Janeiro aponta Intenção de Consumo das Famílias mais alta desde 2015 – Portal Plural
Connect with us

Economia

Janeiro aponta Intenção de Consumo das Famílias mais alta desde 2015

Reporter Cidades

Publicado

em

imagem ilustrativa


Essencial para dinamizar o consumo, a confiança das famílias refletiu a palidez da atividade econômica dos últimos anos. Ainda que permaneça no campo pessimista, a intenção de consumo das famílias vem crescendo desde meados de 2016 e alcançou o patamar mais alto para janeiro desde 2015. Esse é o principal resultado revelado pela Pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) divulgado nesta sexta-feira, dia 24 de janeiro, pela Fecomércio-RS. Em janeiro deste ano, o ICF marcou 93,2 pontos, registrando alta de 7,7% em relação a janeiro do ano anterior e 1,0% de expansão em relação a dezembro. A pesquisa completa pode ser acessada aqui.

Dividida em três partes, a pesquisa traz a percepção dos consumidores gaúchos no que se refere a mercado de trabalho, consumo e expectativas. Os únicos indicadores que já ultrapassam os 100 pontos são o que avalia a segurança quanto ao emprego (113,7 pontos) e a perspectiva de consumo (102,7 pontos), mas a melhora já é visível nos demais indicadores. Dos sete indicadores avaliados, cinco registraram alta na comparação interanual.

“O último número do CAGED que conhecemos apontou a melhor geração de vagas formais para o RS no mês de novembro desde 2012. Gerar empregos formais acaba se refletindo na percepção de segurança das pessoas quanto a manutenção dos seus empregos e isso certamente repercute no comportamento de consumo”, comentou Luiz Carlos Bohn, presidente da Fecomércio-RS.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Petrobras sobe preço da gasolina pela 2ª vez este ano; diesel também aumenta.

Reporter Regional

Publicado

em



O preço da gasolina da Petrobras vai subir pela segunda vez em menos de dez dias nas refinarias. Segundo a estatal, o reajuste será de 5%, para um preço médio de R$ 2,08 por litro, a partir de quarta-feira (27). Na semana passada, a estatal já havia reajustado o combustível em 7,6%, no primeiro reajuste do ano.

Além da gasolina, também será reajustado o preço do diesel, em 4,4%, para R$ 2,12 o litro.

A Petrobras reiterou que seus preços têm como referência a chamada paridade de importação, impactada por fatores como os valores do petróleo e o câmbio, de acordo com comunicado enviado pela assessoria de imprensa.

O repasse dos reajustes nas refinarias aos consumidores finais nos postos não é garantido, e depende de uma série de questões, como margem da distribuição e revenda, impostos e adição obrigatória de etanol anidro e biodiesel.

“Importante ressaltar também que os preços da gasolina e do diesel vendidos na bomba dos postos revendedores é diferente do valor cobrado nas refinarias pela Petrobras. Até chegar ao consumidor são acrescidos tributos federais e estaduais, custos para aquisição e mistura obrigatória de biocombustíveis pelas distribuidoras, além das margens brutas das companhias distribuidoras e dos próprios postos revendedores de combustíveis”, informa a estatal em nota.

Fonte: G1.
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Economia

Guedes defende ‘travar o resto todo’ do orçamento caso auxílio emergencial seja renovado.

Reporter Regional

Publicado

em



O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira (26) que a estratégia da área econômica é levar adiante a vacinação em massa da população brasileira e aguardar a queda da taxa de mortalidade da Covid-19 e o retorno de um nível mais forte da atividade econômica, de modo que não seja preciso renovar o auxílio emergencial.

Segundo ele, porém, se a vacinação atrasar e a pandemia se agravar, e isso leve à necessidade de renovar o auxílio emergencial, os demais gastos do governo têm de ser contidos.

“Não pode ficar gritando guerra toda hora. Tem de ter muito cuidado”, disse Guedes, se referindo ao chamado “orçamento de guerra”, aprovado pelo Congresso no ano passado e que permitiu ao governo o investimento bilionário em ações de combate à pandemia, entre elas o pagamento do auxílio emergencial a trabalhadores informais.

“Quer criar o auxilio emergencial de novo, tem de ter muito cuidado. Pensa bastante, pois, se fizer isso, não pode ter aumento automático de verbas para educação, para segurança pública, pois a prioridade passou a ser absoluta, é uma guerra. Aqui é a mesma coisa, se apertar o botão ali, vai ter de travar o resto todo [do orçamento]. Então vamos observar a economia, a saúde, os dois andam juntos, e esperar pelo melhor”, completou.

Partido de oposição, e mesmo aliados do governo, têm defendido uma nova rodada do auxílio emergencial. O presidente Jair Bolsonaro, entretanto, têm dito que não será possível o pagamento do benefício em 2021 devido à disparada do endividamento público no ano passado.

Sem reajuste

 

Entre as medidas para cortar gastos em caso de renovação do auxílio, Guedes defendeu que servidores públicos continuem sem reajuste e que não haja aumento automático de verbas para educação e segurança pública.

“A classe política tem de assumir a responsabilidade pelos orçamentos. Se ela apertar o botão vermelho, de emergência, não é só pegar o dinheiro e sair correndo. Tem de fazer todo o protocolo de sacrifício por anos. Se você está em guerra, não tem distribuição de medalha antes da guerra acabar, ou seja, não pode ter aumento de salário enquanto não passar um, dois anos depois da guerra. Tem de pagar o custo da guerra, não pode empurrar isso para as futuras gerações”, disse..

Ainda comparando a pandemia com um cenário de guerra, ele afirmou que liberar uma nova rodada de auxílio emergencial, com alto impacto nos gastos públicos, seria igual disparar uma “bomba atômica”.

“Tem o botão vermelho. Se apertar, prepara, destruiu o outro lado, mas vai ter desastre ambiental para tudo quanto é lado, pois o outro lado também dispara. Vai ser o caos”, disse.

Para levar adiante esse plano, porém, Guedes afirmou que é preciso incluir na PEC do pacto federativo, que ainda não foi votada, uma “cláusula de calamidade pública”.

“É um caso agudo de emergência fiscal. Desindexa, desvincula, trava sua despesa lá, e em um ano ou dois, o aumento natural da receita resolve a situação”, disse.

Fonte: G1.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Economia

Prévia da inflação brasileira em janeiro é a maior para o mês em cinco anos

Reporter Global

Publicado

em



 

 

O IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo –15), que é uma prévia da inflação oficial do País, ficou em 0,78% em janeiro, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (26) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

 

 

Esse foi o maior resultado para o mês desde 2016, quando o índice ficou em 0,92%. Em 12 meses, o IPCA-15 acumula alta de 4,30%, acima dos 4,23% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Em dezembro de 2020, o IPCA-15 atingiu 1,06%. A desaceleração do indicador no primeiro mês de 2021, segundo o IBGE, foi pressionada pela energia elétrica, já que houve redução das contas de luz devido à mudança da bandeira tarifária. Todavia, os preços dos alimentos seguem pressionando a inflação no Brasil.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE, oito apresentaram alta em janeiro. Apenas comunicação registrou deflação no mês.

De acordo com o IBGE, o maior impacto no IPCA-15 de janeiro partiu de alimentação e bebidas, embora a alta nos preços desse grupo tenha desacelerado de 2% em dezembro para 1,53% neste mês.

As carnes (1,18%), o arroz (2,00%) e a batata-inglesa (12,34%) apresentaram altas menos intensas na comparação com o mês anterior, quando variaram 5,53%, 4,96% e 17,96%, respectivamente.

Já as frutas subiram 5,68%, frente à alta de 3,62% no mês anterior, e contribuíram com o maior impacto (0,06 ponto percentual) entre os itens pesquisados. No lado das quedas, o destaque foi o recuo nos preços do tomate (-4,14%).

 

Porto Alegre

Todas as 11 regiões pesquisadas pelo IBGE registraram alta do IPCA-15 neste mês. Na Capital gaúcha, o índice ficou em 1,11%.

 

 

FONTE: O Sul

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


error: Conteúdo protegido, para ter acesso seja nosso parceiro entre em contato no whats (55) 984161736
×