Jeferson Fernandes só votará por conversão de cargos se houver acordo entre Tribunal de Justiça/RS e categoria – Portal Plural
Connect with us

Política

Jeferson Fernandes só votará por conversão de cargos se houver acordo entre Tribunal de Justiça/RS e categoria

Publicado

em



 

O presidente da Comissão de Segurança e Serviços Públicos do Legislativo gaúcho (CSSP), deputado estadual Jeferson Fernandes (PT) anunciou que votará contra o projeto de lei 93/17, que converte os cargos de oficiais escreventes do Judiciário gaúcho em técnicos judiciários, se não for construída uma alternativa que atenda tanto à reivindicação dos oficiais de integrarem um Plano de Cargos, Carreiras e Salários, quando dos aprovados no último concurso do Tribunal de Justiça do RS já para os cargos de técnicos judiciários, que dependem da aprovação do projeto para que sejam nomeados. A manifestação aconteceu durante audiência pública da CSSP sobre o tema, realizada na manhã desta quinta-feira (15/08).

A polêmica ocorre porque existem no RS cerca de 3.500 oficiais escreventes que, pela proposta, passariam a chamarem-se de técnicos judiciários, conforme vacância de cargos, porém sem ter acesso ao Plano de Carreira referente a estes últimos.

O projeto, que tramita na CSSP, tem como relator o deputado Gerson Burmann (PDT), que já adiantou parecer favorável à proposta. No entanto, em nome da construção de um consenso, aceitou não realizar a leitura do documento na reunião ordinária da Comissão, ocorrida na manhã desta quinta-feira (15), em favor do debate que ocorreria em audiência pública na sequência.

O Presidente do Conselho de Administração, Planejamento e Gestão do Tribunal de Justiça/RS, Desembargador Alberto Delgado Neto, que representou o presidente do órgão, Carlos Eduardo Duro no evento, argumenta que a conversão dos cargos permite que a administração tenha maior capacidade de atendimento das comarcas e a modernização dos serviços. “O engessamento da estrutura não é bom para o servidor e nem para sociedade, que fica carente de determinada atividade”, explicou, citando exemplo de uma oficial escrevente com quem trabalhou em Cerro Largo, mas que não pode trazer consigo para atuar na capital porque o cargo não permite tal mobilidade.

Fabiano Salazar, presidente do Sindicato dos Servidores da Justiça do Estado do RS/ Sindjus – RS lembrou que a demanda de um Plano de Carreira para os oficiais escreventes é histórica. “Queremos que o TJ tenha um olhar especial para os trabalhadores e trabalhadoras da Justiça. Não podemos deixá-los sem perspectiva de carreira ou teremos escreventes trabalhando com técnicos judiciários numa comarca, sendo que os tj irão progredir e os oficiais ficarão estagnados”, alertou.

Para Luís Gustavo Capitão, advogado do Sindjus, o projeto cria uma cisão na categoria. “É uma conversão, na verdade, para um cargo extinto, já que só há conversão se houver vaga.  A proposta não é a divisão, mas a união da categoria”, frisou, lembrando que o Sindicato sugere emendas ao projeto, por exemplo, para que a transformação do cargo respeite a entrância do servidor.

Osvaldir Rodrigues da Silva, do Sindjus, contou que o Sindicato chegou a apresentar ao TJ/RS um projeto substitutivo ao PL 93, que segue em análise, sobre a extinção de cargos de oficiais de arquivo e escreventes. A ideia é oportunizar aos servidores o direito a optar pela transformação de seu cargo em técnico judiciário, com impacto de 0,06% do orçamento. “Não somos contra os técnicos, mas queremos que a Casa da Justiça faça justiça com os seus”, assinalou.

O desembargador Luís Antônio Johnson, presidente da Associação dos Juízes do RS – Ajuris, entende que não há perda de direitos ou remuneração por parte dos oficiais escreventes. “A Ajuris se posiciona na mesma linha exposta pela administração do Poder Judiciário. Precisamos dar à sociedade gaúcha a qualidade dos serviços que sempre teve em todo o RS”, disse.

Neste sentido também, o desembargador Alberto Delgado Neto reforçou que todos os direitos e garantias dos oficiais escreventes estão assegurados e que a discordância destes servidores em relação ao PL 93 somente foi oficializada no Tribunal de Justiça há 10 dias. Mas ressaltou que há ambiente para a negociação sobre a possibilidade de aplicar aos oficiais escreventes a progressão prevista aos técnicos judiciários. No entanto, este assunto precisa ser analisado pelo Judiciário do ponto de vista orçamentário, financeiro, etc. “Estamos falando na verdade de um pluss na carreira de oficiais escreventes não de perda de direitos. O PL 93 não tem nada a ver com Plano de Carreira. E se quisermos algum plano, teremos de aprovar o projeto”, insistiu.

Como encaminhamentos, Jeferson comprometeu-se em informar os dirigentes do Sindjus sobre o andamento do PL 93 no Legislativo, cujo parecer do deputado Burmann deve entrar em pauta na reunião da CSSP da próxima quinta-feira (22/08), mas que poderá receber pedido de vistas para retardar a tramitação caso haja necessidade. Além disso, sugeriu que, neste meio tempo, o TJ/RS construa uma solução para atender às reivindicações dos envolvidos. “Queremos votar esta proposta, mas dentro de um cenário de normalidade. Por isso, aguardaremos que o Judiciário construa um entendimento com a categoria. Vamos esperar este retorno para definir os nossos próximos passos. Não votarei favorável ao PL se houver desacordo”, concluiu.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Regime de previdência complementar é aprovado

Publicado

em



Na Sessão Ordinária da Cãmara de Vereadores de Santa Rosa, de segunda-feira, 18, na Ordem do Dia, constava para deliberação final somente o Projeto de Lei do Executivo n° 035/2021, que institui o Regime de Previdência Complementar no âmbito do Município de Santa Rosa – RS; fixa o limite máximo para a concessão de aposentadorias e pensões pelo regime de previdência de que trata o art. 40 da Constituição Federal; autoriza a adesão a plano de benefícios de previdência complementar; acrescenta o §6o ao art. 6o da Lei Municipal no 5.469, 26 de outubro de 2018, e dá outras providências.

O Regime de Previdência Complementar – RPC obedece a normativas federais, especialmente as Leis Complementar nº 108 e 109 de maio de 2021, e que após a sanção do prefeito municipal passa a contemplar todos os novos servidores concursados que venham a ter remuneração maior do que o teto da previdência social (R$ 6. 433,57). O Projeto foi aprovado por unanimidade pelos vereadores.

Também, ocorreu comunicado de que o Vereador Vitor de Conti (PP), está licenciado por 5 dias, estando em seu lugar o Vereador Rubem Albino Breunling; de igual forma o Vereador Bola Adilson (Republicanos), estando em seu lugar a Vereadora Simone Pinheiro pelo período de 10 dias.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Política

Vereador Airton presta contas de sua atuação na Câmara

Publicado

em



Na sessão da Câmara de Vereadores do dia 18/10/21, o vereador Airton Rodrigues da Silva, prestou contas de sua atuação junto a Cãmara de Vereadores de Santa Rosa.

“Encaminhamos dois Requerimentos:
1) Solicitando realização de Audiência Pública sobre o tema da REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA ( terrenos e moradias);
2- Pedido de Informações ao Governo Municipal sobre a SUSPENSÃO DO REPASSE de recursos do Pronto Pagamento às escolas de Santa Rosa, sobre a eleição de diretores nas Escolas de Ensino Fundamental e sobre mudança de orientação sobre a compra de produtos farináceos da alimentação escolar, que prejudica as Agroindústrias de Santa Rosa.
Também defendemos o Plebiscito Popular sobre as privatizações, e apontamos os prejuízos para a sociedade brasileira pela falta de planejamento do Governo Federal na produção de alimentos, não nomeando os membros do CONSEA.”

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

PODEMOS surge em Santa Rosa

Publicado

em



Fernando Borella comanda o partido tendo Mousquer como vice-presidente

O cenário político de Santa Rosa está ganhando mais um partido político. O anúncio foi feito nesta quarta-feira, 20, pelo empresário Ricardo Mousquer e Fernando Borella.
Segundo Borella, “fui procurado pelo presidente estadual do partido, Everton Braz, afirmando que queria firmar o PODEMOS no município. Após receber a proposta, conversei com alguns amigos da política, empresários e fui aconselhado a enfrentar este desafio.Me desfiliei do Cidadania e convidei o meu amigo Ricardo Mousquer para participar e ele, junto com outros, aceitou o convite para ingressar no partido.”
Para Ricardo Mouquer, “como temos uma veia democrática, estamos querendo fortalecer o partido, conversamos com lideranças do partido, inclusive o Senado Lasier Martis, que já nos mandou uma emenda e está na conta da Fundação Municipal de Saúde, de R$ 250 mil.
Ajudamos a eleger o atual governo municipal e o apoiamos, a ideia é auxiliarmos dentro das nossas possibilidades e do que pensamos para Santa Rosa”.
A expectativa é que agora, na migração de políticos para outros partidos, o partido ganhe mais “musculatura” em nível estadual.
“O PODEMOS é um partido de centro-direita e trabalha apara que o estado seja mínimo, precisa se preocupar com algumas cosias e outras não, Precisa se preocupar com a comunidade e deixar a iniciativa privada trabalhar e talvez elimine focos de corrupção”, disse Mousquer.

PODEMOS SANTA ROSA:

Presidente: Fernando Borella
Vice-presidente: Ricardo Mousquer
Secretário Geral : Januário Vargas
Tesoureiro: Carmem Thewes
Vogais: Nayane Marcela Mousquer, Andréia Goral

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PLURAL AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×