Faturamento do Turismo Nacional Alcança R$ 121 Bilhões e Deve Expandir 11,5% no Próximo Ano
Connect with us

NACIONAL

Faturamento do Turismo Nacional Alcança R$ 121 Bilhões e Deve Expandir 11,5% no Próximo Ano

Publicado

em

portal plural turismo
Caio Vilela/MTur

  • Academia Persona
  • FAST AÇAÍ

Entre janeiro e agosto deste ano o faturamento do setor registrou R$ 12 bilhões a mais que o mesmo período de 2022

 

O turismo nacional acumulou um faturamento de mais de R$ 121 bilhões entre janeiro e agosto deste ano, cerca de R$ 12 bilhões a mais do que no mesmo período de 2022.

O número foi divulgado pelo Ministério do Turismo com base em dados de uma pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio/SP).

A pesquisa ainda projeta que o turismo nacional deverá ter um crescimento de 11,5% em 2023 em relação ao ano passado, o que demonstra a recuperação do setor após a pandemia de Covid-19.

Segundo a Fecomercio/SP, a explicação se deve ao maior investimento dos brasileiros em viagens, o que tende a manter o setor aquecido nos próximos meses, principalmente neste fim do ano. A volta da agenda do mercado de turismo corporativo, com feiras e eventos, também é um dos motores que alavancam os números.

Recorde em agosto

No último mês de agosto, empresas de transporte aéreo de passageiros obtiveram o maior registro de receitas da série histórica da Fecomercio/SP, iniciada em 2011.

Os números apontam que foram movimentadas 8,2 milhões de pessoas no período, com receitas que giraram em torno de R$ 3,9 bilhões – alta de 17,1% em relação a 2022 na comparação do faturamento do setor entre janeiro e agosto.

Já os meios de hospedagem avançaram 9,8% e faturaram R$ 1,6 bilhão em agosto.

 

Fonte: CNN

Compartilhe

NACIONAL

Mãe é suspeita de permitir que filha fosse estuprada pelo padrasto durante 5 anos

Publicado

em

portal plural mãe é suspeita de permitir que filha fosse estuprada pelo padrasto durante 5 anos
Foto: Reprodução | Metrópoles
  • Academia Persona
  • FAST AÇAÍ

A Polícia Civil do Estado do Espírito Santo prendeu a mãe de uma menina de 13 anos por suspeita de que ela permitia que a filha fosse estuprada pelo padrasto.

A prisão ocorreu no município de Vila Velha (ES). Segundo a polícia, os abusos teriam ocorrido dos oito aos 13 anos da garota.

Segundo as investigações, a mãe, de 31 anos, permitia que a filha fosse abusada sexualmente pelo padrasto e batia na menina, sob alegação de que ela estaria se insinuando para o agressor.

A Polícia Civil tomou conhecimento dos fatos em dezembro do ano passado, após a vítima contar ao pai os abusos que sofria e a família denunciar o crime.

A prisão realizada pela Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) ocorreu na última quarta-feira (24/1), mas a corporação apenas divulgou o caso nesta quarta (31/1).

Em depoimento, a mãe disse que não sabia que a filha era abusada e acabou encaminhada ao Centro Prisional Feminino de Cariacica, onde permanecerá disposição da Justiça.

O padrasto tem um mandado de prisão por estupro de vulnerável em aberto, mas segue foragido.

 

Fonte: Metrópoles.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Bolsonaro vira garoto-propaganda de marca de calçados

Publicado

em

portal plural bolso

  • FAST AÇAÍ
  • Academia Persona

Marca que pertence a apoiadores pretende abrir lojas físicas para servir de ‘ponto de encontro de bolsonaristas

 

 

O ex-presidente Jair Bolsonaro virou nome de uma linha de calçados produzida por uma empresa que pertence a um grupo de apoiadores. Batizada de “Botinas Bolsonaro”, a marca vende sapatos, botinas de couro e chinelos de borracha e tem o ex-presidente como “garoto-propaganda”.

Em vídeo nas redes sociais da marca, o próprio Bolsonaro é presenteado com uma botina de couro, que leva seu nome bordado em azul, verde e amarelo. Segundo a empresa, o ex-presidente permitiu que seu nome fosse usado na linha de calçados. Procurada para a confirmar a autorização, a assessoria de Bolsonaro não retornou.

Com nomes como “Chinelo Crocs Bolsonaro Puro Mito”, “Tênis Bolsonaro Liberdade Style” e “Tênis Patriota Style”, os sapatos custam entre R$ 99 e R$ 329. Há modelos masculinos, femininos e infantis. O site também vende meias com o nome do ex-presidente estampado.

A empresa dona da marca está registrada no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) como RVMHS Comércio e Distribuição, com nome fantasia Kanastra, e pertence a três apoiadores do ex-presidente. O registro foi feito em abril de 2023. O site é mais recente, de julho. O primeiro post no Instagram da marca é de setembro de 2023. Os sócios proprietários são Lorena Montalvão Batista, Marcel Henrique Stefens e Ricardo Vidal de Oliveira.

Sem citar datas, a descrição da marca no site diz que a parceria entre Bolsonaro e a empresa foi fruto de uma “admiração mútua”, em que o ex-presidente, por “apreciar e confiar na qualidade singular” dos produtos, teria “gentilmente” os “honrado” com sua assinatura. O texto termina com a afirmação de que “estar ao lado de uma pessoa iluminada e majestosa como Bolsonaro é uma honra”.

Apesar de vender sapatos, a empresa de Nova Serrana (MG), com capital declarado de R$ 200 mil, também está cadastrada para exercer atividades de aluguel de máquinas e equipamentos agrícolas, produção de espetáculos de dança, apoio à agricultura, serviços de organização de feiras, congressos, exposições e festas, entre outros.

Uugton Batista, que é relações públicas da marca e pai de Lorena Montalvão Batista, sócia da marca, diz que é amigo pessoal de Bolsonaro desde 2018, quando, segundo ele, ofereceu apoio ao então candidato à Presidência para uni-lo a nomes consagrados do sertanejo nacional.

Batista afirma que pediu para Bolsonaro para usar o seu nome e, em troca, pagaria uma porcentagem das vendas. Segundo ele, Bolsonaro então teria recusado a proposta, deixando que a marca usasse o nome sem receber royalties.

Embora venda somente calçados, a descrição do site diz que a linha também conta com vestimentas em couro e produtos eletrônicos, sem especificar quais. Batista afirma que os produtos ainda serão lançados e que, o plano, é abrir lojas físicas em 2025 para, além de vender os produtos, servir como “ponto de encontro dos bolsonaristas”.

A ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro (PL) e o deputado Nikolas Ferreira (PL-MG) também aparecem em vídeos ganhando produtos da marca. “Já tenho o meu para fazer minha campanha”, disse Nikolas ao receber o modelo “Patriota Style” de presente. O irmão do ex-presidente, Renato Bolsonaro, também aparece em um vídeo, abrindo a caixa com a ilustração do irmão desenhada e calçando as botas.

Ao fazer propaganda de um modelo de sandálias de borracha, o site chama Bolsonaro de “uma figura icônica da história” e afirma que ao usar as sandálias o cliente estará “prestando tributo” a ele.

Com os slogans “as origens do mito” e “passos firmes com o agro”, o site estampa montagens com a foto de Bolsonaro montado em um cavalo, contra o sol, em que aparece sorridente e iluminado. No site, há um alerta sobre essa ser a única marca “autorizada e endossada” pelo próprio Bolsonaro.

 

Fonte: Estadão

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Economia

Desigualdade recorde no Brasil: 1% da população concentra 63% da riqueza

Publicado

em

portal plural money
Joelfotos/Pixabay
  • Academia Persona
  • FAST AÇAÍ

Levantamento também aponta que os 50% mais pobres detêm apenas 2% do patrimônio do país

 

Dados do relatório da Oxfam, que discute a relação das desigualdades e o poder corporativo global, mostram que 63% da riqueza do Brasil está nas mãos de 1% da população.

O levantamento também aponta que os 50% mais pobres detêm apenas 2% do patrimônio do país.

O relatório será divulgado nesta segunda-feira (15), durante o Fórum Econômico Mundial que reúne a elite do mundo corporativo em Davos, na Suíça.

O estudo traz ainda detalhes sobre o grupo que mais acumula riqueza. Segundo o documento, 0,01% da população brasileira possui 27% dos ativos financeiros.

“Fica nítido que a propriedade de ações e participações, em termos econômicos, reflete uma plutocracia e não uma democracia”, afirma o documento.

Os especialistas destacam também a desigualdade racial. O estudo afirma que, em média, a renda dos brancos está mais de 70% acima da renda da população negra.

“No Brasil, a desigualdade de renda e riqueza anda em paralelo com a desigualdade racial e de gênero. Nossos super-ricos são praticamente todos homens e brancos”, disse Kátia Maia, diretora executiva da Oxfam Brasil.

 

Fonte: CNN

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×