Financiamentos imobiliários poderão ser indexados à inflação – Portal Plural
Connect with us

Economia

Financiamentos imobiliários poderão ser indexados à inflação

Pável Bauken

Publicado

em



 

Os bancos poderão oferecer crédito imobiliário corrigido pela inflação. O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou resolução que permite que novos financiamentos do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) tenham o saldo devedor atualizado por índices de preços.

A resolução foi aprovada na reunião extraordinária do CMN na manhã de quarta-feira (14), mas só foi divulgada pelo Banco Central (BC) ontem (15) no fim da noite, depois de o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, teranunciado que o banco passará a conceder crédito imobiliário corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mais uma taxa de juros fixa.

Os financiamentos habitacionais são corrigidos pela Taxa Referencial (TR), atualmente zerada, mais juros fixos que variam conforme o perfil do mutuário. Em julho do ano passado, o conselho havia autorizado a concessão de crédito corrigido pela inflação. A resolução, no entanto, não alcançava as operações do SFH, nas quais o tomador usa o saldo da conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para pagar as prestações e amortizar o saldo devedor.

Em nota, o Banco Central explicou que a medida ajuda a tornar o mercado imobiliário menos dependente da poupança e do FGTS, cujos recursos são em parte usados para empréstimos habitacionais. Segundo o BC, os financiamentos corrigidos pela inflação podem servir de lastro (base) e ampliar a participação de instrumentos voltados para o crédito imobiliário negociados no mercado financeiro, como os certificados de recebíveis imobiliários e as letras imobiliárias garantidas.

Segundo o comunicado, a medida é derivada da agenda de modernização do sistema financeiro e beneficiará o consumidor ao ampliar as modalidades de financiamento imobiliário disponíveis, aumentar a concorrência entre os agentes financeiros e reduzir os juros finais para o tomador.

Agência Brasil
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

McDonald’S prevê investir US$ 130 mi na América Latina

Pável Bauken

Publicado

em



Após paralisar investimentos por causa da pandemia de covid-19, a Arcos Dorados, empresa que administra a rede McDonald’s na América Latina e no Caribe, deve voltar a colocar o pé no acelerador neste ano, apesar da nova onda de covid-19. A companhia pretende investir até US$ 130 milhões (R$ 690 milhões) na região, para a abertura de até 50 novos restaurantes, sendo 80% deles no Brasil. Os recursos também contemplam o reforço de segmentos vitais durante o período de fechamento das lojas: o drive-thru, o delivery e o app da rede.

Segundo Paulo Camargo, presidente da Arcos Dorados no Brasil, o trabalho nas vendas fora dos restaurantes que já vinha sendo feito desde 2018 ajudou a reduzir o impacto da pandemia para a rede. No ano passado, as operações do McDonald’s no Brasil tiveram um faturamento equivalente a 78% do registrado em 2019 , que havia sido recorde para a companhia. No quarto trimestre, a empresa viu suas vendas no País chegarem perto da marca de 90% da vista no mesmo período do ano anterior.

O resultado negativo da gigante é bem menos grave do que o registrado pelo mercado como um todo, aponta a Abrasel, associação do setor. Ao longo do ano passado, 300 mil estabelecimentos de pequeno porte fecharam as portas no País, com o corte de 1 milhão de postos de trabalho. Além disso, segundo a mais recente pesquisa feita pela entidade, 57% dos empreendedores ainda devem aluguel, impostos, salários e têm dívidas com fornecedores por causa da pandemia.

Dos 1.030 restaurantes que a rede tem hoje no Brasil, 60% são lojas da própria Arcos Dorados. Os 40% restantes estão nas mãos de um grupo de 66 subfranqueados. De acordo com Camargo, esses parceiros devem ser priorizados na abertura de novos pontos de venda, o que praticamente elimina a possibilidade de que novos investidores entrem na operação local. O executivo afirma que a concentração de lojas no Brasil ainda é pequena e que há espaço para unidades em capitais, incluindo São Paulo.

Drive-thru

Uma das preocupações do McDonald’s, especialmente após a pandemia, é fazer crescer o consumo que se dá fora dos salões de seus restaurantes. Isso porque, no momento dos lockdowns, as vendas pelo drive-thru chegaram a ser a principal fonte de receita da companhia. Ao longo de 2020, esse tipo de venda teve alta de 50%, enquanto o delivery disparou 150%, mas a partir de uma base mais baixa. Segundo o executivo da Arcos Dorados, para ampliar o faturamento do drive-thru, a rede já planeja unidades com três vias de atendimento para carros.

Ao longo dos últimos anos, o McDonald’s também ampliou sua atuação digital – o app da rede tem hoje 46 milhões de usuários. É uma forma de ganhar força entre o público jovem, de acordo com o presidente da Arcos Dorados, um segmento também perseguido pelo Burger King, principal rival da líder do setor de fast-food no País. “Hoje praticamente metade das nossas vendas tem algum tipo de conexão digital com o cliente. Por isso, o que chamamos de 3Ds (digital, delivery e drive-thru) vão pautar a nossa estratégia nos anos de 2021 e 2022”, diz Camargo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Economia

Coronavírus levou quase 40 mil a pedir auxílio-doença

Pável Bauken

Publicado

em



Quase 40 mil trabalhadores formais precisaram se ausentar por mais de 15 dias do serviço por causa dos efeitos mais graves da covid-19 em 2020. De acordo com a Secretaria de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, 39.532 pessoas receberam o auxílio-doença entre abril e dezembro do ano passado.

Os meses de julho e agosto registraram o maior volume de trabalhadores que precisaram receber o benefício do INSS após contraírem o novo coronavírus, com 8.415 e 7.131 respectivamente No mês passado, foram 3.064 entradas no auxílio-doença por causa da covid-19.

Os cerca de 40 mil trabalhadores que receberam o auxílio no ano passado são apenas uma fração daqueles afetados pela doença, que causou 194.949 óbitos e infectou mais de 7,6 milhões de pessoas no Brasil em 2020. Isso porque a conta mostra apenas os funcionários afastados do serviço por mais de 15 dias. Mas, por se tratar de um vírus de rápida propagação, a recomendação é o afastamento de todos os trabalhadores, mesmo daqueles com um quadro leve de sintomas, por pelo menos 14 dias.

O Ministério da Economia ainda não tem os dados atualizados de todos os pedidos de auxílio-doença em 2020 (faltam os números de dezembro), mas é possível verificar também uma redução nos pedidos relacionados a acidentes de trabalho, em decorrência do aumento do home office, na comparação com os mesmos meses de 2019.

Têm direito ao benefício os trabalhadores com carteira assinada que estejam incapacitados de realizar o serviço habitual por mais de 15 dias consecutivos. O valor mensal do auxílio-doença é de 91% do chamado salário de benefício – que seria o valor da aposentadoria do trabalhador, calculado pela média dos melhores salários com os quais ele já contribuiu para o INSS.

Como o auxílio-doença começa a ser pago pelo INSS a partir do 16 º dia de afastamento, caberia às empresas bancarem o salário integral dos funcionários nas primeiras duas semanas de afastamento por covid-19. No entanto, a lei que criou o auxílio emergencial em abril autorizou as firmas a descontarem esses valores da contribuição mensal ao INSS, aliviando um pouco esse custo ao setor produtivo.

Com o fim do decreto de calamidade em 31 de dezembro, porém, as empresas voltam a ter de arcar com o custo integral dos trabalhadores afastados por covid-19 nos primeiros 15 dias.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Economia

FGV: confiança da indústria cai 3,5 pontos em janeiro ante dezembro, diz prévia

Pável Bauken

Publicado

em

Divulgação/Agência Brasil

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) apurado na prévia da sondagem de janeiro teve um recuo de 3,5 pontos em relação ao resultado fechado de dezembro, para 111,4 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). Caso se confirme, o índice terá a primeira queda desde abril de 2020.

Houve redução da satisfação em relação ao momento presente, mas também piora das expectativas sobre os próximos meses, apontou a FGV. O Índice de Situação Atual caiu 3,2 pontos, para 116,7 pontos, enquanto o Índice de Expectativas encolheu 3,6 pontos, para 106,0 pontos.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) da indústria indicou uma elevação de 0,6 ponto porcentual em relação ao patamar de dezembro, passando de 79,3% para 79,9% em janeiro.

A prévia dos resultados da Sondagem da Indústria abrange a consulta a 793 empresas entre os dias 1º e 18 de janeiro. O resultado final da pesquisa será divulgado no próximo dia 28.

Estadão

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

ENQUETE

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


error: Conteúdo protegido, para ter acesso seja nosso parceiro entre em contato no whats (55) 984161736
×