'Médico perguntou se eu queria saber sexo do bebê para pensar no nome’, diz vítima de estupro que teve aborto negado em 4 hospitais
Connect with us

Geral

‘Médico perguntou se eu queria saber sexo do bebê para pensar no nome’, diz vítima de estupro que teve aborto negado em 4 hospitais

Publicado

em

portal plural 'médico perguntou se eu queria saber sexo do bebê para pensar no nome’, diz vítima de estupro que teve aborto negado em 4 hospitais
Foto: Reprodução/TV Globo

Academia PersonaNuvera15 topo humberto pluralbanner plano0 goldFAST AÇAÍ

Uma mulher vítima de violência sexual relata que teve o aborto negado em quatro hospitais de São Paulo e, na última tentativa, foi questionada pelo médico se gostaria de saber o sexo do bebê durante um exame de ultrassonografia.

A consulta ocorreu na terça-feira (25), no Hospital Municipal do Campo Limpo, na Zona Sul da capital, onde a equipe se recusou a realizar a interrupção da gravidez conforme previsto em lei.

“Ele (médico) me perguntou se eu queria saber o sexo do neném. Mesmo sabendo que era um caso de violência sexual, ele disse: ‘Mas você não quer saber? Assim você já pensa em um nome, caso não consiga fazer o aborto.’ E eu falei: ‘Não, não quero saber.’ Mesmo assim, ele falou. Foi muito difícil”, conta.

A identidade da paciente não será revelada para protegê-la.

Na tarde de quinta-feira (27), a Justiça de São Paulo determinou que a Prefeitura de SP, no prazo máximo de 48 horas, indique um local e agende uma data para a realização do aborto legal da paciente. Em caso de descumprimento, a prefeitura está sujeita a uma multa diária de R$ 50 mil.

“Eu perguntei se tinha algum outro hospital que eles pudessem indicar e disseram que não. Disseram que em São Paulo não há nenhum hospital que faça isso e não falaram mais nada”, relatou a mulher.

Atualmente, o aborto legal é permitido no Brasil sem limite de idade gestacional em três circunstâncias: quando a mulher engravida após ser vítima de violência sexual, quando há confirmação de anencefalia do feto ou quando há risco de vida para a mãe.

O g1 entrou em contato com a Secretaria Municipal de Saúde e aguarda retorno.

A paciente contou à GloboNews que descobriu a gestação após perceber mudanças em seu corpo e que precisou de tempo para tomar coragem e pedir ajuda. Em duas semanas, ela afirma ter recebido quatro negativas para a realização do aborto legal, presencialmente ou por telefone.

Em 14 de junho, ela procurou o Hospital da Mulher, unidade estadual de referência no atendimento de vítimas de violência sexual. Após exames, foi informada de que sua idade gestacional era de 24 semanas, o que impediria o procedimento na unidade.

Em 17 de junho, a paciente retornou ao hospital para consulta com a assistente social e psicóloga, sendo informada novamente que o aborto não seria realizado e que ela não conseguiria fazê-lo no estado de São Paulo.

“A assistente social me disse que em São Paulo eu não conseguiria fazer porque os hospitais estavam se negando, mesmo eu tendo direito por lei. A ginecologista também reforçou que é muito difícil fazer em São Paulo e que a votação do novo projeto de lei estava dificultando ainda mais. Eu sabia que seria difícil, mas não imaginava o quão difícil seria”, relatou a mulher.

Em 18 de junho, ela contatou o Hospital Municipal Tide Setúbal, na Zona Leste, por telefone, e teve o atendimento negado antes mesmo da consulta presencial.

“Conversei com a assistente social e ela me agendou para o dia seguinte. Expliquei a situação, mas 15 minutos depois, eles retornaram dizendo que não iam me atender porque estavam cumprindo uma ordem de não fazer o procedimento e era necessário aguardar a nova votação do projeto de lei”, afirmou.

Outra tentativa foi feita por telefone com a equipe do Hospital Municipal do Tatuapé, também na Zona Leste, e a informação passada foi que não havia profissionais disponíveis para o procedimento de aborto legal.

Em 20 de junho, a Defensoria Pública oficiou a Prefeitura de São Paulo, recomendando que o Hospital Municipal do Campo Limpo disponibilizasse atendimento imediato para a realização do aborto legal.

Em 25 de junho, a paciente foi atendida no Hospital Municipal do Campo Limpo e teve o aborto legal negado pela segunda vez. Um relatório da equipe médica cita que a paciente estava com 26 semanas e 3 dias, de acordo com ultrassonografia feita em 21 de junho, e nega o atendimento.

Relato da Paciente

A paciente conta que foi sugerido que ela prosseguisse com a gestação. “A psicóloga me disse: ‘Se você não conseguir fazer o aborto legal, você sabe que terá que criar. Então seria mais fácil já começar um pré-natal?’ E eu falei ‘não’, porque o que eu estou pedindo é algo que tenho direito por lei. Somente não sabia que era tão difícil”, lamentou.

O relatório do hospital menciona que, pelo fato de a mulher estar com mais de 22 semanas de gestação, seria necessária a ação de medicina fetal para a indução de assistolia fetal, “serviço este não oferecido pelo hospital”. O documento também diz que a paciente recusou fazer “pré-natal de alto risco” e “acompanhamento psicossocial” e que foi orientada a procurar a Defensoria Pública para assegurar o melhor desfecho possível.

“Foi muito frustrante, eu saí de lá chorando. Eu só quero uma coisa que tenho direito por lei. O que passei, não quero que outra pessoa passe também. É um caminho muito difícil de ser percorrido. Então eu queria ser acolhida”, lamentou.

Decisão Judicial

A paciente agora aguarda a resposta da Prefeitura sobre o local de atendimento, como determinou a Justiça. “Para mim é uma esperança. Eu espero muito que dê certo”.

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo respondeu os questionamentos da reportagem, afirmando que segue todas as previsões legais e normativas federais vigentes relativas à interrupção da gravidez, garantindo segurança, acolhimento e atendimento humanizado às mulheres vítimas de violência sexual.

Em casos de gestações acima de 22 semanas, o Hospital da Mulher segue protocolo e referencia as grávidas via Cross (Central de Regulação da Oferta de Serviços de Saúde) para locais com maternidade e serviço de UTI neonatal, garantindo o atendimento necessário.

Na segunda-feira (24), a Prefeitura de São Paulo informou ao Supremo Tribunal Federal (STF) que estava realizando os procedimentos na cidade e apresentou uma relação de 68 abortos legais feitos no município este ano, nenhum após decisão do STF.

O ministro do STF Alexandre de Moraes deu prazo de 48 horas para que a Secretaria Municipal de Saúde apresente informações complementares em uma ação que tramita na Corte e pediu comprovação documental sobre os abortos legais negados.

Duas decisões judiciais em vigor asseguram o direito da mulher a realizar o aborto legal em São Paulo, independentemente da idade gestacional: uma decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo e uma liminar do ministro Alexandre de Moraes, que suspendeu uma resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) que proibia o procedimento de assistolia fetal.

A assistolia fetal consiste em uma injeção que induz à parada do batimento cardíaco do feto antes de ser retirado do útero, recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para casos de aborto legal acima de 22 semanas.

A resolução do CFM, publicada em 3 de abril, proibia médicos de realizarem a assistolia fetal em “casos de aborto previsto em lei oriundos de estupro”. Em 17 de maio, Moraes suspendeu a resolução, determinando que os hospitais de referência para aborto legal mantenham a realização dos procedimentos.

Cumprimento de Decisões Judiciais

Em 19 de junho, o ministro determinou que hospitais de São Paulo comprovassem o cumprimento de sua decisão de 17 de maio. Reportagem da GloboNews mostrou que a Prefeitura descumpre a determinação da Justiça e que mulheres tiveram o aborto legal negado em hospitais de São Paulo.

Atendimento Legal

Segundo apuração da GloboNews, uma mulher, vítima de violência sexual, procurou o Cachoeirinha para fazer o procedimento previsto em lei, mas foi encaminhada para o Hospital Municipal Dr. Cármino Caricchio, onde foi informada que não havia equipe para realizar o procedimento. Encaminhada para o Hospital da Mulher, onde novamente teve o procedimento negado, foi informada que o hospital só faz o aborto legal até 20 semanas de gestação. Em outra tentativa, foi enviada para o Hospital do Campo Limpo, onde também teve o procedimento negado com base na resolução do CFM. A Defensoria Pública ofereceu a possibilidade de judicialização do caso, mas não obteve retorno da paciente após a decisão do STF.

Raphael Câmara, conselheiro do CFM, afirmou que “a assistolia fetal é um procedimento cruel e desumano, que tortura”.

Outra paciente, com cerca de 20 semanas de gestação, teve o aborto negado em três hospitais: Hospital da Mulher, Campo Limpo e Tide Setúbal, conseguindo realizar o procedimento em outro estado.

O Ministério das Mulheres afirmou à GloboNews que acompanha com preocupação as notícias sobre o fechamento do serviço de aborto legal no Hospital Maternidade Vila Nova Cachoeirinha e a exigência de ‘ouvir os batimentos cardíacos do feto’, procedimento considerado inconstitucional e desumano.

Segundo a ONG Vivas, atualmente só três cidades no Brasil realizam aborto legal após 22 semanas sem ordem judicial: Uberlândia, Recife e Salvador. Desde o fechamento do Cachoeirinha, esses locais atenderam 20 mulheres de outros estados. No Brasil, apenas 108 cidades oferecem o serviço de aborto legal, representando 1,94% dos municípios.

Fonte: Jornal o Sul

Compartilhe

Esportes

Ex-segurança de Schumacher exigia R$ 81 milhões para não divulgar fotos e histórico médico

Publicado

em

portal plural ex segurança de schumacher exigia r$ 81 milhões para não divulgar fotos e histórico médico
Crédito: Alexander Hassenstein/Bongarts/Getty Images
FAST AÇAÍ15 topo humberto pluralNuveraAcademia Personabanner plano0 gold

Um ex-segurança de Michael Schumacher tentou extorquir a família do heptacampeão de Fórmula 1, ameaçando vazar fotos e o histórico médico do ex-piloto, que não é visto em público desde dezembro de 2013, após sofrer uma grave lesão cerebral em um acidente de esqui nos Alpes Franceses.

Segundo o diário alemão Bild, um homem identificado como Markus F., de 52 anos, exigiu 15 milhões de euros (cerca de R$ 81 milhões) da família de Schumacher para não divulgar o material. De acordo com documentos da investigação acessados pelo jornal, Markus tinha aproximadamente 1.500 arquivos da vida privada do ex-piloto. Ele trabalhou como segurança da família por pelo menos cinco anos e foi dispensado em 2021.

Markus F., dono de uma empresa de consultoria em TI (Tecnologia da Informação), estava endividado e buscava se recuperar financeiramente aplicando o golpe na família de Michael Schumacher. Para isso, ele contratou um colega segurança, Yilmaz T., de 53 anos, que foi responsável por contatar a família com a ameaça.

Yilmaz foi preso pela polícia alemã junto com seu filho Daniel, de 30 anos. Durante o depoimento, Yilmaz revelou o envolvimento de Markus F., o mentor do golpe. Daniel foi liberado na última segunda-feira (8) após pagar uma fiança de 10 mil euros (aproximadamente R$ 59 mil). Markus e Yilmaz permanecem sob custódia das autoridades alemãs.

Fonte: CNN Brasil
Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Câmara analisa projeto para conceder meia-entrada a alunos de cursinhos e escolas de idiomas

Publicado

em

portal plural alunos de cursinhos e de escolas de idiomas também poderão ter meia entrada; câmara analisa
Foto:Getty Images
banner plano0 goldNuvera15 topo humberto pluralFAST AÇAÍAcademia Persona

Na Câmara dos Deputados, está em análise um projeto de lei que propõe modificações no Estatuto da Juventude, visando ampliar o benefício da meia-entrada para inscritos em cursos de idiomas e cursos preparatórios para concursos públicos, Enem e outros vestibulares. Atualmente, o desconto em eventos culturais e esportivos é concedido a estudantes, idosos, pessoas com deficiência e jovens carentes entre 15 e 29 anos.

O deputado Túlio Gadêlha (Rede-PE), autor da proposta, destacou nas redes sociais que mais de 5 milhões de pessoas se inscreveram para o Enem 2024, ressaltando a necessidade de garantir o acesso à cultura para essa categoria de estudantes, que abre mão de diversas atividades durante os estudos.

O projeto seguirá em tramitação em caráter conclusivo, passando pelas comissões de Educação, Cultura e Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, antes de ser avaliado pelo Senado.

Fonte: CNN Brasil

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Conselho Nacional veta internação de menores em comunidades terapêuticas

Publicado

em

portal plural o conselho nacional dos direitos da criança e do adolescente divulgou uma resolução nesta sexta feira (12), proibindo a internação de crianças e adolescentes em comunidades terapêu
Foto: Divulgação
15 topo humberto pluralbanner plano0 goldFAST AÇAÍNuveraAcademia Persona

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente divulgou uma resolução nesta sexta-feira (12), proibindo a internação de crianças e adolescentes em comunidades terapêuticas. Este conselho, vinculado ao Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, tomou essa medida considerando denúncias de violações graves nessas instituições, como trabalho forçado, uso de contenções físicas e casos de intolerância.

A partir de agora, apenas adultos poderão ser admitidos nessas entidades privadas sem fins lucrativos, que historicamente acolheram pessoas com transtornos decorrentes do uso ou dependência de drogas. A resolução destaca que a internação de menores em comunidades terapêuticas constitui uma privação de liberdade, infringindo seus direitos fundamentais à liberdade, participação e convivência familiar, além de violar as proteções previstas na Constituição.

O conselho recomendou que, em situações de atendimento de urgência e emergência, o acolhimento seja preferencialmente realizado em Centros de Atenção Psicossocial (Caps), hospitais ou em Unidades de Acolhimento Infanto-juvenil de Saúde (Uais). O Executivo deverá identificar todas as crianças e adolescentes atualmente internados nessas comunidades terapêuticas e elaborar um plano para encaminhá-los a serviços adequados de atendimento.

Fonte: G1

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×