Horário de verão: as vantagens e desvantagens da polêmica mudança do relógio – Portal Plural
Connect with us

Good News

Horário de verão: as vantagens e desvantagens da polêmica mudança do relógio

Publicado

em



 

O horário de verão voltou ao debate nesta semana, após o Ministério de Minas e Energia (MME) pedir ao Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) — órgão responsável pela coordenação e operação do sistema elétrico brasileiro — um novo estudo sobre a medida, diante da “atual conjuntura de escassez hídrica”.

 

A notícia sobre o novo estudo gerou especulações sobre uma possível volta do horário especial. Mas o ministro Bento Albuquerque reafirmou que a avaliação da pasta é de que “não há necessidade do retorno do horário de verão em 2021”.

“A contribuição do horário de verão é limitada, tendo em vista que, nos últimos anos, houve mudanças no hábito de consumo de energia da população, deslocando o maior consumo diário de energia para o período diurno”, disse Albuquerque, em nota à Folha de S. Paulo.

“Assim, no momento, o MME não identificou que a aplicação do horário de verão traga benefícios para redução da demanda”, completou o ministro.

História do horário de verão
O horário de verão foi instituído pela primeira vez no Brasil em 1931, durante o governo de Getúlio Vargas. À época, dizia o Diário de Noticias: “a prática dessa medida, já universal, traz grandes benefícios ao público, em consequência da natural economia de luz artificial”.

A medida foi repetida em anos seguintes, sem regularidade. A partir de 1985 – ano que foi marcado por uma seca histórica, que resultou em blecautes e racionamento de água -, o horário diferenciado passou a ser adotado anualmente, com duração e abrangência territorial definidas por decretos presidenciais.

Em 2008, um decreto tornou o horário de verão permanente, vigorando do terceiro domingo de outubro até o terceiro domingo de fevereiro do ano seguinte. Até que, em abril de 2019, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) também por decreto extinguiu a medida.

“O horário de pico hoje é às 15 horas e [o horário de verão] não economizava mais energia. Na saúde, mesmo sendo só uma hora, mexia com o relógio biológico das pessoas”, argumentou Bolsonaro, à época.

País dividido

Este ano, o tema voltou ao debate devido à crise hidro energética e à pressão de empresários que, afetados pela pandemia, veem na volta do horário especial a oportunidade de vender um pouco mais diante da permanência maior do brasileiro nas ruas com a hora a mais de luz natural. Mas o tema está longe de ser consenso.

Pesquisa feita pelo instituto PoderData, ligado ao portal de notícias Poder360, realizada em julho, mostrou que 50% da população não quer a volta do horário de verão no Brasil, enquanto 46% querem o retorno da medida e 4% dizem que não sabem.

Segundo a mesma pesquisa, a opinião sobre o horário de verão varia de acordo com a preferência política dos entrevistados.

Entre aqueles que avaliavam o presidente Jair Bolsonaro como “ótimo” ou “bom”, 69% não queriam a volta do horário de verão, 29% eram favoráveis e 2% não sabiam. Já entre os que avaliavam o presidente como “ruim” ou “péssimo”, 57% eram favoráveis à volta do horário de verão, 40% contrários e 3% não sabiam.

Foram 2,5 mil entrevistas, em 427 municípios, nas 27 unidades da Federação, e margem de erro é de 2 pontos percentuais.

Mas quais são as vantagens e as desvantagens da mudança de horário? Listamos alguns dos argumentos citados pelos dois lados desse Brasil dividido.

VANTAGENS

Economia de energia

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, foi à televisão em 31 de agosto dizer aos brasileiros, em rede nacional, que a seca que o Brasil tem enfrentado é a pior da história e que a condição hidro energética do país se agravou.

Diante do baixo nível dos reservatórios hidrelétricos, o ministro pediu a colaboração da população para redução do consumo de energia, sugerindo entre as medidas a serem adotadas um maior aproveitamento da luz natural.

O maior aproveitamento da luz natural é justamente o objetivo do horário de verão, extinto por Bolsonaro em 2019.

Com o adiantamento dos relógios em uma hora, as regiões que adotam o horário especial ganham uma hora adicional de luminosidade no fim da tarde, adiando o acionamento de lâmpadas e de eletrodomésticos na volta para casa depois do trabalho. Historicamente, a economia era de cerca de 4% a 5% da demanda no horário de pico.

O governo argumenta, porém, com base em dados do ONS, que o pico de demanda no verão mudou ao longo dos anos do fim da tarde, para o meio dela, devido ao acionamento dos aparelhos de ar condicionado nas empresas.

Os especialistas do setor elétrico que defendem a volta do horário de verão, no entanto, argumentam que, diante da gravidade da crise atual, qualquer economia de energia, mesmo que menor do que a histórica, é bem-vinda.

“Há dois anos, o equilíbrio entre oferta e demanda de energia estava tranquilo, então uma economia de 2% a 3% do consumo não era tão imprescindível”, disse o professor do Instituto de Economia da UFRJ e coordenador do Gesel (Grupo de Estudos do Setor Elétrico), Nivalde de Castro, à BBC News Brasil, em julho deste ano.

“Mas, atualmente, estamos enfrentando problemas para atender a demanda de energia elétrica justamente na hora em que escurece”, afirma o especialista. “Diante da crise hidrológica deste ano, o horário de verão faz todo sentido, porque ele evita um consumo a mais, do que numa situação em que não haja horário de verão.”

Mais vendas no varejo e nos bares

Uma segunda vantagem do horário de verão é o estímulo às vendas do comércio e dos bares, resultado da hora a mais de luminosidade.

“O nosso setor, mesmo de portas abertas, tem 77% das empresas ainda operando com prejuízo. Então, na nossa visão, qualquer real que entre a mais vai ser muito importante, e o horário de verão sempre trouxe esse faturamento adicional na primeira hora da noite”, disse Paulo Solmucci, presidente da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes).

“A gente chega às vezes até a dobrar o que se fatura entre às 18h e às 20h com horário de verão. E isso também vale para o pessoal do turismo, como parques, porque estica o dia.

A Abrasel puxou, ao lado da CNTur (Confederação Nacional de Turismo), um movimento iniciado em junho pela volta do horário de verão. Em setembro, o varejo também aderiu, com o apoio de entidades como CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), Unecs (União Nacional de Entidades do Comércio e Serviços), Abras (Associação Brasileira de Supermercados) e Abrasce (Associação Brasileira de Shopping Centers).

Segurança nas ruas

Um terceiro argumento em favor do horário de verão é a segurança.

“A evidência empírica sugere que uma hora a mais de luminosidade reduz homicídios, roubos e acidentes de trânsito”, disse Claudio Frischtak, sócio da consultoria Inter.B e especialista em infraestrutura, que publicou em 2019 um artigo sobre o tema em coautoria com os pesquisadores Miguel Foguel e Renata Canini.

Estudo de 2016, realizado por pesquisadores da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco), por exemplo, analisou dados de ocorrência de acidentes rodoviários entre 2007 e 2013. Segundo o estudo, nos Estados em que o horário de verão era adotado, houve redução de 10% dos acidentes em rodovias federais.

“Os testes revelaram que a realocação do horário de atuação da luminosidade durante o dia contribui consideravelmente na redução de acidentes em rodovias federais”, concluíram os pesquisadores. “Os testes apresentaram evidências de que o impacto de transição para o horário de verão afeta o comportamento de direção dos motoristas em rodovias federais, principalmente ao entardecer.”

Exercícios físicos e uso do espaço público

Por fim, um último argumento daqueles que defendem o horário de verão é a possiblidade fazer exercícios físicos ao fim da tarde e melhor aproveitar o espaço público.

O argumento foi usado até por Luciano Hang, dono das lojas Havan e bolsonarista de primeira hora. “Com o dia mais longo, as pessoas vivem melhor, vão às praias, praticam exercícios e têm mais qualidade de vida”, disse Hang, que aderiu ao movimento de empresários pela volta do horário de verão.

DESVANTAGENS

Dificuldade de adaptação

O principal argumento dos contrários à volta do horário de verão é que a adaptação é difícil e a mudança mexe com o relógio biológico.

Um estudo de pesquisadores brasileiros publicado em 2017 na revista Annals of Human Biology, com mais de 12 mil participantes, mostrou que menos da metade (45,43%) diziam não sentir nenhum desconforto com a mudança de horário. E cerca de 25% diziam permanecer desconfortáveis durante todo o período de mudança de horário.

A dificuldade de adaptação tem razões biológicas: a alteração do horário mexe com a produção de hormônios como a melatonina e o cortisol, responsáveis respectivamente por dar sono e despertar o corpo.

A mudança também é mais penosa para adolescentes, que têm dificuldade de acordar cedo para aulas matinais, e para crianças pequenas, que têm necessidade de longas horas de sono e costumam ser sensíveis a mudanças de luminosidade.

Mudanças no ciclo agropecuário

Uma segunda desvantagem do horário de verão, segundo os contrários à medida, é que ele afeta o setor agropecuário.

O gado bovino, por exemplo, é sensível à mudança de horário das fazendas, que pode inclusive afetar a produtividade leiteira.

“Os bovinos são animais de hábito, todos os dias eles se alimentam num mesmo horário, são animais de rotina. Se os horários mudam repentinamente, isso causa um estresse no animal. No caso da vaca de lactação, pode inclusive diminuir o leite”, diz José Carlos Ribeiro, da Boi Saúde, consultoria especializada em saúde bovina.

Mas há quem trabalhe no campo e não se importe com a mudança.

“As empresas trocam o horário, em vez de pegar às 7h, pega às 8h para a colheita da soja, então não prejudica em nada, eu acho que é bom”, diz Antônio Rodrigues da Silva, presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Assalariados Rurais de Sapezal (MT).

Horários diferentes Brasil afora

Uma terceira desvantagem é a maior dissincronia entre os horários Brasil afora.

O Brasil é um país tão grande que tem quatro fusos horários: o de Brasília, que abrange a totalidade das regiões Nordeste, Sudeste e Sul, além dos estados do Pará, Amapá, Tocantins, Goiás e o Distrito Federal; o de Fernando de Noronha (uma hora à frente de Brasília); o do Amazonas, Roraima, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul (uma hora atrás de Brasília); e o do Acre e oeste do Amazonas (duas horas atrás de Brasília).

No horário de verão, Norte e Nordeste não adotam a mudança, que não faz diferença nessas regiões devido à proximidade delas com o Equador.

Assim, no horário especial, Roraima, Rondônia e Amazonas passam a ter duas horas de diferença em relação a Brasília e o Acre, três horas.

Isso dificulta, por exemplo, a realização de eventos nacionais, a tal ponto que, em 2018, o horário de verão foi mais curto, devido às eleições. A pedido do então presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, o horário de verão naquele ano começou somente em novembro, para evitar atrasos na apuração dos votos e na divulgação dos resultados.

 

FONTE: BBC

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Good News

Como a autoconsciência pode aumentar o índice de produtividade nas empresas

Publicado

em



As emoções organizam e desorganizam os resultados das empresas, das nossas relações pessoais, profissionais, familiares e podem impedir as conquistas dos nossos objetivos, e propósitos de vida

 

Levante a mão quem nunca sentiu uma irritação absurda no meio de uma reunião de revisão de projeto, ou ficou vermelho de raiva em um processo de negociação? Quem algum dia deu uma resposta sem pensar, tomado pela emoção à flor da pele e, se arrependeu em seguida. Ou então, em uma discussão mais acalorada exagerou na contestação, alterou o tom de voz e gerou constrangimento a todos ao redor e para si mesmo?

As emoções organizam e desorganizam os resultados das empresas, das nossas relações pessoais, profissionais, familiares e podem impedir as conquistas dos nossos objetivos, e propósitos de vida. A busca da autoconsciência pode ajudar a mudar o rumo das decisões, transformando as reações emocionais negativas em positivas.

Carlos Aldan, antropólogo, sociólogo e cientista político e CEO do Grupo Kronberg, empresa especializada em desenvolvimento de líderes, tem sido um grande disseminador do processo de autoconsciência, método ao alcance de qualquer pessoa e posição. Segundo Aldan, a autoconsciência é capaz de transformar a vida de uma pessoa para muito melhor.

“É uma consciência racionalizada capaz de alterar uma reação emocional de raiva em uma resposta produtiva, em substituição de uma emoção, antes negativa para uma outra construtiva, de empatia, fazendo com que a pessoa identifique esses gatilhos, comportamentos e o que eles trazem de bom e ruim”, afirma Aldan.

Todos nós temos, de acordo com o especialista, um padrão emocional individual, sofremos estímulos externos, pressão e sentimentos controversos e somos vítimas de nós mesmos. “Muitas vezes não conseguimos segurar a nossa emoção e nos deixamos levar pela primeira reação. Com o autoconhecimento, procuramos identificar os inputs internos e externos, que influenciam no humor, nos pensamentos e nos nossos comportamentos – e assim identificar o que causou e o que poderia ter feito diferente. Com a prática, as decisões emocionais vão se transformando em tomadas de decisões racionais, produtivas, construtivas para a pessoa e para os demais que convivem com ela”, acrescenta.

Com disciplina e prática diária da autoconsciência, os resultados iniciais são alcançados em cinco a sete semanas, com a diminuição de reações pela emoção por gatilhos emocionais e uma maior aplicação de empatia, compreensão e tolerância, gerando comportamentos mais positivos.

O autoconhecimento é uma habilidade importante da inteligência emocional e essencial para que todos os profissionais possam organizar pensamentos e emoções no cenário dos negócios cada vez mais complexo e disruptivo. Essa capacidade também é necessária para preparar as lideranças para que sejam capazes de inspirar, de criar um ambiente que propicie a iniciativa, a criatividade, a paixão das pessoas e que tornem todos parte de um único propósito.

Pesquisas recentes demonstram que a inteligência emocional é um dos principais preditores de sucesso na vida e de desempenho no trabalho. A IE tem correlação com os seguintes fatores de sucesso na vida: eficácia, influência, tomada de decisão, relacionamentos, saúde, equilíbrio, bem-estar, conquista e satisfação com a vida. Estas pesquisas também demonstram que 90% dos profissionais com maior desempenho possuem inteligência emocional mais desenvolvida. De outro lado, somente 20% dos profissionais com pior desempenho possuem inteligência emocional adequada. (Talen Smart Survey, 2019).

 

FONTE: MUNDO RH

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Good News

Lego de ‘Esqueceram de Mim’ tem 4 mil peças e armadilhas para bandidos

Publicado

em



 

‘Esqueceram de Mim’ terá um novo filme neste fim de ano, mas os fãs da franquia já podem se divertir relembrando o primeiro longa da série. A Lego já está comercializando o conjunto da casa de Kevin McCallister, com quase 4 mil peças, incluindo as armadilhas usadas pelo garoto para enfrentar os bandidos naquele natal de 1990.

 

O brinquedo foi anunciado nesta quinta-feira (21). Ele foi sugerido dentro do grupo Lego Ideas, onde usuários enviam suas ideias para conjuntos à empresa. Às vezes, a Lego aceita a indicação e produz, remetendo a taxa de 1% de royalties ao designer original. No caso da casa dos McCallister, o idealizador foi o ucraniano Alex Storozhuk.

O designer já era fã de ‘Esqueceram de Mim’. O brinquedo idealizado por ele tem exatamente 3.955 peças, lotado de referências do filme. Há uma variedade de armadilhas, uma televisão mostrando o longa ‘Anjos de Cara Suja’, filme que Kevin deixa rolando na TV enquanto está sozinho, e até o manequim de Michael Jordan.

Entre os cinco personagens no Lego, estão o próprio Kevin, papel de Macaulay Culkin no filme, e os bandidos que invadem a casa, interpretados por Joe Pesci e Daniel Stern. Um dos bandidos tem, inclusive, o rosto queimado pelo ferro de passar, como no filme.

O conjunto ‘Esqueceram de Mim’ começa a ser vendido no dia 1º de novembro. O valor do brinquedo é US$ 249,99 ou R$ 1.414,69, na conversão direta com o dólar cotado a R$ 5,66, no site da Lego. As peças também serão vendidas nas lojas.

Esqueceram de Mim lego

Retorno de ‘Esqueceram de Mim’:
O novo filme da franquia estreia no dia 12 de novembro. Neste, Max Mercer é o menino travesso e cheio de recursos esquecido pelos parentes, que viajam para Tóquio, no Japão. Ele é interpretado pelo britânico Archie Yates, que fez Yorki em ‘Jojo Rabbit’.

O casal Pam e Jeff Fritzovski, interpretado por Ellie Kemper (‘Unbreakable Kimmy Schmidt’) e Rob Delaney (‘Deadpool 2’), tenta recuperar uma relíquia de família de valor inestimável e se volta para a residência dos Mercer. Lá, Max é o único presente para impedir a invasão dos intrusos e faz tudo que pode para mantê-los fora de casa.

O elenco de ‘Home Sweet Home Alone’ tem ainda Aisling Bea, Kenan Thompson, Ally Maki, Pete Holmes, Chris Parnell, Timothy Simons, Andy Daly e Mikey Day. No trailer, já é possível ver a participação de Devin Ratray mais uma vez dando vida a Buzz McCallister, irmão mais velho de Kevin nos primeiros filmes de ‘Esqueceram de Mim’. Agora, ele aparece como um policial.

 

FONTE: OLHAR DIGITAL

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Good News

Como gerar conversas relevantes com seus prospects?

Publicado

em



 

Depois da onda dos blog-posts, empresas têm buscado diferentes recursos para gerar conexões profundas com seus clientes em potencial

 

 

Com a escalada de conteúdo sendo gerado a todo momento, a disputa por minutos de atenção do consumidor está cada vez mais acirrada. O que se vê de movimentação das marcas quando se fala em clientes em potencial, as ideias ficam atreladas à geração de leads e taxas de conversão, desconsiderando a profundidade da comunicação da marca com a audiência.

Munir a equipe de vendas com listas e informações é, sem dúvidas, essencial para qualquer companhia, porém, está longe de ser a única via. Investir em conteúdo e relacionamento, por exemplo, tem se mostrado um excelente caminho para quem busca conexões profundas e diferenciação.

Para Gabrielle Teco, CEO da Qura, hub especializada em curadoria de conteúdo para empresas e executivos, fomentar o lifelong learning, transmitir conhecimento e proporcionar novas experiências por meio de conteúdo estão cada vez mais em alta. Mesmo quando a demanda chega como amplificação de mensagem publicitária, é preciso se dedicar para adaptar o pedido para um tipo de entrega menos interruptiva e mais educativa.

Estratégias de sucesso

Uma das boas ideias que vêm sendo bem aproveitada é o podcast. Esse tipo de conteúdo cresceu de maneira significativa – 200% em 2020, segundo o Spotify. Um case vem da Localiza ao lançar o podcast “Pé na estrada com o cliente”. Produzido em parceria com a Qura, o programa entrevista especialistas em customer experience, dividindo com a audiência insights sobre como cuidar da jornada do cliente sob diferentes aspectos.

Outro exemplo é o Cloudly, trilogia em podcast da Oracle que conta a história da cloud no mundo. “Como esse é o tema do momento entre as grandes empresas de tecnologia, optamos por diferenciar a marca oferecendo um conteúdo educativo, bem produzido e levando a mensagem da marca para uma audiência super qualificada”, comenta Gabrielle.

Outra estratégia são os eventos digitais, que seguem em alta para gerar engajamento e conversas relevantes. “Depois da chuva de lives observada no início da pandemia, observamos uma queda de 35% da audiência em produtos menos interativos, como webinars e palestras. Já eventos no formato mesa redonda, onde o mediador consegue fazer a conversa parecer um bate-papo entre amigos, tiveram uma alta de 20% na audiência quando comparamos com os dados pré-pandemia”, adiciona a CEO da Qura.

Em um mundo em que qualquer informação está a um clique de distância das pessoas, ir além do blog-post pode fazer toda a diferença para as marcas. As estratégias de SEO continuam relevantes, mas passar para um próximo nível de conexão e engajamento com clientes em potencial exigirá das marcas não só criatividade, mas também uma preocupação genuína com a curadoria e a produção do conteúdo que elas assinam.

 

FONTE: MUNDO MARKETING

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PLURAL AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×