Exportações da indústria gaúcha em queda livre
Connect with us

Economia

Exportações da indústria gaúcha em queda livre

Publicado

em

portal plural export

Nuveratopo humbeto pluralAcademia PersonaFAST AÇAÍ

Com retrações tanto nos preços (-6,3%) quanto nas quantidades comercializadas (-18,2%), as exportações da Indústria de Transformação no Rio Grande do Sul atingiram US$ 1,2 bilhão em novembro, queda de 23,4% na comparação com o mesmo mês de 2022.

 

“A queda nas quantidades exportadas é preocupante visto que sinaliza menor demanda externa pelos produtos industriais gaúchos, um claro sinal de um mercado externo menos aquecido”, afirma o presidente da Fiergs (Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul), Gilberto Porcello Petry.

Com base nos resultados divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, a Fiergs destaca que esse é o sétimo mês consecutivo em que há recuos nos preços dos produtos industriais, refletindo uma negociação de preços mais apertada aos industriais gaúchos.

Mesmo que, em novembro de 2022, a receita estivesse em um patamar atipicamente elevado (havia subido 20,1% na comparação com o mesmo mês de 2021), no acumulado de 2023, entre janeiro e novembro, as exportações da Indústria de Transformação no RS também registram queda, de 5,4%, frente ao mesmo período do ano passado.

Dos 23 segmentos exportadores da Indústria de Transformação gaúcha, somente nove apresentaram incremento em suas receitas em novembro. O segmento com maior faturamento no mês, o de Alimentos, apresentou receita de US$ 350,4 milhões (-US$ 78,4 milhões ou -18,3% em relação a novembro de 2022), com preços caindo 8,7% e quantidades, 10,5%. As vendas externas foram especialmente do ramo de abate de aves (para a Arábia Saudita), de fabricação de óleos vegetais em bruto (França) e do abate de suínos (China).

Em segundo lugar, Tabaco apresentou faturamento de US$ 139,6 milhões, queda de US$ 172,9 milhões ou menos 55,3%. Em novembro, a variação interanual do índice de quantidades surpreendeu negativamente, com recuo de 59,3%, enquanto preços médios aumentaram 9,7%.

O terceiro segmento com maior destaque em novembro, o de Químicos, apresentou faturamento de US$ 117,3 milhões (-US$ 9,1 milhões ou -7,2%). Preços médios dos produtos exportados apresentaram retração de 18,8%, enquanto as quantidades caminharam na direção contrária, expandindo-se 14,2%.

Importações 

O Rio Grande do Sul importou US$ 1 bilhão em produtos estrangeiros, em novembro, baixa de US$ 472 milhões, menos 32%, frente ao mesmo período de 2022. A maior parte da demanda do Estado centrou-se em produtos provenientes da Indústria de Transformação, US$ 883,7 milhões, queda de US$ 167 milhões. O segmento de Químicos foi o de maior destaque, com US$ 316,8 milhões em compras, especialmente de intermediários para fertilizantes (do Marrocos) e de adubos e fertilizantes (Nigéria).

 

Fonte: O Sul

Compartilhe

Destaque

Real ultrapassa peso argentino como a moeda emergente de pior desempenho em 2024

Publicado

em

portal plural real ultrapassa peso argentino como a moeda emergente de pior desempenho em 2024

topo humbeto pluralFAST AÇAÍNuveraAcademia Persona

O real ultrapassou o peso argentino e se tornou a moeda emergente com a pior performance em 2024. A moeda brasileira teve uma desvalorização de 10,54% frente ao dólar nos primeiros seis meses do ano. Segundo especialistas, um dos principais motivos é a saída de capital estrangeiro do Brasil devido ao risco fiscal.

Em janeiro, o dólar era negociado a R$ 4,85 e viu seu preço disparar para R$ 5,42, refletindo a insegurança do mercado em relação às contas públicas. Apesar do crescimento da arrecadação nos últimos meses, as despesas públicas aumentaram significativamente, resultando na fuga de capital estrangeiro. Nos primeiros quatro meses do ano, a bolsa brasileira registrou uma saída líquida de US$ 21 bilhões (R$ 114 bilhões), o segundo pior registro desde 1982, conforme monitorado pelo Banco Central.

“O risco fiscal segue elevado, diante da dificuldade do forte crescimento de despesas obrigatórias e dos limites para a expansão das receitas”, informou o relatório de macroeconomia do Itaú.

Além do risco fiscal, a política monetária dos Estados Unidos também influencia a saída de capital estrangeiro. Juros mais altos nos EUA tornam os ativos norte-americanos mais atrativos e seguros para os investidores globais.

“No Brasil, temos um cenário desafiador diante de uma política econômica incerta, somado aos impactos da política monetária dos EUA”, diz Ana Debiazi, CEO da Leonora Ventures. “Com expectativas de taxa de juros ainda em patamares mais altos que o normal, os investidores podem obter retornos atrativos sem necessitarem correr riscos adicionais.”

Confira as maiores quedas das moedas emergentes frente ao dólar:

  • Brasil: -10,54%
  • Argentina: -10,48%
  • Turquia: -10,12%
  • México: -8,50%
  • Tailândia: -6,95%
  • Coreia do Sul: -6,52%
  • Indonésia: -5,67%
  • Colômbia: -4,87%
  • Chile: -5,73%
  • Hungria: -5,77%

Fonte: Forbes.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

Mais de 450mil pessoas que planejavam viajar para o RS estão sem passagem garantida devido fechamento do aeroporto Salgado Filho

Publicado

em

portal plural enquanto continuam as análises e testes para avaliar a extensão dos danos no aeroporto salgado filho, o rio grande do sul se encontra isolado, mesmo com a implementação de uma malha
Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil
Nuveratopo humbeto pluralAcademia PersonaFAST AÇAÍ

Enquanto continuam as análises e testes para avaliar a extensão dos danos no Aeroporto Salgado Filho, o Rio Grande do Sul se encontra isolado, mesmo com a implementação de uma malha aérea emergencial desde o dia 10 de maio, após a enchente. A expectativa de resolução do impasse financeiro entre o governo e a concessionária Fraport, que poderia agilizar as obras necessárias para a retomada das operações em Porto Alegre, está sendo alimentada por uma reunião marcada para esta terça-feira (18).

Um relatório da Secretaria Estadual do Turismo (Setur) lança luz sobre a gravidade da situação. Entre 3 de maio, quando ocorreu o alagamento e a interrupção das operações no Salgado Filho, e 30 de novembro, estavam programados 18,5 mil voos, com capacidade para 3 milhões de assentos. Além disso, o estudo aponta que 451 mil pessoas que planejavam viajar para o Estado estão sem passagem garantida. De janeiro a abril, o Estado mantinha conexões com sete países, em 657 voos semanais operados por sete companhias aéreas, totalizando mais de 1,7 milhão de assentos programados.

Comparado a esse desempenho, houve um crescimento de 15% na capacidade de assentos internacionais. No entanto, com o fechamento do Salgado Filho, os voos semanais previstos para junho caíram drasticamente de 444 mil assentos, em 2023, para pouco mais de 70 mil em 2024 – uma redução de 84% na oferta, impactando significativamente as companhias aéreas e o setor turístico do Estado.

Realocação de Assentos

Segundo o material da Setur, entre 20 de maio e 30 de junho, a realocação de capacidade de assentos para outros aeroportos da região Sul será distribuída da seguinte forma:

  • Canoas: 25,6 mil assentos
  • Florianópolis: 33,7 mil novos assentos
  • Caxias do Sul: 8 mil assentos
  • Passo Fundo: 4 mil assentos
  • Jaguaruna (próximo a Criciúma, em SC): 2 mil assentos

Absorção da Demanda

Atualmente, a malha emergencial oferece uma média semanal de 116 voos em sete aeroportos gaúchos e dois de Santa Catarina. A autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) deverá aumentar essa oferta para 151 voos semanais nos próximos dias. Mesmo assim, isso representa apenas 65% da média de operações do Salgado Filho antes do fechamento, que era de 180 voos diários, conforme o Anuário 2023 do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea).

Impacto no Turismo

Antes da enchente, cerca de 60% dos hóspedes em Porto Alegre chegavam via aérea, índice que sobe para 70% na Serra, de acordo com dados do Sindicato de Hospedagem e Alimentação (Sindha). Sem o aeroporto funcionando normalmente, a previsão é de uma queda significativa na ocupação hoteleira. Além disso, 37 hotéis foram forçados a fechar devido às inundações, e mais de 20 ainda não têm previsão de reabertura.

A situação crítica do transporte aéreo no Rio Grande do Sul ressalta a necessidade urgente de uma solução financeira e operacional para o aeroporto Salgado Filho, visando restabelecer a normalidade e minimizar os impactos no turismo e na economia local.

Fonte: GZH

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Economia

Dólar abre em alta e retorna ao patamar acima de R$ 5,40

Publicado

em

portal plural o dólar iniciou em alta nesta segunda feira (17), ultrapassando novamente a marca de r$ 5,40, em meio à expectativa da reunião do comitê de política monetária (copom) do banco ce
Foto: Divulgação
topo humbeto pluralFAST AÇAÍAcademia PersonaNuvera

O dólar iniciou em alta nesta segunda-feira (17), ultrapassando novamente a marca de R$ 5,40, em meio à expectativa da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil, que decidirá sobre a taxa Selic, a taxa básica de juros.

O mercado financeiro projeta que o Copom manterá a Selic inalterada em 10,50% ao ano, devido à alta inflação no Brasil e aos juros elevados nos Estados Unidos. Confira abaixo o panorama dos mercados:

Dólar Às 09h40, o dólar subia 0,46%, sendo negociado a R$ 5,4069. Durante o dia, chegou a atingir R$ 5,4117. Veja outras cotações.

Na sexta-feira passada, a moeda americana registrou alta de 0,28%, fechando a R$ 5,3819.

Com isso, acumulou os seguintes aumentos:

  • 0,80% na semana;
  • 2,24% no mês;
  • 10,60% no ano.

    Fonte: G1

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×