Expectativa de vida ao nascer no Rio Grande do Sul alcança 76,38 anos em 2021
Connect with us

Destaque

Expectativa de vida ao nascer no Rio Grande do Sul alcança 76,38 anos em 2021

Publicado

em

portal plural expectativa de vida

  • FAST AÇAÍ
  • Academia Persona

Em 2021, a expectativa de vida ao nascer no Rio Grande do Sul chegou a 76,38 anos, uma redução de 1,07 anos em relação ao número registrado no Estado em 2020. Os resultados indicam a primeira redução nos números, entre um ano e outro, desde 2010, quando teve início a série histórica, e mostram o impacto direto dos óbitos registrados por conta da covid-19.

As informações do estudo Indicadores de mortalidade para o RS e seus Conselhos Regionais de Desenvolvimento – 2010-21, produzido pelo Departamento de Economia e Estatística, vinculado à Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão (DEE/SPGG), mostram que as doenças infecciosas e parasitárias, categoria da covid-19, foram a principal causa de óbito entre os moradores do Rio Grande do Sul em 2021, responsáveis por 26,4% do número total de 117.722 óbitos. Em 2020, elas foram a terceira principal causa de mortes no Estado e, em 2019, ocupavam o nono lugar.

As informações para o estudo, elaborado no DEE/SPGG pela pesquisadora Marilene Bandeira, foram obtidas a partir de dados do próprio DEE/SPGG, do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DataSUS) – vinculado ao Ministério da Saúde, e da Secretaria de Saúde do Estado. Para as projeções populacionais, foram consideradas as estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para 2021. O número total de mortes no ano foi 26,9% maior do que o registrado em 2020.

“A mudança do perfil da mortalidade por causa da covid-19 foi mais intenso ainda em 2021, quando comparado com os anos anteriores. Em 2020, tivemos os primeiros impactos dos óbitos por covid-19 na expectativa de vida, mas em 2021 tivemos o ápice desses números”, ressalta a pesquisadora.

 

Principais causas de mortes

Em uma projeção realizada no estudo, caso as mortes por doenças infeccionas e parasitárias fossem excluídas do cálculo, a expectativa de vida ao nascer no Estado seria de 78,33 anos, 1,95 anos mais do que o número final. O material elaborado pelo DEE/SPGG aponta ainda para a manutenção da diferença de 7 anos na expectativa de vida ao nascer entre homens e mulheres no Rio Grande do Sul. Para as mulheres, a estimativa chegou a 79,88 anos em 2021, enquanto para os homens foi de 72,86 anos.

Seguindo as doenças infecciosas e parasitárias, as doenças do aparelho circulatório ocuparam a segunda colocação entre as causas de mortes no Estado em 2021, com 19,8% do total, seguidas das neoplasias (câncer), com 16,9%, das doenças do aparelho respiratório (7,1%) e de causas externas (6,5%). Entre a população de um a 34 anos de idade, as causas externas, como homicídios, acidentes de transporte, suicídio e quedas, ocupam a primeira posição como principais causas de morte. A partir dos 35 até 79 anos, as doenças infecciosas e parasitárias tornam-se as líderes.

 

Resultados por regiões

A expectativa de vida média ao nascer entre as 28 regiões dos Conselhos Regionais de Desenvolvimento do Rio Grande do Sul (Coredes) também está contemplada no estudo do DEE/SPGG. A diferença entre a maior e a menor estimativa de expectativa de vida ao nascer nos Coredes é de 5,01 anos.

Os dados indicam que em 2021 uma pessoa da região do Corede Norte, que engloba a região de Erechim, tinha expectativa de viver 79,66 anos, a mais alta do Estado. Na sequência vinha o Corede Nordeste, que engloba municípios como Lagoa Vermelha e Machadinho, com 79,34 anos, e Vale do Jaguari, que inclui Santiago e Cacequi, com 79,11 anos. Os Coredes das regiões da Campanha (74,65 anos), Vale do Rio dos Sinos (74,66) e Fronteira Oeste (74,69) registraram os menores números.

 

Coredes

Os Coredes foram criados oficialmente pela Lei 10.283/1994 e são um fórum de discussão para a promoção de políticas e ações que visam ao desenvolvimento regional. Atualmente, o Estado conta com 28 Coredes, que são espaços para promoção do debate e elaboração de diagnósticos sobre a realidade local e formulação e implementação de políticas de desenvolvimento integrado das regiões.

Informações Palácip Piratini

Compartilhe

Destaque

Rede de Postos JP realiza inauguração Solidária em Santa Rosa

Publicado

em

portal plural rede de postos jp realiza inauguração solidária em santa rosa

  • FAST AÇAÍ
  • Academia Persona

No dia 24 de maio, a Rede de Postos JP tem o prazer de convidar toda a comunidade de Santa Rosa para a Inauguração Solidária da sua 30ª unidade que marca a chegada da nossa rede à 19ª cidade do Estado , trazendo a qualidade do combustível Santa Lúcia e as delícias da loja de conveniência Santa Pausa para a região.

Neste momento em que passamos por um contexto desafiador para o estado, a Rede de Postos JP reforça seu compromisso com as comunidades onde atua através da Inauguração Solidária Rede JP com o objetivo de demonstrar nosso apoio às famílias afetadas pelas recentes chuvas.

Durante a inauguração, cada ato de generosidade será amplificado. Na compra de um pão de queijo, outro será doado para famílias desabrigadas. Além disso, ao abastecer na nossa unidade, você estará contribuindo com combustível para abastecimento de veículos das equipes oficiais de resgate de Santa Rosa.

A unidade também funcionará como ponto de coleta para doações que serão destinadas a instituições locais.

“Acreditamos que, juntos, podemos ir mais longe. A solidariedade e o apoio à comunidade são pilares da nossa atuação. Além da geração de empregos e do investimento na economia local, queremos tornar este momento ainda mais significativo para Santa Rosa através da doação aos desabrigados e auxílio às equipes da linha de frente,” afirma o diretor da Rede de Postos JP, Jones Santa Lúcia.

Convidamos todos a participar deste evento de inauguração e contribuir para um futuro melhor para nossa comunidade. Sua presença e apoio são fundamentais para o sucesso desta iniciativa.
Data: 24 de maio de 2024
Local: Nova unidade da Rede de Postos JP, Santa Rosa
Avenida Anhacora 307
Junte-se a nós e faça a diferença! Vamos mais longe juntos!

 

Sobre a Rede de Postos JP
Com 10 anos de atuação, a Rede de Postos JP é uma rede de postos de combustível multimarcas, presente em 19 cidades do estado do RS com postos de bandeira Ipiranga, Shell, BR e Santa Lúcia e lojas de conveniência AMPM e a marca própria, Santa Pausa. Atualmente conta com um quadro de aproximadamente 600 funcionários. Descubra a Rede Jp em nossas redes sociais @redepostosJP ou no site https://postosjpsantalucia.com.br/rede-jp/ .

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

Eduardo Leite anuncia distribuição de auxílio de R$ 2 mil a famílias afetadas por enchentes no RS

Publicado

em

portal plural eduardo leite anuncia distribuição de auxílio de r$ 2 mil a famílias afetadas por enchentes no rs
Foto: Mauricio Tonetto / Secom
  • Academia Persona
  • FAST AÇAÍ

O Governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, anunciou por meio das redes sociais que as famílias afetadas pelas recentes chuvas no estado receberão um auxílio emergencial no valor de R$ 2 mil. Esse montante será transferido via Pix, por intermédio da campanha “SOS Rio Grande do Sul”. Leite destacou que os critérios para a seleção das famílias beneficiadas ainda estão sendo estabelecidos pelo Comitê Gestor encarregado da administração dos recursos arrecadados.

Além do suporte financeiro, o governo estadual informou que uma parte desses recursos será direcionada para a aquisição de 30 mil mantas. Essa iniciativa visa proporcionar um apoio imediato às famílias, permitindo que se protejam do frio intenso previsto para os próximos dias.

Fonte: O Bairrista

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Agro

Municípios atingidos pela chuva no norte e noroeste do RS estimam prejuízo milionário na agricultura

Publicado

em

portal plural municípios atingidos pela chuva no norte e noroeste do rs estimam prejuízo milionário na agricultura

  • Academia Persona
  • FAST AÇAÍ

A maior tragédia climática do Rio Grande do Sul também afeta uma das principais fontes de renda do estado: o campo. Os prejuízos em vários setores do agronegócio ainda são contabilizados, mas já se sabe que, até mesmo nas regiões onde não houve alagamentos, o excesso de umidade abre espaço para prejuízos.

Ainda que a colheita já estivesse na fase final antes do início das chuvas, a soja também é afetada. Com 78% da área cultivada colhida no estado, a Emater realiza um levantamento das perdas da principal cultura do RS, como explica o diretor técnico Claudinei Baldissera.

— Além da soja e do milho, que está com 85% da área cultivada colhida, temos um cenário que, nas próximas semanas, através de levantamentos que já estão sendo efetuados, serão divulgados os danos causados a agropecuária gaúcha — afirmou.

Nessa safra, o município de Jóia, no noroeste gaúcho, plantou uma área de mais de 80 mil hectares de soja, segundo a Emater/RS. Porém, cerca de 10% desse total ainda não havia sido colhido antes do excesso de chuva que atingiu o Estado na última semana. Nas lavouras, o acumulado passou de 380 milímetros e trouxe perdas significativas.

No início desta semana, com o tempo firme, as máquinas puderam entrar nas lavouras e colher o que restou da cultura: grãos avariados, murchos, sem a casca e, muitos deles, apodrecidos.

— Esse é o cenário que estamos vendo aí hoje: muitas perdas, grãos avariados… Está tendo muito desconto na hora da entrega, cerca de 40% na média. (A soja) Está rendendo cerca de 30 sacas por hectare, por ter pegado a chuva, mais os descontos na hora da entrega que gira em torno de 40%. A gente estima R$ 50 milhões de prejuízo — disse o extensionista da Emater Danísio Tremea.

Na propriedade do Alessandro Pascoal, são cultivados 720 hectares com soja. A produtividade média que antes era de 55 sacas por hectare, agora não chega a 30.

— Nós viemos de dois anos terríveis de seca, mas era diferente. Assim a gente se iludiu, viu a produção, estava bonito, investiu o máximo que pôde, e agora estamos tomando uma rasteira. O que pretendíamos ter de lucro, agora vamos empatar porque muitas das nossas áreas são arrendadas — conta o agricultor.

 

Perdas em hortifrútis

Em Erechim, no norte do RS, conforme a Emater/RS, a chuva provocou a perda de cerca de 20 toneladas na produção de hortaliças. O agricultor Avelino Luiz Pieniak fez um levantamento prévio das perdas na propriedade.

— Jogando por baixo, perdemos em torno de R$ 30 mil. Além disso, não são só os produtos: a gente perdeu estufas que o vento levou, esmagou, levou terra embora, é bastante estrago por causa da chuva — disse.

O presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag-RS), Joel da Silva, afirmou que, mesmo sem levantamento, os produtores vão precisar de incentivos dos governos para retomarem as atividades.

— A situação é tão caótica que nós não conseguimos nem ir a campo pra saber a dimensão. Em muitas regiões, a água ainda está por cima das propriedades. Mas, na medida que a água vai baixando, estamos vendo o tamanho das perdas para toda a sociedade e principalmente os agricultores, que perderam o leite, o hortifrúti, os suínos… Vamos precisar de muito recurso para os produtores recomeçarem de novo — pontuou.

 

Fonte: Gaúcha ZH.
Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×