Lua cheia pode afetar o sono e o ciclo menstrual, dizem estudos. – Portal Plural
Connect with us

Curiosidades

Lua cheia pode afetar o sono e o ciclo menstrual, dizem estudos.

Reporter Regional

Publicado

em



Lua cheia sempre foi associada a vários mitos. Já foi dito que ela influencia o crescimento dos cabelos, altera o funcionamento do corpo e da mente e pode deixar os animais mais furiosos (vem daí a lenda do lobisomem), por exemplo.

Buscando esclarecer as verdades por trás de crenças como essas, estudos publicados nessa quarta-feira (27), na revista Science Advances, abordaram duas teorias muito presentes no imaginário popular.

Uma delas é a de que a Lua cheia influencia o sono, algo que no passado foi associado à luz mais brilhante dessa fase, atrapalhando as pessoas a dormir. A outra é a controversa relação dela com os ciclos menstruais, surgida das crenças de civilizações antigas.

O que a ciência descobriu sobre estas duas relações?

A Lua cheia e o sono

A pesquisa que demonstrou como os ciclos do sono parecem mudar conforme a fase lunar foi feita por cientistas das universidades de Washington e Yale, nos Estados Unidos, e de Quilmes, na Argentina. Usando dispositivos de pulso para monitorar o sono, eles acompanharam 464 estudantes de Seattle, nos Estados Unidos, e 98 integrantes de três comunidades indígenas argentinas.

Comparando os dados destes grupos, eles chegaram à conclusão que as pessoas tendem a deitar mais tarde e a dormir menos nas noites anteriores à Lua cheia. Embora o efeito seja maior nas comunidades sem eletricidade, ele também está presente nas áreas urbanas, de acordo com o estudo.

Os cientistas relataram ainda que nas noites que antecedem a Lua cheia havia mais luz no céu noturno após o crepúsculo, com a Lua crescente ficando mais brilhante.

“Nossa hipótese é que os padrões observados são uma adaptação inata que permitiu aos nossos ancestrais tirar proveito dessa fonte natural de luz noturna que ocorreu em um momento específico durante o ciclo lunar”, escreveu o professor da Universidade de Washington Leandro Casiraghi, coautor da pesquisa.

Interferência no ciclo menstrual

Já o artigo que revelou a possibilidade de existir uma conexão entre os ciclos lunar e menstrual, mesmo que mínima, foi conduzido por pesquisadores da Universidade de Würzburg, na Alemanha. Eles levantaram a hipótese de o comportamento reprodutivo humano ter sido sincronizado com a Lua no passado, mas mudado com a modernidade e a maior exposição à luz artificial noturna.

A pesquisa consistiu na análise comparativa dos registros do ciclo menstrual de longo prazo de 22 mulheres, mantidos por até 32 anos, com dados do início dos ciclos menstruais abrangendo uma média de 15 anos, registrados por mulheres com idade superior e inferior a 35 anos.

O resultado mostrou que as mulheres com ciclo menstrual durando mais de 27 dias estavam “sincronizadas intermitentemente com ciclos que afetam a intensidade do luar”, principalmente nas noites de inverno, quando elas experimentavam uma exposição mais prolongada ao luar. No entanto, essa sincronia era perdida com o avançar da idade e a exposição à luz noturna artificial.

A análise apontou ainda que os ciclos menstruais se alinhavam com o mês tropical (período de 27,32 dias gastos pela Lua para passar duas vezes no mesmo ponto de equinócio) em 13,1% do tempo nas mulheres com mais de 35 anos, sugerindo que a menstruação também pode ser afetada por mudanças nas forças gravimétricas do satélite natural.

Fonte: TecMundo.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curiosidades

Mulher com suspeita de tuberculose estava com camisinha no pulmão

Reporter Cidades

Publicado

em



A vida de médicos e enfermeiros parece um verdadeiro filme, onde todos os dias diversas surpresas acontecem. Essas vão desde casos muito simples, até casos extremamente raros. Dentro de um hospital, várias coisas inusitadas podem acontecer num prazo de apenar 24 horas. Várias vezes, casos que parecem ser uma coisa, acabam revelando outras que nem mesmo os profissionais imaginavam. Um desses casos chamou a atenção do mundo recentemente, tendo surpreendido até mesmo a equipe médica. Uma mulher deu entrada na emergência se queixando de sintomas respiratórios, dor e tosse. A princípio, suspeitaram do que era mais óbvio: tuberculose.

A tuberculose (TB) é uma doença dolorosa que afeta os pulmões. Anualmente, mata mais de um milhão de pessoas em todo o mundo. Estima-se que cerca de um quarto da população mundial esteja infectada com a bactéria da tuberculose, mesmo não tendo desenvolvido a doença. Se não forem tratadas, 45% das pessoas com toberculose acabam morrendo. Essa porcentagem aumenta em pacientes que também sejam HIV positivos. Embora possa ser vista como uma doença do passado, é preciso se atentar até os dias atuais.

No entanto, nem sempre o diagnóstico é o que realmente parece. Muitas vezes, pode ser apenas uma camisinha. Esse caso foi divulgado em um relatório médico publicado na National Library of Medicine, o que chamou a atenção de muitas pessoas. Confira conosco mais detalhes e surpreenda-se.

Paciente de 27 anos com sintomas de tuberculose

Tudo começou quando a mulher, de 27 anos, procurou a emergência, relatando febre, tosse e um muco persistente que já durava seis meses. Quatro meses antes disso, ela já havia procurado um hospital e se consultado. Na ocasião, o diagnóstico havia sido de tuberculose e um kit de remédios foi receitado. Ela seguiu o tratamento, mas os simplesmente não desapareciam por nada, o que fez com que ela procurasse novamente a emergência.

No hospital, desta vez, os médicos coletaram o escarro da paciente que não foi identificada. O material resultou negativo para tuberculose, o que deu início a uma longa investigação. Uma tomografia revelou então uma lesão no lobo superior direito de seus pulmões. Os médicos seguiram com a investigação e encontraram o que parecia ser um saco invertido no brônquio. A equipe removeu o misterioso material. Embora a maior parte tenha sido destruída pelo processo, ainda dava pra notar que era um preservativo.

A descoberta deixou os médicos surpresos. É bastante difícil imaginar como uma camisinha por ter parado no pulmão de uma pessoa. Desta forma, os médicos começaram a questionar a paciente, tentando compreender a origem da história.

Fim do mistério

O que parecia ser um mistério é, na verdade, algo muito simples. Durante as conversas, a paciente e o marido se lembraram de um episódio de meses atrás. Durante um momento íntimo, a mulher fazia sexo oral no marido quando a camisinha se soltou. Ela se lembra de ter tossido mas, no momento, nenhum dos dois deu importância para o ocorrido, pois imaginaram que seria expelido de forma natural.

Para os médicos, o constrangimento do casal pode ter colaborado para que a situação durasse todo esse tempo. Se tivessem contado isso logo, os médicos teriam suspeitado rapidamente. No entanto, é muito difícil para um casal contar algo desta forma. A paciente teve uma recuperação tranquila e ficou feliz por não ser tuberculose.

Fatos Desconhecidos

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Curiosidades

Primeiro tuíte publicado é colocado à venda e recebe oferta de R$ 14,2 milhões

Reporter Global

Publicado

em



 

 

Postagem do fundador da rede social poderá ser comprada como um NFT, uma espécie de token digital com a assinatura do autor

O CEO e cofundador do Twitter, Jack Dorsey, colocou à venda o primeiro tuíte publicado na rede social. A publicação poderá ser comprada como um NFT (non-fungible token, ou token não fungível), uma espécie de item de colecionador digital.

Dorsey compartilhou na sexta-feira (5) um link para uma plataforma chamada “Valuables”, que permite a compra e venda de tuítes autografados pelos criadores.

O tuíte colocado em leilão foi postado em 2006 e diz: “apenas configurando meu twttr”.

Até o momento, o tuíte recebeu uma oferta de US$ 2,5 milhões (R$ 14,2 milhões) por Sinai Estavi, CEO da Bridge Oracle, de acordo com o site Valuable.

Os NFTs ganharam força nos últimos meses como uma tecnologia popular para vender arte digital e outras produções, como desenhos ou música. Um NFT é um token digital exclusivo que verifica com eficácia a autenticidade e a propriedade. Ele é criptografado com a assinatura do artista no blockhain, um livro digital usado em criptomoedas como a bitcoin.

No mês passado, uma colagem do artista digital Beeple de 5 mil imagens capturadas ao longo de 13 anos foi colocada à venda usando NFT. Foi a primeira arte puramente digital a ser colocada à venda dessa maneira.

Mas os NFTs não se resumem apenas às obras de arte. Eles também chegaram à NBA e são usados para comprar clipes de destaque de peças icônicas de basquete, como Lebron James fazendo uma enterrada.

A NBA Top Shot, um mercado NFT lançado pela startup de blockchain Dapper Labs, permite que os clientes comprem e vendam clipes de destaque de vídeos chamados de “momentos”. É uma reviravolta nos cartões comerciais físicos que têm lucrado muito com colecionadores na plataforma.

O movimento recente de Dorsey segue os esforços anteriores em torno de outras criptomoedas, particularmente bitcoin. Em fevereiro, o CEO de tecnologia anunciou um fundo de bitcoin com o rapper bilionário Jay-Z. Antes disso, a outra empresa de Dorsey, a Square (SQ) comprou 4.709 bitcoins em outubro ou o equivalente a US$ 50 (R$ 284,5) milhões na época.

 

FONTE: CNN

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Curiosidades

Casa de isopor em Santa Rosa

Reporter Cidades

Publicado

em



Você já viu uma casa de isopor ?

Olha essa novidade na região, a Carol da Lord Of Pets está construindo a sua casa aqui em Santa Rosa com este material que é ecológico e reciclável, a primeira a ser feita pela construtora Manancial em toda região.

Veja na reportagem exclusiva.

Projeto com parceira de Americansul de Viamão
Contato para dúvidas e maiores informações (51) 99818-5180
Construtora Manancial (55) 97400-8434

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


error: Conteúdo protegido, para ter acesso seja nosso parceiro entre em contato no whats (55) 984161736
×