Governo do Estado do RS avalia tornar obrigatória presença em instituições de ensino - Portal Plural
Connect with us

Ensino

Governo do Estado do RS avalia tornar obrigatória presença em instituições de ensino

Publicado

em


15 topo humberto pluralNuverabanner plano0 goldAcademia PersonaFAST AÇAÍ

 

 

Medida valeria para escolas públicas e privadas de Ensinos Fundamental, Médio e Superior. Foi sugerida pelo sindicato das escolas privadas e está sendo avaliada pelo Gabinete de Crise do Piratini para evitar aumento da desigualdade

 

O governo Eduardo Leite avalia tornar obrigatória a presença de estudantes nas aulas de escolas públicas e privadas de ensinos fundamental, médio e superior do Rio Grande do Sul em 2021. O pedido foi levado pelo Sindicato do Ensino Privado (Sinepe) e é estudado pelo Gabinete de Crise do Palácio Piratini, grupo formado por representantes de várias secretarias.

Caso a medida seja aprovada, a presença será obrigatória, mas não diária, uma vez que o Estado manterá o ensino híbrido, modelo que ganhou força na pandemia para evitar aglomerações.

As turmas seriam divididas pela metade e cada grupo se revezaria em sala de aula a cada semana ou intervalo de dias definido pela escola. A lotação seria, portanto, de no máximo 50% da sala de aula, com distanciamento entre as cadeiras.

Quem ficar em casa nos dias de período remoto receberá atividades para realizar à distância, enquanto os colegas estão na escola. Em seguida, a turma inverte: quem estudava de casa irá para a escola e quem estava na aula presencial fica no remoto.

A presença seria exigida para todos, exceto estudantes e professores que fazem parte dos grupos de risco para a covid-19. No ano passado, pais podiam optar, mesmo com filhos saudáveis, se levariam eles à escola ou se os manteriam no ensino 100% remoto.

Na rede estadual, as aulas em formato presencial voltam, em formado híbrido, em 8 de março para estudantes do 1º ao 5º ano, 11 de março para 6º ao 9º ano e em 15 de março para Ensino Médio e Técnico.

Os protocolos sanitários atuais serão mantidos, como distanciamento de 1,5 metro entre as mesas, lotação das salas de aula de até metade da turma, aferição da temperatura na entrada e oferta de álcool gel. As normas são balizadas pelos conselhos Nacional e Estadual de Educação, entidades independentes que norteiam governos na adoção de políticas públicas.

A decisão não caberá à Secretaria Estadual de Educação (Seduc), mas ao Gabinete de Crise, composto por membros de várias pastas.

Em entrevista a GZH na manhã desta terça-feira (2), o secretário de Educação do Rio Grande do Sul, Faisal Karam, afirma que a presença dos estudantes neste ano é fundamental para recuperar o conteúdo não aprendido em 2020. Ele ressaltou que o Brasil é o país onde as aulas presenciais foram suspensas por mais tempo e que o ensino 100% remoto, apesar de atenuar prejuízos, ainda assim traz problemas na aprendizagem.

Karam cita que, no Estado, cerca de 25% dos estudantes têm dificuldade no ensino a distância e que o governo está preocupado com uma possível geração perdida na educação por conta da pandemia, o que implicaria prejuízos para emprego, renda e desenvolvimento. Pesquisas indicam que o nível de estudo está diretamente relacionado com o salário de um cidadão.

Eu vejo como fundamental a presença do aluno e do professor, com exceção de quem tem comorbidades ou daquele aluno com alguma doença como asma, que ficará de forma remota e o professor terá que chegar de outras maneiras — afirma o secretário.

Aquele pai que entende que, na questão pedagógica, seu filho está sem dificuldade (no ensino remoto) tem seu argumento. Mas é uma realidade pequena dentro dos mais de 800 mil alunos da rede estadual. Os países não pararam com a educação. O único lugar do mundo onde a educação não é a prioridade é o Brasil. Se, no mundo inteiro, OMS (Organização Mundial de Saúde) e Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) dizem que é fundamental ter aulas… Não podemos perder dois anos de educação — acrescenta Karam.

A obrigatoriedade da presença no formato híbrido é discutida pelo Gabinete de Crise, que se reunirá na próxima quinta-feira (4) e deve abordar o tema. Para convencer pais a levar os filhos para a escola, o Piratini deve lançar uma campanha, ainda nesta semana, de convocação dos jovens ao ensino presencial.

O presidente do Sinepe, Bruno Eizerik, que levou ao governo a sugestão de implementar a obrigatoriedade da presença no ensino híbrido, afirma que as escolas já aprenderam a implementar os protocolos sanitários e que o ambiente é seguro.

A gente entende que aprendemos muito no ano passado. Estamos mais calejados. O prejuízo para as crianças, principalmente para os menores, é grande. A escola é um lugar de conviver. No ano passado, cerca de 75% das escolas voltaram às aulas presenciais. Mas quem vai determinar se deve ser obrigatório ou não é o Estado. O governo do Estado disse que levaria para o Gabinete de Crise analisar essa questão. A vacina está chegando aí. Professores e funcionários foram colocados no quarto grupo prioritário. E para a escola pública, também é importante que as crianças voltem às aulas — acrescenta Eizerik.

O Sinepe também pediu que o governo do Estado avalie a possibilidade de ampliar a limitação de alunos em sala de aula, hoje em no máximo 50% da turma. Segundo o presidente da entidade que representa escolas particulares, há instituições que, com salas espaçosas, poderiam receber mais estudantes e ainda assim manter o distanciamento.

Temos duas questões hoje: a exigência de distanciamento e de 50% de ocupação da turma. Mas às vezes temos uma sala de aula que pode comportar mais alunos. Por exemplo, uma turma pequena de 20 alunos que se pode colocar no máximo 10 estudantes, mas, pelo distanciamento, você poderia ter mais, porque a sala comporta — acrescentou o presidente da entidade.

O pedido, no entanto, não tem o apoio do secretário Faisal Karam, para quem os protocolos foram criados ao longo dos meses após intensas discussões com especialistas.

Já não é fácil trazer 50% dos estudantes para a aula presencial, em virtude do medo, imagina subir o teto para 75%. Talvez isso ocorra na escola privada. Mas a educação é um direito de todos, então temos que tratar com igualdade. O professor que está ali não tem o direito de optar se estará dentro da sala ou não. Se ele não estiver, como é privado, se faz a substituição. Temos que voltar, sim, e acredito que com limite de no máximo 50% (das salas) — afirma Karam.

Hoje, a defesa da volta às aulas presenciais divide brasileiros. Ao mesmo tempo em que há a preocupação da retomada em meio ao aumento de casos e de mortes no Brasil, após um ano de aulas a distância já causam aumento da evasão escolar, o que implica, também, elevação da desigualdade social.

De um lado, médicos afirmam que os prejuízos de manter o ensino remoto são maiores do que os baixos riscos de infecção para crianças. Pais que trabalham afirmam que precisam deixar os filhos na escola para manter o emprego. Pesquisadores da educação argumentam que o momento do retorno deve ser decidido por médicos, mas que a reabertura das escolas deve ser a prioridade.

De outro lado, professores temem ser infectados por crianças, em geral assintomáticas, a ponto de se tornarem agentes de transmissão. Docentes apontam que as condições das escolas públicas impedem que os protocolos sanitários sejam seguidos na prática. Grupos de pais também receiam que crianças sejam contaminadas ou que levem a covid-19 para familiares que fazem parte do grupo de risco.

Hoje, a OMS, a Unesco e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) defendem que a volta às aulas seja a prioridade dos governos – ou seja, se for necessário suspender alguma atividade pela piora da pandemia, que a educação seja a última a fechar as portas.

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) lançou nota na última sexta-feira (29) na qual defende a volta às aulas e argumenta que o ensino remoto prejudica pobres e favorece a evasão escolar, o baixo aprendizado, a perda cognitiva e o abuso sexual. Ao mesmo tempo, solicita que governos melhorem a infraestrutura das escolas para assegurar que o retorno seja seguro. No documento, a entidade cita que crianças representam menos de 1% das mortes por covid-19 e entre 2% a 3% do total de internações.

A covid-19 costuma ser leve em crianças e jovens. A síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica (SIM-P), que afeta crianças semanas após a infecção, com sintomas ou não, é considerada rara. No Rio Grande do Sul, até o fim de janeiro, havia 25 casos e uma morte em meio a 47,9 mil infecções de crianças e adolescentes até 19 anos.

No Brasil, em meio à alta de casos, pelo menos 20 Estados planejam retomar as aulas em fevereiro e março. Goiás é o único que já voltou, em janeiro, com menos de 10% das escolas estaduais em formato híbrido.

Em São Paulo, a Justiça chegou a barrar a volta às aulas presenciais após uma ação do sindicato de professores estaduais, mas a decisão liminar (imediata e provisória) foi revertida em segunda instância. A retomada ocorreu nesta segunda-feira (1º) pelas escolas particulares, após 11 meses de suspensão. No dia 8, será a vez das estaduais e, no dia 15, das municipais.

No Rio de Janeiro, as aulas municipais devem retornar em fevereiro e as estaduais, em março. O Sindicato Estadual de Profissionais da Educação decidiu, no domingo (30), pela greve contra o retorno presencial.

Em Santa Catarina, um projeto de lei apresentado pela bancada do PT na Assembleia Legislativa pode, se aprovado, inviabilizar o retorno nos próximos meses. O documento pede que o retorno se dê somente após a vacinação contra a covid-19 de professores.

No Rio Grande do Sul, as aulas devem voltar em fevereiro nas escolas privadas e nas municipais de Porto Alegre, e em março nas instituições de ensino estaduais. As aulas em território gaúcho costumam, tradicionalmente, começar mais tarde do que no Sudeste.

Uma mudança no modelo de distanciamento controlado passou a permitir que as aulas presenciais funcionem até a bandeira vermelha – na cor preta, as atividades ficam suspensas.

 

 

FONTE: ClicRBS

Compartilhe
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ensino

Sancionada lei que dá prazo maior para pais e mães estudantes concluírem cursos superiores no Brasil

Publicado

em

portal plural ‘itália precisa de profissionais estrangeiros’, diz embaixador em roma sobre migração de brasileiros (1)
Foto: Divulgação
15 topo humberto pluralNuverabanner plano0 goldFAST AÇAÍAcademia Persona

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou um projeto de lei que estende os prazos para estudantes completarem cursos de graduação e programas de pós-graduação, como mestrado e doutorado, em casos de nascimento de filhos ou adoção legal de crianças.

De acordo com a nova lei, as instituições de ensino superior devem garantir a continuidade do atendimento educacional e ajustar os prazos administrativos, concedendo uma prorrogação de, no mínimo, 180 dias. Para situações de parentalidade atípica, a lei prevê uma extensão adicional do prazo. A medida beneficia tanto mães quanto pais.

“Chamamos esse projeto de Mães Cientistas porque sabemos que muitas mulheres, ao chegarem a uma determinada fase da vida, precisam decidir entre continuar suas pesquisas acadêmicas ou cuidar dos seus filhos. É uma vitória para a ciência brasileira, para a educação e para as mulheres brasileiras”, afirmou a deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ), autora do projeto na Câmara dos Deputados.

A lei, sancionada na quarta-feira (17), abrange a conclusão de disciplinas, trabalhos finais como monografias, teses e dissertações, além do adiamento das sessões de defesa e a entrega das versões finais dos trabalhos ou realização de publicações exigidas pelos regulamentos das instituições de ensino.

Fonte: Jornal o Sul

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

Campanha “Mochila cheia” ajuda crianças atingidas pela enchente do RS a retomarem as aulas

Publicado

em

portal plural campanha mochila cheia ajuda crianças atingidas pela enchente do rs a retomarem as aulas
Foto: Divulgação
15 topo humberto pluralFAST AÇAÍAcademia PersonaNuverabanner plano0 gold

A Campanha Mochila Cheia é uma iniciativa da Secretaria da Educação (Seduc) para doação de livros e materiais escolares a crianças e jovens da rede estadual de ensino afetados pela crise climática e ambiental. A ação tem o objetivo de arrecadar o maior número possível de itens escolares, com previsão de compor 100 mil kits completos e em boas condições de volta às aulas.

Entre os materiais sugeridos para doação, estão cadernos, conjuntos de lápis, apontadores, giz de cera, canetas, estojo, lapiseiras, apontadores, estojos, calculadoras réguas e squeezes. Também são aceitos livros de literatura infanto-juvenil.

Junto com a arrecadação, é realizada a seleção e a organização dos donativos de acordo com a idade e série escolar, de forma a entregar uma mochila com materiais escolares dentro. Os trabalhos são coordenados pela Direção-Geral da Seduc, após o levantamento das demandas emergenciais para minimizar os impactos das inundações e enchentes na rede escolar.

A Subsecretaria de Desenvolvimento da Educação da Seduc estima que será preciso recompor o acervo mínimo em 138 bibliotecas escolares destruídas pelas enchentes. Para isso, são necessários 48.662 títulos de literatura brasileira, incluindo autores gaúchos, e universal em bom estado, com a intenção de garantir aproximadamente cinco exemplares por aluno, totalizando 245.090 livros. A lista completa dos livros necessários está disponível abaixo.

No interior, as doações serão organizadas pelas Coordenadorias Regionais de Educação (CREs). Os interessados em participar da campanha Mochila Cheia devem entrar em contato com a CRE de cada região para obterem informação sobre os locais onde os itens estão sendo recebidos. Em Santa Rosa, a 17ª CRE fica na Av. Borges de Medeiros, 806

Lista de materiais para doar:

  • Mochilas
  • Cadernos
  • Calculadora
  • Canetas azul/preta e vermelha
  • Caixas de grafite
  • Lapiseiras
  • Réguas
  • Lápis de cor – Kit
  • Caneta hidrocor – Kit
  • Lápis preto
  • Apontadores
  • Estojos
  • Squeezes
  • Livros de literatura
Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

Unijuí celebra 32 anos do curso de Direito em Santa Rosa

Publicado

em

portal plural unijuí celebra 32 anos do curso de direito em santa rosa

FAST AÇAÍAcademia Personabanner plano0 goldNuvera15 topo humberto plural

O curso de Direito da Unijuí, que já formou mais de 1.270 bacharéis desde sua criação em 1992, está comemorando 32 anos de história em Santa Rosa. Para celebrar a data, a coordenadora do curso, professora Fernanda Serrer, anunciou um desconto de 40% na mensalidade durante toda a graduação para alunos novos e veteranos do campus Santa Rosa.

A promoção é válida para ingressantes via vestibular ou transferência e para os estudantes que já fazem parte do curso. “É uma homenagem à trajetória de 32 anos do curso em Santa Rosa”, afirmou a professora.

O curso de Direito da Unijuí iniciou suas atividades no Colégio Dom Bosco, primeira sede da universidade na cidade, e posteriormente foi transferido para o campus próprio, inaugurado em 2000.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×