Menos de 10 cursos superiores à distância alcançam nota máxima no Enade de 2019 – Portal Plural
Connect with us

Ensino

Menos de 10 cursos superiores à distância alcançam nota máxima no Enade de 2019

Publicado

em

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil


 

Apenas 511 dos 8.368 cursos superiores avaliados pelo Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), em 2019, alcançaram a nota máxima.

 

Destes, 9 são ministrados à distância. Os resultados detalhados foram divulgados nesta terça-feira (20) pelo Ministério da Educação e pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Por causa da pandemia, o Enade de 2020 foi cancelado. Ou seja, o próximo balanço só sairá em 2022, com o desempenho de 2021. Mas, os reflexos do novo coronavírus devem aparecer do mesmo jeito, já que as universidades estão tendo de se adaptar saindo das salas de aula e indo para as telas de computadores, celulares, através da internet.

Em 2019, 165 cursos superiores à distância foram avaliados. Destes, 77 alcançaram as notas mais baixas, 1 e 2. Entre todos os tipos de curso, dos 6,1% que atingiram a nota 5, 417 são de instituições públicas, com a maior parte em federais (342). Quase 390 mil estudantes fizeram as provas.

O exame acompanhou cursos do Ano I, que são os de bacharelado em engenharia, arquitetura e urbanismo, saúde, ciências agrárias e áreas afins, e os tecnólogos em ambiente e saúde, produção alimentícia, recursos naturais, militar e em segurança.

O Enade é um exame feito por estudantes – ao final dos cursos de graduação – para avaliar conhecimentos, competências e habilidades desenvolvidas ao longo do curso. As notas vão de 1 a 5. O conceito 3 reúne a maior parte dos cursos. Aqueles que tiveram um desempenho menor do que a maioria recebem conceitos 1 ou 2. Já os que tiveram desempenho superior recebem 4 ou 5.

 

Perfil dos novos médicos

Por causa da pandemia, o INEP fez um recorte de análise do perfil dos estudantes de medicina e ele mostra uma realidade bem distante da brasileira. A média dos novos profissionais da saúde, que entraram no mercado de trabalho no ano do coronavírus, é formada por jovens de alta renda, com pais escolarizados e que não trabalharam enquanto se graduavam.

Dos quase 390 mil estudantes que fizeram a prova, 61% foram os primeiros da família a fazerem uma faculdade. Já entre os alunos de medicina, 47%, a maior parte, têm pais com ensino superior completo. Além disso, 91% não trabalharam. Entre os estudantes em geral, metade não trabalhou e outros 47% trabalharam mais de 40 horas por semana.

 

Norte fora do ranking

Um outro destaque feito pelo INEP foi de que a região Norte, dentre os cursos avaliados em 2019, não teve uma pontuação relevante. As regiões mais fortes foram: Sudeste, Sul e Nordeste.

 

 

CNN

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ensino

Bolsonaro diz que gostaria de inserir questão sobre Ditadura Militar no Enem: ‘Começar a história do Zero’

Publicado

em



Em evento no Palácio do Planalto, o presidente do Brasil negou ter interferido na prova, mas, afirmou que se pudesse faria (mais…)

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Ensino

Desempenho da educação passa a ser critério para distribuição de ICMS aos municípios gaúchos

Publicado

em



A proposta do governo do Estado que vincula parte da distribuição do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) ao desempenho da educação nos municípios foi aprovada nesta terça-feira (23/11) na Assembleia Legislativa.

O PL 369/2021 passou com emenda apresentada após reunião entre governo, Federação das Associações de Municípios (Famurs), Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (Granpal) e parlamentares. Foram 47 votos favoráveis e apenas um contrário. “Foi uma vitória importante, negociada com a Famurs e os parlamentares, em que delineamos uma emenda que pudesse ser compreendida por todos.

Isso se refletiu no placar de 47 votos. A emenda identifica que os 7% que estamos agregando aos 10%, obrigatórios na Constituição Federal, passam a ser escalonados a partir de 2025 e não em 2024. Em 2024, os 10% constitucionais já estarão valendo e os 7% que propusemos passam a ser escalonada em cinco anos, a partir de 2025”, disse o secretário-chefe da Casa Civil, Arthur Lemos Júnior. A proposta altera os critérios de repartição do imposto com os municípios, permitindo que indicadores ligados ao desempenho em educação sejam incorporados ao cálculo de divisão do ICMS no Estado.

O projeto de lei foi apresentado pelo governador Eduardo Leite durante lançamento do programa Avançar na Educação, em outubro deste ano, e na sequência remetido à Assembleia.

A finalidade é tanto qualificar a legislação de repartição do ICMS, incentivando a implementação de boas práticas, que envolve o interesse das prefeituras e a qualidade do ensino público, assim como adequar a legislação do RS à Emenda Constitucional (EC) 108, de 2020.

A EC 108 alterou as regras do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), estabelecendo que um mínimo de 10% dos repasses de ICMS encaminhados aos municípios seguisse um critério com base na educação.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Ensino

Enem tem ‘Admirável Gado Novo’ e questões sobre racismo

Publicado

em



A prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste domingo, 21, trouxe um trecho da música Admirável Gado Novo, de Zé Ramalho, uma charge do cartunista Henfil e questões sobre racismo. Já o tema da Redação deste ano foi “Invisibilidade e registro civil: garantia de acesso à cidadania no Brasil”. O Enem 2021 foi marcado por polêmicas envolvendo tentativa de controle sobre o conteúdo da prova e crise com os servidores do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), responsável pelo exame.

Questões sobre temática indígena, racial e de gênero apareceram na prova e, segundo professores, não foi possível perceber censura em itens. “Não é a cara que o governo queria. Claramente, a prova usa o que se tem no Banco Nacional de Itens (BNI) e mantém o padrão, estilo e formato dos anos anteriores”, diz Gilberto Alvarez, do Cursinho da Poli.
Fonte: terra

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PLURAL AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×