Memes brasileiros viram notícia na TV iraniana – Portal Plural
Connect with us

Mundo

Memes brasileiros viram notícia na TV iraniana

Reporter Global

Publicado

em



A enxurrada de memes brasileiros sobre o conflito entre os Estados Unidos e o Irã chamou atenção de um jornalista no Irã, Pooya Jahandar. Ele se deu ao trabalho de traduzi-los em uma reportagem na TV, mostrando as reações bem-humoradas dos brasileiros, que avisam que o Brasil não está pronto para a Terceira Guerra Mundial.

Agora é a reportagem que está viralizando, bem como as reações a ela. Alguns internautas brincaram com Gretchen, que apareceu na matéria, dizendo que a “rainha dos memes” salvou o Brasil da guerra.

A cantora também se envolveu, publicando o vídeo no twitter com comentário “Meu Deus”.

Já o próprio jornalista aproveitou para mandar uma mensagem em português aos brasileiros: “Meus queridos Amigos do Brasil, não se preocupem porque o Irão só tem problemas com os Estados Unidos, obrigado pelos vossos comentários e humor, vou ao Brasil para o Carnaval”.

Gaúcha/ZH

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Nos EUA, um único vencedor leva sozinho o quarto maior prêmio de uma loteria: US$ 730 milhões

Reporter Regional

Publicado

em



O Powerball, um dos jogos de apostas dos Estados Unidos, pagou um prêmio de US$ 730 milhões (R$ 3,9 bilhões, na cotação atual) na quarta-feira (20). Foi o quarto maior valor em jogos desse tipo na história do país.

Não se sabe quem é o vencedor, mas só que o bilhete vencedor foi comprado no estado de Maryland.

O maior prêmio de todos os tempos foi sorteado em 2016, quando três pessoas dividiram US$ 1,58 bilhão (cerca de R$ 8,36 bilhões, na cotação atual).

Esse jogo não tinha vencedores desde setembro, e, por isso, os valores se acumularam e subiram.

A chance de vencer no Powerball é de 1 em 292 milhões. O próximo sorteio, no sábado, terá um prêmio de cerca de US$ 20 milhões.

Fonte: G1

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Polícia dos EUA prende filho de brasileiros que participou de invasão do Capitólio.

Reporter Regional

Publicado

em



A polícia dos Estados Unidos prendeu nesta quarta-feira (20) Samuel Camargo, um filho de brasileiros que vive na Flórida, pela participação dele na invasão ao prédio do Capitólio no último dia 6. Na ocasião, 5 pessoas morreram, após um um grupo de extremistas apoiadores do ex-presidente Donald Trump tentar impedir a certificação da vitória eleitoral de Joe Biden.

Camargo foi preso por, entre outras acusações, tentar impedir um policial de exercer seus deveres durante um tumulto e por desordem civil, ao entrar sem autorização em um prédio de acesso restrito.

Samuel Camargo é americano, mas os pais dele são de Sabinópolis, em Minas Gerais. Toda a família mora nos EUA.

A prisão ocorreu depois que os investigadores do FBI receberam denúncias de um ex-colega de turma de Camargo que tinha conexão com ele pelas redes sociais. Segundo o relatório do investigador, o filho de brasileiros havia publicado imagens de sua participação na invasão.

 

O relatório também aponta que Camargo admitiu que participou dos protestos em Washington DC em 6 de janeiro de 2021 e que depois voltou para a Flórida.

Em uma das imagens, Camargo aparecia com um pedaço de metal de alguma estrutura do prédio do Congresso e dizia que tinha levado uma lembrança.

Em outra imagem, ele aparece junto com uma multidão na escadaria do Congresso. Ele também publicou imagens em que ele luta com um policial para poder abrir uma porta do prédio.

De acordo com o relatório do FBI, alguns vídeos foram apagados posteriormente.

Pedido de desculpas

Camargo publicou um texto em uma de suas redes sociais no qual pede desculpas por suas ações em Washington DC. Ele afirmou que iria cooperar com as investigações e que ficaria longe das mídias sociais.

O agente do FBI que investigava a participação de Camargo fez uma ligação telefônica para o investigado. Durante a conversa, segundo os investigadores, ele se tornou “não-cooperativo” e chegou a questionar a lealdade do agente à Constituição dos EUA. Ele também afirmou ao agente que não tinha informação nenhuma para dar.

Horas depois, Camargo voltou a uma de suas redes sociais (apesar de ter dito que ficaria longe delas) e escreveu o seguinte: “Acabei de falar com o agente do FBI, eu acredito que fui inocentado”.

Fonte: G1

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Terra está ‘morrendo’ rápido demais, indicam pesquisadores.

Reporter Regional

Publicado

em



Extinções em massa, crises de saúde e constantes rupturas sociais. Apesar de esse já ser um cenário familiar para cerca de 7,5 bilhões de pessoas espalhadas pelo globo, o futuro tende a trazer eventos catastróficos ainda mais acentuados se líderes mundiais não começarem a cuidar do meio ambiente com seriedade. Isso é o que indica um time de 17 cientistas de 3 países (Estados Unidos, México e Austrália) em artigo publicado na Frontiers in Conservation Science em 13 de janeiro. A Terra, ressaltam, está “morrendo” rápido demais.

Os responsáveis pelas projeções descrevem os três pilares que mais ameaçam a vida por aqui: perturbação climática, declínio da biodiversidade e consumo excessivo aliado à superpopulação. De acordo com eles, tais fatores deixarão nosso planeta em uma posição mais precária do que nós podemos imaginar, já que tendem a estar cada vez mais presentes em nosso dia a dia, colocando em risco a raça humana. Para embasar suas perspectivas, reuniram mais de 150 pesquisas a respeito do assunto.

De todo modo, segundo eles, o levantamento não se trata de uma repreensão a cidadãos comuns, mas da descrição detalhada dos perigos com os quais teremos de lidar. Dessa maneira, espera-se que ações capazes de atenuar o que está por vir serão incluídas em projetos de líderes políticos, por exemplo – caso se disponham a tentar reverter o quadro nada promissor.

“Não é um chamado à rendição. Nosso objetivo é dar um ‘banho de água fria’ em líderes quanto ao estado do planeta, algo essencial para o planejamento dedicado à prevenção de um futuro medonho”, eles reforçaram.

 

Riscos mortais

Para dar uma “cara” ao que nos espera, inicialmente, o grupo cita que a natureza será muito mais solitária. Cerca de 50% das plantas terrestres e 20% da biodiversidade animal desapareceram da superfície desde o início da agricultura, há 11 mil anos. Caso tendências atuais se mantenham em seus cursos, cerca de 1 milhão das 7 a 10 milhões de espécies vegetais e animais da Terra podem estar em risco de extinção em breve, perturbando, inclusive, os principais ecossistemas existentes.

O resultado? Menos insetos para polinizar plantas, menos plantas para filtrar ar, água, solo e menos florestas para proteger assentamentos humanos de inundações e outros desastres naturais. Junte a equações secas mais frequentes e à elevação do nível do mar, chegando a 1 bilhão de pessoas se tornando refugiados do clima até o ano 2050.

Pensa que acaba por aí? Calma que tem mais. “Em 2050, a população mundial provavelmente crescerá para 9,9 bilhões de pessoas”, complementam os autores, o que agravaria a insegurança alimentar e habitacional, o desemprego, a superlotação e a desigualdade, aumentando as chances de pandemias, como a da covid-19.

À medida que invadimos espaços selvagens, eleva-se o risco de surgimento de novas doenças zoonóticas mortais.

 

Aquilo que deve ser nomeado

Ainda segundo a equipe, não estamos aprendendo muito com as experiências pelas quais estamos passando. As metas de aquecimento global estabelecidas pelo Acordo de Paris já foram ultrapassadas; além disso, atualmente, estamos no caminho certo para habitar um mundo que é 2,3 graus Celsius mais quente do que a média das temperaturas globais na era pré-industrial. Países também falharam em cumprir objetivos básicos de biodiversidade estabelecidos pela ONU em 2010.

“Se a maioria da população mundial realmente entendeu e apreciou a magnitude das crises que resumimos aqui – e a inevitabilidade da piora das condições –, seria lógico que se esperasse mudanças positivas nas políticas para tratar a gravidade das ameaças existenciais. Entretanto, o oposto está acontecendo”, lamentam.

Felizmente, nada está totalmente perdido, defendem. Além de sugerirem medidas como a abolição de crescimento econômico a qualquer custo e o rápido abandono do uso de combustíveis fósseis, dizem que o primeiro passo é a educação. “É responsabilidade dos especialistas em qualquer disciplina que lida com o futuro da biosfera e do bem-estar humano dizer como as coisas são e não suavizar os enormes desafios à frente”, eles afirmaram. “Qualquer outra ação é enganosa, na melhor das hipóteses. Na pior delas, letal para a humanidade”, finalizaram.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

ENQUETE

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


error: Conteúdo protegido, para ter acesso seja nosso parceiro entre em contato no whats (55) 984161736
×