Ministério da Saúde emite alerta sobre aumento de casos de coqueluche no país
Connect with us

Saúde

Ministério da Saúde emite alerta sobre aumento de casos de coqueluche no país

Publicado

em

portal plural ministério da saúde emite alerta sobre aumento de casos de coqueluche no país
Foto: Divulgação

topo humbeto pluralFAST AÇAÍAcademia PersonaNuvera

Em resposta a surtos de coqueluche na Ásia e na Europa, o Ministério da Saúde do Brasil emitiu uma nota técnica recomendando a ampliação e intensificação da vacinação contra a doença. A orientação também inclui o fortalecimento das ações de vigilância epidemiológica por estados e municípios.

A nota amplia a recomendação do uso da vacina dTpa (tríplice bacteriana acelular tipo adulto), que protege contra difteria, tétano e coqueluche, para trabalhadores da saúde que atuam em serviços públicos e privados, tanto ambulatoriais quanto hospitalares. Isso inclui profissionais em áreas de ginecologia e obstetrícia, parto e pós-parto imediato, UTIs e UCIs neonatais, berçários de todos os níveis de risco, e pediatria.

Além disso, a vacinação é recomendada para doulas que acompanham gestantes, bem como para trabalhadores de berçários e creches que atendem crianças até 4 anos de idade.

A administração da vacina deve considerar o histórico vacinal dos indivíduos contra difteria e tétano (dT). Pessoas com o esquema vacinal completo devem receber uma dose da dTpa, independentemente de quando receberam a última dose. Aqueles com menos de três doses administradas devem receber uma dose de dTpa e completar o esquema com uma ou duas doses de dT.

Cenário Global

A nota técnica destaca um aumento significativo de casos de coqueluche em pelo menos 17 países da União Europeia, registrando 25.130 casos de janeiro a dezembro de 2023, e 32.037 casos entre janeiro e março de 2024. A maior incidência foi observada em crianças menores de 1 ano, seguidas pelos grupos de 5 a 9 anos e de 1 a 4 anos.

Esquema Vacinal

O Ministério da Saúde ressalta que a principal forma de prevenção da coqueluche é a vacinação de crianças menores de 1 ano, com reforços aos 15 meses e aos 4 anos, além da vacinação de gestantes, puérperas e profissionais da saúde.

O esquema vacinal primário inclui três doses da vacina penta aos 2, 4 e 6 meses, protegendo contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e Haemophilus influenzae tipo b, seguidas de reforços com a vacina DTP (tríplice bacteriana).

Para gestantes, recomenda-se uma dose da vacina dTpa a partir da 20ª semana de cada gestação. Se a vacina não for administrada durante a gravidez, deve ser aplicada no puerpério, o mais precocemente possível, até 45 dias após o parto.

Desde 2019, a vacina dTpa também é indicada para profissionais da saúde, parteiras tradicionais e estagiários atuantes em UTI ou UCI neonatal convencional e berçários, como complemento do esquema vacinal ou como reforço.

A coqueluche, causada pela bactéria Bordetella pertussis, é uma infecção respiratória que tende a se espalhar mais em climas amenos ou frios, como na primavera e no inverno.

Fonte: O Bairrista

Compartilhe

Destaque

Dengue em Santa Rosa: Vila Planalto é o bairro mais afetado

Publicado

em

portal plural dengue em santa rosa vila planalto é o bairro mais afetado

Academia PersonaFAST AÇAÍNuveratopo humbeto plural

A Vila Planalto lidera o ranking da dengue em Santa Rosa, com 1.256 casos confirmados, representando um terço da população local infectada. Os dados foram divulgados pela Fundação Municipal de Saúde, que aponta a atual epidemia como a maior da história da cidade.

Outras áreas também registraram números elevados de casos, como o Centro (1.297), Esperança (1.178), Cruzeiro (1.169) e Vila Cruzeiro do Sul (1.054).

Apesar do cenário preocupante, a Fundação registrou apenas 34 casos confirmados na última semana, uma queda significativa em comparação com o pico da crise, quando foram registradas mais de 1.700 ocorrências semanais.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Ciência

Tecnologia inovadora regenera tecido cardíaco

Publicado

em

portal plural (2)
Foto: Divulgação/BBC Brasil
NuveraFAST AÇAÍtopo humbeto pluralAcademia Persona

Um estudo recente sugere que ondas de choque suaves podem promover a regeneração do tecido cardíaco em pacientes submetidos a cirurgias de revascularização, como pontes de safena ou mamária.

Realizado com 63 pessoas na Áustria, o estudo revelou que os pacientes que receberam esse novo tratamento apresentaram melhorias significativas em comparação aos que não receberam. Eles conseguiram caminhar distâncias maiores e seus corações demonstraram uma capacidade aumentada de bombear sangue.

“Pela primeira vez, estamos testemunhando a regeneração do músculo cardíaco em um ambiente clínico, o que pode beneficiar milhões de pessoas”, afirmou o professor Johannes Holfeld, da Universidade Médica de Innsbruck.

O dispositivo, apelidado pelos pesquisadores de “secador de cabelo espacial”, está agora pronto para ensaios maiores, visando incluir um grupo mais diversificado de pacientes. Esse tratamento visa estimular o crescimento de novos vasos sanguíneos ao redor de áreas danificadas ou cicatrizadas após cirurgias cardíacas.

As ondas de choque, semelhantes às usadas em outras terapias médicas, são aplicadas logo após a cirurgia de revascularização, num procedimento rápido de cerca de 10 minutos.

Os resultados mostraram que, um ano após a cirurgia, os pacientes tratados com as ondas de choque apresentaram um aumento de 11,3% na quantidade de sangue oxigenado bombeado pelo coração, enquanto no grupo de controle esse aumento foi de 6,3%. Além disso, os pacientes do grupo de tratamento conseguiram realizar atividades diárias com mais facilidade e relataram uma melhor qualidade de vida.

O estudo foi financiado por entidades governamentais austríacas, pelo Instituto Nacional do Coração, Pulmão e Sangue dos EUA e por uma empresa associada à Universidade Médica de Innsbruck, parcialmente propriedade dos próprios pesquisadores.

Fonte: BBC Brasil

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Saúde

Saúde mental: quem procurar se você está pensando em pedir ajuda?

Publicado

em

portal plural saúde mental quem procurar se você está pensando em pedir ajuda
Foto: Canva
FAST AÇAÍAcademia Personatopo humbeto pluralNuvera

Buscar ajuda para questões de saúde mental pode ser um desafio. Apesar de o estigma estar diminuindo, ele ainda persiste, levando muitas pessoas a enfrentarem suas dificuldades sozinhas ou acreditarem que o problema desaparecerá por conta própria. Alguns até confiam exclusivamente em medicação para resolver suas questões.

Uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Urologia revelou que quase metade dos homens só procura um médico quando já apresenta sintomas físicos. Quando se trata da mente, o processo é ainda mais complicado. Para muitos, especialmente homens, a vergonha é uma barreira significativa na busca por ajuda.

Se você decidiu que é hora de pedir ajuda, com quem deve falar? Aqui estão algumas sugestões:

  1. Alguém de Confiança: Procure uma pessoa em quem você confie verdadeiramente, alguém com quem possa compartilhar suas dores mais profundas. Muitos profissionais de saúde mental observam que a falta de alguém para ouvir é uma causa comum de sofrimento. Desabafar pode ter um grande efeito terapêutico. Lembre-se de que as relações são uma via de mão dupla, então esteja preparado para também ser um ombro amigo quando necessário.
  2. Familiares e Parceiros: Familiares próximos ou parceiros de vida podem ser uma boa opção, desde que a relação seja sólida e de confiança mútua.
  3. Profissionais de RH: No ambiente de trabalho, os profissionais de Recursos Humanos (RH) podem ser um bom ponto de partida. Com a pandemia de Covid, as equipes de RH têm lidado mais com questões de saúde mental. Consultorias como a Caliandra, que trabalha com saúde mental em organizações, frequentemente envolvem líderes e times de RH.
  4. Médicos: Você pode buscar ajuda com seu médico de confiança, mesmo que ele não seja um especialista em saúde mental. Muitas vezes, um médico generalista pode ajudar com problemas pontuais ou episódicos e encaminhá-lo a um psiquiatra, psicólogo ou psicanalista se necessário.
  5. Grupos de Ajuda Mútua: Dependendo da sua questão, grupos como Alcoólicos Anônimos (AA) e Narcóticos Anônimos podem ser úteis. Esses grupos são gratuitos e baseiam-se na ideia de pertencimento e ajuda mútua entre os membros.

Existem muitas opções de suporte, e não há uma escolha certa ou errada. Diferentes tipos de apoio funcionam para pessoas diferentes em momentos variados de suas vidas. O importante é dar o primeiro passo e procurar a ajuda que você precisa.

Fonte: Forbes Brasil

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×