Guedes: Brasil sai do Mercosul se Argentina frear abertura do bloco – Portal Plural
Connect with us

Geral

Guedes: Brasil sai do Mercosul se Argentina frear abertura do bloco

Publicado

em



 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse na noite desta quinta-feira (15) que, caso a oposição vença as eleições presidenciais na Argentina e apresente resistência à abertura econômica do Mercosul, o Brasil deixará o bloco. As primárias realizadas no último fim de semana  pelo país vizinho, que servem como uma pesquisa nacional, indicou o favoritismo da chapa encabeçada pelo peronista Alberto Fernández, que tem como vice a ex-presidente Cristina Kirchner. Eles receberam 47% dos votos. O atual presidente, Mauricio Macri, ficou com 32%.

O primeiro turno está marcado para 27 de outubro e, caso algum candidato obtenha mais de 45% dos votos, não há necessidade de segundo turno. “Se vence o Macri, o Bolsonaro se dá bem com ele e os dois se dão bem com o Trump. Então tudo caminha em alta velocidade. Se der errado, der o outro lado? A pergunta é simples. Nós vamos continuar abrindo. Vocês também? Se não vão, então tchau. A gente sai fora do Mercosul e vamos embora. Acho que vamos ser muito práticos. E não tememos o efeito disso. O Brasil precisa retomar sua dinâmica de crescimento”, disse Guedes.

Sem crise

As declarações foram dadas em discurso na cerimônia de encerramento do Seminário sobre Gás Natural, evento organizado há cada dois anos no Rio de Janeiro pelo Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP). Em junho, o Mercosul fechou um acordo de livre comércio com a União Europeia. Segundo o ministro, os Estados Unidos também manifestaram interesse em um acordo comercial com o bloco. Ele disse ainda que a disposição do Brasil em abrir o seu mercado faz o país ser disputado. “Todo mundo está fechando para balanço e nós somos a única moça da festa disponível para dançar. Então todo mundo quer dançar com a gente”.

Ao final do evento, Guedes conversou com jornalistas e argumentou que o Brasil não precisa se preocupar com crise externa se o dever de casa for bem feito, porque dispõe de uma economia com dinâmica própria de crescimento. Segundo ele, houve momentos em que o mundo estava crescendo aceleradamente e o país não se beneficiou.

“Se há uma momento favorável lá de fora, valoriza o câmbio, mas em compensação você vende menos móveis, têxteis. O Brasil foi até desindustrializado mais rapidamente durante o período em que o câmbio se valorizou. Agora pode ser contrário. O mundo pode desacelerar e nós podemos acelerar. De repente, com energia barata e um câmbio um pouco mais alto, você vai reindustrializar autopeças, móveis, sapatos, indústria têxtil. Não devemos temer o efeito contágio. O Brasil tem uma dinâmica própria como poucos países: os Estados Unidos, a China, a Índia”, disse Paulo Guedes. “Se o dólar quiser ir para R$4 ou mais de R$4 por causa da eleição na Argentina ou pelo vento lá fora, deixa ir. Estamos preparados”, acrescentou.

Pacto federativo

O ministro defendeu ainda um novo pacto federativo entre União, estados e municípios. Para ele, esse novo pacto pode se beneficiar de um interesse internacional no Brasil. “Estivemos em Dallas há pouco tempo e falava-se da nossa fronteira de pré-sal. Os cálculos eram de US$500 bilhões, US$600 bilhões, até US$900 bilhões e US$1 trilhão em reservas. É um valor colossal pensar que tem quase US$1 trilhão para extrair do chão ao longo dos próximos 25 anos e isso tudo é o que vai reavivar o nosso pacto federativo. O dinheiro que sair do chão vamos jogando para os estados e municípios para reconstruir a federação. São eles que financiam saúde, educação, saneamento, segurança pública”.

Uma proposta está sendo elaborada, de acordo com Guedes, para que o percentual da arrecadação do pré-sal que fica com a União seja encolhido gradativamente. Ao final de oito anos, estados e municípios ficariam com 70% desses recursos. Ao mesmo tempo, o ministro defende a desvinculação e desindexação das despesas dos orçamentos de todos os entes federativos, assim como o fim das verbas carimbadas.

“A principal função da classe política é administrar os recursos públicos, é alocar os recursos de forma mais eficiente. Vou dar um exemplo. O ministro da Justiça, Sérgio Moro, precisa de R$500 milhões para reequipar a Força de Segurança Nacional. Mas ele tem R$1,5 bilhão do fundo penitenciário. Ele não consegue pegar esse dinheiro. O natural era ele poder remanejar esses recursos. E aí no final do ano, falta dinheiro para todo mundo, mas sobra dinheiro congelado nos diversos fundos”.

Privatizações

Guedes disse ainda que o presidente da República, Jair Bolsonaro, está cada vez mais sintonizado com a agenda de privatizações e tem cobrado mais agilidade de Salim Matar, secretário especial de desestatização e desinvestimento do Ministério da Economia. “Eu durante a campanha falava: vamos privatizar todas. Minha obrigação é recompor as finanças da União. E estou convencido que as estatais esgotaram o seu ciclo de financiamento, foram perdendo a capacidade de investimento e foram ficando para trás”, analisou o ministro.

Segundo ele, a capacidade de investimento que o Brasil necessita não é compatível com monopólios e demanda de capital privado. Ele não descartou a privatização da Petrobras. De acordo com o ministro, apesar de estar se recuperando, a estatal não tem capacidade de investimento para fazer frente à extração dos R$700 bilhões em reservas do pré-sal.

Agência Brasil
Compartilhe
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Geral

Brasileiros criam fogão que funciona com energia solar e dispensa botijão

Publicado

em



Cientistas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), criaram um fogão movido a energia solar e podem ter resolvido uma das queixas mais comuns dos brasileiros, que é o preço altíssimo do botijão do gás de cozinha.
 
Feito com sucata, espelhos e materiais de baixo custo, o aparelho tem custo de fabricação muito baixo, de apenas R$ 150 – menos do que o botijão de gás, que sai entre R$ 103 e R$ 140, de acordo com a região.
 
E quem questiona sobre a potência do equipamento, também vai se surpreender. O fogão sustentável conseguiu assar nove bolos ao mesmo tempo!
 
Pratos já testados no fogão
 
Para criar o fogão movido a energia solar, o professor usou um princípio simples da engenharia.
 
O aparelho transforma a radiação solar em calor, gerando um efeito estufa. Isso permite aquecer os alimentos até o ponto de cozimento necessário.
 
Além dos bolos, os cientistas também usaram o fogão para o preparo de lasanha, pizza e até empanados.
 
Todos os alimentos ficaram no mesmo grau de qualidade que aqueles feitos em fogões convencionais.
 
Sustentável e eficiente
 
O professor Luiz Guilherme Meira de Souza, responsável pelo laboratório de engenharia da UFRN, lembra que a energia solar é social, abundante e renovável.
 
E são justamente essas características que permitem que ela esteja acessível para todos, em qualquer lugar.
 
Fonte:SóNotíciaBoa
Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Estudante cearense fica em 1º lugar em concurso nacional de redação

Publicado

em



O primeiro lugar do concurso nacional de redação, promovido pelo Senado Federal, ficou com o estudante Francisco Davi da Silva Pereira, de Sobral, no Ceará.
 
Aluno de escola estadual, o jovem dissertou sobre o tema “200 anos de Independência: lições da história para a construção do amanhã”.
 
“O tema foi sensacional. Quando eu vi, me identifiquei de primeira, porque amo tudo o que envolve a área de humanas”, contou o estudante.
 
O concurso faz parte do Programa Jovem Senador 2022, que leva os estudantes selecionados para uma vivência legislativa, em Brasília, na qual os jovens vão simular a atuação dos senadores, numa legislatura com quatro dias de duração.
 
Processo seletivo
 
Francisco contou que se preparou bastante para o concurso. Ele sempre foi muito presente e participativo nas aulas de História e Sociologia na escola. Além disso, acompanhou palestras, debates e vídeos produzidos por historiadores.
 
Francisco também refletiu sobre a importância de dissertar sobre temas como o do concurso.
 
“No momento em que vivemos, é essencial entendermos os erros do passado, para não repetí-los no presente. Essa contextualização joga luz no debate sobre uma sociedade mais justa e um futuro melhor para as próximas gerações”, explica.
 
“Devemos ter consciência do país que queremos, que não pode ser bom apenas para um grupo, mas sim para todo o nosso povo”, enfatiza Francisco.
 
Programa Jovem Senador
 
Francisco contou que está bastante ansioso para o dia de conhecer e participar de uma sessão no Senado.
 
“Sempre me interessei por programas como o Jovem Senador. Em 2020, concorri ao Parlamento Jovem Brasileiro (PJB – programa da Câmara Federal) e bati na trave. Acho que o desejo de representar um estado tão valoroso como o Ceará, terra de grandes figuras históricas como Rachel de Queiroz, Belchior e outras, foi um ponto a mais de estímulo para a minha dedicação. Terra da luz, tenho certeza de que a gente vai brilhar muito!”, ressalta o estudante.
 
Primeira viagem
 
A viagem a Brasília vai ser a primeira experiência de Davi fora do Ceará. O jovem reside em Meruoca, município localizado a 18km de Sobral.
 
O prêmio inclui passagem aérea, hospedagem, alimentação e locomoção. Cada jovem senador ganha, ainda, um notebook.
 
Os professores orientadores das redações escolhidas acompanham os estudantes a Brasília e são premiados com notebooks.
 
Como será
 
Em Brasília, a experiência de Francisco será realmente enriquecedora. O processo começará com a posse e eleição da Mesa (presidente, vice e secretários) e terminará com a aprovação dos projetos e sua publicação no Diário do Senado Federal.
 
As sugestões acatadas serão encaminhadas à Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) da Casa. Desde o início do programa, já foram apresentadas 54 proposições ao colegiado. Destas, 40 foram aceitas e passaram a tramitar como projetos de lei.
 
A redação de Francisco foi selecionada em um total de 93 inscrições no Ceará. O processo de escolha teve início em novembro de 2021.
 
Para ele, a participação de jovens estudantes em programas como esse é fundamental, mas reconhece que ainda é pouca.
 
“Acredito que hoje temos um grande problema, a juventude anda meio desacreditada da política. Mas, a gente tem que mostrar que isso tem jeito. Cresci ouvindo que a minha geração será a responsável por transformar esse país. Se a mudança que nós tanto queremos não está naqueles em quem nos inspiramos, é porque a força de realizar essa transformação está adormecida dentro de nós. Basta que a gente desperte. Bora lá, jovens!?”, finalizou. 
 Fonte: SóNotíciaBoa
Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Mecânico conserta de graça moto de gari que caminhava 5 h por dia para ir trabalhar

Publicado

em



O mecânico Jair Lenz, de Cruzeiro do Sul (RS), se comoveu com a história do gari Cristiano Silva, que caminhava 5 horas por dia para ir ao trabalho, por não ter dinheiro para pagar o conserto de sua moto.
 
Após ouvir a triste situação do morador pela rádio da região, o mecânico ofereceu ajuda para consertar a moto.
 
Quando o serviço terminou Jair disse que Cristiano demorou para acreditar: “Quando comecei a conversar com ele por telefone a ficha dele não estava caindo, parece que ele não estava acreditando porque me disse que não ia ter como pagar. E eu disse que não teria custo algum, simplesmente queria ajudar”, contou.
 
“Acabei fazendo de bom coração, como se fosse para qualquer outro cliente”, disse Jair.
 
Caminha 5 horas por dia
 
Morador de Forqueta Baixa, interior de Arroio do Meio (RS), Cristiano Costa, de 38 anos, caminha cerca de cinco horas por dia para trabalhar como gari, na cidade de Lajeado.
 
Para chegar na empresa às 7h15, ele sai de casa às 5h, e anda de Forqueta Baixa até a Rua João Abott, no Centro de Lajeado.
 
“Eu tinha uma moto, mas estragou o motor, desde então, ou caminho ou não trabalho”, contou o gari.
 
Trabalhando há doze anos na profissão, Cristiano passa oito horas por dia correndo atrás do caminhão, mais cinco no deslocamento entre sua casa e seu trabalho.
 
“Pela manhã vou mais rápido para Lajeado, mas na volta demoro mais, pois daí já estou bem cansado”, desabafa ele.
 
O mecânico explicou que desde 2013 não trabalha mais com motos de baixa cilindrada, mas isso não foi motivo para não oferecer ao novo amigo o serviço completo, que levou uma semana para ser concluído.
 
Como tem gente boa nesse mundo! A gente agradece por isso todo dia!
 
Obrigado Jair Lenz, você é um exemplo de ser humano! 
Fonte: SóNotíciaBoa
Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PORTAL PLURAL LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2022 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×