Hard Rock aguarda Senado para instalar hotéis com cassinos no Brasil, diz ministro
Connect with us

Geral

Hard Rock aguarda Senado para instalar hotéis com cassinos no Brasil, diz ministro

Publicado

em

portal plural hard rock aguarda senado para instalar hotéis com cassinos no brasil, diz ministro
Foto: Divulgação/Hard Rock

FAST AÇAÍAcademia Persona15 topo humberto pluralNuverabanner plano0 gold

O CEO global da rede de hotéis Hard Rock, Jim Allen, está acompanhando de perto a tramitação do projeto de lei que libera cassinos e bingos no Brasil, aguardando a aprovação para fazer anúncios no País. O projeto está na pauta da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado nesta quarta-feira, 12. “Ele está apenas esperando esse projeto [ser aprovado] para decidir onde construir algo aqui”, revelou à Coluna do Estadão o ministro do Turismo, Celso Sabino. Procurado, o executivo não retornou.

Apesar da resistência da bancada evangélica, o senador Irajá (PSD-TO) já apresentou um relatório favorável à liberação dos cassinos. Aprovado na Câmara, o projeto aguarda votação no Senado. A medida conta com o apoio de Sabino e do vice-presidente Geraldo Alckmin, ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços. No entanto, o governo ainda não formalizou como irá orientar sua bancada a votar.

Com várias unidades de cassinos nos Estados Unidos, a rede Hard Rock enfrenta dificuldades para se estabelecer no Brasil através de parcerias. Conforme noticiado pelo Estadão, um megaprojeto de oito hotéis da rede fracassou devido a atrasos nas obras e investigações da Polícia Federal envolvendo a Venture Capital Participações e Investimentos (VCI), antiga parceira do grupo no País. De acordo com o site da Hard Rock Hotels, atualmente há apenas três unidades em construção: Fortaleza (CE), Gramado (RS) e Sertanópolis (PR).

Celso Sabino afirma que, se o Congresso liberar os cassinos, Jim Allen pretende instalar outras unidades no Brasil gerenciadas diretamente pela matriz. “O projeto dos resorts integrados com cassinos, sem dúvida nenhuma, vai despertar um interesse ainda maior das grandes redes”, declarou.

Fonte: Estadão

Compartilhe

Geral

RS tem 1,2 mil pedidos de Auxílio Reconstrução em nome de pessoas que constam como mortas na base de dados do governo federal

Publicado

em

portal plural rs tem 1,2 mil pedidos de auxílio reconstrução em nome de pessoas que constam como mortas na base de dados do governo federal
Foto: g1
FAST AÇAÍNuvera15 topo humberto pluralAcademia Personabanner plano0 gold

No Rio Grande do Sul, dos 629,6 mil pedidos para receber o Auxílio Reconstrução, destinado a famílias impactadas pelas enchentes, 1.262 foram feitos em nome de pessoas que constam como falecidas nas bases de dados do governo federal. Esses dados foram revelados pela RBS TV e destacados em uma reportagem no Jornal Nacional da TV Globo, na sexta-feira (12).

O auxílio de R$ 5,1 mil via PIX é destinado exclusivamente às famílias diretamente afetadas pelas cheias. As prefeituras identificam os moradores atingidos e enviam os dados para a União, que realiza os repasses. No entanto, nem todas as pessoas listadas com indicativo de óbito estão efetivamente falecidas.

Segundo o ministro da Secretaria de Apoio à Reconstrução do RS, Paulo Pimenta (PT), o governo implementou dois mecanismos para combater fraudes por meio de uma “malha fina”. O primeiro inclui a proposta de publicação dos nomes, endereços e CPFs de todos os beneficiários do auxílio. O segundo envolve o cruzamento de dados do Censo, contas de água e luz, registros no SUS, CadÚnico e Receita Federal.

Pimenta expressou sua frustração com as tentativas de fraude, que privam aqueles que mais necessitam de assistência durante um momento crucial. Porto Alegre lidera com o maior número de casos de óbitos associados aos pedidos de auxílio, com 862 famílias registradas na capital. Em seguida vêm Novo Hamburgo, Canoas e São Leopoldo, na Região Metropolitana.

Um caso específico relatado pelo g1 é o de Geremias Izaias Porto Costa, morador de São Leopoldo, que teve seu benefício negado devido a um indicativo de óbito erroneamente associado ao seu CPF. O ministério responsável admitiu o erro e está trabalhando para regularizar a situação junto à Dataprev.

Em Canoas, a RBS TV identificou tentativas de fraude envolvendo um homem que estava preso durante as enchentes e uma empresária que havia fechado seu salão de beleza meses antes da tragédia, mas ainda assim tentou solicitar o benefício. A Prefeitura de Canoas afirmou ter excluído esses cadastros dos beneficiários e ressaltou que a verificação dos dados cabe ao governo federal.

Fonte: G1

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Como os Jogos Olímpicos se tornaram um terreno de confrontos entre países e causas planetárias?

Publicado

em

portal plural como os jogos olímpicos se tornaram um terreno de confrontos entre países e causas planetárias
Foto: Dimitar Dilkoff/AFP
Academia PersonaFAST AÇAÍNuverabanner plano0 gold15 topo humberto plural

Como qualquer utopia, o ideal olímpico frequentemente colide com a realidade: ataques, boicotes e propaganda de regimes ditatoriais têm sido parte da história dos Jogos, tanto quanto os títulos e recordes dos campeões. A exclusão da Rússia e Belarus de Paris-2024 e as medidas de segurança excepcionais devido ao risco de ataques são apenas os mais recentes elementos da tumultuada relação dos Jogos Olímpicos com a geopolítica mundial, praticamente desde sua refundação em 1896.

Imaginados por Pierre de Coubertin como um evento para atletas cavalheirescos e elitistas, como os Jogos Olímpicos se transformaram, em pouco mais de um século, em um terreno de confrontos entre países e causas globais?

“Na mentalidade de Coubertin, as competições olímpicas são uma espécie de exposição atlética internacional”, explica o historiador esportivo Patrick Clastres à AFP. “Os Jogos oferecem oportunidades de sucesso para todos os países do mundo e, com o fim dos impérios coloniais e o desaparecimento dos impérios na Europa, fornecem a inúmeras nações os meios para se afirmarem.”

A importância dos Jogos vai muito além do esporte. Ganhar medalhas ou organizar a competição é uma maneira poderosa de promover a imagem de um país no exterior. Internamente, cria-se uma identidade nacional em torno dos “heróis do estádio”.

O primeiro a explorar essa plataforma foi Hitler, em Berlim-1936: enquanto os atletas alemães ganhavam medalhas, o ‘Führer’ oferecia ao mundo um espetáculo grandioso a serviço da propaganda nazista.

“Entre as duas guerras mundiais, primeiro as democracias e depois os regimes fascistas implementaram políticas desportivas, criando potências atléticas: o regime de Hitler fez isso em uma escala desproporcional, seguido mais tarde pela União Soviética, que só entrou em cena em 1952”, explica Clastres.

Após boicotarem os jogos “burgueses” por três décadas, os soviéticos perceberam o potencial político do grande evento do esporte mundial, levando alguns de seus países satélites a desenvolver programas de doping nos anos 1970 para garantir a supremacia no quadro de medalhas.

Em 1972, em Munique, a violência irrompeu na Vila Olímpica: 17 pessoas, incluindo 11 atletas israelenses, morreram durante um sequestro por um comando da organização palestina Setembro Negro.

Os valores olímpicos de universalidade também enfrentaram desafios com o racismo. Em 1968, os velocistas norte-americanos Tommie Smith e John Carlos entraram para a história ao erguer o punho envolto em um lenço preto, fazendo a saudação do “Black Power”, movimento contra a segregação racial nos Estados Unidos. Este gesto violava a “neutralidade” do esporte, que o Comitê Olímpico Internacional (COI) sempre se vangloriou. Os dois atletas foram expulsos da Vila Olímpica e excluídos para sempre dos Jogos.

Oito anos depois, em Montreal, em 1976, 29 países, a maioria africanos, recusaram-se a participar devido à Nova Zelândia, acusada de enviar sua equipe de rúgbi para a África do Sul, país do apartheid. Foi o primeiro boicote em massa aos Jogos.

Seguiram-se os boicotes dos Estados Unidos e seus aliados em Moscou-1980 (devido à invasão soviética ao Afeganistão) e a resposta quatro anos depois com o boicote do bloco soviético aos Jogos de Los Angeles-1984, ambos em um período de Guerra Fria.

Os primeiros movimentos de boicote datam de 1956, quando Egito, Líbano e Iraque não participaram em Melbourne em protesto contra a intervenção israelo-franco-britânica no Canal de Suez. Simultaneamente, Espanha, Suíça e Holanda se recusaram a participar para denunciar a intervenção soviética contra o movimento pró-democracia na Hungria, enquanto a China esteve ausente devido à presença de Taiwan.

O movimento olímpico sobreviveu a todas essas tempestades, nem hesitando em excluir países repudiados pela comunidade internacional. Este ano, antes de Rússia e Belarus, os perdedores da Primeira Guerra Mundial (Alemanha, Áustria, Hungria, Turquia, Bulgária) foram excluídos de Antuérpia-1920 e os da Segunda (Alemanha e Japão) de Londres-1948.

O apartheid da África do Sul (ausente entre 1964 e 1988) e a Iugoslávia, devido às sanções internacionais em 1992 durante a Guerra dos Balcãs, são outros exemplos de exclusão.

Essa prática não é exclusiva das Olimpíadas modernas. Cronistas da Grécia antiga relatam que Esparta, nos anos 420 a.C., foi excluída dos Jogos por não respeitar a trégua olímpica, que impunha a interrupção dos combates.

Fonte: Estadão

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Governo brasileiro afirma que Israel está “sabotando” processo de paz e cessar-fogo no Oriente Médio

Publicado

em

portal plural governo brasileiro afirma que israel está “sabotando” processo de paz e cessar fogo no oriente médio
Foto: Reprodução de vídeo
NuveraFAST AÇAÍAcademia Personabanner plano0 gold15 topo humberto plural

O governo brasileiro acusou Israel de “sabotar” o processo de paz e o cessar-fogo no Oriente Médio. “O governo de Israel continua sabotando o processo de paz e o cessar-fogo no Oriente Médio. O mais recente bombardeio na Faixa de Gaza, que vitimou centenas de inocentes, é inadmissível”, afirmou o Palácio do Planalto em nota divulgada no domingo (14).

No sábado (13), um ataque israelense em Khan Younis, na Faixa de Gaza, deixou pelo menos 90 palestinos mortos e cerca de 300 feridos, segundo autoridades locais.

O governo brasileiro enfatizou que os líderes mundiais não devem “se calar diante desse massacre interminável”. “É estarrecedor que continuem punindo coletivamente o povo palestino. Já são dezenas de milhares de mortos em ataques contínuos desde o ano passado, muitos deles em zonas humanitárias que deveriam ser protegidas”, prossegue a nota.

O texto ressalta que o cessar-fogo e a paz na região precisam ser prioridades na agenda internacional: “Todos os nossos esforços devem estar centrados na garantia da libertação dos reféns israelenses e no fim dos ataques à Faixa de Gaza”.

Fonte: Jornal o Sul

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×