Lançado guia de prevenção do comportamento suicida em crianças e adolescentes – Portal Plural
Connect with us

Geral

Lançado guia de prevenção do comportamento suicida em crianças e adolescentes

Publicado

em



 

Guia intersetorial de prevenção do comportamento suicida em crianças e adolescentes foi lançado nesta terça-feira (27/8). A publicação é da Secretaria da Saúde em parceria com outras secretarias do Estado e entidades que fazem parte do Comitê Estadual de Promoção da Vida e Prevenção do Suicídio. O ato ocorreu durante o seminário Autolesão e comportamento suicida na infância e adolescência: prevenção e posvenção, que é uma das atividades que marcam a programação do Setembro Amarelo, mês de conscientização sobre a prevenção ao suicídio.

O guia visa orientar profissionais de saúde, educação, assistência social, segurança pública e do Conselho Tutelar sobre o tema. O suicídio é um fenômeno complexo e multifatorial que pode afetar indivíduos de diferentes origens, faixas etárias, condições socioeconômicas, orientações sexuais e identidades de gênero. Contudo, pode ser prevenido, e saber reconhecer os sinais de alerta é o primeiro passo. No caso de crianças e adolescentes, a sua situação peculiar de desenvolvimento exige ações que possam apoiá-los nesta fase e que contribuam para a prevenção da violência interpessoal e da violência autoprovocada.

Bendl também falou de importantes ações de prevenção que podem ser usadas no cuidado a essas pessoas, como a redução do acesso a métodos de suicídio, treinamento e atualizações das equipes de saúde, melhora da rede de atendimento e controle de bebidas alcoólicas. Por outro lado, o médico ressaltou que há ações de prevenção com efeito contrário, sendo na verdade prejudiciais.

O seminário, realizado no Teatro do Prédio 40 da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, teve entre os palestrantes o médico da família e comunidade André Luís Bendl. Na oportunidade, ele falou sobre a posvenção, termo criado para designar ações, atividades, intervenções, suporte e assistência para aqueles impactados por um suicídio. Além de apresentar referências teóricas do tema, Bendl descreveu alguns sinais de alerta do comportamento suicida.

O material está disponível em formato digital no site da Secretaria da Saúde, pelo endereço www.saude.rs.gov.br/saude-mental.

Sinais de alerta e fatores de risco

• Preocupação com sua própria morte ou falta de esperança
• Expressão de ideias ou intenções suicidas
• Diminuição ou ausência de autocuidado
• Mudanças na alimentação e/ou hábitos de sono
• Uso abusivo de drogas/álcool
• Alterações nos níveis de atividade ou de humor
• Crescente isolamento de amigos e família
• Diminuição do rendimento escolar
• Autoagressão
• Mudanças no vestuário para cobrir partes do corpo (por exemplo, vestindo blusas de manga comprida)
• Relutância em participar de atividades físicas que antes eram apreciadas, particularmente aquelas que envolvem o uso de shorts ou roupas de banho, por exemplo

Outros fatores de risco

• Histórico de tentativas de suicídio ou autoagressão
• Histórico de transtorno mental
• Bullying (e/ou cyberbullying)
• Violência intra ou extrafamiliar;
• História de abuso sexual
• Suicídio na família
• Baixa autoestima
• Uso de álcool e outras drogas
• Populações vulneráveis a pressões sociais e discriminação (LGBTI+, indígenas, negros/as, situação de rua, entre outros)

O que evitar

• Evitar romantizar ou glorificar o suicídio
• Não dar detalhes excessivos sobre como o evento ocorreu
• Não descrever o ato como corajoso ou racional
• Não criar espaços de homenagens ou dedicatórias à pessoa que morreu
• Reconhecer a perda e as dificuldades, mas evitar mudar a rotina o máximo possível
• Evitar grandes reuniões em massa focando no caso

Setembro Amarelo

Uma série de atividades que vão até início de outubro marca a programação do Setembro Amarelo, mês de conscientização sobre a prevenção ao suicídio. Além desse seminário sobre a infância e adolescência, um outro encontro ocorrido neste mês abordou o risco da exposição humana aos agrotóxicos e sua relação com o suicídio.

No dia 10 de setembro, ocorre a quinta edição do Seminário Intersetorial de Promoção da Vida e Prevenção do Suicídio. O evento acontece no Anfiteatro Jorge Escobar Pereira Lima, no prédio 1 da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA). No dia 1º de outubro, no auditório do Ministério Público do RS, será realizado o Seminário Internacional de Prevenção do Suicídio na Segurança Pública.

Programação

10 de setembro
5º Seminário intersetorial de promoção da vida e prevenção do suicídio
Local: Anfiteatro Jorge Escobar Pereira Lima, no prédio 1 da UFCSPA (Rua Sarmento Leite, 245 – Porto Alegre)
Abertura: 9h (veja aqui a programação do seminário)

1º de outubro
Seminário internacional de prevenção do suicídio na segurança pública
Local: Auditório do Ministério Público do RS (Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80 – Porto Alegre)
Abertura: 9h (programação em fase de finalização)

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Correios ficarão com o “osso” se não forem privatizados, diz ministro

Publicado

em



O ministro das Comunicações, Fábio Faria, disse que, caso não ocorra a privatização dos Correios, a tendência é que outras empresas “abocanhem” o filé dos serviços de logística, que é a entrega de encomendas, deixando para a estatal “apenas o osso” de seus serviços, a entrega de correspondências.

Segundo o ministro, essa tendência já vem sendo percebida e foi reforçada durante os períodos em que os servidores dos Correios fizeram paralisações, o que levou empresas como Mercado Livre e Magalu a buscarem alternativas para a entrega de encomendas. “Quando a greve acaba, essas empresas não voltam para os Correios”, disse o ministro durante audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. O projeto de privatização dos Correios já foi aprovado na Câmara, mas está parado no Senado.

Faria teceu elogios aos Correios, mas defendeu sua privatização. “É a única empresa que está presente nos 5.568 municípios brasileiros, entregando cartas e encomendas nas regiões mais remotas do país, principalmente na Região Amazônica, onde temos dificuldades de logística”, disse.

Ele lembrou que, das 31 mil lojas virtuais que existem no Brasil, 27,5 mil utilizam os Correios para enviarem suas encomendas. “São 2,5 milhões de pequenos negócios que fazem com que, a cada quatro encomendas, três sejam entregues pelos Correios, o que mostra a capilaridade e a importância dessa empresa para o país”, disse o ministro antes de criticar as greves e paralisações dos trabalhadores da estatal.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

O drama das crianças brasileiras deportadas ao Haiti que o Brasil quer repatriar

Publicado

em



84 crianças brasileiras foram enviadas para o Haiti pelos EUA; governo brasileiro quer trazê-las ao Brasil em dez dias. No México, há outras 1,7 mil crianças haitiano-brasileiras que podem cruzar a fronteira com os EUA a qualquer momento.

 

As certidões de nascimento de Carlos* e Laura*, de três e um ano de idade, indicam Rondonópolis, no Estado de Mato Grosso, como a cidade em que ambos vieram ao mundo. Apesar disso, há poucas semanas, as duas crianças brasileiras foram deportadas pelo governo dos Estados Unidos para o Haiti, país de origem de seus pais, que moraram por mais de cinco anos no Brasil.
A deportação foi o ponto final de uma viagem de migração que incluiu passagens por mais de uma dezena de países, feitas de ônibus e a pé, em meio à fome e à violência.
“Na Colômbia, o homem me apontou a pistola, mas eu falei que a gente não tinha dinheiro, a gente não tem nada, e ele liberou a gente pra seguir”, relata Patrick*, o pai de Carlos e Laura, sobre a passagem pelo perigoso estreito de Darien, trajeto de 100 quilômetros em mata amazônica até o Panamá, que eles levaram 14 dias para percorrer.
Depois de atravessar o Panamá, a Costa Rica, a Nicarágua, Honduras e Guatemala, a família até tentou se estabelecer no México.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Delegado da 3ª DPR faz reunião virtual com colegas do sistema penal de Missiones-Argentina

Publicado

em



Foi realizado uma conferência virtual de integração entre servidores do sistema prisional gaúcho e do sistema penal argentino. Na ocasião, o delegado penitenciário da 3ª Região, Ederson Dornelles, e o administrador do Presídio Estadual de Santa Rosa, Rubesmar Goebel, trocaram informações com o Chefe do Serviço Penitenciário de Missiones, General Manuel Dutto, e com o chefe do departamento de Inteligência e informação, Major José Caceres.

Um dos objetivos da reunião foi proporcionar aos participantes trocas de informações relativas aos sistemas penais de ambos os países, evoluir na integração entre os entes de segurança, assim como partilhar conhecimentos na área da segurança e do sistema penal.

Segundo o delegado Ederson Dornelles, a conversa foi muito produtiva, pois, segundo ele “é fundamental a integração e a troca de conhecimentos entre os dois países. Essas reuniões aproximam os referidos gestores e os capacitam mutuamente segundo suas experiências”.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PLURAL AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×