Gestão da Propriedade é tema de Dia de Campo em Porto Lucena – Portal Plural
Connect with us

Agro

Gestão da Propriedade é tema de Dia de Campo em Porto Lucena

Publicado

em



 

A gestão da propriedade em suas esferas econômica, social e ambiental foi tema de dia de campo realizado em Porto Lucena na quarta-feira (14/08). O público foi recepcionado na propriedade de Paulo e Marlene Fritzen, na localidade de Lajeado Bonito, onde foram discutidos os resultados do Programa de Gestão Sustentável da Agricultura Familiar, coordenado pela Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) e executado pela Emater/RS-Ascar.

Desenvolvido desde 2016, o Programa de Gestão Sustentável trabalha para o êxito de uma propriedade, a gestão, e favorece a inclusão social e produtiva das famílias rurais, a partir da implantação de um sistema de gestão que monitora e avalia todas as atividades desenvolvidas na propriedade, buscando a qualificação dos processos produtivos. A implementação do programa consiste nas etapas de elaboração de diagnóstico detalhado da unidade de produção e, após análise dos dados, a realização de planejamento das ações para os anos subsequentes.

Na propriedade dos Fritzen foram planejadas e desenvolvidas, através do programa, atividades nas áreas ambiental, social, de cultivos anuais, produção animal, infraestrutura de produção, além de participação em cursos e capacitações. Nas estações do dia de campo discutiu-se a finalidade da gestão da propriedade, segurança e soberania alimentar, bovinocultura de leite, conservação do solo e da água e saneamento básico e sua relação com a saúde e o meio ambiente.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agro

Vigilância ambiental monitora febre amarela com ajuda de moradores da área rural e de aplicativo

Publicado

em

O objetivo do trabalho de campo é formar uma rede de monitoramento da circulação do vírus - Foto: Divulgação SES

A partir de visitas em residências localizadas em áreas rurais de municípios da região Sudeste do Rio Grande do Sul, considerada prioritária para o enfrentamento à febre amarela, biólogos e veterinários estão empenhados em formar uma rede sentinela com os moradores para monitoramento da morte de macacos bugios, principalmente nos municípios com menores coberturas vacinais contra a doença.

O plano de ação está sendo colocado em prática pelas equipes da Vigilância Ambiental do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs). As atividades começaram pelo município de Amaral Ferrador, que apresenta apenas 17,54% de cobertura vacinal em uma população estimada em 7.085 habitantes.

“Nesta semana estamos fazendo trabalho de campo em Camaquã e na passada a nossa equipe esteve nas cidades de Chuvisca e Cristal, mas começamos por Amaral Ferrador, onde estivemos de 12 a 16 de julho e já temos um relatório consolidado”, informou o biólogo Edmilson dos Santos, do Cevs.

As ações são intensificadas nas áreas apontadas no plano e também pelos boletins epidemiológicos que registram a presença de óbitos em primatas não humanos. O Rio Grande do Sul apresenta 31 municípios considerados como áreas afetadas pela circulação do vírus. Também estão na mira da vigilância ambiental 91 municípios de uma área ampliada e limítrofe.

Os óbitos desses animais podem estar relacionados com a infecção do vírus da doença. Depois de picados por mosquitos silvestres contaminados, os primatas passam a ser sinalizadores da circulação do vírus. A população, quando não imunizada, corre o risco de contaminação pelos mesmos mosquitos transmissores.

• Clique aqui no Informativo Epidemiológico e acesse os mapas com as áreas afetadas e ampliadas limítrofes de febre amarela.

• Acesse aqui o Plano de Ação com a lista de municípios que apresentam baixas coberturas vacinais na região Sudeste.

“A participação da comunidade é muito importante para relatar a ocorrência de animais mortos ou doentes no município, para que possamos detectar precocemente a circulação do vírus causador da febre amarela. Busca-se, também, alertar sobre a necessidade de a população estar vacinada contra esta doença”, destaca Santos.

O biólogo conta que nas 115 propriedades visitadas em Amaral Ferrador, 105 moradores relataram que ouviram sons ou viram bugios próximos de suas moradias. No dia 15 deste mês, foi relatado por uma moradora da localidade de Morro Agudo, em Amaral Ferrador, a morte de um bugio em sua propriedade. “Nossa equipe coletou amostras desse animal para serem encaminhadas para testes de diagnóstico na Fiocruz [Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro]”, disse Santos. O resultado poderá ser registrado nos próximos boletins, como confirmado ou descartado para presença do vírus.

Além das visitas domiciliares, as equipes realizam palestras nos municípios afetados com a participação de profissionais das áreas de assistência e de outras instituições da região, orientando sobre o papel da rede local de saúde como porta de entrada na notificação da morte dos primatas.

Aplicativos

Um aplicativo de celular foi desenvolvido por profissionais do Cevs para ser usado pela equipe da vigilância na realização dessas entrevistas em trabalho de campo. Ele marca a posição geográfica e armazena os dados do entrevistado, além da quantidade de pessoas vacinadas na residência contra a febre amarela. O aplicativo também registra a presença de bugios na propriedade ou nas cercanias e é de uso exclusivo para as equipes do Cevs em atividades de campo.

Outra ferramenta utilizada é a plataforma SISS-Geo, aplicativo que monitora a fauna silvestre. Desenvolvido pela Fiocruz, é livre e gratuito. O Ministério da Saúde adotou-o para registrar as epizootias (vários casos de óbitos de animais em uma mesma região). Os registros sobre animais mortos são recebidos automaticamente no e-mail da equipe de referência no Rio Grande do Sul.

Vacinação

A vacina contra a febre amarela é recomendada para todas as pessoas com até 59 anos, e as doses estão disponíveis nas unidades de saúde dos municípios. Pessoas acima de 60 anos devem passar por avaliação médica antes de se vacinar.

Durante as palestras nos municípios, os técnicos das equipes de referência, formadas por biólogos e veterinários, destacam a importância da imunização. Recomendam às secretarias municipais de Saúde que sejam realizadas campanhas locais, com divulgação sobre a disponibilidade da vacina nas unidades de saúde e com atividades de busca ativa, incluindo, se possível, até vacinação de casa em casa.

A doença

A febre amarela é uma doença febril aguda, causada por um arbovírus (vírus transmitido por mosquitos). Os primeiros sintomas são febre, calafrios, cefaleia (dor de cabeça), lombalgia (dor nas costas), mialgias (dores musculares) generalizadas, prostração, náuseas e vômitos. Após esse período inicial, geralmente ocorre declínio da temperatura e diminuição dos sintomas, provocando uma sensação de melhora no paciente. Em poucas horas – no máximo um ou dois dias – reaparece a febre, a diarreia e os vômitos.

Os casos de febre amarela no Brasil são classificados como silvestres ou urbanos, sendo que o vírus transmitido é o mesmo. A diferença entre elas é o mosquito vetor envolvido na transmissão.

Na urbana, o vírus é transmitido aos humanos pelos mosquitos Aedes aegypti, mas esta não é registrada no Brasil desde 1942.

Na silvestre, os mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes transmitem o vírus, e os macacos são os principais hospedeiros. Nessa situação, os casos humanos ocorrem quando uma pessoa não vacinada entra em uma área silvestre e é picada por mosquito contaminado.

Desde 1999, realiza-se a vigilância de mortes de macacos, com o objetivo de verificar e antecipar a ocorrência da doença, pois a mortalidade destes animais pode indicar a presença do vírus em uma determinada região. Dessa forma, é possível fazer a intervenção oportuna para evitar casos humanos, por meio da vacinação das pessoas, e também evitar a urbanização da doença, por meio do controle dos mosquitos transmissores nas cidades.

A vacina contra a febre amarela é ofertada no Calendário Nacional do Sistema Único de Saúde (SUS) e é enviada, mensalmente, para todo o país.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Agro

Otimização de culturas de inverno mostra potencial para ajudar produtores de aves e suínos de todo o Brasil

Alternativa para ração já é utilizada no Rio Grande do Sul e despertou o interesse de agroindústrias, cooperativas e frigoríficos brasileiros

Publicado

em

(Fotos: Divulgação e Reprodução)

A forte geada em regiões produtoras do país e as perspectivas de novas quebras na safra de milho — que podem chegar a 50% no Paraná, segundo produtores — reforçam a necessidade de encontrar alternativas para abastecer a indústria de proteína animal em curto, médio e longo prazo. Ainda no verão passado, a ideia de incentivar culturas de inverno surgiu com forte potencial para ajudar a indústria de aves e suínos a atender a demanda externa crescente por carne brasileira — um caminho sem volta.

Em encontro promovido pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), lideranças do movimento pela otimização das culturas de inverno apresentaram o projeto — que começou com foco no Rio Grande do Sul e Santa Catarina — a diretores e presidentes de indústrias, cooperativas e frigoríficos de todo o país. O impacto positivo garantiu adesão à compra futura de grãos de inverno para ração de aves e suínos. Atender o mercado interno de proteína animal possibilita a realização do sonho da cadeia produtiva nacional: agregar valor ao produto. Assim, o Brasil exportou US$ 14 bilhões em carnes de frangos e suínos no ano passado. Se tivesse exportado apenas os grãos utilizados na ração, seriam US$ 3 bi.

Produção
A reunião virtual foi mediada pela jornalista Gisele Loeblein, que lembrou, inicialmente, que a valorização do grão brasileiro fez o preço do produto final disparar nas gôndolas. O presidente da ABPA, Ricardo Santin, abriu a discussão falando da busca por estabilidade. “Há coalizão entre todos os entes do movimento — produção e indústria. Isso permite que exista efetividade. Precisamos construir essas parcerias para que o nosso negócio tenha futuro rentável para todos,” destacou Santin.

Ricardo Santin

O presidente do Conselho Consultivo da ABPA, ex-ministro da Agricultura Francisco Turra, destacou o valor histórico do encontro. Ele, que faz parte do movimento de otimização de culturas, lembrou que a ideia inicial era buscar alternativas que não se restringiram aos cereais de inverno. “Descobrimos outros campos de atuação. Nosso objetivo aumentou e hoje buscamos consolidar duas safras no Rio Grande do Sul. Por 14 anos, abrimos mercados mundo afora, e, agora, não podemos dizer que estão faltando insumos para reduzir a produção,” alertou Turra, que tem como meta alcançar os 5 milhões de hectares plantados com culturas de inverno no Estado. O avanço começa a ganhar força. Neste inverno, foi registrado um aumento de 500 mil hectares de área plantada, chegando a 1,4 milhão de hectares.

Francisco Turra

O presidente da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul, outra entidade central do projeto, lembrou da responsabilidade dos produtores rurais em atender a demanda de um Estado que produz aves e suínos. Gedeão Pereira destacou que o Rio Grande do Sul tem, hoje, 1,09 safra consolidada, enquanto observa-se até 3 safras em outros Estados do país. “Como suprir 0,91 safra que falta para chegarmos ao menos 2 safras? Buscamos saídas de curto, médio e longo prazo. Aumentamos a área plantada com cereais de inverno. Trouxemos o arroz como solução imediata. Além disso, estamos treinando mais de 100 técnicos do Senar. Quem garante agora é o mercado,” comemora.

O chefe geral da Embrapa Trigo, Jorge Lemainski, frisou que o país tem 4 milhões de hectares plantados de cereais de inverno. “Trigo, cevada e triticale, especialmente, têm inovação tecnológica capaz de gerar produtos ultra precoces, sendo aptos a atender moinhos e a indústria da proteína animal — com equivalência nutricional de até 100% em alguns casos, a partir de nosso trabalho conjunto com a Embrapa Suínos e Aves, na composição da ração de frangos e suínos, formação de silagem e pasto,” afirmou.

Mercado
O diretor-executivo de Suprimentos da Seara, Arene Trevisan, trouxe a visão do mercado. “Temos uma oportunidade incrível nas mãos. Mas a cadeia toda precisa evoluir em conjunto, pois o consumidor manda no mercado hoje. A cultura de inverno que está sendo plantada no RS neste momento é muito importante. E as empresas precisam estar junto ao produtor, realizando compras futuras e estando presente o tempo todo. Usamos e usaremos todos os cereais de inverno e estamos dispostos a fazer negócio,” destacou.

Dilvo Grolli, diretor-presidente da Coopavel, cooperativa do oeste paranaense, destacou a importância do trigo para o Estado. “Podemos dobrar a produção em quilos de trigo por hectare que é produzida na Argentina. Temos seguro e não temos medo do clima. Estamos garantindo custos para os produtores e damos dupla finalidade ao trigo. Precisamos sair da monocultura do milho para ração. Este ano vamos crescer 15% no plantio de trigo no Estado. É preciso falar com os produtores sobre isso. É segurança alimentar,” pontou Grolli.

Participações
A reunião contou ainda com as participações de outras apoiadoras do movimento: Federação das Cooperativas Agropecuárias do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS), Associação das Empresas Cerealistas do Rio Grande do Sul (ACERGS), Embrapa Suínos e Aves, Yara Brasil, Associação Gaúcha de Avicultura (ASGAV), Associação Catarinense de Avicultura (ACAV), Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos do RS (SIPS) e Fundo de Defesa Sanitária do Estado do RS (Fundesa).

Além disso, estiveram presentes dirigentes da Associação Mato-grossense de Avicultura (AMAV), Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar), Associação de Avicultura do Espírito Santo (AVES), Associação Goiana de Avicultura (AGA), Associação Cearense de Avicultura (ACEAV) e Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados em Santa Catarina (Sindicarne).

 

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Agro

A aplicação de probióticos nos incubatórios prepara o sistema imunológico de aves para desafios sanitários na granja

Em webinar, especialista da Biomin destaca a importância e os benefícios do uso precoce de probióticos multiespécies para melhorar o desempenho e o controle de doenças na avicultura.

Publicado

em

Foto: Wenderson Araújo, CNA Brasil

Texto Comunicação Corporativa
Fabio S. Lu Huaqiang (11) 95913-2091

“Os primeiros dias de vida dos pintos de corte representam uma verdadeira corrida contra o tempo para a formação de uma microbiota benéfica. Existe uma rápida modificação das bactérias nos primeiros 7 dias após a eclosão quando a colonização se inicia. Do 14º até o 21º dia a população bacteriana é estabelecida”. A explicação é do gerente de produtos da Biomin, Luis Valenzuela, durante o webinar “Estudos de casos práticos de sucesso sobre aplicação probiótica na incubação“, realizado pela Biomin, empresa do grupo DSM.

Valenzuela explica que o período inicial é decisivo para as aves e representa de 16 a 20% do seu ciclo de vida. Logo após a eclosão, no primeiro dia, as aves sofrem influência interna e externa. Nesse momento, a higiene extrema pode afetar negativamente o seu microbioma e a resposta imune.  Outro fator estressante é a significante queda da temperatura corporal após a vacinação.  “O uso de medicamentos ou antibióticos promotores de crescimento também não são recomendados nesse período pois podem atrapalhar o desenvolvimento da microbiota benéfica da ave“, informa Luiz Valenzuela.

Em um estudo realizado na Wageningen University (Holanda), o pesquisador Dirkjan Schokker concluiu que o uso de antimicrobianos em pintinhos de um dia afeta negativamente o desenvolvimento da imunidade intestinal. Isso ocorre devido à perturbação no equilíbrio da microbiota ao impedir a colonização de bactérias benéficas que estimulam a resposta imune.

O especialista explica que o uso de antimicrobianos é comum nos primeiros dias, quando os animais estão sob estresse, devido a fatores externos como a aplicação de vacinas e o transporte da incubadora para a granja. Nesse período os riscos para a saúde das aves são elevados. Porém, existem avicultores que lançam mão de rações com antibióticos promotores de crescimento que, em tese, deveriam diminuir a ocorrência de doenças oportunistas e melhorar a resposta imune. “Como o estudo comprovou o efeito é negativo, logo é preciso pensar em formas naturais de fortalecer as defesas das aves”.

O uso de probióticos multiespécies é uma solução natural promovendo a maturação do sistema imune das aves. Um estudo da Universidade da Geórgia (EUA) mostrou que a forma como a solução probiótica é aplicada também interfere na sua absorção. “A apresentação em gel se mostrou 30% mais eficiente na aplicação. Entre os benefícios do uso de probióticos ainda no incubatório está a hidratação (importante fator durante o transporte das aves), menor risco de disbioses e redução da mortalidade na primeira semana, melhor ação de vacinas, maior ganho de peso e uniformidade do lote“, afirma Luiz Valenzuela.

A ação precoce dessas bactérias benéficas começa pela colonização de vilosidades intestinais, antes mesmo que as aves cheguem aos galpões. “E por que isso é importante? Na granja, as aves terão de lidar com patógenos desafiadores, como Salmonella spp. e E. coli., então, quanto antes forem colonizadas por bactérias que excluam competitivamente as bactérias patogênicas menores são os riscos de contaminação. Os probióticos multiespécies também auxiliam na acidificação do muco onde estão, com a produção de ácido lático que é extremamente benéfico até os 21 dias de vida. A produção de outros metabólitos também é favorecida, como o acetato, o propionato e o butirato. Este último é responsável por inibir a translocação de Salmonella spp dos cecos até o intestino delgado“, complementa Luis Valenzuela.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PLURAL AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Powered by WhatsApp Chat

×