Jeferson Fernandes só votará por conversão de cargos se houver acordo entre Tribunal de Justiça/RS e categoria – Portal Plural
Connect with us

Política

Jeferson Fernandes só votará por conversão de cargos se houver acordo entre Tribunal de Justiça/RS e categoria

Publicado

em



 

O presidente da Comissão de Segurança e Serviços Públicos do Legislativo gaúcho (CSSP), deputado estadual Jeferson Fernandes (PT) anunciou que votará contra o projeto de lei 93/17, que converte os cargos de oficiais escreventes do Judiciário gaúcho em técnicos judiciários, se não for construída uma alternativa que atenda tanto à reivindicação dos oficiais de integrarem um Plano de Cargos, Carreiras e Salários, quando dos aprovados no último concurso do Tribunal de Justiça do RS já para os cargos de técnicos judiciários, que dependem da aprovação do projeto para que sejam nomeados. A manifestação aconteceu durante audiência pública da CSSP sobre o tema, realizada na manhã desta quinta-feira (15/08).

A polêmica ocorre porque existem no RS cerca de 3.500 oficiais escreventes que, pela proposta, passariam a chamarem-se de técnicos judiciários, conforme vacância de cargos, porém sem ter acesso ao Plano de Carreira referente a estes últimos.

O projeto, que tramita na CSSP, tem como relator o deputado Gerson Burmann (PDT), que já adiantou parecer favorável à proposta. No entanto, em nome da construção de um consenso, aceitou não realizar a leitura do documento na reunião ordinária da Comissão, ocorrida na manhã desta quinta-feira (15), em favor do debate que ocorreria em audiência pública na sequência.

O Presidente do Conselho de Administração, Planejamento e Gestão do Tribunal de Justiça/RS, Desembargador Alberto Delgado Neto, que representou o presidente do órgão, Carlos Eduardo Duro no evento, argumenta que a conversão dos cargos permite que a administração tenha maior capacidade de atendimento das comarcas e a modernização dos serviços. “O engessamento da estrutura não é bom para o servidor e nem para sociedade, que fica carente de determinada atividade”, explicou, citando exemplo de uma oficial escrevente com quem trabalhou em Cerro Largo, mas que não pode trazer consigo para atuar na capital porque o cargo não permite tal mobilidade.

Fabiano Salazar, presidente do Sindicato dos Servidores da Justiça do Estado do RS/ Sindjus – RS lembrou que a demanda de um Plano de Carreira para os oficiais escreventes é histórica. “Queremos que o TJ tenha um olhar especial para os trabalhadores e trabalhadoras da Justiça. Não podemos deixá-los sem perspectiva de carreira ou teremos escreventes trabalhando com técnicos judiciários numa comarca, sendo que os tj irão progredir e os oficiais ficarão estagnados”, alertou.

Para Luís Gustavo Capitão, advogado do Sindjus, o projeto cria uma cisão na categoria. “É uma conversão, na verdade, para um cargo extinto, já que só há conversão se houver vaga.  A proposta não é a divisão, mas a união da categoria”, frisou, lembrando que o Sindicato sugere emendas ao projeto, por exemplo, para que a transformação do cargo respeite a entrância do servidor.

Osvaldir Rodrigues da Silva, do Sindjus, contou que o Sindicato chegou a apresentar ao TJ/RS um projeto substitutivo ao PL 93, que segue em análise, sobre a extinção de cargos de oficiais de arquivo e escreventes. A ideia é oportunizar aos servidores o direito a optar pela transformação de seu cargo em técnico judiciário, com impacto de 0,06% do orçamento. “Não somos contra os técnicos, mas queremos que a Casa da Justiça faça justiça com os seus”, assinalou.

O desembargador Luís Antônio Johnson, presidente da Associação dos Juízes do RS – Ajuris, entende que não há perda de direitos ou remuneração por parte dos oficiais escreventes. “A Ajuris se posiciona na mesma linha exposta pela administração do Poder Judiciário. Precisamos dar à sociedade gaúcha a qualidade dos serviços que sempre teve em todo o RS”, disse.

Neste sentido também, o desembargador Alberto Delgado Neto reforçou que todos os direitos e garantias dos oficiais escreventes estão assegurados e que a discordância destes servidores em relação ao PL 93 somente foi oficializada no Tribunal de Justiça há 10 dias. Mas ressaltou que há ambiente para a negociação sobre a possibilidade de aplicar aos oficiais escreventes a progressão prevista aos técnicos judiciários. No entanto, este assunto precisa ser analisado pelo Judiciário do ponto de vista orçamentário, financeiro, etc. “Estamos falando na verdade de um pluss na carreira de oficiais escreventes não de perda de direitos. O PL 93 não tem nada a ver com Plano de Carreira. E se quisermos algum plano, teremos de aprovar o projeto”, insistiu.

Como encaminhamentos, Jeferson comprometeu-se em informar os dirigentes do Sindjus sobre o andamento do PL 93 no Legislativo, cujo parecer do deputado Burmann deve entrar em pauta na reunião da CSSP da próxima quinta-feira (22/08), mas que poderá receber pedido de vistas para retardar a tramitação caso haja necessidade. Além disso, sugeriu que, neste meio tempo, o TJ/RS construa uma solução para atender às reivindicações dos envolvidos. “Queremos votar esta proposta, mas dentro de um cenário de normalidade. Por isso, aguardaremos que o Judiciário construa um entendimento com a categoria. Vamos esperar este retorno para definir os nossos próximos passos. Não votarei favorável ao PL se houver desacordo”, concluiu.

Compartilhe
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Política

Governo não tem plano para resgatar brasileiros, diz embaixador

Publicado

em



O secretário de Comunicação e Cultura do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Leonardo Gorgulho, disse nesta quarta-feira (24) que, até o momento, o Brasil não tem um plano de resgate para retirar os brasileiros que estão na Ucrânia.

Os ataques da Rússia à Ucrânia começaram na madrugada desta quinta-feira (24). Segundo o Itamaraty, cerca de 500 brasileiros estão no país.

“Sobre a existência de plano de resgate, não há plano de resgate, não há da parte do Brasil e de qualquer outro país”, afirmou o embaixador.

O governo brasileiro estuda implementar um plano de evacuação por via terrestre, mas ainda não há data nem ponto de encontro definidos.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Política

PROFESSORES DE ALECRIM COBRAM O CUMPRIMENTO DA LEI DO PISO

Publicado

em



O Ministério da Educação anunciou, no dia 27 de janeiro, o novo valor do Piso Salarial Profissional Nacional para os Profissionais do Magistério Público da Educação Básica (PSPN). Em 2022, o valor será corrigido e o piso da categoria será de R$ 3.845,63, um aumento de 33,24%.

Na noite do dia 03 de fevereiro, os professores da rede municipal de Alecrim estiveram presentes na sessão da Câmara Municipal de Vereadores de Alecrim, reivindicando o cumprimento da Lei do Piso Nacional do Magistério, e fazendo Repúdio a proposta de aumento de 13% apresentada pela administração pública municipal. Os educadores da rede municipal foram buscar apoio e foram bem recebidos em sua reivindicação pelos vereadores municipais.

A proposta de 13% foi encaminhada a comissão permanente para análise, mas os educadores discutem o valor apresentado, uma vez que o Presidente Jair Bolsonaro e o MEC já divulgaram o aumento, e que o valor deve ser retroativo a contar do dia 01 de janeiro.

Os Professores da rede apresentaram nota de Repúdio e deram um prazo de 30 dias para o cumprimento da Lei Nacional. Caso não ocorra acordo a demanda será encaminhada ao Judiciário e tomadas demais medidas necessárias.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

Pesquisa no RS mostra Edegar Pretto e Onyx Lorenzoni empatados

Publicado

em



O deputado estadual Edegar Pretto (PT) e o ministro de Trabalho e Previdência de Jair Bolsonaro, Onyx Lorenzoni (PL), aparecem técnicamente empatados na primeira pesquisa de intenção de voto para o governo do Rio Grande do Sul em 2022. A pesquisa do Instituto Atlas mostra que Pretto está 0,6% na frente de Lorenzoni, o que é considerado, um empate técnico – 18,6% contra 17,8%, respectivamente.

Na sequência, aparece o senador Luis Carlos Heinze (PP), na terceira colocação somando 9,2% das intenções de voto. O vereador de Porto Alegre e ex-deputado estadual, Pedro Ruas (PSOL) está 8,4%, ocupando a quarta colocação. Já o ex-deputado federal, Beto Albuquerque (PSB), aparece com com 7,8%. O vice-governador do Rio Grande do Sul e secretário de Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior (PSDB), está com 4,5%. Enquanto o deputado federal, Alceu Moreira (MDB), tem 3,5% das intenções dos eleitores.

A margem de erro do levantamento é de 3%. Foram entrevistadas 1.001 pessoas entre os dias 17 a 23 de dezembro.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PORTAL PLURAL LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2022 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×