Lula critica ideia de 'casas provisórias' para atingidos por enchentes no RS; medida foi anunciada por Leite
Connect with us

Política

Lula critica ideia de ‘casas provisórias’ para atingidos por enchentes no RS; medida foi anunciada por Leite

Publicado

em

portal plural lula critica ideia de 'casas provisórias' para atingidos por enchentes no rs; medida foi anunciada por leite
Foto: Ricardo Stuckert/PR

NuveraAcademia PersonaFAST AÇAÍtopo humbeto plural

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou nesta terça-feira (11) os planos de construção de casas provisórias para as pessoas atingidas pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Na semana passada, o governador Eduardo Leite (PSDB) anunciou a construção de 500 casas temporárias para famílias de baixa renda que tiveram suas residências destruídas pela catástrofe ambiental.

Lula fez essa declaração durante um encontro com autoridades de Pernambuco no Palácio do Planalto, onde o governo firmou um acordo para indenizar famílias que moravam em prédios com risco de desabamento.

O presidente ressaltou que muitas vezes obras provisórias se tornam permanentes. Ele reconheceu, no entanto, que construir novas residências em locais seguros é um processo demorado.

“Eu disse ao companheiro Jader [Filho, ministro das Cidades] lá no Rio Grande do Sul, porque tem sempre a ideia de que é preciso cuidar de fazer casa provisória, e eu falava que não tem casa provisória. É melhor dizer a verdade para o povo, é melhor dizer que destruir é muito rápido, construir é muito demorado”, afirmou Lula.

“A gente vai ter que encontrar terreno sólido, vai ter que fazer casa com rua, com esgoto, com água, com energia elétrica, com área de lazer para as crianças, com escola, porque a gente não pode fazer o pessoal, depois do que passaram no Rio Grande do Sul, voltar a morar em lugar inóspito, em lugar inseguro”, acrescentou.

Na última sexta-feira (7), o governador Eduardo Leite anunciou um investimento de R$ 86,7 milhões para construir 250 moradias definitivas (R$ 20 milhões) e 500 temporárias (R$ 66,7 milhões) para famílias de baixa renda.

As casas provisórias, conforme o governo gaúcho, serão instaladas em Eldorado do Sul (250), na Região Metropolitana de Porto Alegre (100) e no Vale do Taquari (150).

O governo estadual destinará as unidades para famílias cujas casas foram totalmente destruídas ou estão com a estrutura condenada. As prefeituras farão a seleção das famílias.

As moradias são modulares, com base metálica, medem 27 metros quadrados e incluem dormitório, sala/cozinha conjugadas, banheiro, mobiliário planejado e eletrodomésticos.

O governo informou que o prazo de entrega é de 30 dias a partir da liberação do terreno. As unidades provisórias serão utilizadas até que as moradias definitivas sejam construídas.

Leite explicou na sexta-feira que as residências “são provisórias, mas são reaproveitáveis”.

“A ideia é ter estruturas que o Estado instala onde é necessário para, provisoriamente, abrigar as famílias. Viabilizada a moradia definitiva, vamos remover e acondicionar o módulo em depósito do Estado. Se for necessário, poderá ser utilizado em outra circunstância”, explicou o governador.

Fonte: G1

Compartilhe

Destaque

Dr. Benedetti (PSD) confirma pré-candidatura à Prefeitura de Santa Rosa

Publicado

em

portal plural dr. benedetti (psd) confirma pré candidatura à prefeitura de santa rosa

FAST AÇAÍtopo humbeto pluralAcademia PersonaNuvera

O médico Carlos Alberto Benedetti (PSD) confirmou sua pré-candidatura para a prefeitura de Santa Rosa nas eleições de 2024. Segundo Dr. Benedetti, a decisão foi tomada pelo Diretório Estadual, que escolheu seu nome.

Com essa confirmação, Dr. Benedetti (PSD) se junta ao ex-prefeito Orlando Desconsi (PT) e ao atual prefeito Anderson Mantei (PP) como pré-candidatos à prefeitura de Santa Rosa. Até o momento, nenhum dos pré-candidatos anunciou seus pré-candidatos a vice-prefeito.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Política

Câmara de Vereadores de Senador Salgado Filho aprova reajuste de subsídios para prefeito, vice, secretários e vereadores

Publicado

em

portal plural câmara de vereadores de senador salgado filho aprova reajuste de subsídios para prefeito, vice, secretários e vereadores

FAST AÇAÍNuveraAcademia Personatopo humbeto plural

Em sessão realizada na segunda-feira (17), a Câmara Municipal de Vereadores de Senador Salgado Filho/RS aprovou, por maioria, o reajuste dos subsídios mensais do prefeito, vice-prefeito, secretários municipais e vereadores. O aumento será de 19,68% para os cargos do Executivo e de 19,66% para os vereadores, com vigência de 1º de janeiro de 2025 a 31 de dezembro de 2028.

Com a aprovação, os novos valores dos subsídios serão:

  • Prefeito: R$ 15.600,00
  • Vice-Prefeito: R$ 7.800,00
  • Secretários Municipais: R$ 7.800,00
  • Vereadores: R$ 4.100,00
  • Presidente da Câmara: R$ 6.150,00

A proposta foi aprovada com os votos favoráveis dos vereadores Clairton Steinke (PP), Eliel Gund (PP), Giovanni Francisco Pazze (PP), Horst Marcos Schüür (PP) e Luis Gustavo Martinelli (PSDB). Os vereadores Claudinei de Matos (PDT), Eliane Maria da Veiga de Oliveira (PDT), Lucas Ferreira Roque (PDT) e Pedro de Oliveira Vargas (MDB) votaram contra o projeto.

As bancadas do PDT e do MDB justificaram seus votos contrários, alegando que o percentual de reajuste é elevado em um momento em que o estado do Rio Grande do Sul e o próprio município enfrentam dificuldades financeiras devido à situação climática, que tem prejudicado os produtores agrícolas e impactado a arrecadação municipal. Além disso, argumentaram que os servidores públicos não receberam reajuste na mesma proporção e que outros setores da economia também estão sendo afetados pelas fortes chuvas e pela estiagem.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Política

Ações após enchentes ajudaram a melhorar avaliação de Lula no Sul

Publicado

em

portal plural ações após enchentes ajudaram a melhorar avaliação de lula no sul
reprodução internet
topo humbeto pluralNuveraAcademia PersonaFAST AÇAÍ

A melhoria na avaliação de Luiz Inácio Lula da Silva no Sul é atribuída por aliados à resposta emergencial às enchentes, que ainda estão sendo enfrentadas no Rio Grande do Sul. Segundo aliados, essa operação de emergência foi crucial para o avanço na percepção do governo e do próprio Lula, como indicado pela mais recente pesquisa Datafolha.

De acordo com relatório de auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU), o governo federal destinou R$ 5,2 bilhões para uma das frentes de apoio aos gaúchos afetados pelas enchentes. Além disso, há outros R$ 15 bilhões em verbas já contratadas para chegar ao estado, conforme o mesmo documento.

O Planalto tem monitorado o humor do eleitorado por meio de pesquisas internas, que indicam uma melhora na avaliação do trabalho do presidente na região Sul.

O único evento significativo que poderia explicar essa mudança, segundo aliados, foi a resposta do governo federal diante da tragédia no Rio Grande do Sul, onde desde maio tempestades afetaram mais de 90% dos municípios.

Nesta quarta-feira (19), os ministros da Casa Civil, Rui Costa, e da Gestão, Esther Dweck, apresentarão ao TCU mais uma frente de ação, o “auxílio reconstrução” para indivíduos e empresas afetados. A intenção é ajustar a proposta antes de sua formalização para evitar questionamentos posteriores, corrigindo quaisquer possíveis problemas apontados pelo tribunal de contas.

A pesquisa Datafolha divulgada na terça-feira (18) mostrou que a aprovação do trabalho de Lula oscilou de 35% para 36%, enquanto a reprovação caiu de 33% para 31%. A avaliação como regular subiu de 30% para 31%.

Apesar da estabilidade geral nas avaliações, com variações dentro da margem de erro, a aprovação de Lula voltou a superar a reprovação. Na pesquisa anterior, em março, houve um empate técnico, com 35% de aprovação e 33% de reprovação.

O Datafolha entrevistou 2.088 eleitores em 113 cidades entre os dias 4 e 13 de junho, com margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Segundo o instituto, a avaliação de Lula permaneceu estável em todas as cinco regiões do país.

No Sul, tanto a aprovação quanto a reprovação apresentaram oscilações, dentro da margem de erro de 6 pontos percentuais:

— Aprovação: de 30% em março para 36% em junho;
— Reprovação: de 40% em março para 33% em junho;
— Regular: de 27% em março para 30% em junho.

Fonte: Jornal o Sul

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×