Estado lança programa de incentivo ao milho na abertura da colheita – Portal Plural
Connect with us

Agro

Estado lança programa de incentivo ao milho na abertura da colheita

Publicado

em

Leite participa da abertura da colheita do milho, que se pretende que chegue a 4 milhões de toneladas na safra 2019/2020 - Foto: Itamar Aguiar/Palácio Piratini


Com expectativa de chegar a 4 milhões de toneladas na safra 2019/2020, a 9ª Colheita do Milho foi aberta nesta sexta-feira (7/2), em Chiapetta, na região Noroeste, considerada a principal produtora dessa cultura no Estado. A região sedia o evento, a cada ano variando a cidade-sede. Além do começo simbólico da colheita, também houve o lançamento do Programa Estadual de Produção e Qualidade do Milho, o Pró-Milho RS.

O governador assinou o decreto que cria o Pró-Milho RS. Em seguida, as entidades parceiras entregaram a Leite o termo de apoio ao programa. “Não é apenas um papel assinado, é um programa consistente, criado com a participação de quem está na ponta, que sabe quais são as necessidades”, afirmou o governador, lembrando que o decreto já foi publicado no Diário Oficial do Estado desta sexta.

Leite ressaltou que somente o Pro-Milho RS não é suficiente. Ao lembrar as medidas que vêm sendo tomadas pelo governo para melhorar as condições de investimento no Estado, o governador também citou a modernização do Código Ambiental e os esforços tomados para a redução dos custos logísticos e tributários e da burocracia.

De acordo com a Emater/RS, a expectativa era de que a produção de milho tivesse um aumento, em relação à safra anterior, de 3,65% – cerca de 209 mil toneladas –, como resultado do aumento de 1% na área cultivada, e de 2,58% na produtividade. Sendo assim, antes da estiagem, a estimativa era de que a colheita do grão chegasse a 5,9 milhões de toneladas, um pouco acima do resultado da safra de 2018/2019, que foi de 5,7 milhões de toneladas.

No entanto, a safra do milho também foi afetada pelo período de seca. O diretor técnico da Emater, Alencar Rugeri, estima uma perda de 20% em relação às 5,9 milhões de toneladas previstas inicialmente, o que resultaria em uma colheita de cerca de 4 milhões de toneladas.

PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 07/02/2020 - O governador Eduardo Leite participou, na manhã desta sexta-feira (7/2), da 9ª Abertura da Colheita do Milho, em Chiapetta. Na ocasião, o governo lançou o Programa Estadual de Produção e Qualidade do Milho, o Pró-Mil
“Quem ousa empreender na agricultura merece nosso apoio e nosso respeito”, disse o governador na abertura da safra do milho – Foto: Itamar Aguiar/Palácio Piratini

“Quem ousa empreender na agricultura merece nosso apoio e nosso respeito. Além das dificuldades burocráticas e de custos, estão sujeitos às incertezas do clima. Podem achar que não há o que comemorar, devido às perdas estimadas por causa da estiagem, mas estamos aqui comemorando que sobrevivemos a esse período. O gaúcho é resiliente, e parabenizo aqueles que têm a coragem e a dedicação para seguirem neste ramo”, exaltou o governador.

As maiores perdas foram nas regiões de Porto Alegre (35%), Caxias do Sul (35%) e Santa Maria (40%). Em outras, porém, como nas regiões de Santa Rosa e Bagé, a quebra não passou dos 5%.

Em 2019, o Rio Grande do Sul plantou 763,9 mil hectares de milho, resultando em uma produção de 5,7 milhões de toneladas. O Estado conta com cerca de 180 mil produtores do cereal, que é exportado para 12 países, especialmente Espanha, Estados Unidos, Irã e Líbano, gerando R$ 61,6 milhões. Os dados são da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Social (Seapdr). Neste ano, de acordo com a Emater, a exportação deverá ser da ordem de 2 milhões de toneladas, mas o número ainda não está consolidado.

Na comparação com a safra anterior (2017/2018), houve um aumento de 25,7% na produção do cereal no Estado no ano passado. O valor bruto da produção (VPB), em 2019, foi de R$ 3,3 bilhões. O milho é estratégico para o RS, uma vez que a participação direta e indireta na economia chega a 10% do PIB.

Compareceram à solenidade os secretários Covatti Filho (Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural) e Juvir Costella (Logística e Transportes), o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ernani Polo, o presidente da Abramilho, Alysson Paolinelli, o prefeito de Chiapetta, Éder Luís Both, o presidente da Apromilho, Ricardo Meneghetti, e o senador Luiz Carlos Heinze, entre outras autoridades.

Pró-Milho RS

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) idealizou o Programa Estadual de Produção e Qualidade do Milho (Pró-Milho RS) com o objetivo de aumentar a produção do cereal, tornando o Rio Grande do Sul autossuficiente nessa cultura. Um dos motivos para a criação do programa é o fato de que a produção gaúcha ainda não atende à demanda. Além da alimentação humana, o cereal é essencial para as cadeias produtivas da proteína animal, como avicultura, suinocultura e bovinocultura de corte e leite.

As discussões para a idealização do programa ocorreram ao longo de 2019 na Câmara Setorial do Milho, que criou grupos de trabalho para analisar questões como produção, qualidade e crédito e comercialização. Foram discutidas diretrizes, metas e estratégias para o programa.

Na produção, a estratégia será intensificar a assistência técnica aos produtores, ter maior eficácia tecnológica na produção, ampliar a área irrigada de milho, pesquisar variedades mais adaptadas a cada região e aumentar a produtividade em regiões de menores resultados por área.

No item qualidade, o grupo indicou a necessidade de ampliar o número de secadores de grãos, modernizar os procedimentos de recebimento, limpeza e secagem e aumentar a capacidade estática de armazenamento no Estado.

Para crédito e comercialização, definiu-se que é preciso ampliar comercializações antecipadas e a utilização de mecanismos de travamento de preços, como contrato a termo, mercado futuro e contrato de opções; agilizar as contratações dos financiamentos de custeio e investimento; e buscar parcerias com agentes financeiros e bancos de fábrica para financiamentos de equipamentos de irrigação, secadores e armazéns.

Entidades participantes do Pró-Milho RS

Agroindústrias, cooperativas, sementeiras, Associação dos Produtores de Milho do Rio Grande do Sul (Apromilho), Associação das Empresas Cerealistas do RS (Acergs), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Emater/RS, Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), Instituto de Pesquisa Gianelli Martins, Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Banrisul, Badesul, Banco do Brasil, BRDE, Sindicato da Indústria de Produtores Suínos (Sips), Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal (Fundesa), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Organização das Cooperativas do Estado do RS (Ocergs), Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav), Bolsa Brasileira de Mercadorias (BBM), seguradoras, Federação da Agricultura do RS (Farsul) e Sociedade de Agronomia do RS (Sargs).

Compartilhe
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Agro

Três municípios da Região Celeiro estão entre os 15 municípios em situação de emergência no RS

Publicado

em

Lavoura prejudicada em Espumoso — Foto: Reprodução/RBS TV

A falta de chuvas no Rio Grande do Sul está provocando grandes prejuízos nas lavouras. A Emater informou que ainda está levantando oficialmente os prejuízos, porém diversas cidades já registraram perdas de mais de 80% nas produções.

Até a noite desta terça-feira (21), 15 municípios haviam decretado situação de emergência em razão da estiagem, conforme a Defesa Civil. Outras cinco cidades registraram perdas significativas mas ainda não decretaram emergência. A maioria delas é do Norte ou Noroeste do estado. Veja lista abaixo.

Das 15, apenas uma teve teve a situação homologada pelo estado e pela União até esta terça. Júlio de Castilhos decretou situação de emergência no dia 6 de dezembro e teve homologação no dia 16. As outras cidades ainda tem prazo de 180 dias para comprovar a situação, apresentando laudos de pessoas afetadas, situação da agricultura, entre outros aspectos.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Agro

SEAPDR detecta gafanhotos nativos em Coronel Bicaco e outros quatro municípios da região

Publicado

em



Fiscais estaduais agropecuários e engenheiros agrônomos da Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR) realizaram na sexta-feira (17), fiscalização de áreas agrícolas para monitoramento de gafanhotos.
Nesta fiscalização, realizada através de denúncia, foram feitas vistorias nas áreas agrícolas do município de Ajuricaba. Os gafanhotos, das espécies Zoniopoda iheringi e Chromacris speciosa, são nativos do Rio Grande do Sul, não se tratando de gafanhotos migratórios presentes na Argentina.
“As culturas comerciais de grãos, como milho e soja, atualmente implantadas em condições de estresse hídrico, não apresentam danos significativos causados pelo inseto. No entanto, a incerteza em relação ao clima e o desconhecimento dos hábitos dos gafanhotos podem gerar preocupação entre os agricultores”, destaca Rita Grasselli, chefe da Divisão de Defesa Sanitária Vegetal.
A recomendação para os agricultores é para permanecer em alerta em relação a novos focos e que, em caso de alta infestação associada a danos verificados nas lavouras, entrar em contato com a Inspetoria de Defesa Agropecuária do seu município ou com a Emater. E também através do email: [email protected]
Além de Ajuricaba, foram feitas 19 vistorias nos municípios de Coronel Bicaco, Nova Ramada, Santo Augusto e São Valério do Sul neste ano de 2021.
A SEAPDR é participante do Comitê de Emergência Fitossanitária para Schistocerca cancellata, conforme Portaria de Emergência MAPA nº 201/2020 e Instrução Normativa SEAPDR nº 17/2020 e, por isso, tem realizado vistorias de monitoramento de populações acridianas em áreas agrícolas do Rio Grande do Sul.
Fonte: SEAPDR
Foto: André Ebone/Divulgação SEAPDR
Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Agro

Preço ao produtor de leite teve queda real de 5% neste ano

Publicado

em



A pesquisa do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, mostra que o preço do leite captado em outubro e pago aos produtores em novembro recuou 6,2% e chegou a R$ 2,1857/litro na “Média Brasil” líquida, uma retração de 2,5%, em comparação ao mesmo mês do ano passado.

É a segunda queda consecutiva dos preços no campo. Com isso, a variação acumulada em 2021 (de janeiro a novembro) está, pela primeira vez neste ano, negativa, em 5%, em termos reais.

A pesquisa do Cepea mostra que, de setembro para outubro, o Índice de Captação Leiteira (ICAP-L) recuou 0,87% na “Média Brasil”.

Os dados mostram que, mesmo com o retorno das chuvas da primavera, que favorecem a disponibilidade de pastagem, a produção de leite segue limitada neste ano pelo aumento dos custos de produção e por consequentes desinvestimentos na atividade.

CUSTO DE PRODUÇÃO
De janeiro a outubro, o poder de compra do pecuarista frente ao milho, insumo essencial para a alimentação animal, recuou, em média, 29,5% – no ano passado, enquanto o pecuarista leiteiro precisava de, em média, 33 litros de leite para adquirir uma saca de milho de 60 kg (com base no Indicador ESALQ/BM&FBovespa, Campinas – SP), em 2021, são precisos 43 litros para a mesma compra.

Os preços dos grãos registraram quedas recentemente, mas o patamar ainda está elevado. Segundo o Cepea, outros importantes insumos da atividade leiteira também encareceram de forma intensa, como é o caso dos adubos e corretivos, combustíveis e suplementos minerais.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PORTAL PLURAL LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2022 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×