oxford é a principal aposta do governo federal para uma futura campanha de vacinação contra o novo coronavírus.

O estudo está na fase 3 dos testes, e eles começaram no Brasil em junho. Nesta fase, a eficácia da vacina é verificada a partir do monitoramento de milhares de voluntários. No país, 8 mil voluntários já participam do estudo.

Antes da fase 3, sua segurança foi verificada em pesquisas com um número menor de voluntários e nenhuma reação grave foi verificada, somente reações leves (leia mais abaixo).

O Ministério da Saúde prevê o desembolso de R$ 1,9 bilhão para o projeto AstraZeneca/Oxford, e espera oferecer 100 milhões de doses no primeiro semestre da vacina, caso os estudos confirmem sua eficácia e segurança. Além disso, prevê produzir mais 165 milhões de doses no Brasil no segundo semestre.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

São Paulo confirma o terceiro caso da variante Ômicron no Brasil

Publicado

em



Passageiro vindo da Etiópia fez o teste para Covid-19 ao pousar em Guarulhos; ele está isolado, assintomático e foi vacinado com duas doses da Pfizer (mais…)

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Patrões têm até hoje para pagar a primeira parcela do 13º salário

Publicado

em



A primeira parcela do 13º salário será paga a 51 milhões de trabalhadores do mercado formal até esta terça-feira (30). A outra metade da remuneração extra precisa ser depositada até o dia 20 de dezembro.

Instituída pela Lei 4.749, de 1965, a gratificação natalina beneficia todos profissionais que atuam com carteira assinada, incluindo funcionários domésticos, urbanos e rurais.

Fonte: terra

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Mais de 27 mil horas de treinamentos na Prefeitura

Publicado

em



Capacitar, qualificar e oportunizar o aprimoramento. Estes são objetivos da Gestão, que busca com isso melhorar a eficiência e qualidade no atendimento público. Para isso, diversas ações estão sendo realizadas desde o início do ano, visando a melhoria continua no atendimento prestado para os contribuintes de Santa Rosa.

Nesse sentido, a Prefeitura tem realizado treinamentos em todas as áreas de serviços do município, totalizando mais de 27 mil horas neste ano. Se somadas as horas de treinamento da Fundação Municipal de Saúde já foram realizadas 59.469 horas.

Entre os vários treinamentos já realizados, um dos destaques foi para o de preenchimento da caderneta dos veículos. Após uma auditoria, foi percebido a maior atenção e até mesmo controle do uso. Esta atividade teve abrangência em 100% dos motoristas, operadores de máquinas e suas chefias.

Para o Secretário de Gestão, Ademir Rosa, este assunto era recorrente em sindicâncias e solicitações do Ministério Público, “A Secretaria de Gestão, através de seus propósitos, vem intensificando a importância da elaboração dos procedimentos padrões e também na execução de treinamentos aos servidores. Este é mais um que foi realizado e estamos alcançando o nosso objetivo, mostrando que podemos avançar ainda mais”.

Todas as semanas, são realizados treinamentos em diversas áreas, com destaque para a digitalização dos processos que já oportunizou um grande avanço no atendimento da Prefeitura. O projeto para 2022 é avançar ainda mais com o Planejamento Estratégico.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PLURAL AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×