Morador da China busca atendimento após ter quadro febril em São Leopoldo – Portal Plural
Connect with us

Medicina & Saúde

Morador da China busca atendimento após ter quadro febril em São Leopoldo

Reporter Cidades

Publicado

em

Caso tratado como suspeita de coronavírus foi registrado na UPA de São Leopoldo | Foto: Stephany Sander / Especial CP


A suspeita de um caso de coronavírus na cidade de São Leopoldo, no Vale do Sinos, causou apreensão aos moradores que buscaram atendimento médico na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Scharlau entre a noite da segunda-feira e a manhã desta terça. Segundo pessoas que estavam sendo atendidas na unidade, os funcionários passaram a usar máscaras de proteção no rosto após a entrada de um paciente por um acesso diferente da unidade. Tratava-se de um morador da China, que está há cerca de 10 dias no Brasil visitando familiares. Ele apresentou quadro febril na noite da segunda-feira e ficou internado em observação na UPA mas não apresentou evolução no quadro compatível com o coronavírus. 

O homem deve ser liberado nesta tarde para seguir tratamento médico em casa. O Centro de Vigilância em Saúde do Estado  e a Secretaria Estadual de Saúde foram notificadas e, de acordo com a Secretaria de Saúde de São Leopoldo, o atendimento seguiu o protocolo do Ministério da Saúde para prevenção do possível contágio tanto por parte dos funcionários que atenderam homem, quanto aos demais pacientes que aguardavam atendimento médico no local. 

Correio do Povo

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Medicina & Saúde

CEREST LEMBRA: 28 de fevereiro Dia Internacional de Prevenção a LER/DORT

Silvio Brasil

Publicado

em



Ao falarmos em Distúrbios Osteomusculares Relacionados só Trabalho – DORT, estamos nos referindo a uma série de problemas do sistema músculo esquelético, que vão de processos dolorosos a doenças já estabelecidas, como tendinites ou tenossinovites, que tem como nexo causal o trabalho dos indivíduos. Quando o indivíduo e a empresa tentam desenvolver estratégias para que o trabalho seja executado de forma mais ergonômica possível, muitos destes problemas se tornam estáveis. Mas a ergonomia não se resume apenas na forma como sentamos em frente ao computador. Toda e qualquer atividade que executamos no nosso dia a dia pode ser realizada de uma forma que melhor preserve o nosso sistema musculoesquelético.

A fisioterapeuta Sabrina Zazycki do Centro Especializado Regional em Saúde do Trabalhador- CEREST Fronteira Noroeste da FUMSSAR, ressalta que uma das regras básicas é manter as curvaturas fisiológicas da coluna, seja na posição sentada, em pé, deitada.

No ano de 2019, 92 trabalhadores receberam atendimento fisioterapêutico no CEREST unidade Santa Rosa, com em média 10 sessões cada. Com base nos Sistemas de Informações de Agravos de Notificações (SINAN/SIST ) foram notificados 202 casos de LER/DORT na nossa região de abrangência.

Embora o número de notificações seja superior ao número de trabalhadores atendidos, estamos ciente que há sub notificações dos casos, oque nos leva a manutenção ativa da Vigilância em Saúde dos Trabalhadores, através da educação e verificação dos ambientes de Trabalho.

O CEREST do município atende a 22 municípios da região atuando na área de prevenção e cuidados da saúde de trabalhadores.

Mantemos seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam esse serviço possível. Veja nossa Política de Privacidade para mais informações.

Continue Lendo

Medicina & Saúde

Refrigerante aumenta em até 31% as chances de morte prematura, diz nova pesquisa

Grupo de Harvard analisou as dietas de mais de 100 mil pessoas por 34 anos e constatou que o consumo constante das bebidas açucaradas leva a mais mortes por doenças cardíacas e dois tipos de câncer

Reporter Cidades

Publicado

em

Refrigerantes açucarados são ameaça séria à saúde e aumentam chance de morte prematura, segundo novo estudo de cientistas de Harvard (Foto: Pexels)

Um novo estudo da Escola de Saúde Pública de Harvard confirmou algo que as comunidades médica e nutricional já dizem há tempos: o consumo de refrigerante aumenta as chances de morte prematura – sobretudo por doenças cardíacas e alguns tipos de câncer.

A pesquisa, publicada ontem (18/3), é uma das mais amplas já publicadas sobre o assunto. Os cientistas acompanharam 37 mil homens e 80 mil mulheres durante um período de 34 anos (de 1980 a 2014) e foram informados pelos próprios participantes sobre seu consumo diário de refrigerantes – também foram considerados outros tipos de bebidas gaseificadas e não gaseificadas, mas cuja recorrência na dieta comum das pessoas é bem menor.

Eles documentaram, nesse período, mais de 20 mil mortes por problemas relacionados ao consumo de bebidas açucaradas, num universo de 36 mil óbitos por problemas diversos.

Foi constatado que pessoas que bebem refrigerantes açucarados duas ou mais vezes por dia têm um risco 21% maior de morrer prematuramente do que aquelas que bebem uma vez por mês ou menos. Mesmo quem toma apenas um copo por dia já tem um risco 14% maior em relação àqueles que não tomam refrigerante ou tomam eventualmente.

O risco é ainda maior se consideradas apenas as mortes por doenças cardíaca. Nesse caso, os fissurados por refrigerante (que tomam dois ou mais copos diariamente) têm 31% mais chances de morrer prematuramente por uma falha no coração. Em média, cada copo de refrigerante consumido diariamente representa um risco 10% maior, dizem os pesquisadores.

Em um patamar menor, também foi identificada uma relação entre o consumo de refrigerantes com açúcar e a ocorrência de dois tipos específicos de câncer: de mama e colorretal.

Embora a pesquisa se baseie em depoimentos dos próprios participantes – o que pode acarretar em imprecisões ou dados falsos –, os responsáveis pela nova pesquisa estão seguros da sua confiabilidade como referência para questões de saúde envolvendo os refrigerantes. “Não é aleatório. Há uma grande consistência nas informações que encontramos”, diz um dos autores, Vasanti Malik.

Refrigerante diet ajuda, mas não resolve

A pesquisa também avaliou o consumo de refrigerantes adoçados artificialmente – os famosos refris diet. A situação melhora um pouco: trocar um copo de refrigerante comum por um com adoçante diminui em 4% o risco de morte prematura de forma geral, e de 5% o de morte relacionada a problemas cardíacos.

Isso não quer dizer que eles sejam benéficos à saúde ou não tragam nenhum tipo de problema. O consumo de quatro ou mais copos de refrigerantes diet aumenta, particularmente entre as mulheres, o risco de morte prematura, em especial por problemas cardíacos, segundo os autores.

Segundo o professor de epidemiologia e nutrição de Harvard, Walter Willett, os resultados são consistentes com os já obtidos anteriormente em relação aos malefícios do açúcar, como a relação dele com o desenvolvimento de diabetes tipo 2 – outra causa comum de morte prematura. Para ele, tantas evidências já conhecidas deveriam servir para embasar políticas públicas que coíbam o consumo excessivo de açúcar.

“Os resultados dão suporte a políticas como a limitação do marketing de bebidas doces para crianças e adolescentes e a implementação de impostos para esses produtos, uma vez que o preço cobrado atualmente não considera os custos do tratamento de suas consequências para a saúde”, afirma.

Os refrigerantes são hoje a maior fonte de adição de açúcar na dieta diária dos americanos. No Brasil, o consumo da bebida é grande, mas está em queda. A Euromonitor projeta que, em 2022, o consumo no país será 22% menor em relação a 2012.

Época Negócios

Mantemos seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam esse serviço possível. Veja nossa Política de Privacidade para mais informações.

Continue Lendo

Medicina & Saúde

Coronavírus no Brasil: tire dúvidas sobre risco de contaminação e sintomas

Brasil tem um paciente diagnosticado com a infecção; outros vinte estão sob investigação, de acordo com o Ministério da Saúde

Reporter Cidades

Publicado

em

Rapaz em Seul usa máscara para se proteger do novo coronavírus Heo Ran/Reuters

Nesta quarta-feira, 26, o país teve a confirmação do primeiro paciente com diagnóstico positivo do novo coronavírus no Brasil. Trata-se de um homem com 61 anos, que viajou pela região da Lombardia, na Itália. Atualmente, existem no país outros vinte casos sob investigação. Veja abaixo algumas das principais dúvidas sobre como proceder com a chegada do vírus no país.

Quais os sintomas da doença?
Os mais prevalentes são febre baixa, tosse e falta de ar. Alguns pacientes apresentam coriza e diarreia. Casos graves podem evoluir para pneumonia, síndrome respiratória aguda grave e insuficiência renal. Ressalte-se, contudo, que são ocorrências comuns a diversas enfermidades — daí a importância de sempre procurar orientação médica.

O que devo fazer se tiver os sintomas da doença? Quais autoridades devo avisar?
O paciente que apresentar os sintomas e que tenha visitado uma das áreas de surto ou entrado em contato com pessoas recém-chegadas deve procurar o pronto-socorro. Em grandes centros de saúde ocorre o que é chamado de fast-track (uma via rápida em inglês). Nele, as pessoas que apresentam esses sintomas recebem atendimento prioritário e uma máscara de proteção. Cabe ao centro de saúde avisar as autoridades sanitárias responsáveis.

O fato de ser verão reduz o risco de contaminação?
Sim, os vírus respiratórios têm maior taxa de transmissão com tempo seco e no frio. Principalmente porque há maiores aglomerações de pessoas em ambientes fechados, sem ventilação natural. Como o Brasil passa por um verão com alta umidade, a propagação do vírus pode ser menor do que em outros países do hemisfério norte.

O Brasil está preparado para lidar com um surto do novo coronavírus?
Acredita-se que sim. Já ocorreram outras epidemias de doenças respiratórias no país, caso do H1N1, e foi possível responder à altura. Outro ponto favorável foi o tempo que levou para o vírus chegar até o país, houve prazo para, por exemplo, criar uma legislação específica para as ações que devem ser tomadas a cerca da doença. Os próximos passos neste primeiro momento da infecção serão cruciais, principalmente para identificar e isolar os primeiros doentes.

O único paciente com o diagnóstico positivo no país foi liberado para casa, onde deve manter o isolamento. Como deve ser o procedimento quando há um caso na família?
O paciente deve ficar em um ambiente que não seja compartilhado, um quarto, por-exemplo. Também deve evitar transitar muito por áreas comuns, caso da cozinha. Caso o faça, deve usar máscara. A internação só é indicada para pacientes graves, com quadros de risco. Com o aumento dos diagnósticos positivos, se ocorrer, fica inviável isolar todas as pessoas em um hospital. O isolamento em casa feito de forma correta é de extrema importância.

Como se prevenir do contágio do vírus? Álcool em gel funciona?
Neste momento, já é indicado evitar aglomerações. A melhor medida é lavar as mãos constantemente (com intervalos entre duas e três horas). Caso tenha frequentado ambientes com grande fluxo de pessoas — como metrôs, ônibus e trens — a orientação é fazer a higiene das mãos imediatamente. Caso não haja uma pia com água e sabão disponíveis, o álcool em gel pode ajudar. Uma vez com as mãos limpas, não há problema em tocar o rosto, do contrário, deve-se evitar.

Máscaras faciais devem ser usadas ou é exagero?
As máscaras devem ser usadas por quem está doente. Para os pacientes saudáveis é duvidoso se trará alguma mudança no risco de infecção. Para os infectados, a orientação geral é trocar o item a cada duas horas, isso porque o tecido de proteção é umedecido conforme o usuário respira e dessa forma perde a eficácia.

A partir de qual idade existe maior risco de morte?
A letalidade do vírus ocorre com maior frequência entre pacientes idosos e portadores de doenças crônicas. A taxa geral de mortalidade é de 2,3%, exceto no grupo de risco, onde é um pouco mais alta (14% entre pessoas com mais de 80 anos, por exemplo).

Fonte: Celso Granato, infectologista e diretor clínico do laboratório Fleury e Organização Mundial da Saúde (OMS). VEJA

Mantemos seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam esse serviço possível. Veja nossa Política de Privacidade para mais informações.

Continue Lendo

Trending

×