Gordura localizada: Três dos piores alimentos para a barriga – Portal Plural
Connect with us

Saúde

Gordura localizada: Três dos piores alimentos para a barriga

Reporter Global

Publicado

em



 

 

Existem alguns alimentos que parecem causar um aumento de peso quase instantâneo. Sim, falamos sobre a temida gordura da barriga.

 

Segundo a Eat This, Not That!, esse tipo de aumento de peso é conhecido como ‘tecido adiposo profundo’ e pode até levar a alguns problemas mais sérios, como doenças cardíacas, diabetes e Alzheimer.

Então, quais os alimentos culpados pela ‘barriga instantânea’?

Pão branco: O pão branco é altamente refinado e deve ser evitado para perder gordura da barriga. Estudos mostraram que comer as versões integrais pode, na verdade, diminuir os depósitos de gordura visceral da sua barriga.

Chocolate: Nem todo chocolate é mau. Na verdade, o chocolate amargo traz benefícios para a saúde. O problema é o chocolate ao leite – as tabletes de chocolate ao leite são carregadas de açúcar e calorias.

Cereal: Os cereais açucarados e coloridos levam ao excesso de gordura da barriga. Muitos cereais são ricos em açúcar, mas pobres em fibras e proteínas, então, em breve, sentirá fome novamente.

 

FONTE: Noticias ao Minuto

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

RS recebe 441,5 mil doses de vacinas contra Covid nesta sexta, diz secretaria da Saúde

Reporter Regional

Publicado

em



O Rio Grande do Sul deve receber um novo lote com 441.550 doses de vacinas contra a Covid-19, nesta sexta-feira (16), às 6h, segundo a Secretaria Estadual da Saúde. As vacinas serão enviadas pelo Ministérios da Saúde.

A maior parte desta nova remessa será de vacinas da AstraZeneca/Oxford, produzidas pela Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz) do Rio de Janeiro, sendo:

  • 173.800 da Coronavac
  • 267.750 da AstraZeneca

Na semana passada, o Rio Grande do Sul recebeu 301,5 mil doses. Parte da carga está sendo usada na demanda de segundas doses, e outra parte na ampliação das faixas etárias e grupos que recebem a primeira dose.

Já foram vacinadas 1.885.676 pessoas, o equivalente a 16,38% da população gaúcha. Dessas, 460.380 já tomaram a segunda dose, cerca de 3,78% da população.

O Rio Grande do Sul, entretanto, tem 123,5 mil pessoas aptas a receber a segunda dose da vacina contra a Covid-19 que ainda não compareceram aos pontos de vacinação.

Fonte: G1.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Saúde

Crianças da Geração Covid sofrem em pandemia de sedentarismo

Reporter Regional

Publicado

em



No momento mais crítico da pandemia, período durante o qual estamos novamente sofrendo toda a restrição de contato social e enorme limitação de movimentação, atitudes absolutamente necessárias dada a gravidade da situação, um novo problema aparece para ser enfrentado.

Não há como negar que as crianças têm sido muito prejudicadas com o problema. Além da falta do contato social, principalmente em consequência da restrição das aulas presenciais nas escolas, a tecnologia das aulas remotas inevitavelmente estimula o uso dos computadores durante um período de tempo ainda maior do que o de antes.

A consequência é que, além de termos a criança presa a uma tela – o que sabemos ser necessário, porém pouco saudável -, estamos acabando por estimular um vínculo ainda maior com este grande adversário da vida ativa, um verdadeiro sedutor para prender as crianças sentadas na frente da sua tela. É claro que a restrição de sair e ter contato com outras crianças estimula também o uso de outras tecnologias digitais como vídeo games e jogos de interação pela internet.

Acabamos de criar um grande adversário para ser enfrentado quando pensamos em saúde, crescimento e desenvolvimento das crianças. E fica muito difícil enfrentar este adversário diante da limitação de opções que as crianças estão sofrendo.

Felizmente temos atualmente a grande esperança de que o ritmo de imunização, com a aplicação das vacinas, possa o mais rápido possível trazer uma normalização dessa situação e possamos estimular as crianças a voltar a ter uma vida mais ativa. Esperamos que esse período não deixe uma sequela muito grande pelo estímulo desses hábitos menos saudáveis.

Cabe aos pais e educadores a tarefa de lutar contra isso, para que o coronavírus não deixe como legado uma pandemia de sedentarismo, que teria resultados deploráveis para esta geração.

Fonte: G1.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Saúde

Confirmação da presença de vírus causador da febre amarela em áreas silvestres reforça importância da vacina contra a doença

Reporter Regional

Publicado

em



A circulação do vírus causador da febre amarela, doença transmitida por mosquitos Haemagogus, que habitam áreas silvestres, foi confirmada em amostras de um macaco bugio, encontrado morto em um bairro rural do extremo sul de Porto Alegre.

Em razão desta constatação e de outros casos suspeitos e confirmados em diferentes municípios gaúchos, a Secretaria da Saúde (SES) recomenda a vacinação contra a febre amarela na população gaúcha desde os nove meses até 59 anos.

Em fevereiro de 2021, o Estado divulgou, em nota informativa publicada pelo Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), o óbito de bugios na área de floresta da região serrana, divisa com Santa Catarina, e outros casos de primatas contaminados na Serra e no norte. Os bugios (e os macacos-prego, no caso do RS) são considerados sentinelas da febre amarela e não representam riscos à população. Esses animais servem como indicadores da presença do vírus no ambiente silvestre e adoecem depois que são picados pelo mosquito transmissor. Humanos não vacinados são contaminados somente ao serem picados por mosquitos infectados.

Em áreas silvestres, o transmissor é o mosquito Haemagogus e, em áreas urbanas, o vírus é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. A febre amarela urbana não é registrada no Brasil desde 1942.

Vacinação

A imunização deve ser realizada pelas secretarias municipais de saúde. Pessoas que não têm comprovação vacinal deverão ser considerados não vacinados e devem se dirigir às Unidades Básicas de Saúde.

Crianças devem tomar a primeira dose aos nove meses e um reforço aos quatro anos. A partir dos cinco anos, não vacinados recebem dose única. A recomendação de vacinação em dose única, de acordo com o calendário do Programa Nacional de Imunizações, vai dos cinco aos 59 anos.

A vacinação de pessoas com mais de 60 anos de idade, gestantes e mulheres que estejam amamentando crianças menores de seis meses deve ocorrer em situações especiais (como emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem para área de risco, mediante a avaliação de risco/benefício, feita por um médico). Em mulheres que estejam amamentando, pode-se considerar a suspensão do aleitamento materno por 10 dias. Pessoas portadoras de comorbidades devem receber avaliação de risco/benefício prévia à vacinação.

A SES também alerta que, em ambientes silvestres, a população deve sempre usar repelentes, observando as recomendações de cada fabricante em relação ao prazo de ação efetiva de cada produto.

Texto: Ascom SES
Edição: Secom

Fonte: Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


error: Conteúdo protegido, para ter acesso seja nosso parceiro entre em contato no whats (55) 984161736
×