GIGANTE DE KANDAHAR: A FERA SUPOSTAMENTE MORTA POR SOLDADOS DOS EUA - Portal Plural
Connect with us

Internacional

GIGANTE DE KANDAHAR: A FERA SUPOSTAMENTE MORTA POR SOLDADOS DOS EUA

Publicado

em


banner plano0 gold15 topo humberto pluralAcademia PersonaFAST AÇAÍNuvera

Segundo relatos de um militar identificado como Sr. K., uma fera de quase 4,5 metros de altura foi assassinada por forças americanas em 2022, durante a execução da missão Operação Liberdade Duradoura, no Afeganistão.

O monstro, chamado de Gigante de Kandahar, teria sido um dos alvos inimigos revelados pelo Talibã e supostamente se responsabilizou por iniciar uma chacina na região, assassinando brutalmente um soldado e sustentando um tiroteio que durou mais de 30 segundos.

Com pelos ruivos, seis dedos nas mãos e nos pés, além de dois pares de dentes afiados, o gigante foi antagonista de uma antiga lenda contada no início do século XXI, quando membros do Exército dos Estados Unidos desapareceram em uma remota região montanhosa em Kandahar. Os soldados, enviados para investigar operações secretas realizadas no Afeganistão, tiveram seus itens e equipamentos especiais encontrados posteriormente em uma caverna, mas nunca houve relatos de seus reais paradeiros.

Foi então que, apenas com o vazamento da história, grupos locais do distrito espalharam rumores sobre um monstro comedor de pessoas, conhecido por deixar restos de cadáveres apodrecidos em ninhos. A história ganhou força quando membros das Forças Armadas confirmaram o abate da criatura e anunciaram que ela havia causado uma morte por empalamento.

De acordo com relatos, o confronto com o gigante durou quase um minuto, sendo caracterizado por um tiroteio de “esponja de balas” com 30 segundos de fogo contínuo.

“Entre eles, o esquadrão estava armado com carabinas M4 totalmente automáticas, ‘carabinas de reconhecimento’ (semiautomáticas) e rifles antimaterial M107 Barrett disparando munição 50 BMG”, segundo um relatório. “Tanto poder de fogo concentrado em um alvo por 1 segundo, quanto mais 30, seria extremamente destrutivo”, conforme o relatório. O gigante foi transportado em um helicóptero Chinook e, após ser levado para um avião, nunca mais foi visto.

Teorias da conspiração

Em agosto de 2016, o Departamento de Defesa norte-americano confirmou não haver “registros ou informações sobre um membro das forças especiais morto por um gigante em Kandahar” e completou anunciando que os documentos locais não relatam qualquer tipo de conflito contra uma criatura bestial. Com a lenda afegã apagada totalmente dos anais do Exército, teorias indicaram uma intenção de “esconder a verdade” da população, motivada por um “interesse investido” de evitar que profecias sejam expostas.

O fato foi comentado pelo investigador sobrenatural L.A. Marzulli, que gravou um vídeo sobre a narrativa bíblica do Nephilim, pessoa mencionada em Gênesis e Números que se dizia ter “tamanho e força incomumente grandes” e vivia em regiões remotas do Oriente Médio tanto antes quanto depois do Dilúvio, conto da Arca de Noé.

“As pessoas têm o direito de saber essas coisas. Se houver pessoas de 4,5 a 5,5 metros vagando pela Terra, e os nossos militares os derrubaram, temos o direito, como cidadãos americanos, de saber disso”, ele falou. “Quero dizer, isso não é assunto militar confidencial. Isso é algo que precisamos saber e aponta de volta para a narrativa profética bíblica.”

Desde então, as autoridades norte-americanas seguem abafando o caso que, mesmo sendo considerado um “segredo aberto”, contraria inúmeras evidências sobre um suposto avistamento épico.

Fonte:TecMundo

Compartilhe
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Internacional

Biden admite desistir da candidatura em caso de problema médico; presidente dos EUA testa positivo para covid-19

Publicado

em

portal plural biden admite desistir da candidatura caso tenha algum problema médico; presidente dos eua testou positivo para covid 19
Foto: Kent Nishimura / AFP
FAST AÇAÍNuvera15 topo humberto pluralAcademia Personabanner plano0 gold

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, mencionou que poderia reavaliar sua candidatura à Casa Branca se “alguma condição médica emergir, médicos dizendo que você tem este e aquele problema” de saúde, sem fornecer mais detalhes, durante uma entrevista exclusiva ao canal BET News. Ele complementou a declaração dizendo: “Cometi um grave erro em todo o debate (com Donald Trump)”. Poucas horas depois, Biden testou positivo para covid-19 em Las Vegas, onde estava cumprindo uma agenda eleitoral. “Estou me sentindo bem”, disse Biden, de 81 anos, aos jornalistas enquanto embarcava no Air Force One para retornar a sua residência em Delaware, onde deve continuar com suas responsabilidades em isolamento, de acordo com a Casa Branca.

Biden também afirmou na entrevista que os eleitores afro-americanos podem ser motivados a votar nele porque sabem “onde está meu coração, onde está minha mente”. Ele destacou que sua administração tem demonstrado apoio aos jovens e trabalhadores por meio de ações como a criação de empregos e o cancelamento de dívidas de estudantes universitários. Biden minimizou as pesquisas que indicam que ele está atrás do candidato republicano Donald Trump, afirmando que ainda é cedo para avaliar as reais intenções de voto dos cidadãos.

— Eleitores jovens nunca têm foco em eleições presidenciais antes do Dia do Trabalho. A ideia de que eleitores jovens têm foco nas eleições agora não está lá. Dos sete, oito últimos presidentes que venceram, cinco estavam perdendo nesta época, por margem significativa. Estamos apenas agora na hora do jogo.

Biden também ressaltou a importância de ser reeleito para impedir que Donald Trump, com o “projeto 2025”, provoque um retrocesso nos benefícios que sua administração gerou, como a redução de custos de medicamentos para os segmentos de menor renda da população. Ele também destacou os investimentos de seu governo em educação, incluindo a proposta de tornar gratuito o ensino em faculdades comunitárias em todo o país.

A entrevista, realizada na noite de quarta-feira, dia 17, ocorreu em um contexto de esforço de Biden para melhorar sua popularidade após uma participação questionável no primeiro debate da campanha contra Trump, ocorrido quase um mês antes, quando o presidente demonstrou dificuldades para se expressar e parecia confuso e cansado em alguns momentos. Vários deputados e um senador do seu partido já pediram publicamente que Biden deixe a disputa e permita que um novo candidato democrata enfrente Trump em novembro. Desde o debate com o republicano, Biden concedeu entrevistas às redes ABC e NBC e realizou uma coletiva de imprensa na semana passada.

Diagnóstico de covid-19

O anúncio de seu diagnóstico encerrou imediatamente a agenda de Biden em Las Vegas. O presidente havia retornado de forma enérgica aos atos políticos após a tentativa de assassinato contra seu rival, Donald Trump, e em meio a intensas pressões para desistir da candidatura devido à sua idade avançada.

Quase dois terços de seu próprio partido querem que Biden se afaste, de acordo com uma pesquisa recente da Associated Press e do Centro de Pesquisa NORC.

Estado de saúde

— Biden está vacinado, tomou doses de reforço, e apresenta sintomas leves — disse sua porta-voz, Karine Jean-Pierre, oficializando o diagnóstico.

O presidente apresentou na tarde de quarta-feira “sintomas respiratórios superiores, incluindo rinorreia (secreção nasal) e tosse não produtiva, com mal-estar geral”, detalhou o boletim médico incluído no comunicado.

A notícia foi divulgada minutos depois de Janet Murguía, presidente da UnidosUS, anunciar que o presidente cancelava sua participação no evento anual da maior organização nacional de direitos civis dos latinos, um grupo demográfico importante em sua campanha pela Casa Branca.

Fonte: GZH

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Internacional

Primeira pesquisa ipsos após atentado contra Trump indica empate com Biden dentro da margem de erro

Publicado

em

portal plural primeira pesquisa ipsos após atentado contra trump indica empate com biden dentro da margem de erro
Foto: Divulgação
15 topo humberto pluralFAST AÇAÍAcademia PersonaNuverabanner plano0 gold

Na pesquisa presidencial da Ipsos/Reuters divulgada nesta terça-feira (16), o ex-presidente Donald Trump e o presidente Joe Biden aparecem empatados dentro da margem de erro. Trump registra 43%, enquanto Biden alcança 41%. O levantamento da Ipsos entrevistou 1.202 adultos, incluindo 992 eleitores registrados, entre os dias 14 e 16 de julho, com margem de erro de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Este foi o primeiro levantamento do instituto após o atentado contra Trump. A pesquisa anterior, realizada entre os dias 1º e 2 de julho, indicava ambos os candidatos com 40% das intenções de voto cada. Trump teve um aumento de dois pontos percentuais, dentro da margem de erro, enquanto Biden subiu um ponto percentual.

De acordo com a agência Reuters, os números sugerem que o atentado contra o ex-presidente não causou uma grande mudança no sentimento do eleitorado. No sistema eleitoral americano, ao contrário do brasileiro, os votos são apurados por estado e o vencedor de cada estado leva todos os delegados para um colégio eleitoral.

A pesquisa também revelou que quatro em cada cinco norte-americanos estão preocupados com a possibilidade de atos de violência após a eleição:

  • 84% dos eleitores expressaram preocupação com atos de violência pós-eleição;
  • 5% consideram aceitável o uso de violência para alcançar objetivos políticos;
  • 65% dos republicanos registrados acreditam que Trump é favorecido pelo poder divino, comparado a 11% entre os democratas.

Outros dois levantamentos realizados após o atentado também mostram uma leve vantagem para Trump. Na pesquisa da Morning Consult, o republicano tem 46% contra 45% de Biden. Já na pesquisa da 3W Insights, encomendada pelo Partido Democrata, Trump lidera com 47% contra 43% de Biden.

Uma média das pesquisas mais recentes feita pelo jornal “The New York Times” indica que Trump está com 47% contra 45% de Biden.

Fonte: G1

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Internacional

Trump é oficializado como candidato à presidência pelo Partido Republicano

Publicado

em

portal plural trump é oficializado como candidato à presidência pelo partido republicano

NuveraFAST AÇAÍbanner plano0 gold15 topo humberto pluralAcademia Persona

O Partido Republicano confirmou formalmente, na segunda-feira, 15, Donald Trump como seu indicado para enfrentar o democrata Joe Biden nas eleições presidenciais de novembro. O ex-presidente obteve os votos da maioria dos delegados na convenção nacional do partido, depois que seu filho Eric Trump, representando o estado da Flórida, deu o voto decisivo que ultrapassou a barreira mínima, provocando uma ovação dos presentes.

Trump tem sua candidatura formalizada dois dias depois de sofrer um atentato a tiros. Mais cedo, o partido oficializou o senador J.D. Vance como vice da chapa.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×