Governo fecha fronteiras terrestres com países sul-americanos - Portal Plural
Connect with us

Mundo

Governo fecha fronteiras terrestres com países sul-americanos

Publicado

em

© Ricardo Moraes/Reuters/direitos reservados Geral

Nuveratopo humbeto pluralAcademia PersonaFAST AÇAÍ

O governo federal publicou portaria hoje (19) restringindo a entrada de estrangeiros pelas fronteiras com países sul-americanos em razão da pandemia do novo coronavírus. 

Fica restrita a entrada por via terrestre de pessoas dos seguintes países: Suriname, Guiana Francesa, Guiana, Colômbia, Bolívia, Peru, Paraguai e Argentina. A limitação para a Venezuela já havia sido divulgada ontem (18). A fronteira com o Uruguai será objeto de uma portaria específica, uma vez que os dois governos ainda analisam a melhor solução.

A medida foi recomendada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em nota técnica elaborada pela equipe do órgão. A justificativa é o risco de contaminação e disseminação do novo coronavírus.

Brasileiros continuam podendo entrar no Brasil vindo dos países mencionados. Imigrantes com autorização de residência definitiva no Brasil e profissionais em missão de organismo internacional ou autorizados pelo governo brasileiro também poderão entrar no país.

Ficam permitidos também o tráfego de caminhões de carga, ações humanitárias que demandem o cruzamento das fronteiras e a circulação de cidades “gêmeas com linha de fronteira exclusivamente terrestre”.

Quem desobedecer às determinações poderá ser processado penal, civil e administrativamente, além de ser deportado e impedido de solicitação de refúgio.

ebc

Compartilhe
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Baleias-Cinzentas reduzem de tamanho devido ao impacto das mudanças climáticas

Publicado

em

portal plural baleias cinzentas reduzem de tamanho devido ao impacto das mudanças climáticas
Foto: Instituto de Mamíferos Marinhos/Universidade Estadual de Orego
FAST AÇAÍAcademia PersonaNuveratopo humbeto plural

Um estudo recente da Universidade Estadual do Oregon revelou que as baleias-cinzentas diminuíram em mais de 13% de tamanho nos últimos 25 anos, atribuído às mudanças nas condições ambientais. Além de serem afetadas pelo aquecimento global, que tem gerado recordes de temperaturas tanto no ar quanto nos oceanos, esses mamíferos são considerados sentinelas do ecossistema marinho.

As baleias-cinzentas, conhecidas por sua coloração cinza ou preta e por serem frequentemente cobertas por parasitas externos, atingem cerca de 13 metros de comprimento máximo e são encontradas no Oceano Pacífico, sendo classificadas como criticamente ameaçadas. A redução de tamanho, conforme apontam os pesquisadores, pode ter sérias repercussões na saúde e no sucesso reprodutivo desses animais, além de afetar a cadeia alimentar da qual fazem parte.

O estudo, publicado na revista científica Global Change Biology, acompanhou um subgrupo de cerca de 200 baleias-cinzentas no Pacífico Norte Oriental desde 2016, utilizando drones para medir seus tamanhos. Os resultados indicaram que baleias adultas nascidas recentemente estão em média 1,65 metros menores do que as nascidas antes de 2000, representando uma perda de mais de 13% no comprimento total.

Enrico Pirotta, pesquisador da Universidade de St. Andrews e autor principal do estudo, ressalta que o tamanho é crucial para esses animais, influenciando seu comportamento, fisiologia e sucesso reprodutivo. Ele alerta que a diminuição pode tornar os filhotes mais vulneráveis durante o desmame e comprometer a capacidade das adultas de reproduzirem eficientemente, devido à redução de suas reservas energéticas.

Além das mudanças climáticas, o estudo também analisou os padrões de ressurgência e relaxamento nos oceanos, que regulam a disponibilidade de alimentos para as baleias. Mudanças nestes padrões afetam diretamente a capacidade do ecossistema de produzir presas suficientes para sustentar esses grandes mamíferos marinhos.

Os pesquisadores alertam que, sem um equilíbrio adequado entre os ciclos de ressurgência e relaxamento, o ecossistema pode não ser capaz de suportar as necessidades alimentares das baleias-cinzentas no longo prazo.

Fonte: G1

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Benin quer conceder nacionalidade a todos os afrodescendentes do mundo; entenda

Publicado

em

portal plural benin quer conceder nacionalidade a todos os afrodescendentes do mundo; entenda
Foto: Ricardo Stuckert/Presidência da República
topo humbeto pluralNuveraFAST AÇAÍAcademia Persona

Um país na África Ocidental com litoral no Oceano Atlântico e uma população de pouco mais de 13 milhões de habitantes, o Benin tem discutido uma ideia inovadora nos últimos meses: conceder nacionalidade a todos os afrodescendentes do planeta.

O projeto, enviado pelo governo e ainda em análise no parlamento beninense, foi mencionado pelo presidente Patrice Talon durante sua visita oficial ao Brasil na última semana, em um discurso ao lado do presidente Lula.

“Na nossa visão, todos os brasileiros afrodescendentes são beninenses. E isso deveria ser motivo de orgulho para eles. Por esse motivo, será votada nos próximos dias uma lei para conceder a nacionalidade beninense a todos os afrodescendentes que assim o desejarem. Portanto, de agora em diante, senhor presidente, o senhor será beninense também”, declarou Talon, sob aplausos dos presentes.

Se aprovado, o projeto terá abrangência global, mas terá especial relevância para o Brasil – principal destino do tráfico de negros escravizados e que hoje abriga a maior população preta e parda fora da África.

Entenda abaixo como funcionaria essa lei e quais seriam os impactos para o Brasil, para a África e para os negros em todo o mundo.

O que diz o projeto de lei?

De acordo com o texto a que o g1 teve acesso, se o projeto virar lei, o Benin concederá nacionalidade a todos os afrodescendentes que fizerem o pedido e “comprovarem” sua afrodescendência.

Segundo o governo, essa nacionalidade será de uma modalidade “limitada” prevista nas leis do país. Os novos cidadãos terão passaporte beninense, mas não poderão participar das eleições (como eleitores ou candidatos), por exemplo.

Para obter a cidadania “plena”, os afrodescendentes beneficiados teriam que seguir o mesmo processo exigido atualmente para quem se muda para o país ou se casa com um cidadão beninense: entre os requisitos, é preciso morar no Benin por pelo menos cinco anos.

O projeto define como afrodescendente “toda pessoa que, em sua genealogia, tem um ascendente africano subsaariano deportado para fora do continente no contexto do tráfico negreiro”.

O texto também estabelece que “a prova de afrodescendência é fornecida pelo demandante por meio de qualquer estado civil ou documentação oficial, de testemunhos que constem em escritura autêntica, de um teste de DNA realizado por órgãos chancelados pelo Benin ou por qualquer outro meio técnico ou científico”.

Como assim, ‘todos os afrodescendentes são beninenses’?

A declaração do presidente do Benin, Patrice Talon, resulta de um pensamento social chamado “panafricanismo” – uma ideologia que prega a união do continente africano para superar o subdesenvolvimento imposto pela colonização.

O panafricanismo busca superar, por exemplo, as fronteiras artificiais criadas pelas colônias europeias (hoje países independentes) na África, que geraram conflitos étnicos que se estendem por séculos.

Durante a escravidão, negros de diferentes grupos sociais eram capturados e enviados nos mesmos navios para as Américas. Nesse processo, a maior parte de sua identidade era apagada ou suprimida, incluindo sobrenomes, idiomas, religiões e outros vínculos culturais.

Por isso, enquanto descendentes de italianos no Brasil podem usar seus sobrenomes e árvores genealógicas para solicitar cidadania europeia, o mesmo não ocorre com os netos e bisnetos de escravizados.

É difícil saber se um antepassado foi escravizado e enviado ao Brasil saindo de Angola, do Congo, da Guiné ou do Benin (na época, Daomé), por exemplo.

Atualmente, parte desses descendentes tenta descobrir sua origem geográfica por meio de documentos e testes genéticos – e o pensamento panafricanista defende “superar” essa questão.

Fonte: G1

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Conheça o submarino com casco de acrílico e joystick que será usado na expedições ao Titanic

Publicado

em

portal plural conheça o submarino com casco de acrílico e joystick que será usado na expedições ao titanic
Foto: Divulgação/Triton
Academia PersonaNuveraFAST AÇAÍtopo humbeto plural

Com casco de acrílico e controle por joystick, um novo submarino, anunciado por um empresário norte-americano e um canadense, promete levar pessoas, com segurança, em expedições ao Titanic, nas profundezas do Oceano Atlântico.

O projeto, cujo custo não foi divulgado, inclui tecnologia e engenharia naval de ponta que garantem uma expedição segura, diferente do ocorrido no ano passado.

Há cerca de um ano, cinco pessoas morreram durante a viagem com o submersível Titan, que tentava chegar ao Titanic. A embarcação implodiu, matando os passageiros. A expedição gerou uma comoção mundial enquanto tentavam o resgate das vítimas.

O novo submarino será produzido pela Triton Submarine, uma empresa com décadas de experiência no mercado e detentora de recordes:

  • Em 2019, um submarino da empresa foi usado no mergulho mais profundo da história, chegando a 10,9 mil metros.
  • Em 2018, outro submarino foi usado no mergulho mais profundo do oceano Atlântico, atingindo 8,3 mil metros.
  • A Triton projetou o submersível que Kathryn Sullivan usou para se tornar a primeira americana a mergulhar a 11 mil metros de profundidade na Depressão Challenger, o ponto mais profundo dos mares.
  • Em 2019, foram os primeiros a conseguir gravar imagens em alta resolução do Titanic.

A proposta é criar uma nova versão chamada “The Explorer – Return to the Titanic”, baseada no modelo já produzido, o Triton 4000/2 Abyssal Explorer.

Como será o submarino?

De acordo com a empresa, o submarino terá 4,45 metros de comprimento, 2,75 metros de largura, e pesará 12 toneladas. Equipado com complexa engenharia naval e tecnologia, ele contará com “asas” que permitem condução precisa, inclusive em espaços pequenos.

Seu casco de acrílico, combinado com câmeras de alta resolução, proporcionará uma visão de 320° do fundo do oceano. Diferentemente do Titan, que só poderia descer a 1,3 mil metros e implodiu, o novo submarino poderá descer a 4 mil metros de forma segura.

A tecnologia naval permitirá que o submarino desça e suba das profundezas em menos de duas horas. Ele terá capacidade para apenas duas pessoas por viagem e autonomia de 12 horas. O controle será feito por joystick, além de opções de tela sensível ao toque e controle manual.

O Triton 4000, nomeado em referência à profundidade que pode atingir, já é licenciado para uso comercial. O modelo personalizado para a expedição deve custar milhões de dólares e está previsto para estar pronto em 2026.

Quem são os empresários?

Patrick Lahey é cofundador e presidente da Triton Submarines. Além de empresário, é um entusiasta do mergulho, sendo o segundo canadense a chegar ao fundo da Fossa das Marianas, o ponto mais profundo dos oceanos. Ele também foi a primeira pessoa a mergulhar duas vezes no Challenger Deep.

O submarino será feito a pedido do magnata Larry Connor, de Ohio. O empresário de 74 anos é fundador do Connor Group, uma empresa do ramo financeiro que, segundo a Forbes, opera uma carteira de R$ 26 bilhões.

Fonte: CNN Brasil

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×