Escolas particulares perdem um terço das matrículas na pandemia – Portal Plural
Connect with us

Ensino

Escolas particulares perdem um terço das matrículas na pandemia

Instituições mais afetadas são as de pequeno e médio porte

Publicado

em

© Studio Formatura/Galois


As escolas particulares perderam, com a pandemia, cerca de um terço das matrículas em todo o país, de acordo com relatório produzido pelo Grupo Rabbit, consultoria de gestão escolar. As instituições mais afetadas foram as de pequeno e médio porte, com até 180 alunos. 

A estimativa é baseada nos dados do Censo Escolar de 2018 e em pesquisa feita com mais de 1,2 mil escolas em todo o Brasil entre setembro de 2020 e março de 2021. Ao todo, estima-se que 2,7 milhões de estudantes tenham deixado as escolas privadas, o que representa 34% dos alunos dessas instituições de ensino.

As escolas mais afetadas foram aquelas de pequeno e médio porte, com até 180 alunos, que compõem a maior fatia do mercado. Elas chegaram a perder de 38% a 41% de suas matrículas, respectivamente, de acordo com o relatório. Já aquelas com mais de 550 alunos foram proporcionalmente menos prejudicadas, conseguindo reter cerca de 80% das matrículas.

A estimativa é que cerca de um terço dos estudantes que deixaram as instituições particulares tenha migrado para escolas públicas. Outros dois terços permanecem sem perspectiva de estudo, sendo a maioria, mais jovem.

“A pandemia foi acachapante para todos setores produtivos”, disse o presidente da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), Ademar Batista. “Acredito que houve uma perda de alunos, a crise é grande, as pessoas estão com dificuldade de pagar”.

Segundo Batista, no entanto, a Fenep acredita que as perdas foram menores do que a estimada no levantamento. Ele afirma que só se saberá ao certo quantos estudantes deixaram as escolas particulares com os dados do Censo Escolar 2020 e 2021. Segundo o presidente da Fenep, muitas das famílias, com a suspensão das aulas presenciais, sobretudo na educação infantil, retiraram as crianças das escolas particulares. Esses estudantes devem retornar, quando a situação melhorar.

“No ano passado, as escolas tiveram mais dificuldade, mas se estruturaram, se adaptaram, fizeram formações, contrataram plataformas [para ensino online]. Temos um protocolo seguro. As escolas estão estruturadas e os alunos estão aprendendo”, diz, Batista.

Retomada

O relatório mostra ainda que, desde o início deste ano, a procura por colégios particulares cresceu 88%. Essa busca, no entanto, ainda aquém do registrado no cenário pré-pandêmico. De acordo com a consultoria, a procura agora é maior por escolas menores por fatores socioeconômicos, que fizeram com que muitas famílias reduzissem a renda na pandemia e por essas escolas serem mais acessíveis.

Enquanto colégios com mais de 500 alunos chegaram a um crescimento de 16%, as escolas com até 150 estudantes tiveram o dobro de crescimento da matrícula desde setembro do ano passado.

“Hoje, as escolas todas, inclusive as de educação infantil, se prepararam, seguindo os protocolos estaduais e municipais de saúde”, ressaltou o vice-presidente da Associação Brasileira de Educação Infantil (Asbrei), Frederico Venturini. O ensino infantil perdeu muitas matrículas, segundo ele, pela dificuldade de se adaptar ao ensino remoto. As crianças, nessa etapa, têm até 5 anos de idade e o ensino é voltado para a convivência e para o brincar.

“Foi um erro do país inteiro deixar as crianças afastadas da escola. O que estamos vendo agora é uma conscientização maior, inclusive das famílias, da necessidade desses alunos retornarem ao ambiente escolar”, defende, Venturini. De acordo com ele, as escolas estão usando estratégias como aulas em espaços externos para reduzir o risco de contágio pelo coronavírus, além do uso de máscaras, do distanciamento, da higienização e ensino híbrido – mesclando aulas presenciais e ensino remoto.

A inclusão de professores e trabalhadores em educação como grupo prioritário na vacinação é também um fator que anima o setor. Essa é uma das demandas de educadores e funcionários do setor público e privado para um retorno mais seguro às salas de aula.

ebc

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ensino

Provas Presenciais do Vestibular de Inverno da FEMA acontecem nesta sexta e sábado

Publicado

em



As provas PRESENCIAIS do Vestibular de Inverno das Faculdades Integradas Machado de Assis (FEMA) acontecem nos dias 11 e 12 de junho, na Unidade III. Os candidatos que optaram por essa forma de ingresso disputam por vagas nos Cursos Superiores em Administração, Ciências Contábeis, Direito, Enfermagem, Gestão de Recursos Humanos e Gestão da Tecnologia da Informação.

Já quem optou pela prova de redação ON-LINE receberá o link www.fema.com.br/processoseletivo/prova no comprovante de inscrição e no e-mail. O link vai permitir o acesso ao ambiente da redação que deverá ser feito com o preenchimento do nome e do CPF. O link, quando acessado, ficará aberto por duas horas para concluir a redação. Esgotado o período, o ambiente será fechado e a prova será considerada concluída.

Vale destacar que as inscrições podem ser feitas até sexta-feira, dia 11 de junho no site www.fema.com.br.

A prova de redação, tanto online como presencial, será do tipo NARRATIVA.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Ensino

IFFar oferta 50 vagas para curso gratuito de Introdução à Eletrônica Digital

Publicado

em



O IFFar – Campus Santa Rosa, por meio do Edital nº 89/2021, abre inscrições para o curso de extensão gratuito Introdução à Eletrônica Digital, na modalidade a distância.

O curso objetiva apresentar aos participantes os conceitos básicos de eletrônica digital, sistemas de numeração e portas lógicas. A formação obtida neste curso possibilitará a evolução nos estudos em direção a novas formações voltadas à programação de microcontroladores, automação residencial e industrial, manutenção de equipamentos eletroeletrônicos, entre outros.

São oferecidas 50 vagas. As inscrições ocorrem até 09 de junho. A seleção será realizada por meio de ordem de inscrição, classificando automaticamente os primeiros inscritos.

Para se inscrever, o candidato precisa preencher o formulário on-line, através do link:

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSeU5HpA18Krw4YS9CivsyKanU0NzW17xrXy4G9JKgCi3LuGXQ/viewform

O curso é gratuito e tem carga horária de 40 horas, com aulas síncronas, às 19h, e assíncronas. O participante que obtiver 80% de frequência terá direito a um certificado de participação.

A previsão para o início das aulas é dia 10 de junho. Mais informações através do e-mail: [email protected]

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Ensino

Ministro da Educação diz em rede social que o Enem 2021 será realizado nos dias 21 e 28 de novembro

Publicado

em



 

 

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse no Twitter que a edição 2021 do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), impressa e digital, será realizada nos dias 21 e 28 de novembro.

 

A inscrição para a prova, segundo o ministro, ocorrerá entre 30 de junho e 14 de julho. Ele afirma que os editais com as principais informações sobre a prova serão publicados no Diário Oficial da União ainda nesta semana.

“Conforme eu já havia anunciado dias atrás, o Enem 2021 acontecerá e será aplicado neste ano. As provas serão aplicadas nos dias 21 e 28 de novembro, para as versões impressa e digital. É isso mesmo! A mesma prova, nas mesmas datas, para as duas modalidades”, disse Ribeiro em um post.

“A segurança e a isonomia do Enem serão sempre mantidas pelo Inep e pelo MEC”, afirmou o ministro em uma segunda postagem. A edição de 2020 passou por problemas como o adiamento do exame, devido à pandemia, salas lotadas em que alunos foram barrados para que fosse possível manter o distanciamento social, e suspensão da aplicação no Amazonas e cidades de Rondônia, devido à alta de casos da pandemia.

Na última edição, 5,7 milhões de candidatos estavam confirmados para fazer a prova do Enem. A abstenção foi recorde: mais da metade (55,3%) não compareceu.

Corrida contra o tempo

O possível adiamento para 2022 chegou a ser confirmado pela presidente do Conselho Nacional de Educação. No mesmo dia, documentos internos mostraram que a avaliação estava marcada para 16 e 23 de janeiro de 2022 com o uso de termos como “ratifica” e “datas definidas”. Milton Ribeiro afirmou depois que eram apenas “conversas de bastidores”.

O governo terá que correr para cumprir os prazos de elaboração das provas para a realização nesses dois dias de novembro. Pessoas familiarizadas com o processo de organização do Enem disseram em meados de maio que o prazo é “apertado” ou até “impossível” de ser cumprido.

Também ressaltam que, caso as etapas de impressão e distribuição das provas sejam aceleradas para garantir a realização em 2021, é possível que haja comprometimento da qualidade e segurança.

Falta uma definição mais clara do orçamento: por enquanto, há R$ 200 milhões para cumprir a etapa do planejamento, o que não inclui a aplicação da prova. Entre as metas globais para o ano do Inep, a aplicação do exame não estava prevista.

Em 2020, para se ter uma ideia, esse edital foi publicado no “Diário Oficial da União” em 22 de abril, e as inscrições ocorreram de 11 a 22 de maio. Ainda se planejava aplicar inicialmente o Enem em 1º e 8 de novembro de 2020.

A definição do cronograma do Enem interfere em diversas outras agendas. Em 2020, o adiamento do exame, de novembro para janeiro deste ano, atrasou o calendário do Sisu (Sistema de Seleção Unificada).

A divulgação dos jovens aprovados saiu depois que o semestre nas universidades já estava em andamento. Também prejudicou quem queria se inscrever no Prouni e Fies, programas de acesso ao ensino superior, que tiveram inscrições abertas antes da divulgação das notas do Enem.

Enem digital

O Enem digital, que teve a primeira aplicação na edição de 2020, com 96 mil inscritos, ainda não teve a definição de quantas vagas serão oferecidas para esta modalidade neste ano.

Quando anunciou a prova em computadores, o MEC estimava elevar o número de inscritos ano a ano, até tornar o Enem 100% digital em 2026. Caso o governo anuncie mais vagas para as provas digitais, será preciso levantar locais para aplicá-las. As provas digitais do Enem não são feitas na casa dos estudantes. Elas são aplicadas em computadores localizados em salas de aplicação, sem conexão à internet.

 

FONTE: O Sul

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×