Jovens rurais têm encontro marcado para próxima quarta-feira – Portal Plural
Connect with us

Agro

Jovens rurais têm encontro marcado para próxima quarta-feira

Pável Bauken

Publicado

em



Acontece na quarta-feira (15/07), às 14h, o 3º Seminário Regional de Juventude Rural, neste ano em edição virtual, em função da pandemia da Covid-19. O evento é promovido pela Emater/RS-Ascar, em parceria com a Secretaria Estadual da Agricultura Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), e tem por objetivo valorizar, dar espaço e voz aos jovens do meio rural e promover a troca de experiências entre eles. A transmissão será feita por meio das redes sociais da Instituição. As inscrições podem ser feitas antecipadamente pelo link https://cutt.ly/loMroXL. O evento é gratuito e aberto a todos os públicos.

Na programação do Seminário será exibido um vídeo com depoimentos de jovens da região de Passo Fundo, que já estão inseridos no processo produtivo, mostrando o lado positivo de viver e trabalhar no meio rural. O jovem Diego Terlan Baldissera e seu pai Adelir Paulino Baldissera, do município de Machadinho, relatam suas experiências sobre a importância das políticas públicas na sucessão rural familiar. Já a jovem Janaíne Strello, que junto com seus pais e irmãos trabalha com viveiro no interior de Passo Fundo, falará sobre oportunidades diante dos desafios.

Durante o evento, os jovens terão contato com o presidente da Emater/RS, Geraldo Sandri, e com o secretário da Seapdr, Covatti Filho, que abordarão, de forma respectiva, os temas “Assistência Técnica e a Extensão Rural para jovens e suas famílias” e “Jovem Rural – a força que vem do campo”.

Serviço:
O quê: 3º Seminário Regional de Juventude Rural – edição virtual
Quando: 15 de julho de 2020
Horário: 14h às 16h
Inscrições: https://cutt.ly/loMroXL
Transmissão: youtube.com/Rio Grande Rural e facebook.com/EmaterRS

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agro

Boa carga de flores nos cachos indica um ótimo rendimento da canola

Pável Bauken

Publicado

em

Deise Froehlich

O ciclo de desenvolvimento da canola avança e 39% das lavouras já estão em enchimento de grãos na região de Santa Rosa. De acordo com o Informativo Conjuntural produzido pela Gerência de Planejamento (GPL) da Emater/RS-Ascar e divulgado nesta quinta-feira (13/08), a cultura apresenta boa carga de flores nos cachos, fator que possivelmente irá resultar em um ótimo rendimento, se não houver geadas após a ocorrência das chuvas previstas para os próximos dias.

Os dias secos, bastante ensolarados e com grande amplitude térmica da semana anterior, aliados às boas condições de umidade no solo, também propiciaram ótimo desenvolvimento do trigo no Estado, estando 11% das lavouras em floração enquanto que 89% permanecem em fase de germinação e desenvolvimento vegetativo. Nas regionais da Emater/RS-Ascar de Pelotas, Frederico Westphalen e Santa Rosa, os cultivos estão com bom desenvolvimento. Na de Pelotas, as lavouras se apresentam bem implantadas e com bom estande. O tempo seco tem contribuído para a recuperação das áreas cujo desenvolvimento atrasou sob os efeitos dos dias mais frios.

Nas regiões de Santa Maria, Ijuí e Frederico Westphalen, os cultivos de aveia branca se encontram com bom desenvolvimento e bom estande de plantas. Na de Santa Maria, 5% das lavouras já entraram na fase de enchimento de grãos. Na de Ijuí, as primeiras lavouras semeadas em Tenente Portela foram colhidas durante a semana. Nessas áreas, a tradição é de plantio no cedo, para na sequência entrar a cultura do milho. Nas regionais de Ijuí, Erechim e Frederico Westphalen, as lavouras de cevada estão com bom desenvolvimento, e a perspectiva é de boa produtividade. Na de Ijuí, o tempo seco beneficiou a cultura, com menor pressão de doenças e pragas.

Já em relação às culturas de verão, o Informativo Conjuntural estima que a metade dos produtores de soja da região de Bagé que utilizam financiamento já encaminharam projetos aos agentes financeiros. Alguns já acessaram os recursos e parte dos projetos se encontra em fase de contratação. Na regional de Pelotas, ocorrem negociações para a ampliação dos prazos, que eram de um a dois anos. Os sojicultores seguem manejando forrageiras de inverno, principalmente com pastoreio de bovinos de corte e ovinos, nas áreas a serem implantadas com a cultura. As plantas espontâneas de soja que haviam germinado após a colheita e estavam vegetando foram controladas naturalmente pelo frio intenso e pela formação de geadas. Seguem o manejo e controle de invasoras, a amostragem de solo para análise e a compra de insumos.

Intensifica-se o planejamento das atividades para a cultura do milho, e foi iniciada a semeadura nas regiões da Emater/RS-Ascar de Ijuí, Frederico Westphalen, Soledade e Bagé. Na de Ijuí, o plantio iniciou nos municípios situados mais ao Norte, onde a probabilidade de geadas tardias é pequena e o período recomendado pelo zoneamento de risco climático iniciou no primeiro dia deste mês. Com umidade do solo adequada, a semeadura vem sendo realizada de modo muito eficiente, com excelente deposição de sementes, em adequada profundidade e baixo revolvimento de solo no sulco.

Nas regionais da Emater/RS-Ascar de Bagé e Soledade, a sequência de dias ensolarados da última semana permitiu as atividades de preparo de áreas de arroz para a próxima safra. Na de Bagé, as várzeas apresentam boas condições de umidade do solo para os trabalhos de preparo e construção de taipas de contenção de água nas lavouras. Os volumes de chuvas abaixo da média histórica em julho, associados às reduzidas precipitações em agosto, preocupam os rizicultores, pois o volume armazenado nos reservatórios está abaixo do ideal.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Agro

Agricultores de São Miguel das Missões recebem acompanhamento para inclusão social e produtiva

Pável Bauken

Publicado

em



Em trabalho continuado, agricultores de São Miguel das Missões de baixa renda recebem Assistência Técnica e Extensão Rural e Social (Aters) da Emater/RS-Ascar para estimular sua permanência no meio rural, com melhoria na produção de alimentos para consumo, mais oportunidades de renda e qualidade de vida. O trabalho iniciou em 2014, através do Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais, em parceria com os Governos Estadual e Federal, e teve continuidade a partir de 2017, com o Programa de Inclusão Social e Produtiva, com participação da Prefeitura.

Nos primeiros dois anos, 30 famílias do meio rural receberam acompanhamento para que pudessem superar a situação de vulnerabilidade econômica e social. A partir de um diagnóstico e de projeções da família foram elaborados projetos socioprodutivos implantados nas propriedades e executados com recursos liberados pelo Governo Federal, que tiveram sequência com a participação do Município.

“As propriedades eram mantidas em pequenas áreas de terra, com baixa fertilidade e prestação de serviços a terceiros para geração de renda, não havendo sobras de recursos para investir na propriedade”, lembra a extensionista social da Emater/RS-Ascar, Fátima Zink Primaz.

Para contribuir com a mudança de realidade, o Conselho Municipal de Agropecuária aprovou a alocação de recursos para que 20 famílias recebessem insumos como adubo e calcário, mudas frutíferas e caixas de abelhas para diversificar a produção em suas propriedades. Cada família recebeu insumos conforme área utilizada, aptidão para atividade apícola e necessidades.

Nos anos de 2019 e 2020 foram incluídas novas famílias no Programa, após visita de diagnóstico e levantamento de necessidades na área da produção. A partir disso, adquiriram materiais para implantação de hortas, pequenos aviários, mudas frutíferas, sementes e adubos, com recursos aportados pelo Município.

A Emater/RS Ascar segue o acompanhamento às famílias beneficiárias, através de orientações referentes ao pomar, à horta, criações de animais e acompanhamento da aplicação dos insumos recebidos.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Agro

Emater/RS-Ascar orienta manejo de frutíferas de inverno em São Paulo das Missões

Pável Bauken

Publicado

em



Nas últimas semanas o Escritório Municipal da Emater/RS-Ascar de São Paulo das Missões intensificou a assistência técnica voltada a podas e ao tratamento de inverno de frutíferas, através de aplicação de caldas para mais de 60 famílias. A prática é determinante para manter a sanidade e a nutrição das plantas, bem como para prepará-las a produzir com mais vigor nas próximas estações.

As atividades a campo foram realizadas através de atividades individuais como visitas e demonstrações de podas, todas seguindo as recomendações das autoridades de saúde em relação aos cuidados para evitar a proliferação da Covid-19. “Com um pouco de dedicação e contando com a assistência da Emater, as famílias conseguem produzir frutíferas de diferentes variedades em seus pomares, garantindo o consumo de frutas com maior qualidade durante todo o ano”, afirma o extensionista rural da Emater/RS-Ascar, Júnior Kessler.

A poda em árvores como o pessegueiro, ameixeira e macieira se faz necessária para a retirada de galhos doentes, quebrados e mal distribuídos, além de permitir a melhor entrada de sol e facilitar o manejo. “Já para a videira e a figueira a poda serve para reduzir o número de gemas, aumentando o vigor da planta e proporcionando uma maior capacidade produtiva”, explica Kessler.

No escritório, a Emater/RS-Ascar intermediou através de uma parceria com a Cooperipê a disponibilidade da calda sulfocálcica. Este tipo de calda é um produto natural que serve como inseticida, fungicida e acaricida, principalmente para as plantas que perdem as folhas no inverno e para os citros. Recomenda-se aplicar em dias com temperatura inferior a 32 graus, por isto a calda sulfocálcica é muito utilizada no inverno para reduzir pragas e doenças durante os meses subsequentes. Este tratamento deve ser feito após as podas e antes das novas brotações, sempre molhando bem as plantas em todas as suas partes.

Um pomar bem cuidado e diversificado em casa, segundo a extensionista social Simone Thume, possibilita qualificar a segurança e a soberania alimentar com uma diversidade de frutas, além de, em caso de produção excedente, ser possível doar, vender e até mesmo aproveitar as frutas em sucos, geleias e compotas.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

×